https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/issue/feed Revista Eletrônica de Educação 2023-12-11T16:36:18+00:00 Editoria da Revista reveduc@ufscar.br Open Journal Systems <p><strong>Prezados/as,</strong></p> <p><strong>A Revista Eletrônica de Educação (REVEDUC) informa que novas submissões para a "Demanda Contínua" estão suspensas temporariamente.</strong></p> <p><strong>No momento, a revista está recebendo apenas submissões para o Dossiê temático "Para Pensar a Docência na Educação Básica". Prazo: 28/02.</strong></p> <p><strong>Equipe Editorial REVEDUC</strong></p> <p><a href="https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/announcement/view/48">Prorrogação do prazo para submissões de trabalhos para o Dossiê temático: Para Pensar a Docência na Educação Básica até dia 28/02/24.</a></p> <p><a href="https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/issue/view/45">Dossiê Formação de Professores que Ensinam Matemática</a></p> <p><a href="https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/issue/view/45">Dossiê Políticas Educativas e Perspectivas Formativas Pós-Covid-19</a></p> <p><a href="https://web-09.ufscar.br/reveduc/ojs-3.3.0-8/index.php/reveduc/announcement/view/3" target="_blank" rel="noopener">Seções desativadas na Revista Eletrônica de Educação a partir de março de 2020.</a></p> <p> </p> https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/6409 Carta ao Leitor 2023-04-10T23:24:07+00:00 Aline Maria de Medeiros Rodrigues Reali alinereali@gmail.com 2023-04-11T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2023 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/4304 Potências da iniciação à docência: PIBID, PRP e a inserção de licenciandos/as em contextos profissionais 2020-05-13T20:58:51+00:00 Verônica Domingues Almeida veedomingues@gmail.com Cilene Nascimento Canda cilenecanda@yahoo.com.br <p>Este artigo é resultante de uma pesquisa que versa sobre as potencialidades da iniciação à docência para a inserção de licenciandos/as em contextos profissionais na Educação Básica. Situada em uma abordagem metodológica contrastiva, de natureza qualitativa, a investigação levantou unidades de significação recorrentes nos depoimentos de 48 estudantes-bolsistas para compreender experiências formativas ocorridas no curso de Pedagogia da Universidade Federal da Bahia, entre 2018 e 2020, no âmbito do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID e do Programa Residência Pedagógica (PRP). O foco da análise interpretativa esteve voltado aos sentidos, significados e saberes experienciais produzidos e acionados pelos/as estudantes em seus processos formativos. A pesquisa partiu do pressuposto da formação como processo contínuo e experiencial e, desse modo, indica que a iniciação à docência, oportunizada pelos referidos Programas, não deve ser considerada um momento estanque do esteio formativo. Como resultados, aponta-se que a iniciação à docência se mostrou potente para a inserção profissional, por contribuir para a construção da profissionalidade docente, favorecendo experiências formativas alicerçadas por saberes elaborados no exercício da docência e nas relações entre universidade e escola, além da construção de princípios, valores e concepções de educação. Conclui-se que, apesar de omissões quanto à concepção de formação, tais Programas oportunizam situações concretas de produção e acionamento de saberes sobre a realidade escolar, a partir da reflexão-ação sobre/na prática educativa, aspectos importantes para a inserção profissional do/a pedagogo/a na Educação Básica.</p> <div><br clear="all" /> <div> <p> </p> </div> </div> 2023-04-11T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/4343 A inserção na docência por egressos do PIBID: da formação aos desafios da vida profissional 2020-05-05T10:37:04+00:00 José Ângelo Gariglio angelogariglio@hotmail.com Lorene dos Santos lorenedossantos@gmail.com <p>Este trabalho apresenta resultados de uma pesquisa que discute o processo de inserção na carreira docente por egressos do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência – PIBID. Buscou-se conhecer a percepção dos sujeitos investigados sobre as contribuições do PIBID para sua formação, indagando sobre aprendizados e saberes construídos, e experiências consideradas mais significativas. Foi perguntado sobre os motivos de alguns não terem ingressado no magistério, e sobre os contextos e condições de trabalho daqueles que se tornaram professores, procurando conhecer suas primeiras experiências como docente. A pesquisa foi desenvolvida por meio de um questionário eletrônico, respondido por 103 egressos do PIBID que concluíram diferentes licenciaturas, em quatro universidades mineiras, entre 2012 e 2018. Os resultados mostram ser majoritário o número de egressos que está atuando ou já atuou na docência. A imensa maioria dos pesquisados considera que o PIBID contribuiu muito para sua formação, e ressaltam como aspectos centrais os aprendizados da prática profissional, como saber planejar, avaliar, dar aulas, desenvolver metodologias inovadoras e conhecer a realidade da cultura escolar, além de ter se constituído como momento de construção da identidade e afirmação da escolha pelo magistério. Os ingressantes na carreira reconhecem estar vivendo uma fase de descobertas, associadas ao enfrentamento de desafios e dificuldades. A pesquisa confirma o que tem sido apontado por estudos sobre início de carreira, mas também permite reconhecer que programas de formação como o PIBID contribuem para minimizar os efeitos do chamado “choque de realidade” e potencializar experiências de descoberta da profissão.</p> 2023-04-11T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/5656 Mediação escolar nas escolas estaduais paulistas: análise do trabalho a partir da revisão bibliográfica 2022-05-07T16:40:38+00:00 Daiana Aparecida Del Bianco daiana.delbianco@unesp.br Maria José da Silva Fernandes mj.fernandes@unesp.br <p>Este artigo tem o objetivo de apresentar o processo e os resultados de uma revisão bibliográfica que resultou em pesquisa sobre a atuação profissional dos docentes que exercem a função de Professor Mediador Escolar e Comunitário (PMEC) no contexto da escola pública estadual paulista. A função, criada em 2010, apesar de recente, despertou interesse no meio acadêmico. A partir do processo de revisão bibliográfica foi possível verificar os caminhos percorridos por pesquisadores brasileiros, identificar relações e contradições existentes nos trabalhos e definir eixos de análise temática. Neste artigo, especificamente, será discutido o processo de implementação da função de PMEC, a formação necessária aos docentes, as dificuldades encontradas no trabalho, as atribuições legais e a relação estabelecida com os demais sujeitos escolares. Como principais resultados constatou-se que a implementação da função de PMEC deu-se sem um diálogo anterior com a comunidade escolar, acarretando pouco conhecimento por parte dos sujeitos escolares sobre as atribuições a serem exercidas. O acesso à função não levou em conta o perfil do docente, nem foi oferecida institucionalmente uma formação específica sobre a mediação de conflitos. O PMEC, individualmente, busca seu espaço de trabalho e sofre com o não reconhecimento das suas atribuições no ambiente escolar. Apesar das dificuldades, as pesquisas identificaram que, após a criação da função, foram constatados aspectos positivos nas relações interpessoais nas escolas.</p> 2023-04-11T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/5533 Formação de professores e altas habilidades ou superdotação: evidências em planos de disciplinas de Pedagogia 2022-05-05T21:48:03+00:00 Josilene Domingues Santos Pereira josidomingues.ifba@gmail.com Rosemeire de Araújo Rangni rose.rangni@ufscar.br <p>Vários estudos relatam fragilidades na formação dos professores da Educação Básica em relação aos conhecimentos sobre altas habilidades ou superdotação (AHSD) e defendem a necessidade de que conteúdos sobre essa temática sejam contemplados na formação docente. Este artigo tem como objetivo analisar os planos das disciplinas curriculares da área da Educação Especial, buscando identificar se conhecimentos sobre AHSD estão sendo planejados e quais seus significados para formação inicial de professores dos cursos de Pedagogia, dos três <em>campi,</em> da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, no Brasil. Desenvolveu-se uma pesquisa documental, por meio da técnica de análise de conteúdo dos planos de disciplina dos Cursos de Pedagogia<em>.</em> Os resultados apontaram que apenas um <em>campus</em> mencionou os conteúdos sobre as AHSD e indicou referencial teórico específico. Os dados indicaram que conhecimentos sobre essa temática não têm sido planejados como proposta de estudo nos cursos de formação inicial nessa instituição, revelando uma rede de significados (equívocos teóricos e inadequação terminológica, contradições entre as seções do plano, fragilidades nos saberes do professor formador e do professor em formação, ausência de objetivos para a formação inicial do professor e de referenciais teóricos da área, confirmando os resultados de outros estudos acerca da invisibilidade de estudantes com AHSD no Brasil. Conclui-se que devem ser trabalhados conhecimentos sobre essa temática desde a formação inicial do professor, como um direito ético e público dos indivíduos com potencial superior e como caminho para o reconhecimento de suas necessidades educacionais no contexto de uma educação para a diversidade e inclusão.<br /><br /></p> 2023-04-11T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/5478 Resolução de problemas no ensino de matemática: reflexões sobre o conhecimento de pedagogos 2022-05-05T20:29:36+00:00 Maria Eliza Sitolino Leonardo eliza_mat@hotmail.com Marcelo Carlos Proença mcproenca@uem.br <p>Este artigo tem como objetivo analisar o conhecimento de professores dos anos iniciais do ensino fundamental sobre a resolução de problemas no ensino de matemática. Participaram da pesquisa nove professores pedagogos dos anos iniciais do ensino fundamental da rede municipal de ensino de Teodoro Sampaio/SP. A pesquisa é exploratória e de natureza qualitativa. Os dados foram coletados por meio de um questionário e entrevista semiestruturada aplicados aos participantes da pesquisa. O questionário procurou investigar como os professores utilizam a resolução de problemas em suas aulas, e, na entrevista, foram apresentadas aulas com resolução de problemas para que o professor justificasse sua escolha em uma das abordagens apresentadas, a saber: ensino para resolução de problemas; ensino sobre resolução de problemas e ensino via resolução de problemas. Os resultados mostraram que, muitas vezes, os professores apresentam dificuldades em compreender a resolução de problemas no ensino e que ainda acreditam que o conteúdo deve ser ensinado, para então, depois, serem aplicados problemas a serem resolvidos. Conclui-se que são relevantes mais pesquisas que abordem a utilização da resolução de problemas no ensino, bem como abordem a oferta de formação continuada de professores para tratar da resolução de problemas no ensino de matemática.</p> 2023-04-11T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/4717 Políticas públicas para formação de professores do Sistema Prisional do Estado de Minas Gerais 2022-04-30T17:41:45+00:00 Roselaine de Jesus Medeiros Silva roselainejmsilva@gmail.com Vera Lúcia Nogueira vlnogueira2010@gmail.com <p>Este artigo apresenta uma discussão sobre as principais políticas públicas para a formação dos professores que atuam nas Unidades Prisionais do Estado de Minas Gerais. As análises são orientadas pela abordagem do Ciclo de Políticas Públicas, especialmente a partir dos trabalhos de Jefferson Mainardes (2006). Neste estudo, são considerados documentos nacionais e, em especial, os Planos Estaduais para Educação nas Prisões (2012 e 2015), importantes instrumentos que fazem um diagnóstico e a promoção da Educação Prisional. As políticas públicas educacionais voltadas para o Sistema Prisional são articuladas pela Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública do Estado de Minas Gerais (SEJUSP/MG) e Secretaria de Estado de Educação do Estado de Minas Gerais (SEE/MG). Permitiu-se, por meio da análise documental, verificar e identificar como são apresentadas as ações para a formação específica dos professores. A partir dos levantamentos realizados foi possível concluir que o Estado de Minas Gerais conta com produções legislativas e normativas que projetam múltiplas dimensões e intencionalidades de modo a estruturar as condições de viabilização da educação nas prisões, no entanto, no tocante à promoção de ações específicas para a formação dos professores que atuam nesses contextos prisionais, as políticas públicas mineiras deixam uma grande lacuna e muitas interrogações.</p> <p><br /><br /></p> 2023-04-11T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/4797 A pauta conservadora do projeto Escola sem Partido como expressão da hegemonia burguesa 2022-04-30T21:08:42+00:00 Aldimara Catarina Brito Delabona Boutin audiboutin@hotmail.com Simone de Fátima Flach eflach@uol.com.br Carina Alves da Silva Darcoleto carinadarcoleto@hotmail.com <p>A partir da matriz teórica do Materialismo Histórico e Dialético, este artigo tem como objetivo apresentar reflexões sobre a pauta conservadora que pretende se tornar hegemônica por meio de Projetos de Lei que pretendem instituir o Programa Escola sem Partido (ESP) em todos os sistemas de ensino do Brasil. A análise sobre as implicações dessa iniciativa conservadora está sustentada nas categorias gramscianas de Hegemonia e Consenso. Para tanto, o texto aponta como a categoria Hegemonia pode contribuir para a formação de um consenso passivo que fragmenta a luta e a consciência de classe de modo a dar legitimidade aos interesses particulares da classe dominante; tece considerações sobre os fundamentos do pensamento conservador e a pauta norteadora da ESP. Por fim, indica que o projeto de manutenção da hegemonia capitalista, pela via da educação, não está descolado da lógica que rege as perspectivas norteadoras do conservadorismo e que o Programa ESP impede o desvelamento sobre a manutenção do capitalismo como sistema societário hegemônico. Portanto, aos sujeitos comprometidos com a superação da desigualdade social e exploração que norteia o modo de produção capitalista, resta um duro processo de resistência às investidas conservadoras e a constante luta por uma sociedade em que vigore a justiça e a igualdade social. </p> <p><br /><br /></p> 2023-04-11T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/4824 Ensino de/para “felicidade” em universidades brasileiras: reflexões com a educação positiva 2022-04-30T22:31:55+00:00 Anselmo Gonçalves da Silva anselmo.silva@ifac.edu.br Bianca Jussara Borges Clemente biancajussaraa@gmail.com <p>A formação universitária exige dos estudantes novas posturas e mais dedicação às correntes de inserção e mediação ao futuro mercado de trabalho. Nessa perspectiva, também são forjados cursos e unidades curriculares que possam atender as habilidades e competências socioemocionais nessa jornada de formação. Mediante ao cenário global e local, a educação positiva avançou nas universidades brasileiras de forma a agregar novas perspectivas de ensino aos estudantes universitários. Nos últimos anos, a oferta de unidades curriculares que evocam o termo felicidade tem surgido nas universidades brasileiras, com ampla repercussão social e midiática e no campo das instituições de ensino. Este estudo empírico visa investigar esse processo, suas características e fontes teóricas. Para tanto, utilizou-se a metodologia descritiva-exploratória, por meio de ferramenta de busca de dados disponíveis na internet e da análise de conteúdo dos dados. Os resultados mostraram a crescente influência do ramo da psicologia positiva aplicada à educação, denominada educação positiva, com impacto na criação de unidades curriculares nas universidades brasileiras. As possibilidades para a educação positiva são promissoras, embora a eficácia de resultados requeira rigor científico na aplicação e desenvolvimento de suas técnicas e deve-se incluí-la, dialogicamente, à gama de outras inovações que propõem transformações na educação e em suas instituições.</p> 2023-04-11T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/4980 “Tateios experimentais” e ato responsável: um possível diálogo entre Freinet e Bakhtin no cotidiano escolar 2022-05-01T20:05:04+00:00 Patrícia Yumi Fujisawa patyfujisawa@gmail.com Guilherme do Val Toledo Prado toledo@unicamp.br <p>O objetivo deste texto é apresentar o diálogo entretecido com a pedagogia freinetiana e os estudos bakhtinianos a partir dos “tateios experimentais” de uma professora que age na relação com seus/suas estudantes. Traremos um recorte da pesquisa de mestrado profissional da professora, evidenciando a materialidade produzida por ela e por estudantes do ensino fundamental de uma escola pública do estado de São Paulo, a partir da metodologia narrativa de pesquisa em educação. Cartas pessoais, registros de assembleias, textos livres e narrativas compõem a materialidade que será interpretada neste artigo. Esses materiais foram produzidos a partir de técnicas da Pedagogia Freinet adaptadas pela professora e pelos/as estudantes para serem incorporadas em um contexto escolar em que o uso do material apostilado é obrigatório. Em diálogo com a filosofia bakhtiniana e com as leituras de Freinet, pudemos avaliar que o material apostilado direciona a professora e os/as estudantes para o domínio de uma determinada cultura obtusa, deixando de lado o mundo da vida vivida singularmente pelos sujeitos. Quando a professora e os/as estudantes começam a “tatear experimentalmente” as técnicas freinetianas, o mundo da vida trazido pelos/as estudantes e pela professora adentra a sala de aula e contribui para que a prática docente e a produção de conhecimentos passem a ser orientada pela vida e pelas relações entre os sujeitos.</p> 2023-04-11T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/5296 Como abordar o tema consumo de animais na Educação em Ciências? 2022-05-04T20:35:36+00:00 Isabela Breder Vargas isabelabvargas@gmail.com Bárbara Dias Silveira barbaradsil@gmail.com Jordana Alves de Oliveira jordana01alves@gmail.com Nilmara Braga Mozzer nilmara@ufop.edu.br Paula Cristina Cardoso Mendonça paulamendonca@ufop.edu.br Nei Nunes-Neto neinunesneto@ufgd.edu.br <p>Considerando que a abordagem de questões sociocientíficas no ensino possibilita a mobilização de diversos conteúdos como contribuições para a resolução de problemas complexos, ressaltamos a importância da inserção explícita de conteúdos da dimensão atitudinal, relativos à ética e à moral, por meio dessa abordagem. Isso se justifica pela atenção que precisa ser dada às ações e às considerações de valor dos seres humanos em seus posicionamentos sobre essas questões. Nesse sentido, abordamos uma questão socioambiental controversa, relacionada ao consumo de animais, e fornecemos subsídios para o desenvolvimento do pensamento crítico dos estudantes frente à problemática. Os efeitos da produção de carne, das ações dos seres humanos e do valor atribuído aos animais, muitas vezes em prol do suposto benefício e bem-estar humano, são tratados na sequência didática proposta. O intuito principal deste trabalho é evidenciar, por meio de um recorte dessa sequência, o potencial da dimensão atitudinal nas questões sociocientíficas de promover a reflexão sobre valores éticos e morais, o pensamento crítico e a formação integral dos estudantes, com ênfase sobre um caso particular. Com base em uma discussão desse recorte, sustentada pela literatura do campo, argumentamos que propostas desse tipo podem contribuir para o trabalho pedagógico de professores ao lidarem com a dimensão atitudinal em sala de aula, para uma tomada de decisão mais consciente e socialmente responsável e, portanto, para o letramento científico dos estudantes.</p> 2023-04-11T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/4811 Perfil do estudante de odontologia que realizou o ENADE 2022-04-30T21:20:42+00:00 Juliana Martins Rodrigues julianamrufg@gmail.com Maria Goretti Queiroz mgorettiq@ufg.br Cláudio Rodrigues Leles claudio_leles@ufg.br Aline Lemes da Paixão Rocha nutriaIine22@gmail.com <p>Odontologia no Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade) e fatores socioeconômicos, sociodemográficos e perfil da instituição. Foram utilizados microdados do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Realizou estatística descritiva e regressão linear, considerando intervalos de confiança de 95%, estabelecendo plano amostral através do Complex Sample do SPSS 21.0. Considerou probabilidades de inclusão em cada estrato e peso amostral, testou modelos de regressão linear para amostras complexas. Os resultados obtidos revelam que 69,6% dos estudantes são do sexo feminino; 42,5% com renda de 3-10 salários mínimos; 64,8% brancos; 59,1% oriundos de ensino médio privado; 80,1% não trabalham. Cursaram até o ensino médio, 61,9% dos pais e 54,8% das mães. Nota média bruta foi de 50,75; maior entre os alunos das IES públicas e dos ingressos por políticas afirmativas (50,84). Fatores associados ao desempenho acadêmico encontrados foram: Categoria administrativa da IES, estudantes de instituições públicas têm melhor desempenho; ensino médio privado, brancos, renda familiar maior que 10 salários mínimos, ingressos por políticas afirmativas. O estudo revelou fatores que tendem a influenciar o desempenho dos estudantes no Enade, contudo, há análises necessárias que justificam a continuação do estudo, especialmente focando a trajetória acadêmica do estudante na IES.</p> 2023-04-11T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/4975 Girl Power! Compondo um currículo com as Spice Girls 2022-05-01T20:01:15+00:00 Alcidesio Oliveira da Silva Junior ateneu7@gmail.com <p>Como um acontecimento que sacudiu o mundo no final da década de 1990, as Spice Girls, consideradas o maior fenômeno da música britânica pós-Beatles, conquistaram uma legião de fãs esbanjando carisma, ousadia e diversão na onda do “feminismo popular” de figuras como Madonna. Por meio de uma análise cultural em diálogo com os estudos de gênero, os estudos da cultura pop e as teorias pós-críticas de currículo, são apresentados no artigo depoimentos de fãs da banda com o objetivo de analisar de que forma as Spice Girls operam como um currículo cultural, que aqui chamado de Currículo Girl Power, nos processos de subjetividade que se desenvolvem na relação dos/as fãs com as músicas da banda, bem como na relação estabelecida no seu fandom. Conclui-se que o Currículo Girl Power traz duas temáticas que ganham vida na performance das Spice Girls, no corpo de conhecimentos e nas práticas culturais que produziram o ser/estar no mundo destes jovens e adolescentes: a valorização da amizade e o respeito às diferenças. Como fenômeno pop feminista, as Spice Girls agenciaram experimentações com múltiplas subjetividades conectadas a elas, criando caminhos e fendas nos roteiros, modos e comportamentos de gênero e sexualidade legitimados pela cultura de seu tempo, formando uma geração.</p> 2023-04-11T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/3505 O trabalho docente no contexto das políticas de educação em tempo integral 2020-04-15T09:02:37+00:00 Samanta Antunes Kasper samanta_kasper@hotmail.com Renata Portela Rinaldi renata.rinaldi@unesp.br <p>O artigo tem como objetivo sistematizar alguns elementos para compreender como o trabalho docente é abordado nas políticas de educação em tempo integral nas esferas nacional e municipal, especificamente a partir do Plano Nacional de Educação, do Programa Mais Educação, do Programa Novo Mais Educação e do Plano Municipal de Educação de um município do Estado de São Paulo. Realizamos a análise de documentos legais e normativos que instituíram e orientaram a implementação da educação em tempo integral baseando-se nos princípios da análise de conteúdo. Destaca-se nos achados do estudo que o trabalho docente na proposta de educação em tempo integral aparece de maneira tímida. O Plano Nacional de Educação tratou dessa categoria, apenas quando considerou a ampliação progressiva da jornada de professores em uma única escola. Por outro lado, apesar de alguns aspectos limitadores, o Plano Municipal de Educação cita a expansão do efetivo trabalho escolar como medida para otimizar o tempo de permanência do estudante na escola e a ampliação progressiva da jornada de professores em uma única escola. Quando analisamos a proposta de indução à educação integral, especificamente o Programa Mais Educação e o Programa Novo Mais Educação, ambos abordaram a capacitação do professor, entretanto, em nenhum dos casos há detalhes de como ela será feita. Conclui-se que o trabalho docente é abordado superficialmente, sem detalhes de como as propostas que se dirigem ao mesmo serão colocadas em prática, mesmo aquelas que extrapolam a regência da sala de aula quando envolvem a educação em tempo integral.