Indução profissional e o início do trabalho docente: debates e necessidades

Autores

  • Giseli Barreto da Cruz Universidade Federal do Rio de Janeiro http://orcid.org/0000-0001-5581-427X
  • Isabel Maria Sabino de Farias Universidade Estadual do Ceará
  • Márcia de Souza Hobold Universidade Federal de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.14244/198271994149

Palavras-chave:

Formação de professores, Inserção profissional docente, Indução profissional docente, Trabalho docente.

Resumo

Este escrito, em forma de um ensaio teórico, objetiva problematizar o conceito de indução profissional docente, reflexão desenvolvida em diálogo com a análise sobre as possibilidades e fragilidades que permeiam o começo da carreira docente. O artigo parte da distinção dos termos inserção profissional, professores iniciantes, professores principiantes, professores ingressantes e indução docente, todos articulados ao campo da formação de professores. Neste percurso discute concepções e políticas de indução profissional docente na busca por evidenciar a indução não como uma forma de induzir os professores em início de carreira à continuidade no trabalho docente, mas como um constructo que reconhece e defende a necessidade de que esses professores tenham espaço de formação, acolhimento e acompanhamento de sua atuação profissional. Argumenta-se que o conceito de indução entre nós não pode ser incorporado sem uma compreensão crítica em relação às condições objetivas e subjetivas de trabalho vividas pelos professores, as quais, em muitos países estrangeiros, são bem mais adequadas do que na realidade brasileira. As análises deste ensaio encontram-se sustentadas nos estudos de: Alarcão e Roldão; Cochran-Smith; Lima; Marcelo; Marcelo e Vaillant; Vaillant.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Giseli Barreto da Cruz, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Professora da do Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Educação da UFRJ. Doutora em Educação pela PUC-Rio. Estágio Pós-Doutoral (PDJ/CNPq) na PUC/SP. Coordenadora do LEPED - Laboratório de Estudos e Pesquisas em Didática e Formação de Professores dda UFRJ.

Isabel Maria Sabino de Farias, Universidade Estadual do Ceará

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Ceará (UFC), com estágio pós-doutoral pela UNB. Licenciada em Pedagogia pela Universidade Estadual do Ceará (UECE). Professora associada da UECE, vinculada ao Curso de Pedagogia e ao Programa de Pós-Graduação em Educação (Mestrado e Doutorado). Coordenou o Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência - PIBID na UECE (2010 a 02/2014). Vice-presidente Nordeste da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação - ANPEd (2015-2019). Líder do grupo de pesquisa Educação, Cultura Escolar e Sociedade (EDUCAS), onde desenvolve estudos sobre desenvolvimento profissional docente, inovação e docência. Coordena o Observatório sobre Desenvolvimento Profissional e Inovação Pedagógica, iniciativa apoiada pelo OBEDUC/CAPES.

Márcia de Souza Hobold, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutora em Educação (Psicologia da Educação), pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUC SP. De 2013 a 2015 realizou seu Estágio de Pós-doutoranda, na PUC SP, com bolsa do CNPq, sob supervisão da Professora Marli André. Atualmente é Professora efetiva de Didática do Departamento de Metodologia de Ensino e do Programa de Pós-Graduação em Educação - PPGE, do Centro de Ciências da Educação - CED, da Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC. Foi professora da Universidade da Região de Joinville - UNIVILLE (2008-2017), atuando no Departamento de Psicologia e no Programa de Mestrado em Educação. Atuou como coordenadora do Programa de Mestrado em Educação, da UNIVILLE, por quatro anos (2013 a 2016), e mais dois anos como vice-coordenadora (2011-2012). No Programa de Mestrado em Educação lecionou as disciplinas obrigatórias da linha de pesquisa trabalho e formação docente. Foi vice-coordenadora do GT 8 (Formação de Professores), gestão 2017-2018 e, atualmente, é a coordenadora do GT 8, nos anos de 2018-2019. Desenvolve pesquisas sobre a formação de professores (inicial e continuada), Didática (práticas de ensino), condições de trabalho, início da docência, profissionalidade, identidade e saberes docentes. Atuou por dezoito anos no Ensino Fundamental e no Ensino Médio, exercendo as funções de professora, Orientadora Educacional e Coordenadora Pedagógica. Desde 2005, integra o Núcleo de Pesquisa sobre o Desenvolvimento Profissional dos Professores do Programa de Educação - Psicologia da Educação da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUC SP. Coordena o Grupo de Estudos e Pesquisa: Formação de Professores e Práticas de Ensino - FOPPE, da UFSC. Também integra a Rede Interinstitucional de Pesquisas sobre a Formação e as Práticas Docentes (RIPEFOR). ORCID https://orcid.org/0000-0002-4179-608X

