Uma professora em início de carreira: narrativas sobre as tensões em seu desenvolvimento profissional

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14244/198271994275

Palavras-chave:

Condições do trabalho docente, Desenvolvimento profissional, Carreira do magistério, Escola pública.

Resumo

Este texto objetiva analisar as tensões que foram marcantes no desenvolvimento profissional de uma professora dos anos iniciais, ao ingressar numa rede pública de ensino. Inicialmente apresentam-se algumas concepções de professor iniciante, presentes na literatura, e adota-se a perspectiva histórico-cultural como quadro teórico, com os estudos de Yves Clot e colaboradores sobre a atividade docente, o gênero profissional do professor. Os dados consistem de diferentes narrativas da professora: memorial de formação na dissertação de mestrado, narrativas escritas e orais produzidas durante sua participação no Programa Observatório da Educação e uma narrativa produzida especificamente para a pesquisa. A análise centra-se em três unidades temáticas: ingresso na carreira; tensões entre a formação acadêmica e o real da atividade docente; e o coletivo de trabalho. A análise aponta indícios de um desenvolvimento marcado por avanços e por momentos de realização profissional, mas também por retrocessos e angústias, principalmente quando a professora reflete sobre sua formação acadêmica, contrapondo-se com seu poder de agir com os alunos no processo de alfabetização. Destacam-se os seus momentos de tensão, ao ingressar numa escola periférica com condições de trabalho adversas e sem o apoio da gestão escolar, culminando em adoecimento.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

ANDRÉ, M. Políticas de apoio aos docentes em estados e municípios brasileiros: dilemas na formação de professores. Educar em Revista, Editora UFPR, Curitiba, n. 50, p. 35-49, out./dez. 2013.

ANDRÉ, M.; CALIL, A. M. G.; MARTINS, F. P.; PEREIRA, M. A. L. O papel do outro na constituição da profissionalidade de professoras iniciantes. Revista Eletrônica de Educação, v.11, n.2, p. 505-520, jun./ago. 2017.

ANJOS, D. D. Como foi começar a ensinar? Histórias de professoras, histórias da profissão docente. 2006. 178p. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Unicamp; FAPESP, Campinas, 2006.

ANJOS, D. D. Experiência docente e desenvolvimento profissional: condições e demandas no trabalho de ensinar. In: SMOLKA, A. L. B; NOGUEIRA, A. L. H. (org.). Questões de desenvolvimento humano: práticas e sentidos. 1. ed. Campinas: Mercado de Letras, 2010. v. 1, p. 129-149.

ARROYO, M.G. Ofício de Mestre: imagens e auto-imagens. 6.ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002. 251p.

CASTRO, V. D. Sobre-vivências na escola pública: memórias, registros e narrativas de uma professora. 2020. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Unicamp, Campinas, 2020.

CERICATO, Itale Luciane. Sentidos e Significados da Docência, segundo uma Professora Iniciante. Educação & Realidade, vol. 42, núm. 2, 2017. Disponível em: <https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2175-62362017000200729&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt&ORIGINALLANG=pt>. Acesso em 29 de maio.

CLOT, Y. A função psicológica do trabalho. Petrópolis: Vozes, 2006.

CLOT, Y. Trabalho e poder de agir. Belo Horizonte: Fabrefactum, 2010.

CLOT, Y.; LITIM, M. Activité, santé et collectif de travail. Pratiques psychologiques, Paris, v. 14, n.1, p. 101-114, mars 2008.

CORSI, A. M. O início da construção da profissão docente: analisando dificuldades enfrentadas por professoras de séries iniciais. São Carlos, 2002. (Dissertação de mestrado) – Faculdade de Educação, Ufscar.

FACCI, M. G. D. Valorização ou esvaziamento do trabalho do professor? Um estudo crítico comparativo da teoria do professor reflexivo, do construtivismo e da psicologia vigotskiana. 1. ed. Campinas: Autores Associados, 2004. 292p.