</p> <p> </p> 2023-05-17T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/3787 Formação stricto sensu de servidores técnico-administrativos em educação: percepção de gestores e servidores qualificados 2019-10-21T15:11:45+00:00 Vinícius Ferreira Faria viniciusffaria@gmail.com Geruza de Fátima Tomé Sabino geruzaft@hotmail.com <p>O objetivo desta pesquisa foi analisar os desdobramentos para a vida profissional e pessoal dos servidores técnico-administrativos em educação (TAE’s) do Instituto Federal do Norte de Minas Gerais (IFNMG), decorrentes de processos de qualificação em programas de pós-graduação <em>stricto sensu</em>. A análise se deu a partir das percepções de gestores e de servidores qualificados. O aporte teórico abordou teorias de gestão de conhecimentos, gestão por competências e motivação de pessoas, conceitos de eficiência, eficácia e qualidade. Utilizou-se da abordagem qualitativa e descritiva, desenvolvida por meio do Estudo de Caso, apoiado em pesquisas bibliográfica e documental. Aplicaram-se questionários aos participantes do estudo, os quais foram analisados por meio da metodologia de análise de conteúdo. Esta análise possibilitou conhecer o perfil dos servidores qualificados, identificar as principais dificuldades encontradas no processo de qualificação, que estão relacionadas à falta de tempo ou à dificuldade de conciliar trabalho com estudo, especialmente quando não é possível conseguir o afastamento. Como desdobramento para a vida dos servidores, identificou-se diversos fatores, como desenvolvimento pessoal; melhoria nas relações pessoais, nas habilidades e nas atitudes; aumento da autoestima e da autorrealização; e, o fato de o título acadêmico trazer consigo uma importância, não apenas financeira, mas também de status e de realização pessoal e profissional. Por fim, na visão da maioria dos servidores, a formação apresenta-se com muita ou total influência em suas vidas.</p> 2023-05-17T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/4829 O financiamento da educação em teses e dissertações no Nordeste brasileiro: um estudo de revisão 2022-04-30T22:36:22+00:00 Maria de Jesus Rodrigues Duarte mariajesus34533@gmail.com Rosana Evangelista da Cruz rosanacruz@ufpi.edu.br <p>O artigo tem por objetivo analisar as características e tendências da produção sobre financiamento da educação em teses e dissertações produzidas nos programas de pós-graduação em Educação das universidades federais do Nordeste, no período de 2002 a 2017. O trabalho inscreve-se no conjunto de estudos de revisão que mapeiam e analisam a produção acadêmica. De abordagem quanti-qualitativa, a pesquisa decorre de estudo documental e bibliográfico cujo <em>corpus</em> foram as teses e dissertações coletadas, exclusivamente, nos Repositórios Institucionais dos programas de pós-graduação em Educação das nove universidades federais do Nordeste brasileiro, localizadas no Maranhão (UFMA), Piauí (UFPI), Ceará (UFC), Rio Grande do Norte (UFRN), Paraíba (UFPB), Pernambuco (UFPE), Alagoas (UFAL), Sergipe (UFS) e Bahia (UFBA). A análise dos trabalhos possibilitou verificar a prevalência de dissertações, a intensificação da produção sobre o tema, principalmente a partir de 2010, e a preferência pelas temáticas que trazem, como pano de fundo, o Fundef/Fundeb. No conjunto de estudos sobre financiamento da educação, sobressaíram-se três instituições (UFPI, UFRN e UFPE) que, juntas, responderam por mais da metade das pesquisas analisadas, revelando a consolidação do tema e de orientadores nos programas de pós-graduação dessas instituições. O estudo ainda permitiu concluir que existe interesse crescente na temática foco do artigo e que há necessidade de mais estudos sobre o financiamento das etapas ou modalidades específicas da educação básica e superior, assim como de estudos de revisão que contribuam para ampliar o conhecimento sobre as políticas que asseguram materialmente a oferta educacional no Nordeste do Brasil.</p> <p><br /><br /></p> 2023-05-17T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/4857 O impacto das tecnologias digitais na formação inicial de professores sobre as suas práticas pedagógicas 2022-05-01T01:21:02+00:00 Gleice Assunção da Silva gleiceprojetos@gmail.com Daniela Karine Ramos dadaniela@gmail.com <p>Este trabalho tem por objetivo analisar as pesquisas desenvolvidas em âmbito nacional e internacional acerca do impacto da integração das tecnologias digitais na formação inicial de professores sobre suas práticas pedagógicas. Para tanto, realizou-se uma revisão sistemática da literatura com o intuito de fazer um levantamento de experiências realizadas nos últimos 10 anos, a fim de evidenciar seus principais resultados, contribuindo com novas pesquisas no âmbito da formação inicial de professores para a integração das tecnologias digitais. Os resultados foram apresentados e categorizados neste trabalho evidenciando três categorias de análise: a) revisões de literatura e de programas educacionais no campo da formação inicial de professores para o uso das tecnologias digitais; b) experiências e práticas no campo da formação inicial de professores para o uso das tecnologias digitais e c) formação inicial de professores com ênfase em competências digitais. Ilustra-se neste estudo, práticas, desafios, indicações e recomendações ao campo de estudo, apontando que a reflexão a cerca de um currículo de formação ancorado em diretrizes de competências digitais pode ser um caminho viável para o impacto positivo da inserção das tecnologias digitais nas práticas pedagógicas dos professores e que as experiências prévias que indicam níveis de competências digitais precisam ser valorizadas e trabalhadas na formação de professores para qualificar a sua transposição de um uso vinculado ao entretenimento ou pessoal para um contexto formal de educação que pressupõe uma intencionalidade e claros objetivos de aprendizagem.</p> 2023-05-19T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/4917 Um Passarinho azul me contou: expressões da violência de alunos contra professores 2022-05-01T02:17:25+00:00 Francisco Valmir da Silva francvalmir@gmail.com Carlos Ângelo de Meneses Sousa carlosangelos@yahoo.com.br Lília Rolim Abadia liliabadia@gmail.com <p>A popularização das novas tecnologias entre os jovens é ambivalente: se, por um lado, permite maior intensidade de comunicação e interação entre as pessoas, por outro, reproduz e cria novas formas de violência. Esteados por um sólido corpo teórico de estudos de violência em ambiente escolar, propomo-nos a explorar a violência cometida por jovens contra os seus professores, utilizando as postagens públicas da rede social <em>Twitter</em>. Desta forma, tencionamos analisar os principais conteúdos de mensagens propagadoras de violência, abrindo caminho para futuros aprofundamentos da teoria pautados em dados empíricos. A coleta dos dados foi realizada por meios eletrônicos e automatizados, e a análise das mensagens foi executada com base na análise de conteúdo, bem como, em princípios da análise das redes sociais. Este artigo não possuiu a pretensão de escrutinar a violência escolar na internet, suas causas e consequências, mas sim, identificar os seus elementos geradores, compreendendo de que modo se manifesta na rede social selecionada, e que hipóteses o seu conteúdo suscita sobre a relação professor/aluno. Desta forma, cotejamos os dados empíricos coletados com as pesquisas sobre a violência na escola e depreendemos que as mensagens violentas no <em>Twitter</em> dirigidas a professores consistem em atos de vinganças dos alunos devido ao não estabelecimento de boas relações em sala de aula e à própria violência implícita no ato educativo. <br /><br /></p> 2023-05-19T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/5747 Diretrizes Curriculares para o Ensino Médio: a prevalência da formação para o mercado de trabalho 2022-05-07T21:04:12+00:00 Aline Arantes do Nascimento alinearantesnasc@gmail.com Sandra Regina de Oliveira Garcia sandragarcia@uel.br Eliane Cleide da Silva Czernisz eczernisz@uel.br <p>O presente artigo discute as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio (DCNEM) a partir da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional — LDBEN — nº 9394/96. Tem como objetivo analisar as intenções presentes nas DCNEM atualizadas pela Resolução 03/2018, em relação às DCNEM propostas pelas Resoluções 03/1998 e 02/2012. Questiona-se: quais são os contextos no período de suas formulações? Quais são as propostas para a formação presente nas DCNEM de 1998, 2012 e 2018? Quais são as similaridades e diferenças entre elas? De que modo as atuais diretrizes avançam ou não como orientação para o trabalho pedagógico? Trata-se de uma reflexão que tem, por base, pesquisa bibliográfica, análise de legislação e de documentos. Considera-se um estudo importante para professores e educadores que se preocupam com a formação no ensino médio e que buscam compreender a evolução das orientações curriculares no decorrer da história da educação brasileira. Como resultados da análise, destaca-se que as DCNEM têm evoluído em conformidade com os projetos de sociedade e educação de cada período. Tem-se como conclusão que as atuais DCNEM expressam a ausência de discussão e os interesses revelados na reforma promovida pela Lei 13415/2017, aspecto que pode comprometer a melhoria do ensino médio e a sua vinculação direta com o que é demandado pelo setor produtivo.</p> 2023-05-19T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/6187 Projeto de vida: como pesquisadores da área da Psicologia e da Educação abordam essa categoria? 2023-03-18T20:57:15+00:00 Gisela Lobo Baptista Pereira Tartuce gtartuce@fcc.org.br Liliane Bordignon de Souza lilianebordi@gmail.com Patrícia Albieri Almeida patricia.aa@uol.com.br <p>Este artigo objetiva mapear um conjunto de trabalhos acadêmicos que tratam da temática <em>projeto de vida</em>, com foco na população jovem, de modo a analisar como essa categoria é abordada por pesquisadores da área da Psicologia e da Educação, entre 2006 e 2021. A busca bibliográfica concentrou-se no <em>Scientific Eletronic Library Online</em> (SciELO-Brasil) e, mais especificamente, nos portais de periódicos eletrônicos do campo da Psicologia e da Educação: PePSIC e Educ@. Foram selecionados, lidos na íntegra e analisados 54 artigos. Observou-se que a temática é abordada tradicionalmente pela área da Psicologia e só mais recentemente pela Educação. Vários aspectos comuns integram a definição de projeto de vida: a dimensão temporal e identitária; seu caráter dinâmico; e a necessidade de construí-lo articulando-se subjetividade e objetividade. Apesar da complexidade do mundo contemporâneo, boa parte das pesquisas revela que os jovens ainda buscam elaborar projetos de vida a partir da tríade família, escola e trabalho. Assim, e com a recente reforma do Ensino Médio (Lei 13.415), que institui o projeto de vida na formação integral do aluno, vários estudos também chamam atenção para a importância de institucionalizar programas de orientação profissional e/ou de formação de professores para trabalhar com o projeto de vida, de modo a auxiliar os jovens estudantes a escolherem seus itinerários formativos e a pensarem seu futuro, integrando a busca de sentido às ações necessárias para atingir seus objetivos. </p> 2023-05-19T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/3635 Reflexões sobre papéis assumidos em um ambiente de produção de conhecimentos possibilitados por relações dialógicas 2020-03-17T10:01:05+00:00 Iris Aparecida Custódio irisapcustodio@gmail.com Kátia Gabriela Moreira ktiagabriela@hotmail.com <p>Neste artigo, discutimos a construção de um ambiente de produção de conhecimentos a partir do diálogo propiciado por relações de ensino estabelecidas em uma aula de Geometria, à luz das perspectivas bakhtiniana e freireana. O foco será dado às convergências das questões dialógicas que encontramos nas obras de ambos os autores e à forma como elas podem permear situações de ensino, de modo que favoreçam o acesso ao conhecimento científico. Temos como objetivos: analisar a interação dos sujeitos envolvidos em uma situação de discussão de conceitos geométricos; analisar os diferentes papéis desses sujeitos no âmbito da interação social em sala de aula; buscar uma caracterização de uma cultura de sala de aula que priorize as relações dialógicas. Para isso, selecionamos um episódio (recorte de um momento de interação, estabelecido a partir de uma situação de ensino, com começo, meio e fim) em que conceitos estavam em discussão em uma turma de terceiro ano do Ensino Fundamental. Ao final de nosso estudo, buscamos evidenciar como o diálogo entre Bakhtin e Freire, proposto por nós, possibilita uma aproximação dos sentidos atribuídos para as práticas de ensino e de aprendizagem bem como para os papéis assumidos pelos sujeitos envolvidos nesse processo. O episódio explicitado evidencia uma prática que estabelece a coautoria, que prioriza a construção coletiva dos saberes, e revela que, no contexto escolar, existem práticas que valorizam o diálogo.</p> 2023-05-19T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/3945 Metodologias ativas aplicadas a Administração e áreas afins: revisão das publicações nacionais e internacionais 2020-03-31T10:47:13+00:00 Lidiane Cássia Comin prof.lidianecassiacomin@gmail.com Juliane Laviniki ju.laviniki@hotmail.com Rogério Ciotti rogerio.ciotti@gmail.com <p>Diferentes estratégias de ensinar estão sendo investigadas como forma de promover o desenvolvimento do aluno no processo de ensino e aprendizagem. Essas práticas estão se destacando na literatura como metodologias ativas de aprendizagem. Este estudo apresenta uma revisão sistemática da literatura sobre o uso de metodologias ativas aplicadas ao ensino superior, em específico, cursos de Administração e áreas afins. Seu objetivo é compreender o que vem sendo estudado sobre o tema, e identificar na literatura a aplicação de metodologias ativas nos cursos de Administração e áreas afins e suas contribuições. A partir da revisão do escopo da literatura, foi possível um levantamento da produção científica publicada sobre o tema, nas bases de dados como, <em>Spell, Scopus</em> e <em>Web of Science</em>. Foi identificada uma amostra final de artigos científicos que tratam da temática, os quais foram categorizados e analisados, conforme metodologia empregada. Os resultados demonstram que o uso das metodologias ativas no ensino superior, nos cursos da área da Administração, ainda não é uma prática recorrente e contínua, sendo raros os estudos que apresentam a aplicação de metodologias ativas, e ainda outros que discutam e avaliam a aplicação das metodologias utilizadas. Desta forma, é possível delinear um campo de pesquisa com potencial para buscar práticas metodológicas diferenciadas aplicadas pelas instituições de ensino superior (IES), e avaliar e analisar as experiências já tidas na área, como forma de promover a aplicação das metodologias ativas no ensino superior.</p> <p><strong> </strong></p> 2023-07-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/4224 Evasão universitária: estudo com jovens evadidos do curso de administração de uma IES confessional 2020-06-16T15:33:21+00:00 Marcos Aurélio Corrêa dos Santos marcos.correa@lo.unisal.br Almir Martins Vieira almir.vieira@gmail.com Patrícia Margarida Farias Coelho patriciafariascoelho@gmail.com <p>O fenômeno da evasão no ensino superior vem sendo investigado há tempos, e em diferentes cenários, perspectivas metodológicas e recortes temporais. Diante deste contexto, o problema desta pesquisa encontra-se em entender por quais motivos o jovem estudante de uma Instituição de Ensino Superior (IES) confessional desiste de permanecer matriculado no curso de Administração. Por meio de pesquisa qualitativa, utilizando-se o método do estudo de caso, buscou-se, com este trabalho, levantar os motivos que levam os jovens de uma IES confessional, da região do Vale do Paraíba, a abandonarem o curso de Administração antes de seu final. Os resultados evidenciam que a evasão do jovem pesquisado perpassa por um acúmulo de fatores que geram insatisfação e frustração com a experiência estudantil, tais como questões pedagógicas, administrativas e pessoais. Em função destes achados, é razoável assumir que este trabalho pode ajudar a compreender o universo da juventude e suas respectivas insatisfações, com destaque para o desafio do ensino superior. Reconhece-se, porém, que a pesquisa apresenta algumas limitações no tocante ao campo de aplicação e à localização geográfica. Nesse sentido, estudos futuros em outros cursos, outras instituições e também que contemplem outras regiões do país, poderão auxiliar na construção de um panorama mais completo.</p> 2023-07-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/5414 Educação, leitura, pobreza e analfabetismo em tempo de pandemia em Codó, Maranhão 2022-05-05T01:51:38+00:00 José Carlos Aragão Silva jcaragaos@gmail.com Cristiane Dias Martins da Costa cristiane.dmc@ufma.br Alex de Sousa Lima alex.lima@ufma.br <p>Este artigo trata de educação, leitura, pobreza e analfabetismo em tempo de pandemia em Codó, localizado no estado do Maranhão. O texto é resultado de observações realizadas no ano de 2020 a partir do início da pandemia do Novo Coronavírus, quando o fechamento das escolas estaduais e municipais e a limitação do acesso ao trabalho pelas camadas populares tornou mais evidente as condições de pobreza em que se encontra o município de Codó. Para adentarmos nos temas centrais desse trabalho, iniciamos com uma discussão sinóptica acerca das bases para uma educação democrática e de qualidade, onde evidenciamos a importância da Constituição de 1988, marco referencial para a democratização do país, assim como da escola e, consequentemente, do acesso à leitura da palavra e de mundo pelos discentes. Nossa interpretação sobre a importância da leitura de mundo ou do letramento social é realizada com base nas análises de Freire (1987, 1989), Street (1995) e Soares (2000, 2017) acerca do tema. A última análise que realizamos no texto está focada na pobreza e no analfabetismo como fenômenos crônicos em nosso país, nosso estado e, inegavelmente, em Codó. Nessa parte interpretamos e evidenciamos os dados que mostram a relação permanente e histórica que existe entre a pobreza e analfabetismo, a qual submete e exclui ainda milhões de brasileiros.</p> 2023-07-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/3935 Crenças de Autoeficácia de estudantes da licenciatura em Física em relação ao ensino inclusivo 2020-02-26T16:42:34+00:00 Sabrina Gomes Cozendey sgcfisica@yahoo.com.br Maria da Piedade Resende da Costa piedade@ufscar.br <p>Para que a inclusão de fato funcione é necessário que os professores estejam preparados para receber os alunos público alvo da educação especial (PAEE). As políticas em prol da inclusão intensificaram-se a partir da década de 90, ou seja, já temos mais de 20 anos de discussões sobre a necessidade de formar professores para atuar junto aos alunos PAEE como prevê a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Mas como está ocorrendo a formação dos professores? Os licenciandos estão recebendo uma formação que os possibilitem incluir adequadamente os alunos PAEE nas aulas? O que os licenciandos pensam sobre sua formação? No presente trabalho busca-se analisar se os formandos de um curso de Licenciatura em Física se sentem aptos a trabalhar com alunos PAEE. Para fazer esta análise utilizamos os estudos desenvolvidos por Bandura sobre Crenças de Autoeficácia. Participaram da pesquisa sete estudantes de um curso de licenciatura em Física, que responderam a dois instrumentos de coleta de dados: um questionário de escala Likert e um questionário aberto. Ao analisar os dados coletados pode-se concluir que os participantes da pesquisa não se sentem aptos a atuarem em turmas inclusivas e que a formação que estes licenciandos estão recebendo não visa prepará-los para trabalhar com alunos PAEE. </p> 2023-09-27T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/4305 Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID): aproximação entre Educação Básica e Superior 2020-04-22T17:49:22+00:00 Raimunda Áurea Dias de Sousa aurea.souza@upe.br Iracema Campos Cusati iracema.cusati@upe.br <p style="text-align: justify; background: white; margin: 0cm 0cm 6.0pt 0cm;"><span style="font-size: 11.0pt; font-family: 'Arial',sans-serif;">Este trabalho de investigação foi desenvolvido em meio a um processo de formação inicial no curso de Geografia articulado às experiências escolares viabilizadas pelo Programa Institucional de Bolsas e Iniciação à Docência (PIBID)<span style="background: white;"> em parceria com as escolas públicas da Educação Básica. Com o objetivo de analisar </span>as contribuições elucidadas pela implementação do programa tanto na formação dos licenciandos quanto<s> e</s> na aproximação entre Educação Básica e Superior, <span style="letter-spacing: .5pt;">este estudo d</span>estaca a relevância formativa da inserção dos licenciandos no cotidiano escolar desde o início da formação acadêmica, além dos<span style="letter-spacing: .5pt;"> aspectos d</span>a criação do “novo PIBID” diante do momento histórico vivenciado no Brasil, mostrando a diferença entre o atual e o programa anterior que foi encerrado no início de 2018. <span style="background: white;">A proposta de um</span>a formação de professores integrada às práticas de pesquisa e articulada às demandas surgidas no exercício docente, bem como os elementos que subjazem a construção dessa profissionalidade e os principais aspectos que afetam o desenvolvimento profissional de professores, foram analisados. Numa abordagem qualitativa e quantitativa de natureza interpretativa e analítica, utilizando de questionários, documentos oficiais e notas de campo para a coleta e análise das informações, e<span style="letter-spacing: .5pt;">ste estudo expõe</span> a relevância formativa da inserção dos licenciandos no cotidiano escolar desde o início da formação acadêmica, os<span style="letter-spacing: .5pt;"> aspectos d</span>a criação do “novo PIBID” e a necessidade de utilizar a educação como mecanismo de inversão da ordem social vigente. Conclui-se que a socialização de práticas pedagógicas e o trabalho sistemático em grupos colaborativos que priorizam a realidade dos alunos, foram aspectos formativos identificados como positivos a partir do PIBID.</span></p> 2023-09-27T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/5018 Tutoria entre pares: uma prática educativa aliada à permanência universitária 2022-05-01T20:58:27+00:00 Hellen Cristina Xavier da Silva Mattos hellencrismattos@gmail.com Maria Cristina da Silveira Galan Fernandes mcsgfernandes@gmail.com <p>Este estudo se volta para as discussões sobre a permanência de estudantes universitários após o processo de expansão e inclusão social na educação superior pública brasileira das duas últimas décadas. Considerando as ações de apoio pedagógico, este artigo objetiva analisar a experiência da tutoria entre pares como uma prática educativa aliada à permanência universitária, examinando, em especial, as percepções de estudantes tutores e tutorados. O artigo é fruto de uma pesquisa de cunho qualitativo e de campo, fundamentada em Pierre Bourdieu e pesquisadores brasileiros que adequam a análise bourdieusiana para o cenário brasileiro atual. Como instrumentos de coleta de dados, foram aplicados questionários online e realizadas entrevistas semiestruturadas individuais e grupais com estudantes universitários matriculados no Grupo de Tutoria Programa de Acompanhamento Acadêmico ao Estudante de Graduação (PAAEG) (tutorados e tutores), na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Os resultados indicam que o Grupo de Tutoria PAAEG pode contribuir para o sucesso acadêmico ao proporcionar o aprendizado entre pares, situação em que os estudantes se sentem mais à vontade para tirar dúvidas com os tutores do que com os professores, além de propiciar maiores vínculos e acompanhamento acadêmico. Apesar da fragilidade encontrada na proposta, devido aos limites da formação dos tutores diante da complexa demanda estudantil, a tutoria entre pares tem sido importante estratégia estudantil e institucional para a permanência na universidade.