 

Referências

ALARCÃO, Isabel; ROLDÃO, Maria do Céu. Um passo importante no desenvolvimento profissional dos professores: o ano de indução. Formação Docente, Belo Horizonte, v. 6, n. 11, p. 109-126, ago/dez, 2014.

ANDRÉ, Marli. Políticas e programas de professores iniciantes no Brasil. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 42, n. 145, p. 112-129, jan./abr, 2012.

BELL, Judith. Revisão Teórica. In: ______. Projeto de Pesquisa: Guia para pesquisadores iniciantes em Educação, Saúde e Ciências Sociais. 4. ed. Porto Alegre: Artmed, 2008, p. 89-99 (Capítulo 6).

BOLAM, Ray et al. The Induction of Newly Qualified Teachers in Schools: where next? British Journal of In-Service Education, Londres, v. 21, (3), p. 247-260, 1995.

CAMPELO, Talita da Silva; CRUZ, Giseli Barreto da. “Deprivatizacion of practice” como estratégia de formação inicial docente no PIBID Pedagogia. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara - SP, v. 14, n. 1, p. 169-187, jan./mar., 2019.

COCHRAN-SMITH, Marilyn. A tale of two teachers: Learning of teach over time. Kappa Delta Pi Record, Indianápolis, vol. 48, 3, p. 108-122, july-sept, 2012.

COCHRAN-SMITH, Marilyn; LYTLE, Susan. Relationships of Knowledge and Practice: teacher learning in communities. Review of Research in Education, USA, n. 24, p. 249-305, 1999.

COSTA, Elana Cristiana dos Santos. Perspectivas de indução profissional docente nas relações entre Equipe de Articulação Pedagógica e Professor Iniciante na Rede Municipal de Educação de Niterói/RJ. Projeto de tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: UFRJ, 2018.

CRUZ, Giseli Barreto da. Pesquisa COM Professores Iniciantes: Um estudo sobre indução profissional. Projeto de Pesquisa. Rio de Janeiro: UFRJ, 2018, p.38.

GIOVANNI, Luciana Maria; GUARNIERI, Maria Regina. Pesquisas sobre professores iniciantes e as tendências atuais de reforma da formação de professores: distância, ambiguidades e tensões. In: Professores Iniciantes: diferentes necessidades em diferentes contextos. Araraquara, SP: Junqueira & Marin, 2014, p. 33 a 44.

HUBERMAN, Michaël. On teachers careers: once over light, with a broad brush. International Journal of Educational Research, v. 13, n. 4, p. 347-362, 1989.

HUBERMAN, Michaël. O ciclo de vida professional dos professors. In: NÓVOA, Antònio (org.). Vidas de professores. Porto: Porto Editora, 1995, p. 31-61.

LIMA, Emília Freitas de. A construção do início da docência: reflexões a partir de pesquisas brasileiras. Revista do Centro de Educação. Universidade Federal de Santa Maria, RS, v, 29, n. 2, p. 85-98, 2004.

LIMA, Emília Freitas de (org.). Sobrevivências no início da docência. Brasília: Líber Livro Editora, 2006, 104 p.