FERREIRINHO, V. C. Práticas de socialização de professores iniciantes na carreira. Quem é o iniciante? In: REUNIÃO ANUAL DA ANPED, 28., 2005, Caxambu, MG. Anais [...]. 2005. p. 1-17.

FONTANA, R. A. C. Trabalho e subjetividade. Nos rituais de iniciação, a constituição do ser professora. Caderno CEDES, Campinas, SP, v. 20, n. 50, p.103-119, abr. 2000.

FRAUENDORF, R. B. S.; PACHECO, D. Q.; CHAUTX, G. C. C.; PRADO, G. V.T. Mais além de uma história: a narrativa como possibilidade de autoformação. Revista Educação PUC-Camp., Campinas, SP, v. 21, n. 3, p.351-361, set./dez. 2016.

GIOVANNI, Luciana Maria; GUARNIERI, Maria Regina. Pesquisas sobre professores iniciantes e as tendências atuais de reforma da formação de professores: distância, ambiguidades e tensões. In: GIOVANNI, Luciana Maria; MARIN, Alda Junqueira (Org.). Professores iniciantes: diferentes necessidades em diferentes contextos. Araraquara, SP: Junqueira & Marin, 2014, p. 5-12.

HUBERMAN, M. O ciclo de vida profissional dos professores. In: NÓVOA, A. (org.). Vidas de professores. 2. ed. Porto: Porto, 2007. p. 31-61.

LÜDKE, M.; BOING, L. A. O trabalho docente nas páginas de Educação & Sociedade em seus (quase) 100 números. Educação & Sociedade, Campinas, v. 28, n.100, Especial, p. 1179-1201, 2007.

OLIVEIRA, M. K.; REGO, T. C.; AQUINO, J. G. Desenvolvimento psicológico e constituição de subjetividades: ciclos de vida, narrativas autobiográficas e tensões da contemporaneidade. Pro-Posições, Campinas, SP, v.17, n. 2, p. 119-138, 2006.

PAPI, S. O. G.; MARTINS, P. L. O. As pesquisas sobre professores iniciantes: algumas aproximações. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 26, n. 3, p.39-56, dez. 2010.

PINO, A. O social e o cultural na obra de Vigotski. Educação & Sociedade, Campinas/SP, ano XXI, n.71, p. 45-78, jul. 2000.

ROGER, J. L. Refaire son métier. Essais de clinique de l'activité. 1. ed. Toulouse: Érès, 2007. 252 p.

ROMANOWSKI, Joana Paulin; OLIVER MARTINS, Pura Lúcia. Desafios da formação de professores iniciantes. Páginas de Educación, Montevideo , v. 6, n. 1, p. 83-96, jun. 2013 . Disponível em <http://www.scielo.edu.uy/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1688-74682013000100005&lng=es&nrm=iso>. Acesso em 29 maio 2020.

SAUJAT, F. Spécificités de l’activité d’enseignants débutants et genres de l’activité professorale. Polifonia – Revista do Programa de Pós-Graduação em Estudos de Linguagem, UFM, Cuiabá: Editora Universitária, ano 7, v. 8, n. 8, 2004.

Vieira, H. M. M. Como vou aprendendo a ser professora depois da formatura: análise do tornar-se professora na prática da docência. São Carlos, 2002. (Tese de doutorado) - Faculdade de Educação, Ufscar.

VIGOTSKI, L. S. Manuscrito de 1929. Educação & Sociedade, Campinas, SP, ano XXI, n. 71, p. 21-44, jul. 2000.

Publicado

09-10-2020

Como Citar

ANJOS, D. D. dos; NACARATO, A. M. Uma professora em início de carreira: narrativas sobre as tensões em seu desenvolvimento profissional. Revista Eletrônica de Educação, [S. l.], v. 14, p. e4275120, 2020. DOI: 10.14244/198271994275. Disponível em: https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/4275. Acesso em: 25 jun. 2024.

Edição

Seção

Dossiê Formação e inserção profissional de professores iniciantes: conceitos e práticas
##plugins.generic.dates.received## 2020-04-20
##plugins.generic.dates.accepted## 2020-06-10
##plugins.generic.dates.published## 2020-10-09