</p> <p><br /><br /></p> 2023-09-27T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/5132 Valores e práticas em uma escola na prisão: um estudo exploratório 2022-05-03T19:16:07+00:00 Sandro Luiz Giongo sandrogiongo@gmail.com Leonardo Albuquerque Heidemann leonardo.h@ufrgs.br <p>A literatura que aborda a educação em ambientes prisionais no Brasil se concentra notadamente em discussões teóricas e conceituais. Entretanto, observa-se uma carência de análises aprofundadas das práticas pedagógicas efetivamente implementadas nas escolas localizadas em prisões. Com o propósito de amenizar essa notável lacuna na produção científica da área, este artigo empreende uma abordagem de pesquisa qualitativa, fundamentada em observações realizadas em uma instituição de ensino situada em um contexto prisional específico. A principal finalidade desta pesquisa é promover uma reflexão profunda sobre os valores e princípios educacionais que são efetivamente legitimados nesse ambiente peculiar. Ademais, busca-se estabelecer paralelos significativos entre as ações dos profissionais de educação atuantes nesse contexto e as concepções de uma pedagogia crítica e emancipatória, conforme concebidas pelo renomado educador brasileiro Paulo Freire. Através da realização da primeira fase de um estudo de pesquisa-ação, foi possível constatar que, embora as condições estruturais e o ambiente comumente repressivo de um estabelecimento prisional não sejam propícios à efetivação de práticas educacionais de caráter humanizador e emancipatório, subsistem iniciativas e ações educacionais que, notadamente, incorporam tais características no contexto investigado. Além disso, destacou-se a relevância de aprimorar essas práticas, mediante um alinhamento mais aprofundado das atividades escolares com as perspectivas pedagógicas defendidas por Paulo Freire, com vistas a contribuir efetivamente para a transformação e a ressignificação do ambiente educacional. <br /><br /></p> 2023-09-27T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/5232 Quem são os “Líderes Escolares”? Condições de gestão entre Japão, Alemanha e Reino Unido 2022-05-04T00:45:32+00:00 Kemma Tsujino kemma.t@omu.ac.jp Hiroki Suematsu hiroki-s@u-gakugei.ac.jp <p>Neste estudo, são analisadas as estruturas de administração e gestão das escolas públicas no Japão, na Alemanha e no Reino Unido. Visto que existe uma lacuna considerável entre o sistema e a prática nesses países, assim, "Quem são os diretores das escolas?" pode constituir um tema de investigação não só importante, mas também urgente. Essa questão implica a importância de se concentrar na estrutura global do sistema de ensino público para além de uma "unidade" escolar. A reforma radical da gestão escolar é uma das agendas comuns entre estes países. A análise de documentos e o trabalho de campo são realizados a partir de perspectivas comuns a estes três países, tais como "reforma escolar", "autonomia escolar", "diferenças/semelhanças". Como resultado, são clarificadas as condições de gestão escolar e as estruturas de governança nestes três países. Embora os diretores japoneses tenham formal e legalmente mais autoridade para serem dirigentes escolares, a base substancial para a gestão escolar não é suficiente, existindo muitas limitações. Para compreender os "dirigentes escolares" alemães, há que analisá-los em relação aos princípios da "supervisão estatal da escola", da "autonomia escolar" e da "participação educativa" dos professores, pais e alunos. No Reino Unido, as decisões em matéria de finanças, pessoal e currículo são tomadas pelo órgão diretivo. Com base na tomada de decisões, os diretores assumem o papel de Diretor Executivo. A estrutura de governança distribuída existe no ensino público em cada país, e há diversos atores que dirigem as escolas com diferentes responsabilidades.<br /><br /></p> 2023-09-27T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/3898 Formação docente e inclusão: professores de educação física e olhares sobre estudantes com necessidades especiais 2020-04-20T06:30:26+00:00 Anderson Cristian Barreto andercbarreto83@gmail.com Marcio Rafael da Silva marciofael@hotmail.com Vânia de Fátima Matias de Souza vfmatias@gmail.com <p>O presente estudo objetivou verificar se a formação inicial e continuada de professores de Educação Física atuantes no Ensino Fundamental Anos Iniciais de uma rede pública municipal do noroeste paranaense contribui para o processo de inclusão de alunos com necessidades especiais (TEA/TDAH) no âmbito escolar. Participaram do estudo 06 professores de Educação Física, que responderam a uma entrevista semiestruturada sobre a formação inicial e continuada, estrutura física, material e pessoal e os aspectos inerentes a aptidão ao trabalho docente com alunos com TEA e TDAH. A análise dos dados ocorreu conforme pressupostos de análise de conteúdo com o tratamento dos dados em ordenação; classificação; e análise propriamente dita. Ocorreu a organização dos resultados pelos significados, aproximação e agrupamento das palavras contidas nas respostas. Os resultados apontaram que os docentes não possuem formação continuada que se origina da unidade gestora. Suas formações inicial e continuada (curso de especialização) possibilitaram uma base de conhecimentos para otimizar sua atuação no trato com os alunos que demande de atendimento educacional especializado. Os aspectos físicos e materiais são abundantes, porém o professor de apoio não acompanha os alunos nas aulas. Aponta-se para a necessidade de formações específicas e olhares atentos a um acompanhamento profissional específico nas aulas de Educação Física e para as demandas envolvendo crianças com TEA e TDAH.</p> <p><strong> </strong></p> 2023-09-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2019 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/4401 Livro didático de química: um olhar sobre os principais temas estudados em periódicos e eventos 2020-06-18T23:46:39+00:00 Rafael Silva de Araujo rafael.silva.araujo22@gmail.com Bruno Silva Leite brunoleite@ufrpe.br <p>O livro didático de química (LDQ) é um recurso presente no dia a dia escolar, fazendo parte do planejamento docente e do processo de ensino-aprendizagem dos estudantes. Atualmente, como diversas pesquisas são realizadas sobre o LDQ, compreender como este recurso tem sido investigado se faz pertinente. Deste modo, o artigo tem como objetivo realizar um levantamento sobre quais são os principais temas investigados nas pesquisas acerca do LDQ em um período de 10 anos em revistas científicas, e nos três últimos Anais de dois eventos científicos nacionais. A pesquisa se caracteriza como uma revisão bibliográfica de caráter exploratório ocorrendo em três etapas: (1) levantamento das pesquisas em periódicos com Qualis A1, A2 e B1; (2) levantamento dos trabalhos nos eventos científicos; (3) categorização dos temas mais estudados por meio da análise de conteúdo proposta por Bardin. Os resultados revelam nove categorias presentes nos 114 trabalhos analisados e evidenciam que a categoria mais explorada nas pesquisas envolvendo o LDQ é sobre o estudo do "conteúdo químico". Em contraponto, as pesquisas que tratam da "prática docente sobre o LDQ", o "uso do LDQ" e "concepções docentes sobre o LDQ" são observadas em menor intensidade. No levantamento realizado foi possível identificar as categorias mais utilizadas nos estudos sobre o LDQ e o atual estágio das pesquisas sobre este recurso didático, considerando que pesquisas sobre o LDQ são necessárias, pelo fato dos livros didáticos estarem presentes no processo de ensino-aprendizagem nas diversas escolas brasileiras.</p> 2023-10-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/4674 Mulheres privadas de liberdade e suas trajetórias de vida escolar 2022-04-29T20:45:31+00:00 Fernanda Soares da Silva Bonato nandasoaresds@gmail.com Linccon Fricks Hernandes fricksjr@hotmail.com Leandro Alves Bonato leandrobonato@hotmail.com Antonio Henrique Pinto ahp.mat@gmail.com <p>O presente artigo tem como objetivo descrever as narrativas de mulheres privadas de liberdade e suas trajetórias de vida escolar, demonstrando como essas vêm (re) significando suas vidas dentro do presídio, e como a escola pode mudar a maneira como percebem seu mundo e as possibilidades que podem vir após suas passagens pelo sistema prisional. O estudo foi realizado no Centro Prisional Feminino de Cachoeiro de Itapemirim (CPFCI). Trata-se de um estudo de abordagem qualitativa com viés da pesquisa participante. O desenvolvimento da pesquisa utilizou-se de diferentes instrumentos para a avaliação como o Diário de campo, o relato escrito das participantes durante as aulas, como também foi utilizado como forma de investigação questionários com perguntas abertas e fechadas, possibilitando o direcionamento das perguntas para alcançar o objetivo proposto nesse processo de conhecimento da aprendizagem dessas alunas. Conclui-se que o processo educacional dessas alunas dentro do sistema prisional apresenta características que vão para além dos muros institucionais, demonstrando que houve eficácia das aulas ao revelar, mesmo que de maneira tímida, a participação dessas alunas ao poderem expor seus sentimentos e pensamentos, possibilitando um espaço para um diálogo que oferece a oportunidade de repensar o próprio lugar de ser e estar no mundo, possibilitando que as mesmas possam reconhecer suas potencialidades e trilhar outros caminhos para além da ilegalidade. </p> 2023-10-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/4779 Classe Hospitalar: revisão integrativa de pesquisas qualitativas 2022-04-30T20:33:05+00:00 Miriã Martins de Brito mihmartins23@hotmail.com Aida Victoria Garcia Montrone montroneufscar@gmail.com Márcia Regina Cangiani Fabbro mfabbbro@gmail.com <p>A hospitalização é um momento difícil para a vida de qualquer pessoa, em especial para crianças e adolescentes, o que pode levar ao comprometimento do desenvolvimento físico, emocional e cognitivo. A junção dos campos da educação e saúde contribuem, de modo significativo, para o atendimento integral dessas populações, garantindo o direito à escolarização no ambiente hospitalar, por meio das classes hospitalares. O objetivo deste artigo foi caracterizar e analisar a produção científica acerca da Classe Hospitalar. O método escolhido foi uma revisão integrativa baseada nas cinco etapas de Whittemore e Knafl (2005): formulação e identificação do problema, coleta de dados, avaliação dos dados, análise e interpretação dos dados coletados e apresentação dos dados. As bases de dados consultadas foram: BDTD, <em>Scielo</em>, ERIC, <em>PubMed</em> e <em>Web of Science</em> e os portais Capes e BVS. Foram selecionadas 26 produções e caracterizadas conforme o tipo, ano, local de publicação, método, identificação dos sujeitos participantes, objetivo do estudo, síntese dos resultados, temáticas e autores/as referenciais encontrados. Foram evidenciados três principais eixos a partir das discussões das produções analisadas: necessidade de implementação das Classes Hospitalares; a primordialidade de aproximação entre os campos da saúde e educação e a importância da formação de pedagogos/as para atuarem no hospital. Conclui-se que há necessidade de divulgação do direito à educação em contexto hospitalar, bem como a participação da família no processo de hospitalização, garantindo a reinserção do/a educando/a na sala de aula regular e a construção de planejamentos e currículos flexíveis.</p> 2023-10-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/4992 Tensões entre o público e o privado na educação brasileira: uma história recorrente 2022-05-01T20:36:40+00:00 Edite Maria Sudbrack sudbrack@uri.edu.br Raqueline Rigo Janke raque.janke@yahoo.com.br <p>Este estudo, de caráter qualitativo e natureza descritiva, tem como objetivo lançar reflexões acerca das relações entre as esferas pública e privada na educação brasileira, a partir de autores do campo. O propósito deste trabalho é analisar os espaços de autonomia docente ou de padronização pedagógica que esta oferta possibilita, verificando se há indícios de evolução nos indicadores do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) aferidos, via avaliações externas. Na sequência, analisa o caso de um município do interior do Rio Grande do Sul que aderiu ao Sistema de Ensino Apostilado (SA) em sua Rede. Analisam-se os espaços de autonomia docente ou de padronização pedagógica e de evolução nos indicadores do IDEB. Realizou-se a pesquisa em cinco escolas municipais, elegendo como principal critério a utilização do SA em todas as etapas do Ensino Fundamental, bem como a experiência desenvolvida com este modelo e a conveniência pela proximidade do município a ser pesquisado. As perspectivas de elevação do IDEB que justificam a adesão ao SA não se concretizam. A autonomia docente se fragiliza pela padronização do planejamento. A investigação levou em conta a análise de conteúdo, proposta por Bardin (2011). O acento do texto é no sentido que a influência do setor privado nas redes públicas se revela uma forma de privatização, que ao desavisado pode não parecer que está havendo privatização da esfera pública.</p> 2023-10-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/5677 Interdependência entre o desenvolvimento de habilidades sensório motoras e da linguagem no TEA: revisão sistemática 2022-05-07T17:28:56+00:00 Elaine de Carvalho Silva elacarvalhos@gmail.com Nassim Chamel Elias nchamel@terra.com.br <p>O objetivo deste estudo foi verificar se há evidências na literatura científica sobre uma possível relação ou correlação entre habilidades sensório-motoras e motoras e o desenvolvimento da linguagem (aquisição de repertórios receptivos e expressivos) em crianças com Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). Estas crianças comumente apresentam problemas de linguagem e algumas demonstram falhas no desenvolvimento do sistema motor. Para revisar a literatura foram utilizados os descritores: (autismo OR "Transtorno do espectro autista" OR <em>autism</em> OR “<em>autism spectrum disorde</em>r”); (linguagem OR <em>language development</em>); ("habilidades sensório-motoras" OR "habilidades motoras" OR "<em>sensorimotor skills</em>" OR "<em>motor skills</em>"). As seguintes bases de dados foram selecionadas, <em>Pub Med</em> (<em>US National Library of Medicine National Institutes of Health</em>); <em>Frontiers in Neuroscience</em> | <em>Social and Evolutionary Neuroscience; Science Direct</em> – <em>Journals &amp; Books</em>; <em>SciELO</em> (<em>Scientific Electronic Library Online</em>); Periódicos CAPES (Portal de periódicos CAPES/MEC). Foram selecionados cento e setenta e sete estudos, porém, apenas doze estudos atenderam aos critérios de inclusão (relacionam questões motoras e linguagem de crianças com TEA). Os estudos selecionados apontaram relações e correlações entre habilidades sensório motoras e desenvolvimento da linguagem; coordenação viso motora e desenvolvimento da cognição, comunicação e linguagem. Entretanto, devido ao número limitado de comprovações experimentais, autores sugerem a realização de mais estudos empíricos e longitudinais que envolvam o desenvolvimento do sistema motor e da linguagem de crianças com TEA.</p> 2023-10-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/5680 Formação de professores de Matemática em cursos de Ciências: Montes Claros e Governador Valadares 2022-05-07T17:31:41+00:00 Maria Laura Magalhães Gomes mlauramgomes@gmail.com Shirley Patrícia Nogueira de Castro e Almeida shirley.almeida@unimontes.br Ana Catarina Cantoni Roque ana.catarina@ifmg.edu.br <p>Este artigo relata um estudo cujo objetivo foi investigar a conversão de dois cursos de licenciatura em Matemática em cursos de licenciatura em Ciências por imposição legal do governo federal. Ambos os cursos foram criados no estado de Minas Gerais, nas cidades de Montes Claros e Governador Valadares, em 1968. O texto provém de duas pesquisas em História da Educação Matemática que usaram documentação escrita e contribuições da metodologia da História Oral. Em particular, as narrativas de antigos alunos e professores dos dois cursos elucidaram resistências e impactos envolvidos na mudança acarretada pela legislação sobre a formação de professores no Brasil. Um ponto de destaque é constituído pela abordagem da resistência e das críticas da comunidade científica brasileira às licenciaturas polivalentes, que pretendiam rapidez e economia de recursos para habilitar professores em um cenário de carência de docentes. Conclui-se que, apesar de ter contribuído para formar professores habilitados nas regiões das duas cidades, a mudança teve também impactos ao obrigar a um desvio da proposta original das instituições que sediaram os cursos e alterar substancialmente o tipo de formação dos professores de Matemática. Alterações desse tipo relacionam-se à trajetória pretendida por alguns estudantes, dificultada pela mudança no curso, e à impossibilidade de se formarem num curso direcionado adequadamente para os conhecimentos matemáticos dos futuros professores.</p> 2023-10-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/4333 Vivências de professores de Biologia e suas perspectivas sobre a formação continuada 2020-04-28T17:41:07+00:00 Aline de Queiroz Rodrigues queirozaline.r@gmail.com Felipe Rosa Nunes flpnunes.r@gmail.com Ana Júlia Lemos Alves Pedreira anajuliapedreira@unb.br <p>A atual política educacional brasileira considera a formação continuada como um processo de autorreflexão permanente e uma possibilidade de renovação da prática docente. Conforme o modelo de formação docente prático-reflexivo, o professor constrói novos conhecimentos por meio de reflexões sobre sua prática, o que pode proporcionar melhorias no processo de ensino e de aprendizagem. Uma pesquisa qualitativa foi realizada no ano de 2018, utilizando a aplicação de questionários e entrevistas semiestruturadas, com o objetivo de investigar se os professores graduados em Biologia, atuantes em escolas públicas de Sobradinho/DF e Planaltina/DF, participam de processos de formação continuada. Buscou-se também levantar os recursos metodológicos que, porventura, são utilizados pelos professores para o seu aprimoramento profissional, bem como as principais carências referentes ao tema. Foi possível observar, que a maioria dos professores considera o processo de formação continuada um importante instrumento de ascensão pessoal e profissional, demonstrando que a preocupação com o aprimoramento e com a atualização é constante. Quanto aos recursos metodológicos utilizados no processo de formação continuada, destaca-se o uso da internet e o uso de livros, em ambas as localidades. Além disso, há pouca interação dos professores com as Instituições de Ensino Superior e os aspectos que motivam à adesão ao processo de formação continuada são distintos.</p> 2023-11-28T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/4666 Cinema e pluralidade cultural: emprego de filmes árabes em práticas educativas preocupadas com a alteridade 2022-04-29T20:34:36+00:00 Humberto Perinelli Neto humberto.perinelli-neto@unesp.br Alexandre Cristiano Baldacin Junior alexandrecristiano19@gmail.com Ricardo Scucuglia Rodrigues da Silva ricardo.scucuglia@unesp.br Edilson Moreira de Oliveira edilson.oliveira@unesp.br <p>As sociedades orientais são alvo de olhar estereotipado e preconceituoso, segundo interpretação derivada de processo histórico denominado por Orientalismo, ou seja, discursos de naturezas diversas (literários, administrativos, pictóricos, filmicos), mas igualmente construídos pelos ocidentais, visando legitimar processos de dominação política e econômica. Reconhecendo a força dessa perspectiva e, a contar daí, recusando-a, é que o presente texto visa apresentar apropriação pedagógica que enfatiza a pluralidade cultural expressa em filmes árabes, tendo como referência outro paradigma, denominado por Orientalíssimo e associado ao esforço de conhecer sobre o Oriente a partir de discursos produzidos pelos próprios orientais. A pesquisa contou com abordagem qualitativa, natureza aplicada e engendrou descrição e explicação, valendo-se de investigações bibliográficas e documentais. Os aportes teóricos envolveram pensadores da educação, do cinema, da cultura e da estética. Conclui-se que “Caramelo” (2007), “O Edifício Yacoubian” (2006) e “<em>Paradise Now</em>” (2005) abordam temas como a mulher, a organização social e os homens-bomba, respectivamente, mas de modo a oportunizar visões baseadas na alteridade. Desta feita, configuram-se em narrativas cinematográficas importantes para o desenvolvimento de práticas educativas voltadas para reflexões sobre temas associados ao universo árabe, de maneira complexa, com mais profundidade e segundo ponto de vista baseado na voz do Outro ao qual se pretende conhecer.</p> 2023-11-28T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/5144 Inquietações de professoras iniciantes em turmas de alfabetização 2022-05-03T19:26:07+00:00 Ingrid Cristina Barbosa Fernandes ingridfernandes.jc@gmail.com Giseli Barreto da Cruz giselicruz@ufrj.br <p>O artigo aborda constatações de uma pesquisa com professores em inserção profissional que atuam em classes de alfabetização, tendo por fio condutor as inquietações docentes que permeiam esse período. Assim, teve por objetivo compreender como as inquietações de professores alfabetizadores afetam sua docência durante o período de inserção na carreira, delimitado em torno dos cinco primeiros anos de exercício profissional. Desse modo, orientou-se pela via da pesquisa com narrativa, apoiada por referencial teórico sobre alfabetização e inserção profissional docente, dentre eles: Goulart, Smolka, Cochran-Smith e Marcelo, e seus colaboradores. Participaram da pesquisa seis professoras com atuação em turmas de alfabetização, recém-egressas de um curso de Pedagogia e iniciantes na carreira docente. A partir de um movimento de identificação e análise das inquietações de professoras iniciantes referentes ao processo de alfabetização e suas formas de enfrentamento, foi possível verificar que essas se manifestam com mais intensidade em relação à heterogeneidade das turmas, aos conflitos e ao comportamento discente e à inexperiência profissional. Logo, a postura investigativa, a realização de propostas diferenciadas considerando o ritmo e as necessidades das crianças e a troca entre os pares emergiram como formas de enfrentamento das inquietações que se inscreveram em uma perspectiva de tornar a aprendizagem significativa para todos.</p> 2023-11-28T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/5310 Profissionais de educação no contexto pandêmico da Covid-19: Yoga como tecnologia social e possibilidade autopoiética 2022-05-04T20:53:56+00:00 Janaina Silva de Souza Janainass@id.uff.br Rejany dos Santos Dominick rejany_dominick@id.uff.br Isis Dias de Menezes isisdias@id.uff.br Laura de Almeida Conceição laalmeida@id.uff.br <p>Os projetos de pesquisa de Iniciação Científica, de Extensão e de Mestrado Profissional articularam-se, produzindo ações e reflexões a fim de verificar as possíveis contribuições do <em>Yoga</em> para profissionais de educação de uma rede municipal pública de ensino durante a pandemia de Covid-19. Nossas bases teóricas se assentaram no conceito de Autopoiésis (MATURANA e VARELA), no processo de produção da Tecnologia Social (RODRIGUES e BARBIERI), na tecnologia oriental (FEUERSTEIN) e na proposta de inovação pedagógica (CUNHA). As aulas de <em>Yoga</em> foram alicerçadas na escola do <em>Yoga</em> Integral de Sri Aurobindo, seguindo os oito pilares do <em>Yoga </em>Clássico, codificados por Patanjali e buscando focar na inclusão e na conexão Ocidente-Oriente. Realizamos pesquisa qualitativa e percorremos os princípios metodológicos da Pesquisa-ação (THIOLLENT) para superar as fronteiras entre sujeitos pesquisadores e pesquisados. Como resultados, obtivemos: um elevado número de artigos sobre o <em>Yoga</em> nas bases de dados científicas; um levantamento de opiniões de participantes sobre o estresse gerado pelas demandas profissionais em contato com as tecnologias informacionais durante o período de trabalho remoto; a oferta de aulas de <em>Yoga on-line</em>; os relatos dos participantes sobre os efeitos positivos das vivências para a saúde e para o processo de ressignificação do ser e do profissional de educação; e a geração de política de educação municipal por meio de um projeto permanente de <em>yoga</em> na rede pública municipal de educação.