LIMA, Emília Freitas de Lima et al. Sobrevivendo ao início da carreira docente e permanecendo nela: Como? Por quê? O que dizem alguns estudos. Educação e linguagem. São Paulo, v.10, n. 15, p.138-160, jan/jun, 2007.

MAANEN, John Van; SCHEIN, Edgar. Toward a Theory of Organizational Socialization. Research in Organizational Behavior, Reino Unido, vol. 1, p. 209-264, 1979.

MARCELO GARCIA, Carlos. Investigaciones y experiencias: el primero año de enseñanza. Análises del proceso de socialización de profesores principiantes. Revista de educación, Sevilha/ES, n. 300, p. 225-277, 1993.

MARCELO GARCIA, Carlos. Estudio sobre estrategias de inserción profesional en Europa. Revista Iberoamericana de Educación, Madrid/ES, n. 19, p. 101-143, 1999a.

MARCELO GARCIA, Carlos. Formação de professores: para uma mudança educativa. Tradução Isabel Narciso. 1ª ed. Portugal: Porto Editora,1999b, 272 p.

MARCELO GARCIA, Carlos. Políticas de Inserción a la docencia: Del eslabón perdido al puente para el desarollo profesional docente. Taller Internacional: Conversemos sobre Educación. Bogotá, 2006. (p.1-35).

MARCELO, Carlos; VAILLANT, Denise. Ensinando a ensinar: as quatro etapas de uma aprendizagem. Curitiba: Ed. UTFPR, 2012.

MARCELO, Carlos; VAILLANT, Denise. Políticas y programas de inducción em la docência em latinoamerica. Caderno de Pesquisa, São Paulo, nº 166, p. 1224 a 1249, out-dez, 2017.

MIRA, Marilia Marques; ROMANOWSKI, Joana Paulin. Programas de inserção profissional para professores iniciantes: revisão sistemática. Formação Docente, Belo Horizonte, v. 07, n. 13, p. 85-98, ago./dez. 2015.

NONO, Maévi Anabel. Professores iniciantes: o papel da escola em sua formação. Porto Alegre: Editora Mediação, 2011.

NÓVOA, Antònio. Formação de professores e profissão docente. In: NÓVOA, A. (Org.). Os professores e a sua formação. Portugal, Lisboa: Dom Quixote, 1992, p. 15-34.

RODRIGUES, Roberlúcia Alves. Professores iniciantes egressos do PIBID em ação: aproximações à sua prática profissional. 2017, 136f. Dissertação (Mestrado em Educação) – UECE, Fortaleza, 2017.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. 16ª ed. Petrópolis/RJ: Vozes, 2014.

VAILLANT, Denise. Políticas de inserción a la docencia en America Latina: la deuda pendiente. Profesorado. Revista de Curriculum y Formación del Profesorado, Sevilha/ES, v. 13, n. 1, p. 27-41, 2009.

VEENMAN, Simon. Perceived Problems of Beginning Teachers. Review of Educational Research, USA, v. 54, n. 2, p. 143-178, 1984.

VONK, J.H.C. A Knowledge Base for Mentors of Beginning Teachers: Results of a Dutch Experience. R. Mc Bridge (ed.). Teacher Education Policy, London, Falmer Press, p.112-134, 1996.

WONG, Harry K. Induction Programs That Keep New Teachers Teaching and Improving. NASSP Bulletin, v. 88, n. 638, p. 41-58, march, 2004.

Publicado

09-10-2020

Como Citar

CRUZ, G. B. da; FARIAS, I. M. S. de; HOBOLD, M. de S. Indução profissional e o início do trabalho docente: debates e necessidades . Revista Eletrônica de Educação, [S. l.], v. 14, p. e4149114, 2020. DOI: 10.14244/198271994149. Disponível em: https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/4149. Acesso em: 14 jun. 2024.

Edição

Seção

Dossiê Formação e inserção profissional de professores iniciantes: conceitos e práticas
##plugins.generic.dates.received## 2020-04-13
##plugins.generic.dates.accepted## 2020-06-03
##plugins.generic.dates.published## 2020-10-09