</p> 2023-11-28T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/5323 Confecção de vídeo educativo em síndrome de Burnout como ferramenta para educação em saúde 2022-05-04T21:05:34+00:00 Gilvana Maria Vieira Xavier gilvanavxavier@gmail.com Geraldo Magella Teixeira magellafisio@yahoo.com.br Almira Alves dos Santos almira.alves@uncisal.edu.br <p>Intervenções educativas podem ser úteis para a prevenção da Síndrome de <em>Burnout</em>, pois propiciam melhor compreensão sobre a doença de maneira a contribuir para o desenvolvimento de melhores práticas em saúde de forma a atender as reais necessidades. O presente trabalho teve como objetivo descrever a metodologia de estruturação utilizada na confecção de um vídeo educativo enquanto ferramenta de educação em saúde, com o intuito de proporcionar a disseminação de informações sobre a Síndrome de <em>Burnout</em> para a população em geral, mas principalmente entre os trabalhadores. Para isso, se elegeu um estudo de elaboração de um recurso tecnológico educacional, do tipo pesquisa metodológica, que apresenta as etapas, os fundamentos e os métodos empregados no desenvolvimento do recurso educacional.O trabalho foi desenvolvido em seis etapas: escolha do tema; elaboração do roteiro; desenvolvimento do vídeo educativo pautado no método CTM3; apresentação na disciplina Recursos Educacionais do Mestrado Profissional Ensino em Saúde e Tecnologia da Universidade Estadual de Ciência da Saúde de Alagoas; validação <em>ad hoc</em> e inserção no repositório eduCapes. O vídeo produzido trouxe informações acerca do que é a doença, população atingida, sinais e sintomas e medidas de prevenção. O uso de Tecnologias da Comunicação e Informação atuam como facilitadoras na educação em saúde, tendo um potencial de auxílio na aprendizagem, contribuindo para a modificação de hábitos de vida do indivíduo.</p> 2023-11-28T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/5449 Adolescentes em conflito com a lei: desvelando processos educativos com suas famílias 2022-05-05T16:50:01+00:00 Rafael Garcia Campos rafael.gcampos@outlook.com Rubia Fernanda Quinelatto rubiafq@gmail.com Willian Lazaretti da Conceição lazaretti@ufpa.br <p>O Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (SINASE), que está em vigor desde 2006, veio reafirmar as diretrizes do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) sobre a natureza pedagógica das medidas socioeducativas, sendo atualmente, o documento que fornece os parâmetros para o atendimento dos adolescentes em conflito com a lei, desde o processo de apuração, aplicação e execução de medidas socioeducativas. O presente estudo investigou o impacto da medida socioeducativa de Liberdade Assistida na auto-organização das perspectivas em médio e longo prazo de adolescentes autores/as de ato infracional. Trata-se de um estudo de natureza qualitativa, de caráter descritivo-exploratório com a colaboração de 13 adolescentes, com idade entre 12 e 18 anos incompletos. Os dados foram coletados por meio de um questionário de caracterização sociofamiliar e entrevistas individuais com roteiro semiestruturado, as quais foram gravadas e transcritas integralmente. O roteiro de entrevista contemplou questões norteadoras, as quais abordaram as experiências vivenciadas pelos/as adolescentes durante e depois do cumprimento da medida socioeducativa. Os resultados apontaram categorias significativas para auto-organização dos/as adolescentes na ocasião da medida e, neste texto, o foco está na categoria: Vínculos familiares e afetivos. Constatou-se, nesta pesquisa, que o arranjo familiar impacta substancialmente nas trilhas que os e a jovem optam, pois se configuram como limitadoras de oportunidades, pela falta de referências positivas sobre condutas socialmente aceitas e desejadas. Por outro lado, evidencia a responsabilidade que os avós assumem na educação dos netos/as, mas que há um conflito geracional entre anseios e perspectivas para viver o hoje e projetar o amanhã. </p> 2023-11-28T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/6105 O que aprendemos com o ensino remoto emergencial? Possibilidades e desafios para a docência 2023-04-11T15:03:29+00:00 Natalia Neves Macedo Deimling natanema@gmail.com Aline Maria de Medeiros Rodrigues Reali alinereali@gmail.com <p>Tendo em vista a relevância de estudos que realizam mapeamentos para desvendar e examinar o que já foi produzido sobre determinado tema, apontando os enfoques e as lacunas ainda existentes, o objetivo deste artigo consiste na identificação e análise dos principais resultados alcançados e considerações traçadas pelos artigos publicados entre os anos de 2020 e 2021 sobre os impactos do Ensino Remoto Emergencial (ERE) no desenvolvimento profissional de docentes das instituições de ensino superior brasileiras, com enfoque às possibilidades e aprendizagens adquiridas nesse contexto. Para tanto, foram selecionados 24 artigos disponíveis em quatro repositórios científicos, analisados a partir das perspectivas interpretativa-crítica e problematizadora. Trata-se de um estudo bibliográfico de abordagem qualitativa do tipo estado do conhecimento. Entre outros aspectos, foi possível observar que as aprendizagens e possibilidades do ERE para a docência estão voltados, especialmente, às adaptações didático-pedagógicas, à utilização de novas metodologias e recursos educacionais – com ênfase nas Tecnologias da Informação e Comunicação -, a um maior compromisso dos professores com a aprendizagem dos estudantes, ao alcance dos objetivos educacionais a partir de diferentes meios e estratégias, a uma preocupação mais acentuada com a própria formação para lidar com as dificuldades e desafios apresentados e a uma preocupação mais cuidadosa dos professores com sua prática profissional, esta última permeada de incertezas geradas pelo ERE.</p> 2023-11-28T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/5928 Devolutiva de egressos de um mestrado profissional por meio de uma plataforma virtual 2023-07-27T19:56:38+00:00 Kelly de Oliveira Galvão da Silva k.galvao@yahoo.com.br Ellen Synthia Fernandes de Oliveira ellen@ufg.br <p>Uma preocupação comum das instituições de ensino é receber o retorno do que foi ofertado na visão de quem passou pelo curso. A continuidade do contato com o egresso propicia essa relação. Assim objetiva-se nesse estudo descrever o efeito do mestrado na vida profissional e pessoal do egresso e obter um <em>feedback </em>frente ao curso ofertado. Trata-se de um estudo descritivo exploratório de abordagem mista. Para o desenvolvimento da pesquisa foi realizado um convite por meio de uma plataforma virtual a 92 egressos titulados Mestres em Saúde Coletiva da Universidade Federal de Goiás, das turmas 3, 4, 5 e 6, referente aos anos 2013, 2014, 2016 e 2017. O aceite a participar implicou-se em conhecer a plataforma e alimenta-la com valiosas informações que só o egresso possui. Ao final demonstrou-se por meio da análise e de teste estatísticos a consistência da ferramenta utilizada para o acompanhamento dos egressos, visando uma coleta de dados que não só atendeu às orientações da Capes, mas também forneceu informações adequadas para o bom desempenho do Programa. Portanto, com o desenvolvimento desta pesquisa e a adesão a plataforma utilizada, espera-se contribuir significativamente com melhorias na qualidade do curso ofertado pelo Mestrado Profissional em Saúde Coletiva.</p> <p><br /><br /></p> 2023-12-09T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/4122 Aprendizagem baseada em projetos: uma aplicação em um curso superior tecnológico em uma instituição pública 2020-04-08T22:22:55+00:00 Esmeralda Aparecida de Oliveira esmeralda.oliver@gmail.com Ariadne Runte-Geidel arunte@ujaen.es <p>No ensino superior tecnológico, a educação profissional tem sido objeto de discussão, focalizando prioritariamente a organização do currículo e, com menor destaque, as metodologias de aprendizagem voltadas às competências profissionais. As metodologias ativas de aprendizagem contam, atualmente, com um papel preponderante na nova gestão do ensino superior tecnológico do Centro Paula Souza. Dessa forma, este artigo objetiva descrever e aplicar um modelo de aprendizagem baseado em projetos para o componente curricular de Planejamento e Estratégia em Recursos Humanos, com duas turmas do 6º semestre do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos. Para isso, foi desenvolvido um protocolo de aplicação formatado em um manual para que servisse como guia para o professor e para o aluno. Como objetivos específicos, pretende-se apresentar a metodologia de projetos e propor um programa de aprendizagem por projeto que pode se tornar referência em outros componentes curriculares do Centro Paula Souza. Tem-se como metodologia utilizada a qualitativa descritiva e, como resultado, espera-se apresentar um programa para o desenvolvimento da abordagem de projetos que contemple um plano de aula, a estrutura do projeto a ser desenvolvido pelo discente, e um modelo de rubricas para a avaliação do projeto. Além disso, é possível observar a opinião e o desempenho dos alunos com a aplicação da metodologia.</p> 2023-12-19T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/5292 Estado do conhecimento sobre iniciação científica na educação básica 2022-05-04T20:32:12+00:00 Victor Hugo Nedel Oliveira Oliveira victor.nedel@ufrgs.br Daniel Giordani Vasques daniel.vasques@ufrgs.br <p>A Iniciação Científica presente na escola básica configura-se como importante espaço de construção de conhecimentos relacionados ao campo da ciência, do método científico e da produção de saberes nas mais variadas áreas da ciência. O principal objetivo da presente investigação foi construir um estado do conhecimento sobre Iniciação Científica na educação básica. Para tanto, realizou-se pesquisa bibliográfica em formato de estado do conhecimento, com recorte temporal adotado entre os anos de 2010-2020, tendo sido selecionadas as bases de dados: IBICT (para teses e dissertações); <em>Google</em> Acadêmico e <em>Scielo</em> (para artigos científicos). Os descritores para composição do corpus da pesquisa foram: “Pesquisa”; “Iniciação Científica”; “Escola”; “Educação Básica”; “Iniciação Científica Júnior”. Os resultados demonstraram a presença de 18 artigos científicos, 05 dissertações e 05 teses. A análise descritiva demonstrou a concentração dos estudos na região concentrada Sul-Sudeste, bem como a recorrência das universidades federais na sua produção. A maior parte dos estudos contou com análise documental, seguida de entrevistas e observações, como recursos de coleta de dados. As conclusões dos estudos apresentaram as potencialidades da IC na formação e motivação dos estudantes, mas também ressaltaram preocupação com a formação pedagógica docente, bem como suscitaram reflexões sobre a importância da educação científica na contemporaneidade. É possível considerar, portanto, que a presença de práticas de Iniciação Científica na educação básica colabora significativamente na formação critica e cidadã dos estudantes, fomentando o debate em torno da ciência, necessidade cada vez maior no contemporâneo.</p> 2023-12-19T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/4644 Concepção de conhecimento com base em pressupostos da Teoria Histórico-Cultural 2022-04-29T20:09:40+00:00 Maria Sandreana Salvador da Silva Lizzi sandreanajp@hotmail.com Marta Sueli de Faria Sforni martasforni@uol.com.br <p>Na Teoria Histórico-Cultural e na Teoria do Ensino Desenvolvimental atribui-se grande valor à aprendizagem de conceitos científicos no desenvolvimento dos sujeitos. No entanto, sem a compreensão das razões desse valor, a educação escolar, que se pauta nos pressupostos dessas teorias, pode se limitar ao aspecto mais aparente do ensino desses conceitos e não extrair deles o potencial formativo anunciado. Por essa razão, este artigo expõe o resultado de uma investigação que buscou, na origem histórica dessas teorias, o motivo da ênfase conferida aos conceitos científicos. Identificou-se que o motivo dessa valorização está na perspectiva da formação integral assumida por essas teorias e na concepção de conhecimento própria da lógica materialista dialética, nas quais elas se fundamentam. O ato de conhecimento, de acordo com essa lógica, envolve a abstração, generalização, análise e síntese como processos do pensamento. Assim, conhecer não se restringe à verbalização do conteúdo, mas a unidade do pensamento e da palavra, o que resulta no desenvolvimento do psiquismo humano. Os conceitos científicos estão vinculados a um tipo de pensamento específico, o pensamento teórico, que é desenvolvido por meio da aprendizagem desses conceitos articulados aos processos de pensamento que lhes são próprios. Conclui-se que no campo pedagógico, a valorização do ensino de conceitos científicos deve ser acompanhada de uma visão geral da teoria, o que permite ao professor redimensionar o modo de pensar e atuar com os conceitos nas situações de ensino, aproximando a aprendizagem dos estudantes ao potencial formativo exposto teoricamente.</p> 2023-12-22T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/5735 Jornadas formativas híbridas, invertidas e (signific)ativas no ensino superior: aportes para pensar atividades síncronas 2022-05-07T19:57:36+00:00 Achilles Alves de Oliveira achillesalves@gmail.com Daniel Mill mill@ufscar.br Marcello Ferreira marcellof@unb.br <p>A partir do início de 2020, a pandemia de Covid-19 instituiu importantes demandas e acelerou drásticas e abruptas transformações no contexto educacional. No ensino superior, e particularmente na esfera pública, foram adotadas estratégias formativas emergenciais singulares, em geral, estruturadas em experiências baseadas em princípios de educação a distância (EaD) e ensino híbrido. Na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), um modelo dessa natureza (denominado Ensino Não Presencial Emergencial – ENPE) foi provoca­do e desenvolvido em resposta ao contexto pandêmico. Neste artigo, relata-se, avalia-se e reflete-se acerca da experiência de 2020/2 na disciplina de Política, Organização e Gestão da/na Educação Básica (POGEB), tomada como uma configuração possível para atividades pedagógicas em ambientes virtuais de aprendizagem (AVA). Por escopo e para aprofundamento, esta analítica restringe-se à dimensão síncrona da oferta, baseada em webconferências, complementarmente à análise já empreendida acerca da dimensão assíncrona em ambiente virtual de aprendizagem. Como resultado, são apresentados aportes para pensar e realizar atividades pedagógicas síncronas coerentes com jornadas formativas na perspectiva de uma aprendizagem ou sala de aula invertida, flexível, híbrida, ativa e significativa. Importante observar que os elementos registrados na experiência corroboram as reflexões teóricas apresentadas, entretanto, apesar dos aspectos positivos identificados, remanescem desafios importantes em relação à adoção de estratégias didáticas de mediação síncrona no ensino superior.</p> 2023-12-22T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/6618 Apresentação do Dossiê Formação de professores que ensinam matemática 2023-12-11T16:36:18+00:00 Jonei Cerqueira Barbosa jonei.cerqueira@ufba.br Samira Zaidan samira@fae.ufmg.br Vanessa Dias Moretti vanessa.moretti@unifesp.br <p>Apresentação: Dossiê Formação de professores que ensinam matemática.</p> 2023-12-13T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2023 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/6223 Subdomínios do Conhecimento Matemático para o Ensino mobilizados por meio da escrita de professores 2023-03-21T14:28:44+00:00 Henrique Rizek Elias henriquerizek@hotmail.com Línlya Sachs linlyasachs@yahoo.com.br <p>O objetivo desta pesquisa é identificar subdomínios do Conhecimento Matemático para o Ensino mobilizados por meio da prática de escrita realizada por professores em uma disciplina de um curso de mestrado profissional em Ensino de Matemática. A disciplina contou com a participação de dez professores que atuam na Educação Básica. As práticas de escrita analisadas se deram em dois fóruns de discussões realizados em um ambiente virtual de aprendizagem e em uma atividade de autoavaliação realizada por uma professora participante. Com base no quadro teórico do Conhecimento Matemático para o Ensino (MKT), proposto por Deborah Ball e colaboradores, foi possível identificar que todos os subdomínios do MKT foram mobilizados durante as discussões nos fóruns e, no caso da autoavaliação, alguns subdomínios foram mais evidentes, como o Conhecimento do Conteúdo no Horizonte. Conclui-se que as atividades assíncronas, especialmente o fórum, permitem que os participantes, além de praticarem a escrita, organizem seus pensamentos antes de escrever, busquem referenciais teóricos para fundamentar suas afirmações e consultem seus alunos da Educação Básica para enriquecer as discussões. Por fim, sugere-se que as escritas dos professores, quando intencionalmente organizadas levando-se em consideração os subdomínios identificados, podem ser utilizadas em processos de formação inicial ou continuada de professores que ensinam Matemática.</p> 2023-12-13T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/6255 Recursos de um professor e de uma professora para ensinar matemática em turmas da EJA-Campo 2023-03-09T16:07:17+00:00 Josias Pedro da Silva josias.pedro@ufpe.br Iranete Maria da Silva Lima iranete.lima@ufpe.br <p>O artigo traz um recorte de uma pesquisa de doutorado que visa compreender o sistema de documentação de professores(as) que ensinam matemática em turmas da Educação de Jovens e Adultos do Campo, e a relação com os ambientes de aprendizagem propostos por eles(as). Trata-se da ampliação de um artigo publicado no <em>VIII Seminário Internacional de Pesquisas em Educação Matemática</em>, que apresenta uma caracterização de recursos utilizados por um professor da referida modalidade para ensinar matemática, busca classificá-los como materiais e não materiais e analisa as relações entre eles. A ampliação consiste na apresentação e na análise dos recursos utilizados também por uma professora na retomada do ensino presencial após o ensino remoto vivenciado durante a pandemia da Covid-19. A pesquisa ancora-se na metodologia da investigação reflexiva para realizar entrevistas semiestruturadas com esses professores, solicitar que produzissem um vídeo para apresentar os recursos disponíveis nas escolas e que utilizavam para ensinar matemática e, depois disso, construir uma representação esquemática de tais recursos. As análises dos dados produzidos revelam que a maioria dos recursos utilizados pelo professor está associada a objetos do dia a dia, ao passo que, entre os utilizados pela professora, prevaleceram aqueles associados às Tecnologias da Comunicação e Informação, o que pode denotar a influência do ensino remoto. Observa-se, também, uma preocupação de ambos em relacionar alguns recursos às realidades dos(as) estudantes da Educação de Jovens e Adultos do Campo, mesmo que não seja um aspecto predominante nos dados analisados.</p> 2023-12-13T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/6248 Práticas Socioetnoculturais e o ensino de Matemática em uma escola quilombola na perspectiva da Etnomatemática 2023-02-27T18:10:56+00:00 Hélio Rodrigues dos Santos rodrigueshelio75@gmail.com Geraldo Eustáquio Moreira geust2007@gmail.com <p>A Etnomatemática tem por finalidade afastar-se das concepções conteudistas e embasar-se nas práticas socioetnoculturais territoriais e antropológicos que cada grupo social utiliza para produzir tecnologia. Com efeito, essa pesquisa se refere às práticas socioetnoculturais e o ensino de Matemática fundamentado na Etnomatemática. Para isso, temos como objetivo propor práticas pedagógicas de ensino e aprendizagem de Matemática no cenário etnomatemático. Propomos realizar atividades pedagógicas no âmbito da Etnomatemática e identificar as contribuições do uso dessas atividades pedagógicas assentadas na Etnomatemática. De cunho qualitativo e exploratório, a metodologia adotada foi o estudo de caso e, para coleta de dados, utilizamos a observação participante e a análise das produções desenvolvidas pelos estudantes. Os resultados revelaram que a Etnomatemática faz-se presente no dia a dia dos estudantes; que eles e os professores reconhecem as práticas socioetnoculturais, porém pouco têm sido trabalhadas em sala de aula; o desenvolvimento de novas metodologias/atividades contribuíram para a formação de professores; o conjunto de atividades realizadas contribuiu para os estudantes e professores aproximarem o cotidiano do ensino de Matemática ensinado em sala de aula, além de revelar a necessidade de experiências como essas para potencializar o ensino de Matemática nas comunidades quilombolas, fortalecendo o traço e a identidade cultural da comunidade.</p> 2023-12-13T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/6228 Contribuições da Pesquisa Baseada em Design na formação inicial de professores de Matemática 2023-02-27T18:34:30+00:00 Elisângela Fouchy Schons elisangela.schons@iffarroupilha.edu.br Eleni Bisognin eleni@ufn.edu.br <p>O processo de ensino e aprendizagem é um complexo sistema de interações comportamentais e metodológicas e o professor é o seu principal articulador. A Pesquisa Baseada em <em>Design</em> é uma metodologia que busca colaborar com a compreensão desse processo por meio da implantação de princípios de <em>design</em> e o trabalho conjunto entre pesquisadores e professores através da constituição de um grupo de colaboradores. Nesse sentido, essa pesquisa tem por objetivo analisar as contribuições dessa metodologia na construção de conhecimentos para o ensino de Geometria Espacial por estagiários de um curso de Licenciatura em Matemática. O artefato pedagógico construído por meio dessa metodologia, constitui-se de uma sequência de atividades sobre Poliedros e o seu desenvolvimento seguiu as etapas propostas por Reeves (2000). Apresenta-se aqui a atividade de exploração de prismas e pirâmides, nas suas duas aplicações, a primeira no ensino presencial e a segunda no ensino remoto. As características apresentadas por cada um desses modelos de ensino fizeram com que o grupo de colaboradores planejasse e replanejasse as atividades, os materiais e os recursos utilizados. Nos dois modelos foi possível observar os conhecimentos matemáticos para o ensino mobilizados pelos estagiários. Pode-se inferir que o resultado satisfatório dessa aplicação foi fruto do trabalho em equipe, característica importante da metodologia de Pesquisa Baseada em <em>Design</em>.</p> 2023-12-13T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/6249 Promovendo o raciocínio matemático: tarefas de exploração na prática como componente curricular 2023-03-21T23:20:04+00:00 Flávia Sueli Fabiani Marcatto flaviamarcatto@unifei.edu.br <p>Este artigo apresenta resultados de uma investigação sobre o raciocínio matemático por meio da implementação de Tarefas de Exploração e Desenvolvimento da Aprendizagem e do Ensino na formação de professores de matemática. O estudo faz parte de um projeto maior, guiado pela implementação de estudos em Educação Matemática com o objetivo de projetar uma intervenção em uma disciplina do curso de matemática que articule a prática de ensino de matemática e as horas de prática como componente curricular. Apoia-se em estudo de caso e em experimentos de design com foco nos processos de aprendizagem a partir de tarefas de exploração com o objetivo de identificar e documentar processos de raciocínio e mudanças no ambiente de aprendizagem e fomentar novas crenças sobre a natureza do ensino de matemática. A experiência envolveu futuros professores de matemática que estão cursando horas de Prática como Componente Curricular (PCC). Destaca-se o papel que as representações matemáticas desempenham na compreensão, organização e planejamento de sequências instrucionais. Os resultados evidenciam a importância das tarefas exploratórias, que favorecem ambientes colaborativos no processo de formação, direcionam a atenção a aspectos do conteúdo e propõem uma inovação na dinâmica da sala de aula, dando protagonismo aos alunos, e podem, ainda, desenvolver o raciocínio indutivo baseado na identificação de padrões, construindo os seus próprios esquemas visuais ou numéricos que desempenham uma dupla função de compreensão e de registro. O raciocínio dedutivo baseado em definições e propriedades matemáticas, utilizando representação algébrica para formularem conjecturas, também foi utilizado pelos licenciandos.</p> 2023-12-13T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/6240 Um olhar sobre a mobilização de conhecimentos matemáticos próprios da docência no Pibid 2023-05-08T15:11:17+00:00 Nathalia Luiza Soares Peixoto nathalia.lsp@gmail.com Ana Cristina Ferreira anacf@ufop.edu.br <p>A participação no Pibid e sua relevância para a formação inicial de professores de Matemática tem sido amplamente documentada. Contudo, ainda são poucos os estudos que investigam os conhecimentos matemáticos mobilizados Pibid. Visando avançar nessa compreensão, procurou-se neste artigo desvelar conhecimentos matemáticos, próprios da docência, mobilizados no âmbito do Pibid Matemática de um Instituto Federal de Minas Gerais a partir de memórias e produções de dois egressos do programa. Trata-se de um estudo de natureza qualitativa no qual os dados foram produzidos a partir de documentos (relatórios e um Trabalho de Conclusão de Curso) e de uma entrevista semiestruturada realizada com os egressos. Os dados foram analisados à luz das noções de matemática escolar e matemática acadêmica desenvolvidos por Moreira e colaboradoras e organizados em dois eixos: conhecimentos matemáticos próprios da docência mobilizados nas ações e interações do Pibid e, conhecimentos matemáticos próprios da docência mobilizados em um Trabalho de Conclusão de Curso. Os resultados sugerem que, na maioria das ações e interações vivenciadas pelos pibidianos, predomina uma tentativa bem-intencionada de adaptar a matemática acadêmica ao trabalho com a Educação Básica. Contudo, raros foram os indícios de matemática escolar presentes nas ações relacionadas ao programa, ainda que se verifique uma atenção às demandas da prática docente. Nesse sentido, conclui-se que o Pibid poderia ampliar suas contribuições compreendendo a matemática escolar como conteúdo específico da formação docente e proporcionando aos licenciandos oportunidades de desenvolvimento de conhecimentos matemáticos próprios da docência.</p> 2023-12-13T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/6230 Conhecimentos evidenciados por futuros professores em uma proposta inclusiva com o Jogo “Frações com dominó” 2023-02-27T18:24:23+00:00 Jean Carlos Lemes jnlemes8@gmail.com Eliane Matesco Cristovão limatesco@unifei.edu.br <p>Este artigo apresenta um recorte de uma pesquisa de mestrado que considera a Base de Conhecimento para o Ensino, de Shulman (1986,1987), e o modelo do Conhecimento Especializado do Professor de Matemática (MTSK), proposto por Carrillo <em>et al</em>. (2013), como dispositivos analíticos dos conhecimentos docentes. Neste artigo busca-se identificar e classificar os conhecimentos evidenciados por licenciandos ao desenvolverem uma proposta de atividade sobre operações com frações, pautada no uso do Jogo “Frações com dominós”, com o intuito de favorecer a inclusão de alunos com surdez ou deficiência auditiva em turmas regulares de ensino. A pesquisa, de cunho qualitativo, ocorreu no contexto da pandemia de Covid-19, e teve seus dados produzidos por gravações em vídeo e registros escritos de licenciandos matriculados em uma disciplina com enfoque inclusivo. Esta disciplina, contempla a Prática como Componente Curricular, em um curso de Matemática Licenciatura de uma universidade federal. A partir do modelo do MTSK, o processo analítico indica evidências de todos os subdomínios do Conhecimento Pedagógico de Conteúdo e, também, de um dos subdomínios do Conhecimento Matemático, relativo aos Tópicos. O Conhecimento do Ensino da Matemática mostrou-se como o subdomínio mais recorrente nas falas e produções dos futuros professores, sobretudo, nas reflexões acerca das possibilidades da utilização do Jogo no contexto de ensino da Matemática na perspectiva inclusiva. Esse último aspecto também se ressaltou com a análise dos Conhecimentos para o Ensino, os quais evidenciaram a preocupação dos futuros professores com a formação docente e a prática de ensino na perspectiva inclusiva.</p> 2023-12-13T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/6246 Movimentos Formativos no Clube de Matemática: o Projeto Orientador de Atividade 2023-02-27T17:38:43+00:00 Halana Garcez Borowsky halana.borowsky@gmail.com Anemari Roesler Luersen Vieira Lopes anemari.lopes@gmail.com <p>O presente artigo traz resultados de uma pesquisa de doutorado cujo principal objetivo foi investigar as relações essenciais do movimento de formação docente no projeto Clube de Matemática – na perspectiva da Teoria Histórico-Cultural. A investigação teve como sujeitos: acadêmicas de graduação, professoras da educação básica e estudantes de pós-graduação que atuavam no projeto. A produção de dados deu-se a partir do acompanhamento do trabalho do projeto denominado Clube de Matemática durante um ano, sendo os mesmos organizados a partir de episódios de formação, que constituíram três unidades de análises: o conhecimento científico, a organização do ensino e a formação humana. A análise dos achados possibilitou a compreensão de que as relações essenciais do movimento de formação estabelecidas em um projeto, ao promoverem nos sujeitos envolvidos um motivo que gere sentido à atividade de formação docente, tendo como premissa a coletividade, permitem compreendê-lo como um projeto orientador de atividade. Essa coletividade alcança-se quando a atividade realizada pelos sujeitos se dirige à realização de objetivos traçados pelo grupo que a compõe e cada um contribui, com seu esforço pessoal, para alcançá-los. Na coletividade, tal qual nos aponta Petrovski (1986) os objetivos são socialmente valiosos, ou seja, não se encerram no próprio grupo e essa deve ser uma premissa de projeto orientador de atividade, como um modo geral de formação docente na perspectiva da Teoria Histórico-Cultural.</p> 2023-12-13T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/6239 Educação Escolar Quilombola em Licenciaturas de Educação do Campo que formam professores de Matemática 2023-05-08T15:08:32+00:00 Aldinete Silvino de Lima aldinete.silvino@professor.ufcg.edu.br Kaled Sulaiman Khidir kaled@uft.edu.br Fernando Luís Pereira Fernandes fernando.fernandes@uftm.edu.br <p>O artigo tem por objetivo compreender como são estruturados os núcleos formativos de cursos de Licenciatura em Educação do Campo que formam professores de Matemática. O estudo é fruto de parte dos resultados de um projeto de pesquisa interinstitucional e buscou caracterizar os cursos de licenciatura que ofertam a formação de professores de Matemática para atuar nos anos finais do Ensino Fundamental e no Ensino Médio, em contextos socioculturais específicos. Nesse cenário, discute-se a formação de professores de Matemática em cursos de Licenciatura em Educação do Campo e princípios, conceitos e documentos legais que fundamentam e regulamentam a Educação Escolar Quilombola. Realizou-se uma análise documental, cujo <em>corpus</em> foi constituído pelos Projetos Político-Pedagógicos de quatro cursos de universidades públicas federais localizadas nas regiões Nordeste, Sudeste, Norte e Centro-Oeste do país. Por meio da análise de conteúdo temática, delinearam-se três categorias analíticas: formação geral e sociopolítica; formação matemática; e formação pedagógica integradora. Os resultados evidenciam que os núcleos formativos dos quatro cursos apresentam indícios de uma formação sociopolítica integrada à formação matemática. A análise aponta possibilidades para propor componentes curriculares que estabeleçam relação com a diversidade sociocultural dos povos quilombolas, não somente no componente Educação para as Relações Étnico-Raciais. Diante disso, reflete-se sobre as implicações da formação docente para atuação de egressos na Educação Escolar Quilombola e sugere-se a prescrição da formação sociopolítica em documentos de cursos que formam professores de Matemática para além dos contextos socioculturais investigados.</p> 2023-12-13T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/6227 Desenvolvimento profissional e saberes docentes de professores(as) de matemática ao participarem do programa PARFOR/AM 2023-03-06T17:47:25+00:00 Ana Acácia Pereira Valente avalente@ufam.edu.br Gilberto Francisco Alves de Melo gfmelo0032003@yahoo.com.br <p>O objetivo do trabalho foi compreender como os(as) professores(as) de Matemática do Ensino Básico do município de Itacoatiara-AM, que participaram do Programa Nacional de Formação de Professores da Educação Básica (PARFOR), produziram e/ou mobilizaram seus saberes docentes. Visando responder “como os (as) professores (as) de Matemática do Ensino Básico, do município de Itacoatiara-AM, se desenvolveram profissionalmente, produziram e/ou mobilizaram os saberes docentes ao participar do Programa PARFOR?” - e defender a tese que os(as) professores(as) de Matemática perceberam tanto contribuições como limitações da formação ofertada pelo PARFOR, que impactaram seu desenvolvimento profissional e influenciaram na produção e mobilização de seus saberes docentes. O referencial adotado se apoia na constituição dos saberes necessários e/ou conhecimento especializado do(a) professor(a) de Matemática. A metodologia foi um Estudo de Caso, com uma abordagem qualitativa, com: pesquisa documental sobre o Programa; entrevistas semiestruturadas com um coordenador institucional, quatro professores(as) formadores(as) e cinco professores(as) egressos(as); questionários eletrônicos; narrativas autobiográficas; observação de aulas <em>on-line</em>; plano de aulas e/ou sequências didáticas; avaliação de conhecimento especializado com dez professores(as) cursistas; diário de bordo da pesquisadora. A análise interpretativa apresentou como foco a triangulação dos dados mediante a construção de categorias decorrentes do confronto com os referenciais teóricos sobre saberes docentes e conhecimento especializado do professor de Matemática. Os resultados indicaram que, apesar das dificuldades e limitações apresentadas, os(as) professores(as) construíram e/ou mobilizaram seus saberes durante sua formação e no exercício da docência aos quais constituíram indicadores de desenvolvimento profissional expressados no seu conhecimento especializado e em suas práticas pedagógicas.</p> 2023-12-13T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/6233 Processos formativos de professores na constituição do Movimento em Rede da Feira de Matemática 2023-03-09T16:12:11+00:00 Araceli Gonçalves araceli.goncalves@ifc.edu.br Regina Célia Grando regrando@yahoo.com.br <p>Este texto é parte de um estudo em andamento e objetiva investigar as concepções de formação de professores presentes no período de gestação do Movimento em Rede da Feira de Matemática, no estado de Santa Catarina. Busca, também, compreender o campo fértil de reflexões em Educação Matemática e Formação de Professores na década de 1980 no Brasil e, de maneira mais aprofundada, neste estado. Assim, esse estudo se caracteriza como uma pesquisa com viés histórico e narrativo, e evidencia a vanguarda em algumas proposições e ideias acerca das concepções de formação de professores. Numa síntese da leitura dessa primeira parte da história, destaca-se como perspectiva predominante, em termos de formação de professores, uma postura mais próxima do modelo prescrito pela pesquisa de desenvolvimento, com foco na elaboração, implementação, reflexão e socialização de materiais didáticos voltados ao ensino de Matemática no primeiro grau. Desde o início, os formadores se preocuparam em garantir que os professores participassem de todas as etapas do processo. Tais participações foram, aos poucos, se ampliando e a Feira Catarinense de Matemática contribuiu significativamente na última etapa deste modelo relativa à difusão e à adoção de ideias inovadoras. No tocante às tendências para o ensino da Matemática, a preponderante foi a construtivista. Os diversos movimentos formativos realizados na época contribuíram para que os professores adquirissem confiança e conhecimento necessários para um caminhar em direção a uma mudança de paradigma.</p> 2023-12-13T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/6252 O trabalho em parceria como instrumento de desenvolvimento profissional de professoras que ensinam matemática 2023-02-26T23:04:10+00:00 Iris Aparecida Custódio irisapcustodio@gmail.com Adair Mendes Nacarato ada.nacarato@gmail.com <p>O presente texto, recorte de uma investigação de doutorado, na modalidade pesquisa narrativa, visa identificar e discutir o trabalho colaborativo, por meio de uma parceria entre professoras que ensinam matemática como instrumento de desenvolvimento profissional. Essa investigação foi realizada em uma sala de aula de 3.º ano do Ensino Fundamental, de uma escola pública municipal do estado de São Paulo, em que a pesquisadora, professora de matemática, estabeleceu uma parceria com a professora pedagoga, responsável pela turma. A produção de dados ocorreu de março a julho de 2017, período em que pesquisadora e professora parceira, em uma perspectiva colaborativa, planejaram, desenvolveram, registraram, avaliaram, replanejaram tarefas voltadas às noções espaciais e refletiram sobre elas. As aulas foram videogravadas, os momentos de planejamento de tarefas e análise de registros audiogravados e posteriormente transcritos e transformados em episódios interativos. Tomando referenciais da perspectiva histórico-cultural, das ideias bakhtinianas e da pesquisa narrativa, assume-se o desenvolvimento profissional como decorrente de aprendizagens construídas de forma alteritária, nas diferentes interações que o professor estabelece no exercício da profissão. O texto, a partir de episódios que compreendem momentos de interação entre professora parceira e pesquisadora ou entre elas e as crianças, traz indícios de como os processos intersociais e reflexivos das professoras parceiras promoveram aprendizagens e possível desenvolvimento profissional.</p> 2023-12-13T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/6235 Os grupos de estudos e a formação docente de professores que ensinam matemática nos anos iniciais 2023-03-09T16:11:47+00:00 Thais Helena Guilherme thaishelenaguilherme0@gmail.com Reginaldo Fernando Carneiro reginaldo.carneiro@ufjf.br <p>A participação de professores em grupos de estudos é uma possibilidade de formação e de reflexão sobre a prática docente que pode contribuir para o desenvolvimento profissional do professor que ensina matemática nos anos iniciais. O objetivo deste artigo foi identificar contribuições da participação em grupos de estudos para a formação desse profissional. Para isso, realizou-se um levantamento dos trabalhos sobre a temática publicados em três eventos importantes da área de Educação Matemática: Reunião Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação (ANPED), Encontro Nacional de Educação Matemática (ENEM) e Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (SIPEM), no período compreendido entre 2010 e 2019. Encontraram-se sobre o tema 19 trabalhos, que foram categorizados em: conteúdo matemático, formação inicial, análise de tarefas, parceria universidade-escola, mudança de prática docente no contexto escolar e formação de formadores. As análises evidenciaram que nesses grupos foram abordados conceitos e conteúdos matemáticos que, muitas vezes, são deixados em segundo plano, como a geometria e grandezas e medidas. Além disso, a participação dos professores permitiu que planejassem e analisassem, em conjunto, atividades para serem desenvolvidas em sala de aula. Também possibilitou o compartilhamento de experiências, a ajuda mútua, a colaboração, a formação de um espaço em que foram ouvidos e puderam discutir sobre desafios da prática, o que auxiliou no desenvolvimento profissional docente.</p> 2023-12-13T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/6226 Marcas da matemática do processo de escolarização e suas influências na prática docente 2023-02-27T18:29:47+00:00 Rayane de Jesus Santos Melo rayane.melo@ufma.br Keli Cristina Conti keli.conti@gmail.com Carmen Lúcia Brancaglion Passos carmen@ufscar.br <p>Este artigo, ampliação do texto “As marcas da matemática do processo de escolarização e suas influências na formação e prática docente”, apresentado no Seminário Internacional de Pesquisas em Educação Matemática (Sipem), decorre de uma Atividade Curricular de Integração Ensino, Pesquisa e Extensão (Aciepe) e apresenta como objetivo identificar, a partir de narrativas escritas, as marcas da matemática do processo de escolarização e como elas influenciam ou influenciaram a prática docente. Buscou-se ouvir dos participantes o que tinham a dizer sobre as formas de ensino de matemática em suas salas de aula; quais os materiais utilizados; e quais as práticas lembradas do seu processo de escolarização. A pesquisa possui uma abordagem qualitativa, e os dados foram construídos por meio de um convite à escrita de uma narrativa, proposta aos 20 participantes, apresentados neste artigo com nomes fictícios. As narrativas foram analisadas a partir de dois focos: “as práticas de ensino vivenciadas no processo de escolarização”; e “as influências das marcas da matemática escolar na prática docente”. O convite à escrita possibilitou aos participantes o movimento de olhar para si, rememorar suas experiências, produzir histórias e refletir sobre seus processos de formação e constituição. Espera-se que este artigo contribua para que professores em atuação e/ou licenciandos percebam o quanto a escrita de narrativas e o rememorar e compartilhar experiências com a matemática em grupo de estudos podem tornar-se um momento formativo para a ampliação do seu repertório de conhecimento e para reflexão da sua prática docente.</p> 2023-12-13T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/6251 FormAção-continuada em Modelagem Matemática na modalidade remota: a rede e o fenômeno da hibridização 2023-03-09T16:07:52+00:00 Flavia Cristina de Macêdo Santana fcmsantana@uefs.br <p>Este artigo objetiva descrever e mapear as associações que envolvem uma heterogeneidade de elementos humanos e não humanos em um contexto de um programa de formAção-continuada em Modelagem Matemática na modalidade remota. Para tanto, seguiu-se os caminhos propostos pela Teoria Ator-Rede (TAR) com o intuito de apresentar um olhar voltado para as práticas mapeadas em um curso de extensão ofertado durante o Período Letivo Extraordinário (PLE) da Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs) na modalidade remota, em função da pandemia da Covid-19, em 2020. A proposta estava vinculada a três núcleos da Sociedade Brasileira de Educação Matemática (Sbem), com sede em três universidades públicas no interior da Bahia. Toma-se a rede como uma "ferramenta metodológica", não apenas para descrever o que aconteceu, mas para analisar os elementos que criam um mundo e suas associações. Tem-se como referência os princípios do agnosticismo, da simetria generalizada e da associação livre para descrever as práticas. Os resultados indicam que associações estabelecidas entre os formadores-participantes e o <em>WhatsApp</em>, entre os formadores-participantes, o <em>Google Meet</em> e o <em>Google Forms</em>, bem como entre participantes do curso e o <em>Google Classroom</em> deram origem a novas associações que se denominam associações colaborativas internas, externas, alternativas e matemáticas. Essas associações colocaram em relevo o engajamento, a interatividade e a produtividade, cartografados no curso de formação.</p> <p> </p> 2023-12-13T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/6231 Formação de Professores: Matemática para o Ensino na Investigação de Conceito 2023-03-28T22:23:34+00:00 Maria Auxiliadora Vilela Paiva vilelapaiva@gmail.com Tatiana Bonomo de Sousa tatibonomo@gmail.com Ayandara Pozzi de Moraes Campos ayandara.campos@gmail.com <p>Este artigo apresenta e discute como a perspectiva da Matemática para o Ensino embasa pesquisas a partir da Investigação de Conceito (<em>Concept Study</em>), metodologia de pesquisa e formação, proposta por Brent Davis e seus colaboradores. Em uma linha qualitativa, as pesquisas apresentadas foram desenvolvidas pelo Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Matemática do Espírito Santo (Gepem-ES) vinculadas ao Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática (Educimat) do Instituto Federal do Espírito Santo (Ifes). Ocorreram em contextos de formação inicial ou continuada de professores, no período de 2016 a 2021, por meio da investigação dos conceitos de equação diofantina linear, padrões e generalizações, proporcionalidade e área, para o ensino. Com o intuito de possibilitar aos participantes destas formações a compreensão do seu papel no próprio processo de ensino e aprendizagem e colaborar em mudanças na prática docente, foram valorizados os saberes que emergem da prática docente e das experiências do futuro professor. Desse modo, analisamos quatro relatórios de dissertações, discutidas coletivamente com os autores das pesquisas. Os dados analisados indicam que as formações desenvolvidas, por meio da Investigação de Conceito, contribuíram para um movimento de (re)significação<a href="#_ftn1" name="_ftnref1"><sup>[1]</sup></a>/ampliação dos conceitos matemáticos abordados, implicando na reestruturação de saberes dos participantes para o ensino.</p> <p> </p> <p><a href="#_ftnref1" name="_ftn1"><sup>[1]</sup></a> A palavra ressignificação tem como primitiva a palavra signo, a que se juntam alguns afixos. Interessa aqui apenas destacar sua junção com o prefixo re. De origem latina, pode acrescentar aos termos com os quais formam novas palavras com três sentidos: repetição, reforço e recuo, este último indicando algo como “voltar ao ponto de partida”. A opção por grafar entre parênteses o prefixo re- escrevendo (re)significação se relaciona ao fato de querermos manter presentes não apenas esse novo sentido, mas também os provenientes dos elementos formadores da palavra na sua originalidade: o de significação e os agregados pelo prefixo re-, garantindo uma visão de que a busca por significações novas se dá continuamente na Educação Matemática na perspectiva da Matemática para o Ensino. </p> 2023-12-13T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/6241 Gritos de (in)dependência na formação de professores que ensinam matemática 2023-03-21T14:17:30+00:00 Diego Matos diego.matos@uniriotec.br Victor Giraldo victor.giraldo@ufrj.br Wellerson Quintaneiro profmatwellerson@gmail.com <p>Numa afirmação da especificidade de conteúdo da profissão docente, Shulman subverte o aforismo “<em>Quem sabe faz, quem não sabe ensina</em>” na proposição de “<em>Quem sabe faz, quem compreende ensina</em>”. Em um cenário idealizado que cruza esta manifestação com o grito de “<em>Independência ou Morte?</em>” atribuído a D. Pedro I, situamos a discussão travada por Shulman numa disputa política, não necessariamente geográfica, mas no território do conhecimento, tendo em voga atores como: “quem faz”, “quem sabe” e “quem ensina”. Buscando, neste artigo, um deslocamento dessa discussão, propomos uma reflexão decolonial considerando quem foi situado no lugar de negação – de não saber – nesse debate. Nosso objetivo, neste texto, é deslocar debates sobre formação de professores que ensinam matemática a um terreno político, por meio: (a) de reflexões sobre colonialidade que interpelem a literatura de formação de professores; e (b) da identificação de discursos de resistência em experiências de estudantes com matemática(s), mobilizadas, no decorrer de seus percursos formativos, em contextos institucionais de educação (escola básica e universidade). Sobre o primeiro ponto, entendemos que – e assim buscamos desenvolver no texto – um diálogo teórico-político com pensadores de grupos subalternizados, que foram situados à margem das fronteiras acadêmicas, tem enorme potencial para a construção de caminhos outros, quando do tensionamento na literatura de formação de professores. Já na análise do discurso dos estudantes, trazemos uma oportunidade de desaprendizagem, considerando uma ressonância dos gritos contracoloniais sobre apagamentos de gênero, de corpos e de seres em diferentes práticas matemáticas na academia e na escola.</p> 2023-12-13T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/6243 Pontos de enfoque de pesquisas brasileiras sobre a formação continuada de professores que ensinam matemática 2023-02-27T23:04:36+00:00 Márcia Cristina de Costa Trindade Cyrino marciacyrino@uel.br Rita Santos Guimarães guimaraes.rita@gmail.com Andréia Maria Pereira de Oliveira ampo@ufba.br <p>O presente artigo tem como objetivo discutir características de investigações brasileiras sobre formação continuada de professores que ensinam matemática (PEM). Para tanto, foram analisados os pontos de enfoque de 218 artigos publicados em periódicos classificados pela Capes nas áreas de Ensino e/ou Educação que têm a formação continuada como temática de investigação. Na análise, foram identificados artigos que assumem a pesquisa em formação continuada de PEM como "objeto de investigação" ou como "contexto para investigação". As pesquisas que assumem a formação continuada como "objeto de investigação" buscam compreender "como" o processo de formação pode promover a aprendizagem e o desenvolvimento profissional de PEM. Nas pesquisas em que a formação continuada de PEM é assumida como "contexto para investigação" são analisados aspectos da profissionalização docente na busca de compreender "o que" pode ser aprendido no processo de formação para o desenvolvimento profissional de PEM. Independentemente das características assumidas nas pesquisas analisadas, elas podem fomentar o debate e a elaboração de políticas públicas de formação continuada de PEM, seja por apresentarem informações importantes sobre práticas de formação e seus elementos estruturantes, seja por problematizar formas de promover processos reflexivos que auxiliem professores em formação na análise e na tomada de decisões na/para prática profissional.</p> 2023-12-13T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/6236 Análise multimodal de vídeos: contribuições da Teoria da Objetivação para a pesquisa sobre formação de professores que ensinam Matemática 2023-02-27T23:09:45+00:00 Vanessa Dias Moretti vanessa.moretti@unifesp.br Luis Radford lradford@laurentian.ca <p>O texto apresenta e discute as contribuições metodológicas da Teoria da Objetivação (TO) para a análise multimodal de vídeos na pesquisa sobre formação de professores que ensinam matemática. Na primeira parte do texto, com base na teoria histórico-cultural e na Teoria da Objetivação e suas implicações para a pesquisa, o uso do vídeo é apresentado como estratégia metodológica de captura e análise de dados coerente com uma compreensão de aprendizagem como atividade humana coletiva e processo de tomada de consciência dos sujeitos. Na segunda parte, são discutidos exemplos desse tipo de análise em dados de pesquisa desenvolvida pelos autores acerca do desenvolvimento do pensamento algébrico de professores. Conclui-se que a análise multimodal - imagens, registros orais e escritos, gesto etc. - proposta pela TO, na qual diferentes recursos semióticos são analisados como um todo dialético, oferece um caminho para a melhor compreensão dos processos formativos de professores. Ao subsidiar a análise minuciosa dos elementos que impactam a aprendizagem docente evidencia-se o processo de tomada de consciência do significado matemático em jogo o que, por sua vez, supera cada registro analisado de forma independente. A transposição da metodologia da TO para a formação de professores que ensinam matemática é inédita, uma vez que essa teoria tem sido utilizada para compreender a aprendizagem de estudantes em aula. No campo de formação de professores ainda há muito potencial a ser explorado acerca da abordagem metodológica pautada na TO, o que justifica a relevância da proposta de análise de vídeos apresentada nesse texto.</p> 2023-12-13T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/6563 Formação de professores que ensinam Matemática: um campo de estudo de realizações e desafios 2023-08-31T22:11:17+00:00 João Pedro da Ponte jpponte@ie.ulisboa.pt <p>Neste artigo, analiso os estudos deste número especial, utilizando minha própria linguagem para destacar aspectos notáveis em cada trabalho. Os artigos são categorizados em quatro temas principais: didática da Matemática, formação inicial de professores, professores em serviço e formação contínua, e metodologia de investigação. Na seção de Didática da Matemática, os artigos focam no conhecimento e prática letiva dos professores, explorando subdomínios do conhecimento matemático e didático, e a importância de conectar as tarefas de ensino com a realidade dos alunos. Esta seção enfatiza a aplicação prática dos conceitos centrais da didática da Matemática. A Formação Inicial de Professores é discutida com ênfase na preparação de educadores para ensinar matemática de acordo com as orientações curriculares atuais, destacando a necessidade de inovação na prática pedagógica. Os artigos abordam estratégias formativas, incluindo o uso de materiais didáticos e o desenvolvimento do raciocínio matemático. A seção sobre Professores em Serviço e Formação Contínua apresenta uma gama de abordagens, incluindo análises de programas de formação e o papel do trabalho colaborativo. Esta seção ressalta a integração da didática da Matemática nos processos formativos para aprimorar a prática docente. Por fim, a Metodologia de Investigação é discutida, destacando a necessidade de desenvolver novos métodos de pesquisa em Educação Matemática. O artigo conclui enfatizando a centralidade da didática da Matemática, a importância de aprofundar os processos formativos e a necessidade de aprimorar as metodologias de investigação.</p> <p> </p> 2023-12-13T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2023 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/4551 De uma agenda regressiva: O movimento Escola Sem Partido e o espírito do tempo 2022-04-29T00:17:56+00:00 Alexandre Fernandez Vaz alexfvaz@uol.com.br <p>O Brasil viveu entre 2018 e 2022 um governo de características inéditas em sua história. Pela primeira vez ascendeu à presidência da República pelo voto direto um candidato que se colocara sempre em posição contrária aos princípios democráticos. Essa posição foi bem sintetizada em sua declaração ao votar, como deputado federal, pelo impedimento da então presidente Dilma Rousseff. Aludindo o golpe empresarial-militar de 1964, declarou que a vitória de então se repetia naquele momento, 2016. A candidatura e o governo de Bolsonaro se alicerçaram em uma agenda econômica ultraliberal associada a uma pauta regressiva nos costumes, com presença importante do extremismo religioso. Nesse contexto atuou com desenvoltura o Movimento Escola Sem Partido. Este ensaio ocupa-se dele em dois movimentos, o de localiza-lo na pauta supracitada e na análise de dois de seus pilares, o anti-iluminismo, representado pela submissão da escola à família, e a repressão sexual, que se materializa na afirmação dos modelos tradicionais de família e na recusa a qualquer expressão que não seja correspondente à heterossexualidade. Tudo o que diverge desse universo é considerado comunismo, no primeiro caso, e ideologia de gênero, no segundo. Argumenta-se ao final, que esses dois pilares destroem a possiblidade de construção de um sujeito autônomo, ao impedirem o pensamento e interditarem a experiência do desejo.</p> <p><br /><br /></p> 2023-09-27T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/5571 O niilismo em perspectiva: olhares, implicações e possibilidades sobre as teorias da Educação Física 2022-05-07T01:45:54+00:00 Fidel Machado de Castro Silva fidelmcsilva@gmail.com Mário Luiz Ferrari Nunes mario.nunes@fef.unicamp.br <p>Influenciados pelo filósofo alemão Friedrich Nietzsche e o conceito de niilismo, neste texto, navegamos pelos mares turbulentos do atual debate curricular, a fim de promover outros olhares para a Educação Física. Nesse bojo, levantamos implicações e possibilidades para pensar algumas teorias curriculares. Para dar conta do que se anuncia, em um primeiro momento, com a contribuição de Gilles Deleuze, centramos esforços em apresentar o niilismo em quatro perspectivas. A seguir, tensionamos algumas das perspectivas de Educação Física em voga, ao mesmo tempo em que tomamos a perspectiva do denominado currículo cultural da Educação Física em diálogo com algumas noções nietzschianas que contribuem para a existência dessa perspectiva-proposta-aposta. O que pretendemos é contribuir para que a ação de suspeitar das certezas sirva como subsídio, ação constante e mola propulsora para criar outras formas de pensar, sentir, agir e potencializar a afirmação da vida na sua integralidade, nas suas vicissitudes e paroxismos. O exposto nas linhas vindouras não possui pretensões universais ou de transformação social, mas de contribuir para o enfrentamento das condições anti-vida em que vivemos. Uma experiência estético-ética no campo da Educação Física, que ensaia uma aproximação com o debate do campo das teorias do currículo da Educação Física e o pensamento nômade de Nietzsche. Trata-se muito mais de uma proposta-aposta do que uma proposta-resposta.</p> <p><br /><br /></p> 2023-09-27T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/3961 O Desenvolvimento da Linguagem Escrita da Criança: implicações pedagógicas da teoria histórico-cultural 2020-02-05T22:31:15+00:00 Anderson Borges Corrêa abc-anderson@outlook.com <p>Este ensaio resulta de uma reflexão teórica de uma pesquisa de doutorado. O objetivo é o exercício de reflexão, a partir da Teoria Histórico-Cultural, sobre os princípios teóricos e metodológicos que podem favorecer o desenvolvimento da linguagem escrita da criança no contexto da Educação Infantil e do Ensino Fundamental, em contraposição a uma concepção de escrita como técnica, cuja apropriação dependeria de exercícios práticos e sem o estabelecimento de uma situação comunicativa significativa para a criança. A partir de uma revisão dos principais conceitos de Vigotski (1997c), Luria (2006) e de outros autores em relação à formação e ao desenvolvimento da linguagem escrita como sendo uma função psíquica humana, compreende-se a linguagem escrita como uma atividade cultural e simbólica, cujo processo de apropriação acontece desde a primeira infância. Conclui-se que as diferentes maneiras utilizadas pela criança pequena para atribuir sentido ao mundo – o gesto indicativo, o jogo de papéis sociais e o desenho como instrumento – contribuem para desenvolver a capacidade gráfica para expressar, a qual se torna cada vez mais sofisticada à medida que a criança se apropria dos signos escritos, com base em indícios visuais, e da atividade de linguagem realizada por meio deles em atividades educativas intencionalmente planejadas para atingir esse objetivo, favorecendo o pleno desenvolvimento de crianças autoras e leitoras de textos.</p> 2023-10-31T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/5755 Aspectos históricos e epistemológicos do conceito de função: um estudo sobre as ideias-base 2022-05-07T21:13:14+00:00 Tamires Vieira Calado tamirescalado@hotmail.com Veridiana Rezende rezendeveridiana@gmail.com <p>A investigação aqui apresentada teve início com o desenvolvimento da dissertação de mestrado da primeira autora, naquela ocasião buscou-se investigar conhecimentos de estudantes da Educação Básica acerca da generalização da função afim. Os estudos foram aprofundados, e neste ensaio são apresentados aspectos histórico e epistemológico acerca da construção do conceito de função, explicitando suas ideias-base, ou seja, aquelas consideradas essenciais para a compreensão do conceito de função: correspondência, dependência, variável, regularidade e generalização. Para a elaboração do ensaio teórico foram considerados livros e textos científicos, artigos publicados em periódicos científicos, dissertações e teses. A investigação mostra que os primeiros registros envolvendo ideias de função foram desenvolvidos pelos babilônios há cerca de 2000 anos a. C. e contemplam as seguintes ideias-base de função: correspondência, dependência, variável e regularidade. No entanto, o processo de construção do conceito de função ocorreu de maneira lenta e as funções adquiriram uma formalização somente no século XVII, a partir da ideia de generalização das leis quantitativas em termos matemáticos, simbólicos e algébricos, o que fez com que a função assumisse um lugar de destaque dentro das ciências exatas. As ideias-base de função estiveram presentes e foram fundamentais no longo processo de desenvolvimento histórico e epistemológico desse conceito.</p> 2023-11-28T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/4423 Avaliação das habilidades matemáticas e leitoras iniciais: instrumentos de medida na escola e na clínica 2020-06-06T08:31:22+00:00 Raquel Elisa Weber quelweber@yahoo.com.br Amanda Oliveira Meggiato amandameggiato@gmail.com Fabiana de Miranda Rocha-Luna fabiana.mrocha@terra.com.br Luciana Vellinho Corso luciana.corso@ufrgs.br <p>A leitura e a matemática envolvem uma série de habilidades e processos indispensáveis ao desenvolvimento acadêmico e pessoal do indivíduo. Tanto a leitura quanto a matemática são domínios amplos, resultantes de diferentes componentes que se complementam. Quando as crianças ingressam na escola, um dos focos principais do seu desenvolvimento passa a ser o processo de escolarização, ou seja, a aprendizagem ou a não aprendizagem dos conhecimentos formais. Diante disso, surge a necessidade de avaliar esse processo de desenvolvimento. No âmbito escolar e clínico, avaliar tais habilidades é fundamental para compreender o desempenho do aluno e guiar decisões pedagógicas e terapêuticas. No entanto, os profissionais convivem com a escassez de instrumentos de medida desenvolvidos para a avaliação de habilidades acadêmicas e normatizados para a população brasileira. O artigo tem como objetivo discutir acerca da importância do uso combinado de testes padronizados e normatizados e não padronizados, suas possibilidades e limitações, além de apresentar alguns instrumentos nacionais e estrangeiros que avaliam as habilidades matemáticas e leitoras em crianças da Educação Infantil e Anos Iniciais do Ensino Fundamental. As considerações deste estudo apontam para a necessidade do uso combinado de instrumentos padronizados e normatizados e tarefas informais de pesquisa para uma precisão diagnóstica, obtendo um panorama geral e minucioso das capacidades e fragilidades dos alunos.</p> 2023-12-22T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/6313 Apresentação do Dossiê Formação de Professores Alfabetizadores: políticas, saberes e práticas 2023-01-18T19:03:25+00:00 Ilsa do Carmo Vieira Goulart ilsa.goulart@ufla.br Giovanna Rodrigues Cabral giovanna.cabral@ufla.br <p>Dossiê Formação de Professores Alfabetizadores: políticas, saberes e práticas.</p> 2023-04-10T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2023 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/5078 A (in)visibilidade da literatura infantil nas políticas públicas de alfabetização: Realidade Brasil e Portugal 2022-05-03T14:28:56+00:00 Ana Maria Esteves Bortolanza amebortolanza@uol.com.br Ângela Maria Franco Martins Coelho de Balça apb@uevora.pt Neire Márcia da Cunha neirecunha@yahoo.com.br <p>A literatura como produto da cultura humana ocupa um espaço político nas relações sociais, seja na escola ou fora dela. Como fonte de humanização da criança em seu processo de constituição, a literatura precisa ser pensada como processo e produto cultural num contexto de espaço e tempo históricos. Isto posto, o presente estudo analisa o lugar da literatura para as crianças nas políticas públicas atuais de alfabetização no Brasil e em Portugal, tendo em vista a aproximação de ambos, particularmente em razão da língua e da história. Nessa perspectiva, analisa-se nos documentos oficiais a literatura infantil no processo inicial de alfabetização, momento em que a criança se apropria da linguagem verbal, em suas diferentes manifestações, usos e funções, materializada na diversidade de gêneros discursivos. A finalidade do estudo é desvelar a (in)visibilidade da literatura no processo de alfabetização em dois documentos oficiais, a <em>Base Nacional Comum Curricular</em> (Brasil) e as <em>Aprendizagens Essenciais – Ensino Básico – Português </em>(Portugal), evidenciando as contraposições e convergências nos cenários das políticas públicas brasileira e portuguesa, de maneira a problematizar os aspectos legais que se referem à temática do estudo. A pesquisa qualitativa (2020) assenta-se em um estudo bibliográfico e documental sobre a temática. Os resultados evidenciam distanciamentos entre os documentos do Brasil e de Portugal, sugerindo ora certa visibilidade ora uma invisibilidade da literatura infantil no processo de alfabetização, contudo numa dimensão em que a arte literária se sobreleva e muito pode contribuir para a aprendizagem da leitura e da escrita da criança no processo de alfabetização.</p> 2023-04-11T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/5209 A Política Nacional de Alfabetização e a produção da nova geração: um campo de disputa 2022-05-03T21:07:24+00:00 Janaína Soares Martins Lapuente jajalapuente@gmail.com Gilceane Caetano Porto gilceanep@gmail.com Mauro Augusto Burkert Del Pino mauro.pino1@gmail.com Simone Gonçalves da Silva silva.simonegon@gmail.com <p>O artigo apresenta uma análise da política de alfabetização instituída pelo governo federal, tomando como referência a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), a Política Nacional de Alfabetização (PNA) e o Programa Tempo de Aprender, com objetivo de compreender como esses textos se articulam visando implementar um projeto político neoliberal e conservador e constituir uma determinada criança alfabetizada. A política formulada por meio do Ministério da Educação pretende melhorar os processos de alfabetização através da ciência cognitiva e de evidências sobre como as pessoas aprendem a ler e a escrever. Recorrendo à análise documental e à análise temática de conteúdo, com o aporte da abordagem do ciclo de políticas, examina os documentos e a versão <em>on-line</em> do Programa Tempo de Aprender, categorizando o que prescrevem sobre a leitura, a compreensão e produção de textos escritos, evidenciando os pressupostos da política e suas estratégias. Apesar do propósito anunciado pela PNA de enfrentar as principais causas das deficiências da alfabetização no país, a pesquisa constata que a alquimia de transformar a ciência baseada em evidências em um discurso revestido de uma verdade inquestionável subtrai a realidade objetiva da educação brasileira. A operação de atribuir a um método a salvação de um processo complexo, como a alfabetização, desconsidera os contextos sociais, econômicos e culturais, o que contribui para a produção de uma geração funcional ao sistema produtivo capitalista atual, baseado na financeirização, no controle e regulação, na desregulamentação e na precarização da formação e do trabalho docente, o que desafia a democracia e a inclusão social.</p> 2023-04-11T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/5200 Aquisição da escrita: contribuições de pesquisas de intervenção em consciência fonológica e escrita inventada 2022-05-03T20:50:11+00:00 Viviane de Andrade Soares Sena viviannevas@hotmail.com Paula Cristina de Almeida Rodrigues paulanina78@gmail.com <p>A compreensão acerca da relação de correspondência entre letras e sons (grafemas e fonemas) é tão importante quanto complexa no processo inicial de aquisição da escrita. Para que esse conhecimento emerja, é preciso que trabalhemos junto às crianças, de modo sistemático e também significativo, a reflexão sobre a dimensão sonora das palavras a partir de atividades pedagógicas que contribuam para que elas (as crianças) desenvolvam habilidades de consciência fonológica (CF). A CF representa condição obrigatória para que uma criança com desenvolvimento típico possa avançar em seu aprendizado do sistema de escrita alfabética. Nesse sentido, o objetivo deste trabalho foi o de realizar uma busca por pesquisas brasileiras, no site da Biblioteca Digital de Teses e Dissertações, acerca de intervenção/mediação em CF e escrita inventada de crianças matriculadas na pré-escola e no primeiro ano do ciclo de alfabetização, a fim de compreender as contribuições e os limites desses estudos. Com base na metodologia de pesquisa bibliográfica, concluímos que intervenção em CF e escrita inventada contribuíram para o avanço nas hipóteses levantadas pelas crianças sobre o princípio alfabético. Contudo, as pesquisas nesse âmbito existem em número discreto e estão concentradas nas escolas urbanas, indicando uma necessidade de ampliação desses estudos para escolas situadas no meio rural.</p> 2023-04-11T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/4922 Prática pedagógica supervisionada e desenvolvimento da consciência fonológica 2022-05-01T02:21:49+00:00 Cristina Manuela Sá cristina@ua.pt <p class="ENJIE-palavras-chave" style="margin-bottom: .0001pt; text-align: justify;"><span lang="PT" style="font-size: 11.0pt; font-family: 'Arial','sans-serif';">O desenvolvimento da consciência fonológica é um processo que marca os primeiros anos de escolaridade das crianças. No entanto, deve ser preparado bem antes, iniciando-se na família e prosseguindo em contexto educativo, nomeadamente entre os 3 e os 6 anos de idade. Obviamente, a preparação para a sua abordagem é um momento importante da formação inicial de educadores de infância e professores do 1.º Ciclo do Ensino Básico. Neste texto, são apresentados e discutidos os resultados de um estudo, cujo objetivo era determinar o impacto da formação sobre a abordagem do desenvolvimento da consciência fonológica proporcionada a estudantes do Ensino Superior em projetos desenvolvidos no âmbito da prática pedagógica supervisionada em articulação com o seminário de orientação educacional. Os dados recolhidos em documentos de apresentação dos projetos foram submetidos a análise de conteúdo tendo em conta aspetos essenciais do desenvolvimento da consciência fonológica: i) etapas da consciência fonológica visadas; ii) fases da consciência fonológica contempladas; iii) tipos de consciência fonológica trabalhados; iv) tipos de atividades realizados. Foram detetadas algumas lacunas na abordagem desta temática e apresentadas propostas para as superar através da formação.</span></p> 2023-04-11T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/5196 A formação do alfabetizador nos currículos dos cursos de Pedagogia de universidades públicas de Pernambuco 2022-05-03T20:46:58+00:00 Islayne Barbosa de Sá Gonçalves islayne_bsa@hotmail.com Nayanne Nayara Torres da Silva nayanne.torres@upe.br Aline Rafaela Lima e Silva Braga alyne_rafaella@yahoo.com.br Alexsandro da Silva alexs-silva@uol.com.br <p>O presente artigo trata da formação inicial do professor alfabetizador nos cursos de Licenciatura em Pedagogia de universidades federais e estaduais de Pernambuco. Buscou compreender como essa formação vem sendo proposta nos currículos desses cursos, identificando os componentes curriculares que abordam a discussão acerca da alfabetização, os momentos formativos nos quais são propostos e o espaço dado a essa discussão. Para isso, problematizamos a formação inicial do alfabetizador nos cursos de licenciatura em Pedagogia, apoiando-nos em Piccoli (2015), Costa Castro e Gomes (2018) e Soares (2010). Como procedimento metodológico, utilizamos a análise documental (LUDKE; ANDRÉ, 2017), a qual foi desenvolvida a partir de sete Projetos Pedagógicos Curriculares (PPC) dos Cursos de Licenciatura em Pedagogia de quatro instituições públicas do estado de Pernambuco: Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) – Centro de Educação (CE) e Centro Acadêmico do Agreste (CAA); Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE); Universidade Federal do Agreste de Pernambuco (UFAPE) e Universidade de Pernambuco (UPE) – Campus Petrolina, Garanhuns e Mata Norte. Os resultados, fruto da análise desses documentos, evidenciaram o lugar que as discussões voltadas para a formação do alfabetizador ocupa nos projetos curriculares examinados, apontando desafios e possibilidades. Os temas e conteúdos expressos nas ementas compreendem e possibilitam um conhecimento amplo a respeito da alfabetização e dos processos pedagógicos envolvidos. No entanto, os desafios no desenvolvimento da formação do alfabetizador em cursos de Licenciatura em Pedagogia demandam maiores reflexões a respeito do quantitativo e da natureza (obrigatória ou eletiva) que os componentes curriculares assumem nos projetos pedagógicos.</p> 2023-04-11T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/5173 A formação docente e a Política Nacional de Alfabetização (PNA): entre perdas e retrocessos 2022-05-03T20:18:59+00:00 Glaucia Signorelli de Queiroz Gonçalves glauciasignorelli@ufu.br Fernanda Duarte Araújo Silva fernandaduarte@ufu.br <p>A alfabetização de crianças e adultos tem sido, historicamente, uma das dificuldades enfrentadas em nosso país e, por isso, é necessário continuarmos os debates acerca da temática. Neste estudo, foi realizada uma análise documental da Política Nacional de Alfabetização (PNA) instituída pelo Decreto n. 9.765, de 11 de abril de 2019, para contemplar as abordagens, os princípios e as diretrizes que embasam esse documento, com vistas a entender a concepção de formação docente que subjaz a PNA; discutir a proposta de alfabetização constante na PNA; debater a relevância das experiências dos(as) alfabetizadores(as) na formulação de uma política pública; e fazer apontamentos consoantes às formulações teóricas contemporâneas, tanto no que diz respeito à alfabetização quanto à formação docente. Trata-se de uma pesquisa de cunhos documental e bibliográfico, que se desdobrou em duas frentes relativas ao Decreto que institui a PNA e a teóricos como Gatti (2013), Nóvoa (2009, 2011, 2017), Roldão (2010), Tardif (2002), entre outros que discorrem acerca da formação de professores; e Monteiro (2019), Morais (2019) e Mortatti (2019), que tratam da alfabetização. Discutir a PNA e suas relações com a formação docente é ainda um desafio; sendo assim este estudo possibilita compreender os caminhos traçados tanto para a alfabetização quanto para a formação de professores(as) no Brasil.</p> 2023-04-11T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/5106 Saberes e práticas de professoras alfabetizadoras no início de carreira: interlocuções no processo de pesquisa 2022-05-03T16:38:52+00:00 Daniele Aparecida Alves Biondo danieleestanislau@gmail.com Cláudia Beatriz de Castro Nascimento Ometto cbometto@yahoo.com.br <p>O artigo analisa o processo de reflexão acerca dos saberes e práticas pedagógicas de oito professoras que atuam em turmas de alfabetização na rede municipal de ensino de Capivari (SP) e estão em início da carreira, período compreendido entre o primeiro e o terceiro ano de sua trajetória docente (HUBERMAN, 1995; TARDIF e RAYMOND, 2000). Considerando o espaço de pesquisa também como espaço formativo no qual as docentes vão se constituindo e se (re)conhecendo professoras, nos limites deste texto nosso objetivo foi compreender suas inquietações e reflexões acerca dos próprios saberes e práticas, ou seja, da própria experiência. Assumimos como referencial teórico-metodológico as perspectivas histórico-cultural do desenvolvimento humano de Vigotski (2000) e enunciativo-discursiva de Bakhtin (1999, 2003), uma vez que ambas destacam a centralidade da linguagem do outro na constituição de nossa subjetividade. Os encontros foram realizados individualmente nas respectivas unidades escolares das professoras e totalizaram 56 horas de discussão, que foram audiogravadas, transcritas e registradas no diário de campo de uma das pesquisadoras. As análises do material nos permitem afirmar que a pesquisa colaborativa contribui para o desenvolvimento profissional das professoras iniciantes, uma vez que elas alteraram seus modos de ensinar ao estudarem e refletirem sobre as próprias práticas, a partir de um referencial distinto, a perspectiva discursiva, que se opõe ao construtivismo, pensamento hegemônico que circula nas escolas, modificando também os modos de aprender das crianças e sentindo-se, nesse movimento, mais seguras e capazes, tanto quanto seus alunos.</p> 2023-04-11T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/5105 Princípios educativos freirianos para uma formação literária dialógica de professores(as) alfabetizadores(as) 2022-05-03T16:37:06+00:00 Vanessa Cristina Girotto Nery vanessa.girotto@unifal-mg.edu.br Thais Aparecida Bento Reis thaisreis250415@gmail.com <p>Abordamos, neste artigo, a necessidade de (re)pensar a formação continuada de professores(as) para o desenvolvimento e formação de leitores literários críticos e autônomos, por meio do diálogo e da leitura do mundo. Fundamentadas em autores como Freire, Machado, Calvino, compreendemos que as ações pedagógicas não podem centrar-se apenas em atividades de leitura como a decodificação. Faz-se necessário que professores(as) estejam atentos(as) às necessidades e aos anseios dos(as) educandos(as) e da sociedade no que diz respeito ao ensino e à aprendizagem da leitura e da leitura literária. Nesse sentido, propomos uma discussão em torno da formação de professores(as) que enfoque o desenvolvimento da leitura literária nos anos iniciais do Ensino Fundamental por meio da atividade de Tertúlia Literária Dialógica. A partir dos resultados de uma investigação bibliográfica de mestrado, estabelecemos uma relação entre as contribuições da Tertúlia Literária Dialógica e das propostas oficiais (Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, Base Nacional Comum Curricular e Currículo Referência de Minas Gerais), no que diz respeito ao ensino e ao desenvolvimento das aprendizagens essenciais nos campos da oralidade, da leitura, do sistema de escrita e da compreensão leitora. O artigo também apresenta resultados de uma formação continuada de professoras, desenvolvida em uma escola pública a partir dos princípios freirianos e da Aprendizagem Dialógica a qual revelou que a formação, baseada nessa perspectiva, é essencial para apontar novos caminhos para a aprendizagem da leitura literária crítica e emancipadora.</p> 2023-04-11T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/5100 Política Nacional de Alfabetização: análise dos discursos sob a ótica dos Estudos Culturais 2022-05-03T16:22:09+00:00 Liziana Arambula Teixeira lizianateixeira@hotmail.com Thaise da Silva thaisedasilva77@gmail.com <p>Historicamente, a alfabetização mobiliza debates por parte de gestores públicos e estudiosos da área devido às dificuldades enfrentadas pelas crianças matriculadas neste ciclo para apropriarem-se da leitura e da escrita. Neste sentido, gestores e pesquisadores voltados para o campo da educação buscam estratégias metodológicas, políticas e formativas para minimizarem os problemas relacionados a não aprendizagem. Diante deste cenário, esse estudo tem como tema os discursos de alfabetização presentes na Política Nacional de Alfabetização (PNA). Assim, o objetivo principal foi analisar os discursos de alfabetização que estão balizados no Decreto nº 9.765, lançado no mês de abril de 2019 pelo Governo Federal. Mais especificamente buscou-se: identificar os discursos de alfabetização que balizam a Política Nacional de Alfabetização e observar como estes discursos estão representados nesta política. Para tanto, a proposta foi realizar uma análise do Decreto nº 9.765/2019, elaborado pela Secretaria de Alfabetização, vinculada ao Ministério da Educação. Para alcançar os objetivos formulados, metodologicamente foi adotada uma pesquisa qualitativa, de cunho documental, efetivada mediante análise textual e do discurso presente no documento, na perspectiva dos Estudos Culturais. A partir do material estudado, constatou-se que a alfabetização no Brasil sofreu uma ruptura a partir de instauração do Decreto, uma vez que a PNA desconstrói o discurso instituído pelo Pró-letramento e Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (PNAIC) e institui teorias e metodologias de ensino pautadas nos princípios da instrução fônica e na consciência fonêmica.</p> 2023-04-11T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/5007 A política de alfabetização do governo Bolsonaro: reducionismos e colonialidade 2022-05-01T20:49:21+00:00 Maria do Socorro Alencar Nunes Macedo socorronunes@ufsj.edu.br <p>Este artigo discute a Política Nacional de Alfabetização do Governo Bolsonaro (PNA) com o objetivo de compreender seus antecedentes e os princípios teórico-metodológicos que a subjazem, a partir da análise do relatório <em>Alfabetização Infantil – novos caminhos</em>, produzido pela Câmara dos Deputados e do texto da PNA no site do MEC. Lançamos mão da análise documental inspirados nos estudos sobre a colonialidade e nas contribuições de Paulo Freire. Os resultados indicam uma ruptura com toda a produção científica sobre a alfabetização já realizada no país. Tal proposta faz uma transposição dos modelos de alfabetização dos Estados Unidos e da Inglaterra e baseia-se numa concepção de alfabetização ultrapassada, fundamentada em pesquisas experimentalistas de cunho positivista que reduzem a escrita à relação fonema-grafema. Uma política de alfabetização para o Brasil precisa considerar a imensa desigualdade no acesso à cultura escrita. Precisa levar em conta o conhecimento acumulado pelos docentes no trabalho com a alfabetização, a desigualdade nas condições materiais das escolas, as formas particulares de usos da escrita na sociedade a depender da condição socioeconômica, da geografia, do gênero, do nível de escolaridade das famílias, da raça, dentre outras. Defendemos uma atitude de descolonização epistêmica, de reconhecimento dos conhecimentos e epistemologias produzidas a partir do sul-global como uma forma de resistência à lógica imperialista-colonialista que se concretiza nas políticas públicas para a educação do governo que se encerra este ano, dispendeu um grande volume de recursos públicos sem consequências positivas para a educação e a alfabetização.</p> 2023-04-11T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/5044 O PNAIC e o Desenvolvimento Profissional: quais as perspectivas das professoras alfabetizadoras? 2022-05-03T13:58:33+00:00 Lenise Teixeira Sousa lenise_sousa@yahoo.com.br Silvana Soares de Araújo Mesquita silvanamesquita@puc-rio.br <p>O presente artigo tem como objeto de estudo o Pacto Nacional pela Alfabetização da Idade Certa (PNAIC). O PNAIC foi um programa de formação continuada oferecido pelo MEC (Ministério da Educação) para professores alfabetizadores com objetivo de cumprir a meta do Plano Nacional de Educação (PNE) de alfabetizar todas as crianças até, no máximo, oito anos de idade. Este artigo é baseado em uma pesquisa de doutorado e busca identificar quais são as contribuições do PNAIC para o desenvolvimento profissional dos professores alfabetizadores. A pesquisa, de abordagem qualitativa, teve como campo de investigação dois municípios da Zona da Mata Mineira. As fontes de geração de dados foram os documentos oficiais relacionados ao programa de formação PNAIC: os 115 questionários e as 27 entrevistas semiestruturadas aplicados a professoras alfabetizadoras que participaram do PNAIC entre 2013 e 2015. O referencial teórico se baseou na revisão de literatura sobre formação docente e desenvolvimento profissional (TARDIF, 2013, 2014; NÓVOA, 1992, 2014; GATTI, 2008; GATTI; BARRETO, 2009; GATTI, BARRETO; ANDRÉ, 2019; OLIVEIRA; FORMOSINHO, 2009; FORMOSINHO, 2009; GARCÍA, 1999; IMBERNÓN, 2011). A partir da análise dos dados, constatou-se que as professoras apontaram que o PNAIC contribuiu para o desenvolvimento profissional por promover a reflexão sobre a prática, a articulação teoria-prática e pela possibilidade de contribuir com novas práticas de alfabetização. Apontam, no entanto, como fatores que dificultam melhores resultados, a descontinuidade dessa política, a falta de acompanhamento da prática no contexto escolar e a rotatividade docente imposta pelas condições de trabalho.</p> 2023-04-11T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/4921 Momentos formativos e fazer pedagógico nas palavras de professoras alfabetizadoras 2022-05-01T02:21:04+00:00 Lívia de Souza Tanus Azarias lviadesouzatanusazarias@yahoo.com.br Ilsa do Carmo Vieira Goulart ilsa.vieira@uol.com.br Giovanna Rodrigues Cabral giovanna.cabral@ufla.br <p>Percebe-se em iniciativas recentes de formação continuada docente (Pró-Letramento (2008-2010), Pacto Nacional pela alfabetização na Idade Certa (2012-2018) a mobilização de espaços colaborativos para estudos teóricos e conceituais, para integração de saberes e socialização de práticas educativas. Investigar como essas ações formativas são percebidas pelos professores permite compreender as influências nas práticas desenvolvidas nas escolas. Diante disso, este trabalho teve por objetivo analisar os momentos que marcaram o percurso formativo e as práticas pedagógicas desenvolvidas por professoras alfabetizadoras. Para tanto, desenvolveu-se uma pesquisa de abordagem qualitativa, a partir da realização de uma entrevista semiestruturada com seis professoras alfabetizadoras de escolas públicas de um município do sul de Minas Gerais, no sentido de compreender as suas percepções sobre a própria formação vivenciada. Os dados foram tratados por meio da técnica de análise de conteúdo e da categorização temática proposta por Bardin (2011), com base nas recorrências de elementos discursivos das entrevistas. A pesquisa assumiu como base teórica os estudos de Tardif (2009; 2012), Arroyo (1999; 2013), Nóvoa (1992), Teixeira (2007), Gatti (2010), Freire (1996), dentre outros que discutem a temática da formação de professores. Os resultados indicaram um processo formativo marcado por momentos, ações e interações que perpassam desde a escolha pela carreira do magistério; a formação inicial e a relação com a prática docente; a reflexão e compreensão de conceitos sobre alfabetização e letramento; até a busca por ações de formação, para superação dos desafios impostos pela docência.</p> 2023-04-11T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/4993 Oralidade e alfabetização: o (não) dito nas produções bibliográficas sobre o PNAIC 2022-05-01T20:37:22+00:00 Fabiana Rodrigues de Sousa bianalhp@gmail.com Ana Benvinda Camargo da Silva Cosmo bendinao@yahoo.com.br <p>Este artigo apresenta considerações acerca das contribuições advindas do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (PNAIC) para a formação de educadores e suas práticas educativas no ciclo de alfabetização com gêneros textuais orais. As reflexões apontadas aqui, são resultantes de pesquisa bibliográfica desenvolvida durante curso de Mestrado em Educação, cuja metodologia contemplou levantamento de produções bibliográficas na Biblioteca Digital de Teses e Dissertações e no Portal <em>Scielo</em>. O <em>corpus</em> de análise foi composto por uma tese e treze dissertações, defendidas em Programas de Pós-Graduação em Educação, além de seis artigos que versavam sobre a temática da oralidade/gêneros orais, publicados entre 2014 a 2018. Como resultado da investigação, constatou-se que apesar do PNAIC suscitar subsídios para a formação docente continuada e estimular o trabalho com gêneros textuais orais, ainda é escassa a produção bibliográfica quanto aos reflexos dessa política pública no sentido da promoção de práticas alfabetizadoras pautadas na valorização da oralidade. Essa lacuna evidencia que a escrita continua ocupando posição de destaque no processo de alfabetização, enquanto a fala segue relegada a segundo plano nas práticas educativas escolares. Destarte, perpetua-se o preconceito linguístico e a negação ao educando do direito de pronunciar o mundo e dizer a sua palavra. Com vista a superar o preconceito linguístico e estimular participação social e a pronúncia coletiva do mundo, defende-se a promoção de práticas de oralidade na escola, tais como assembleias, seminários, rodas de conversa, debates, música, teatro, parlendas, dentre outras.</p> 2023-04-11T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/5205 Formação de professores alfabetizadores para atuação com Educação Especial: pistas na produção científica nacional 2022-05-03T21:03:38+00:00 Rosimar Serena Siqueira Esquinsani rosimaresquinsani@upf.br <p>Qual o espaço de preocupação da academia com o binômio Alfabetização / Educação Especial? Há suficiente e qualificado espaço para a discussão de aspectos como a formação de professores para a alfabetização de alunos Público Alvo da Educação Especial na produção científica nacional? E quais os tópicos em destaque na potencial discussão? A partir de tais questões, o texto em tela objetiva discutir processos de formação de professores alfabetizadores para atuação com Educação Especial, por meio de pistas deixadas pela produção científica nacional. Para tanto, ampara-se operacionalmente em uma pesquisa de base documental e bibliográfica, pautada por uma metodologia analítico-reconstrutiva, que examinou um <em>corpus</em> de análise constituído por uma seleção de artigos publicados em revistas editadas no Brasil, de acesso aberto, classificadas no Qualis e com escopo voltado especificamente à educação especial e a alfabetização, publicados na segunda década do século XXI, de 2011 a 2020. Aponta, como conclusão, que há uma escassa produção que considera a alfabetização especificamente para a modalidade da Educação Especial e, de forma ainda mais tímida, artigos que se preocupam com a formação de professores alfabetizadores para tal intento, ou que levantam discussões mais densas sobre o tema, evidenciando uma possível lacuna na produção científica nacional.</p> 2023-04-11T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/5005 Formação de professores alfabetizadores e a inclusão escolar da criança com deficiência 2022-05-01T20:47:33+00:00 Eliamar Godoi eliamarufu@gmail.com Juliano Guerra Rocha professorjulianoguerra@gmail.com Letícia de Sousa Leite leticiadesousaleite@gmail.com <p>O artigo discute a formação de professores alfabetizadores de crianças com deficiência diante do paradigma da inclusão escolar. Os dados resultaram de análise do Projeto Pedagógico e das fichas de disciplinas do curso de Pedagogia de uma instituição pública de ensino superior no interior do Estado de Minas Gerais e dos discursos obtidos de entrevistas semiestruturadas aplicadas a três alfabetizadoras, que vivenciaram a experiência de alfabetizar, respectivamente, uma criança com transtorno do espectro autista, uma com cegueira e uma com surdez. A pesquisa foi pautada pela perspectiva histórico-cultural de Vygotsky com as contribuições das teorias que compreendem a alfabetização como um processo discursivo. Os resultados mostraram que, muito embora a construção das propostas formativas da licenciatura em Pedagogia da instituição pesquisada esteja balizada em atividades de ensino, gestão e pesquisa em ambientes escolar e não escolar, tendo a docência como base de formação do Pedagogo, a questão específica sobre a alfabetização da pessoa com deficiência foi timidamente contemplada no currículo, refletindo diretamente e negativamente na prática docente. Os discursos das professoras revelaram que a ausência, durante o curso de Pedagogia, de ações formativas mais direcionadas à alfabetização de crianças com deficiência provocou a falta de condições e de possibilidades concretas de desenvolvimento disponíveis tanto ao professor alfabetizador quanto ao aluno com deficiência por ele atendido.</p> 2023-04-11T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/4986 Formação on-line de alfabetizadores para uso de tecnologias digitais em plena pandemia de COVID-19 2022-05-01T20:31:58+00:00 Julianna Silva Glória jusgloria52@gmail.com Ghisene Santos Alecrim ghisenealecrim@gmail.com <p>Este artigo tem como propósito divulgar projeto de extensão de curso <em>on-line</em> de formação de professores alfabetizadores para o uso das tecnologias digitais em plena pandemia do COVID-19 que desenvolvemos por meio do grupo de pesquisa Leitura, escrita e tecnologia, pertencente ao CNPQ. Vislumbramos, com isso, ampliar reflexão acerca de proposta de modelo de formação de professores em nosso país em plena pandemia, bem como realçar a importância do alfabetizador incluir em sua prática educativa suportes e textos digitais a fim de promover processos de leitura e de escrita mais significativos. Os aportes teóricos mais amplos para análise dos dados aqui apresentados são os estudos de Anne-Marie Chartier (2007) a respeito dos saberes do professor e os estudos tanto de Soares (2002) quanto de Ferreiro (2013) sobre práticas alfabetizadoras através de recursos digitais, assim como as reflexões de Pedro Demo (2009) acerca do uso das tecnologias digitais no processo de alfabetização. Como resultados, exploramos dados coletados a partir do formulário de inscrição e de avaliação que revelam como o professor inicia o curso <em>on-line</em> e como o conclui em plena pandemia, tendo como perspectiva uma outra visão sobrea cultura digital na educação, a construção de novos conhecimentos e novo formato da sala de aula de alfabetização.</p> 2023-04-11T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/5193 O Assistente de Alfabetização como face exposta do trabalho docente precarizado 2022-05-03T20:44:51+00:00 Elisandra Gozzi elisandra.gozzi@professor.unc.br Olinda Evangelista olindaevangelista35@hotmail.com Priscila Monteiro Chaves priscila.chaves.ufes@gmail.com <p>Neste estudo, foi analisado como se constituiu o Assistente de Alfabetização (AA), parte estruturante do <em>Programa Mais Alfabetização </em>(PMALFA), cujo intuito era o de melhorar os índices de alfabetização dos estudantes do 1º e 2º anos do Ensino Fundamental, razão pela qual integrou a Política Nacional de Alfabetização instituída em 2019. Desse modo, o objetivo geral foi compreender o sentido e os elementos de sustentação do PMALFA, pondo em evidência a constituição do AA. A documentação pertinente foi coligida e com ela uma análise documental. As categorias empíricas foram identificadas e posteriormente examinamos suas conexões internas e em relação às políticas educacionais no Brasil, além de suas articulações com orientações internacionais. Tematizamos o “combate à pobreza”, <em>slogan</em> do Banco Mundial, e o “atendimento às populações vulneráveis”, da Unesco, considerando o aporte da produção acadêmica. O Programa foi criado, alega-se, em razão dos baixos índices alcançados pelos alunos na Avaliação Nacional da Alfabetização, em 2016. Criou-se, então, o Assistente de Alfabetização para auxiliar, como trabalhador voluntário, na alfabetização no âmbito de uma estratégia focal subordinada à perspectiva gerencialista da avaliação. Ademais, o trabalho docente é precarizado, concretizando o abandono pelo Estado da tarefa educativa. A proposta ecoa o projeto hegemônico capitalista que atribui a docentes funções de gerenciamento dos parcos recursos públicos, abrindo caminhos para o empresariamento da solidariedade e do voluntariado e o crescimento de uma categoria profissional desprovida de direitos.</p> 2023-04-11T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/6517 Apresentação do Dossiê: Políticas educativas e perspectivas formativas pós-covid-19 2023-07-24T19:50:29+00:00 Luiz Roberto Gomes luizrgomes@ufscar.br Sueli Soares dos Santos Batista suelissbatista@uol.com.br Artieres Estevão Romeiro aeromeiro@utpl.edu.ec <p>Dossiê Políticas Educativas e Perspectivas Formativas Pós-Covid-19.</p> 2023-08-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2023 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/6113 Neoliberalismo em análise: entrevista com Christian Laval 2023-01-20T19:02:20+00:00 Débora Goulart debcgoulart@gmail.com <p>Desde 2004 quando seu livro A escola não é uma empresa foi publicado no Brasil pela primeira vez , a inserção de Christian Laval no campo educacional cresceu e tem sido uma referência para as pesquisas que buscam acompanhar o desenvolvimento do neoliberalismo após os anos 1990. Nesta entrevista, ele dialoga com outras teorias sobre o neoliberalismo, atualiza algumas questões sobre a educação no atual contexto e aponta para possíveis contribuições sobre o estudo do neoliberalismo após o lançamento do livro A escolha da guerra civil, de 2021. Laval analisa o crescimento da direita no mundo, mostra como a dimensão privada e estatal estão articuladas no neoliberalismo e faz algumas reflexões sobre as possíveis alternativas à racionalidade neoliberal, sempre tendo em vista os processos educacionais.</p> 2023-08-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2023 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/6178 A Teoria do Agir Comunicativo como Perspectiva Ético-política da Gestão Educacional 2023-02-17T21:55:00+00:00 Darlan Marcelo Delgado darlan.delgado@fatec.sp.gov.br Luiz Roberto Gomes luizrgomes@ufscar.br <p>O objetivo do artigo é refletir, a partir do pensamento de Jürgen Habermas, a gestão social como perspectiva para a formulação de uma administração educacional crítica. Parte-se da premissa de que o processo educacional inerente à escola é distinto da produção de bens e da prestação de serviços, conforme a lógica do mercado. A instituição escolar é espaço social de formação humana em todas as suas dimensões possíveis, indo além de conteúdos curriculares que podem ser transmitidos, apreendidos, mensurados e administrados. A gestão social educacional contempla a necessidade de uma compreensão ampliada da educação, pois esta envolve aspectos culturais e simbólicos, estéticos, emocionais, morais, políticos e econômicos. O conceito de gestão social, fundado na teoria do agir comunicativo e na política deliberativa de Habermas, apresenta-se como alternativa à administração tradicional. Ao se colocar o foco da análise na Educação Profissional, vislumbram-se possibilidades em se pensar uma concepção de administração educacional capaz de proporcionar uma formação plena, de sujeitos autônomos e emancipados, preparados para a vida e para o trabalho, aptos ao exercício de disposição técnica, mas também de ação política esclarecida. Por esta orientação apresenta-se uma agenda de pesquisa sobre as teorias e práticas de gestão nas instituições escolares.</p> 2023-08-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2023 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/6206 Limites da mercantilização e o aprofundamento do empresariamento da educação pública no Brasil 2023-02-17T20:48:32+00:00 Marcelo Lima marcelo.lima@ufes.br Samanta Lopes Maciel samanta.ifes@gmail.com <p>Nesse texto buscamos analisar os limites do processo de mercantilização absoluta da educação pública tendo em vista a antinomia fundamental entre os conceitos de “direito à educação” (valor de uso) e de “mercadoria” (valor de troca). Empiricamente, recorremos a análise documental para evidenciar a concreticidade desses limites, mas também sinalizamos a relativa inadequação do uso dos conceitos de privatização e desestatização quando tomados como sinônimo da transformação <em>in totum</em> da escola pública em escola privada. Embora se tenha avançado nos últimos anos quanto a ampliação da oferta educacional, também houve avanço nas formas de privatização nas configurações de gerencialismo e do empresariamento educacional. No que se refere a educação profissional, a atuação do setor privado se expandiu de maneira diferenciada ao restante da educação básica devido à oferta direta de cursos de curta duração financiados pelo poder público estatal via programas e projetos, a exemplo do Pronatec. E concluímos que além da preservação de espaços cada vez mais mercantilizados da vida e dos serviços públicos em geral, o processo acelerado de empresariamento da educação tem justificado, por um lado, a privatização do fornecimento de insumos escolares e, por outro, validam o represamento da expansão do financiamento da oferta escolar pública que levaria ao progressivo processo de tributação e de fortalecimento do Estado nas políticas sociais.</p> 2023-08-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2023 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/6134 Educação, Inovação e Desenvolvimento socioeconômico: reposicionar a contribuição da universidade brasileira frente aos desafios atuais 2023-08-12T18:14:07+00:00 Maria Luiza Nogueira Rangel rangel.luiza@gmail.com Remi Castioni remi@unb.br <p>O artigo analisa as relações entre desenvolvimento socioeconômico, trabalho e educação tendo por referência a abordagem sistêmica da inovação. Compreende que o desenvolvimento socioeconômico a longo prazo está associado ao progresso tecnológico (inovação) e valoriza o papel das instituições de ensino e os processos interativos de aprendizado como apoio à geração de conhecimento nas empresas. Para tanto, foi realizado um estudo exploratório, privilegiando a abordagem qualitativa. A análise documental contemplou documentos elaborados pelos poderes executivo e legislativo, antes e depois da implementação da Lei de inovação e do Novo Marco Regulatório da Ciência, Tecnologia &amp; Inovação, buscando identificar as diretrizes e políticas governamentais que afetam diretamente a interação entre os elementos em estudo. Também foram analisados documentos internos de órgãos colegiados das universidades e respectivas fundações de apoio, entre outros. Dessa forma, a metodologia adotada permitiu uma compreensão abrangente das complexas relações existentes entre desenvolvimento, trabalho e educação no contexto da abordagem sistêmica da inovação. Conclui demonstrando a necessidade da construção de um ambiente favorável à inovação no interior das universidades, rompendo com o tradicional modelo hierárquico fortemente associado ao controle e ao ensino tradicional, promovendo mudanças disruptivas face à demanda por novas habilidades e competências no Mundo do Trabalho.</p> <p> </p> <p><strong> </strong></p> 2023-08-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2023 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/6142 Empreendedorismo, improvisação pedagógica e políticas públicas de educação: a nova agenda pós-Covid-19 2023-02-11T21:35:16+00:00 Artieres Estevão Romeiro aeromeiro@utpl.edu.ec Ingrid Weingärtner Reis iwreis@utpl.edu.ec José Marcelo Juca-Aleustia jmjuca@utpl.edu.ec <p>No contexto do século XXI, observa-se uma crescente ênfase na preparação para o empreendedorismo e a inovação, acompanhada pela utilização cada vez mais preponderante das tecnologias de informação e comunicação, especialmente na educação básica e ensino superior. A pandemia de Covid-19 acelerou a promoção de uma agenda tecnoliberal, caracterizada pela improvisação pedagógica e pela incorporação das tecnologias como instrumentos de gerenciamento da realidade educativa. Neste contexto, como a formação empreendedora e a improvisação pedagógica afetam a formação? Este estudo apresenta uma abordagem analítica de cunho crítico-dialético, visando a desvendar os matizes ideológicos que permeiam a educação empreendedora, bem como suas conexões intrínsecas com o papel desempenhado pelo corpo docente e a adoção de ferramentas tecnológicas digitais no contexto pós-pandêmico. O estudo enfatiza a lacuna existente no que tange aos alicerces filosóficos que deveriam fundamentar a formação para o empreendedorismo. Simultaneamente, realça a iminente necessidade de formulação de políticas públicas que fomentem uma incorporação crítica da tecnologia, tanto por parte de educadores quanto dos estudantes, almejando uma utilização eficaz no âmbito educativo. O texto sublinha a importância de uma abordagem crítica no ensino do empreendedorismo e destaca a necessidade de uma reflexão sobre processos de pseudoformação no panorama educativo que se delineia no cenário pós-Covid-19.</p> 2023-08-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2023 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/6128 Concepções e políticas para a formação profissional: graduação tecnológica frente às reformas educacionais pós 2017 2023-03-15T20:24:39+00:00 Sueli Soares do Santos Batista suelissbatista@uol.com.br Emerson Freire freire.emerson@uol.com.br <p>Perante os intensos debates sobre a flexibilização do ensino técnico integrado ao médio e à ampliação dos mestrados e doutorados profissionais, torna-se urgente pensar que lugar ocupa ou poderá ocupar a graduação tecnológica. Essa modalidade educativa apresenta especificidades frente ao bacharelado e à licenciatura, estando entre suas concepções norteadoras a densidade tecnológica, a articulação com o desenvolvimento local e com as políticas de ciência, tecnologia e inovação. As reformas educacionais a partir de 2017 trouxeram mudanças substanciais para a educação profissional e tecnológica, culminando com novas diretrizes para essa modalidade educativa. Este artigo estuda os caminhos que se apresentam para a graduação tecnológica analisando o descompasso entre suas concepções norteadoras e as políticas atuais. Trata-se, também, de problematizar políticas educacionais que têm como pressupostos a aceleração na formação técnica e tecnológica. O estudo parte de revisão bibliográfica sobre as políticas de EPT e os Cursos Superiores de Tecnologia nesse contexto. Apresenta e analisa documentos legais e institucionais relacionados à temática., além de trazer elementos para problematizar as concepções de formação técnica e tecnológica contidas nas diretrizes estaduais e nacionais face a uma lógica que acentua e privilegia a velocidade em todas as instâncias sociais, fomentando uma política educacional de aceleração para o mercado.</p> 2023-08-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2023 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/6157 O uso da Teoria da Mudança para avaliar a integração curricular da extensão universitária 2022-11-28T11:21:24+00:00 Ana Maria Nunes Gimenez anamarianunesgimenez@gmail.com Muriel de Oliveira Gavira mgfca@unicamp.br Michel Mott Machado michel.machado@cpspos.sp.gov.br Dyane Guedes Cunha dyane.cunha@cpspos.gov.br <p>Organismos internacionais, tais como, Organização das Nações Unidas (ONU) e Banco Mundial, têm alertado sobre os impactos, presentes e futuros da pandemia de COVID-19, especialmente no que se refere aos desafios a serem enfrentados com o aumento da pobreza, das desigualdades sociais, da violência e sobre a necessidade de educação de qualidade. Alie-se a isso as pressões crescentes da sociedade por transparência e relevância das instituições de ensino superior, especialmente das instituições públicas, acendendo as discussões sobre um maior engajamento com a sociedade a partir das missões de ensino, pesquisa e extensão. Em vista desse contexto, neste trabalho propomos o uso da Teoria da Mudança para a avaliação dos impactos da integração da extensão universitária aos currículos do ensino superior, que aqui nomeamos de IEE – integração ensino-extensão. O referencial teórico que embasa a presente pesquisa é o da Universidade Cívica, a partir do qual refletimos sobre resultados esperados, no curto, médio e longo prazos. Essa reflexão permitiu a proposição de indicadores de monitoramento e de avaliação da IEE para três atores diferentes: estudantes, instituições de ensino superior (IES) e para os demais membros da sociedade. Os resultados são úteis para que gestores de IES e elaboradores de políticas possam prever formas de aperfeiçoamento da IEE.</p> 2023-08-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2023 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/6126 A prática docente frente à COVID-19: experiências políticas emergenciais no Equador e na Espanha 2023-03-15T20:12:29+00:00 Diego Allen-Perkins d.allenperkins@gmail.com Lucy Deyanira Andrade-Vargas ldandrade@utpl.edu.ec Irene Frías Campomanes ifriasca@alumnos.unex.es <p>O surgimento da COVID-19 na vida cotidiana foi uma transformação sem precedentes nas formas de relacionamento em nível global, o que afetou significativamente a educação. Este artigo caracteriza as adaptações pedagógicas feitas por professores e gerentes durante as etapas de confinamento e semi-presença, com o objetivo de analisar sua viabilidade em contextos de "nova normalidade". Para responder a este objetivo, foram realizadas pesquisas qualitativas com 20 professores e gerentes de instituições de ensino primário e secundário no Equador e na Espanha. Através de entrevistas semi-estruturadas e aprofundadas, este trabalho explora os problemas e soluções implantadas pelos professores e gestores, investigando também como a diversidade de percepções sobre a prática tem sido modulada de acordo com critérios como anos de experiência de ensino, competência digital dos professores, regime de financiamento da instituição, disponibilidade de recursos e acesso a planos de treinamento nos centros. O artigo mostra como, no caso da Espanha, o retorno ao "novo normal" significou um retorno às práticas centradas no professor e a apresentação magistral dos conteúdos, incorporando o apoio ocasional das plataformas digitais. Por sua vez, o texto mostra como no Equador há uma maior predisposição para o desenvolvimento de estratégias flexíveis, embora isto seja limitado pela própria capacidade orçamentária das escolas para expandir a infra-estrutura necessária para garantir modalidades híbridas.</p> 2023-08-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2023 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/6181 Pandemia e política de formação docente: estudo de caso sobre a capacitação e contingenciamento 2023-02-17T21:17:34+00:00 Dirce Aparecida Foletto de Moraes dircemoraes@uel.br Ana Cristina Paes Leme Giffoni Cilião Torres acpaeslemetorres@uel.br <p>Visando pensar as políticas de formação de professores, este estudo busca analisar as percepções de um grupo de docentes de uma universidade pública durante a pandemia de Covid-19 a respeito das contribuições de uma formação continuada como proposta de capacitação e de contingenciamento sobre o tema avaliação da aprendizagem. Para isso, foi realizado um estudo de caso qualitativo. A Teoria da Cognição Distribuída foi selecionada como referencial epistemológico e como unidade de análise. A coleta de dados deu-se a partir da análise documental do desenho didático da formação, da observação e de dois questionários respondidos pelos docentes participantes. Os resultados indicam que a natureza da formação trouxe várias contribuições positivas para se pensar as políticas de formação necessárias às universidades, ao possibilitar que os professores construíssem novos conhecimentos sobre a avaliação da aprendizagem e vivenciassem diferentes experiências e novas alternativas didáticas para avaliar. Os dados ainda revelam que, após um ano da formação, os professores ainda percebem a avaliação como componente a serviço da aprendizagem e que não estão alheios ou indiferentes a uma prática avaliativa mais democrática, humanizada e pedagógica, mas que nem todos conseguem colocar isso em prática. Para tanto, se faz necessário pensar em políticas de formação mais amplas e contínuas, que oportunizem ao docente a construção de um conhecimento coletivo e o entendimento do seu papel como um sujeito autor de sua prática, alguém que tem muito a contribuir e que está em constante formação.</p> 2023-08-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2023 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/6154 Impacto do ensino remoto emergencial no processo de ensino-aprendizagem em uma perspectiva dos docentes 2023-02-18T19:38:11+00:00 Letícia Fleury Viana leticia.viana@ifgoiano.edu.br Fernando Henrique Antoniolli Farache fhafarache@gmail.com Raquel Maria Prado raquel.maria@ifgoiano.edu.br Simone Sousa Guimarães simone.guimaraes@ifgoiano.edu.br Calixto Júnior de Souza calixto.souza@ifgoiano.edu.br <p>A presente pesquisa visa perscrutar a forma como o ensino remoto foi trabalhado durante a pandemia de COVID-19, e os impactos dessas mudanças no processo de ensino-aprendizagem do Instituto Federal Goiano (IF Goiano) campus Rio Verde, focando na perspectiva docente. A Organização Mundial de Saúde declarou, em março de 2020, uma pandemia de COVID-19, que impôs a aplicação de diversas medidas preventivas em todo o mundo. Na educação, houve a paralisação das atividades presenciais em todos os níveis educacionais. As atividades em instituições de ensino foram continuadas por meio do ensino remoto, que permitiu ao aluno a possibilidade de construir seu conhecimento de onde quer que esteja, entretanto, é necessária a adaptação de toda a comunidade acadêmica a esse arcabouço de ensino. Desta forma, o objetivo desta pesquisa foi analisar a experiência de docentes neste momento de pandemia, em busca de respostas, ou alternativas que possam contribuir e/ou aprimorar os métodos educacionais do IF Goiano. Fizeram parte da pesquisa docentes dos seguintes cursos do IF Goiano, Campus Rio Verde: Bacharelado em Engenharia de Alimentos, Licenciatura em Ciências Biológicas e Técnico em Contabilidade. Participaram 38 dos cerca de 56 docentes convidados a colaborarem na pesquisa, dos cursos em questão. Os professores relataram que houve neste modelo de ensino uma sobrecarga para o preparo das aulas, ainda que a maioria tenha se capacitado para o ensino remoto. Entretanto, diversos aspectos positivos foram levantados a partir dessa experiência, com possibilidade de aproveitamento no ensino presencial.</p> 2023-08-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2023 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/6180 O ensino remoto emergencial no estado do Paraná: reflexões a partir das estratégias de enfrentamento 2023-02-17T21:46:03+00:00 Juliana Ayub Veltrini Spadacini jveltrini@gmail.com Samantha Gonçalves Mancini Ramos saramos@uel.br Diene Eire de Mello diene.eire@uel.br <p>O presente estudo pretende contribuir para a análise das estratégias idealizadas e executadas pela Secretaria de Educação do Estado do Paraná no período pandêmico, tendo como foco primordial a infraestrutura tecnológica. Trata-se de um estudo exploratório, com tratamento de dados qualitativos. Os dados têm como fonte: documentos oficiais, postagens em <em>sites</em>, plataformas e <em>blogs</em>, relatórios de pesquisa, resolução governamental, bem como reportagens veiculadas em jornais. A partir do conjunto de dados levantados nesta pesquisa, pode-se afirmar que, ao tratar das estratégias de enfrentamento da pandemia com foco na infraestrutura tecnológica, a Secretaria promoveu ações que priorizaram a continuidade das atividades de ensino no estado. Entretanto, ao selecionar todos os aparatos para a transmissão de conteúdos por diferentes canais, a Secretaria acabou por deixar de lado as condições sociais e econômicas dos estudantes e desconsiderou as desigualdades já presentes na sociedade muito antes da pandemia. Assim, pode-se inferir que as estratégias foram pensadas a partir de uma sociedade ideal, com crianças e jovens conectados e com dispositivos adequados. Dessa forma, compreendemos que pensar a educação para além da pandemia, com o uso de tecnologias digitais, implica num amplo e profundo processo no âmbito da formação de professores, bem como um olhar atento para as condições econômicas e sociais dos alunos.</p> 2023-08-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2023 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/6182 Alimentação Escolar: medidas adotadas no município de Umuarama – PR durante a pandemia de Covid-19 2023-02-17T21:25:25+00:00 Simone Aparecida Rigobeli Vanalli simonevanalli@gmail.com Juliana Scanavacca jscanavacca2@uem.br Beatriz Cervejeira Bolanho Barros bcbolanhobarros@uem.br <p>Em 2020, a Organização Mundial da Saúde declarou estado de pandemia de Covid-19 e uma das medidas tomadas para a contenção da doença foi a suspensão das aulas presenciais. Essa ação trouxe desafios ao Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), que estabelece a oferta alimentação a todos os alunos da educação básica, em uma ação integrada ao desenvolvimento cognitivo e educativo. Este trabalho avaliou, a partir de estudos descritivos e comparativos, a atuação do Município de Umuarama/PR na implementação de ações do PNAE, no atendimento ao estudante da educação básica de 6 a 10 anos, durante o período de suspensão das aulas presenciais. Paralelo a isso, analisou-se o contexto de 4 diferentes escolas municipais, nomeadas Escolas Bases (EB). Constatou-se que dos 6.913 alunos matriculados no ensino fundamental (1° ao 5°ano), entre os anos de 2020 e 2021, em média 38% solicitaram "kits” de alimentação escolar. A requisição destes kits variou de 20% (EB 4) a 69% (EB1), sendo que nestas duas EB houve correlação entre estes valores, o rendimento escolar e a localização. A oferta dos kits ocorreu por meio do Programa Merenda em Casa, desenvolvido pelo município de Umuarama. Dos recursos destinados pelo PNAE, 30% foram aplicados em compras de gêneros alimentícios da Agricultura Familiar. O estudo mostrou que atos emergenciais na atuação do PNAE levaram a flexibilizações no alcance do Programa, principalmente no que concerne aos princípios da universalidade. Tais ações demonstram a importância de desenvolver políticas públicas voltadas para a alimentação escolar, especialmente em situações adversas.</p> 2023-08-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2023 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/6137 Educação Física escolar no ensino remoto durante a pandemia de Covid-19: uma revisão sistemática 2023-01-20T13:30:59+00:00 Fabiola Berwanger fberwangersme@gmail.com Aline Bichels alinebichels@gmail.com Valdomiro de Oliveira oliveirav457@gmail.com Gislaine Cristina Vagetti gislainevagetti@hotmail.com <p>A pandemia de COVID-19 gerou mudanças nos contextos educativos mundiais, como a implementação do ensino remoto. O objetivo desta pesquisa é mapear e analisar estudos sobre Educação Física escolar durante esse período com apoio metodológico de uma revisão sistemática a partir do método de revisão de escopo. Foram definidos descritores (<em>MeSH</em>, <em>DeCS </em>e <em>Thesaurus</em>) e palavras-chave para pesquisa nas bases <em>SciELO, Scopus, PubMed/Medline, Lilacs, </em>Periódicos Capes e Eric<em>,</em> com foco nos temas “Educação Física” e “pandemia”. Inicialmente, foram elencados 162 estudos, e 28 foram analisados para compor esta revisão. Entre esses, 26 artigos abordavam a organização didático-metodológica das aulas e os desafios enfrentados pelos docentes durante a pandemia. O enfoque da maioria das pesquisas foi qualitativo e os instrumentos utilizados foram entrevistas ou questionários para professores de Educação Física. Após análise, evidenciamos que a Educação Física é abordada sob diferentes concepções e tendências pedagógicas que designam os propósitos da área. Constatamos que o período foi de angústia e desconforto para os docentes, tendo gerado contrariedades, mas também aprendizados. Predominaram práticas de reprodução de exercícios voltadas para aptidão física e saúde. O uso das tecnologias gerou grande inquietação e evidenciou a necessidade de inclusão digital e aprofundamento nestas tecnologias. A partir das expectativas e demandas observadas, concluiu-se que é imprescindível refletirmos sobre a dimensão política atrelada ao papel da Educação Física como área do conhecimento que tem relação com o mundo, ressignificando possibilidades factíveis a todas as realidades e assumindo um currículo emancipatório que suscite problematizações alusivas a realidades concretas.</p> 2023-08-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2023 Revista Eletrônica de Educação https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/6184 Grégoire Chamayou e a “genealogia do liberalismo autoritário” e “ingovernável” 2022-10-05T18:25:47+00:00 Marcelo Micke Doti marcelo.micke@uol.com.br <p>RESENHA: CHAMAYOU, Grégoire. <strong>A sociedade ingovernável:</strong> uma genealogia do liberalismo autoritário. São Paulo: Ubu Editora, 2020.</p> 2023-08-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2023 Revista Eletrônica de Educação