Preconceito, discriminação e estigma contra pessoas com deficiência: uma revisão sistemática de literatura

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14244/198271994825

Palavras-chave:

Educação especial, Pessoas com deficiência, Estigma.

Resumo

O estigma, o preconceito e a discriminação são fenômenos violentos prejudiciais para boa parte da população, em especial para as pessoas com deficiência. Estudos mostram que este público é alvo direto destes fenômenos, os quais se manifestam em barreiras físicas ou atitudinais que impedem sua convivência e acesso na sociedade. Mesmo os documentos legais garantindo a proteção das pessoas com deficiência contra o estigma, o preconceito e a discriminação, elas ainda os vivem cotidianamente. O objetivo desta pesquisa foi analisar a produção científica brasileira sobre o preconceito, a discriminação e o estigma contra pessoas com deficiência. Para tal, realizou-se uma revisão sistemática de literatura em artigos brasileiros publicados entre os anos de 2013 e 2018. Ao final foram selecionados 11 artigos, os quais foram analisados fenomenologicamente. Os resultados mostraram que o público mais investigado nos artigos foram as pessoas com deficiência física, que são vítimas de fenômenos violentos principalmente no ambiente de trabalho, no círculo familiar e no convívio comunitário. A violência se desdobra em barreiras físicas e atitudinais constantes em suas vidas, as quais dificultam seu acesso a empregos e a espaços de lazer. São necessárias novas pesquisas que investiguem a incidência de violência contra pessoas com deficiência e as possíveis soluções para este fenômeno.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Marlon Jose Gavlik Mendes, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)

Psicólogo pela Universidade Estadual do Centro-Oeste do Paraná (UNICENTRO), Especialista em Psicologia Corporal pelo Centro Reichiano e em Psicopedagogia pela Faculdade do Centro-Oeste do Paraná (FACEOPAR), Mestre em Educação pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE), Doutor em Educação Especial pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR).

Maria da Piedade Resende da Costa, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)

Possui formação em Psicologia pela Universidade Católica de Pernambuco (1975), graduação em Pedagogia pela Universidade Católica de Pernambuco, mestrado em Educação Especial (Educação do Indivíduo Especial) pela Universidade Federal de São Carlos - UFSCAR (1984) e doutorado em Psicologia (Psicologia Experimental) pela Universidade de São Paulo (1992). Atualmente é professora associada do departamento de Psicologia da UFSCAR, com orientação no mestrado e doutorado e supervisão de pós-doutorado.

Fátima Elisabeth Denari, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)

Formada em Estudos Sociais e Pedagogia pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR), Mestre em Educação Especial pela UFSCAR, Doutora em Educação pela UFSCAR. Atualmente é professora associada do departamento de Psicologia da UFSCAR, com orientação no mestrado e doutorado e supervisão de pós-doutorado.

Referências

AURELIANO, W. A. Trajetórias Terapêuticas Familiares: doenças raras hereditárias como sofrimento de longa duração. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 23, n. 2, p. 369-380, Feb. 2018.

ANGNES, J. S.; MORÁS, N. A. B.; KLOZOVSKI, M. L.; REALI, K. M. Um Estudo Sobre a Educação do Sujeito Surdo na Rede Estadual de Educação de Foz do Iguaçu – Paraná. Holos, [S.l.], v. 8, p. 338-354. Maio, 2016.

BECKER, K. L. Deficiência, Emprego e Salário no Mercado de Trabalho Brasileiro. Estudos Econômicos (São Paulo) [online]. v. 49, n. 1. 2019.

BRASIL. Lei n. 8.213, de 24 de julho de 1991. Dispõe sobre os planos de benefícios da previdência social e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 25 jul. 1991.

BRASIL. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília: MEC/SEESP, 2008.

BRASIL. Estatuto da pessoa com deficiência. Lei Brasileira de Inclusão. Lei nº 13.146 de 6 de julho de 2015. Presidência da República, Brasília, 2015.

BRITO, T. D. Q. OLIVEIRA, A. R. EULÁCIO. M. C. Deficiência física e envelhecimento: estudo das representações sociais de idosos sob reabilitação fisioterápica. Avances en Psicología Latinoamericana / Bogotá (Colombia). Vol. 33(1). pp. 121-133. 2015.

COSTA, A. B.; ZOLTOWSKI, A. P. C. Como escrever um artigo de revisão sistemática. In: KOLLER, S. H., COUTO, M. C. P. P., HOHENDORFF, J. V. (orgs.). Manual de produção científica. Porto Alegre: Penso, 2014.

COUTINHO, B. G.; FRANÇA, I. S. X. D.; COURA, A. S.; MEDEIROS, K. K. A. S.; ARAGÃO, J. D. S. Qualidade de vida no trabalho de pessoas com deficiência física. Trabalho, Educação e Saúde, v. 15, n. 2, p. 561-573, 2017.

FOLLESDAL, D. Husserl’s reductions and the role they play in his phenomenology. A companion to phenomenology and existentialism, p. 105-114, 2006.

FONTES, F. MARTINS, B. S. Deficiência e Inclusão Social Os percursos da lesão medular em Portugal. Sociologia, Problemas e Práticas, n.º 77, 2015.

GESSER, M.; NUERNBERG, A. H. Psicologia, sexualidade e deficiência: Novas perspectivas em direitos humanos. Psicologia: ciência e profissão, v. 34, n. 4, p. 850-863, 2014.

GOFFMAN, E. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Livro do Coletivo Sabotagem, 1988.

GOFFMAN, E. Manicômios, prisões e conventos. São Paulo: Editora Perspectiva, 2005.

GONÇALVES, H.; DUMITH, S. C.; GONZÁLEZ, D. A.; MENEZES, A. M.B.; ARAÚJO, C. L. P.; HALLAL, P. C.; BASTOS, J. L. Discriminação autorrelatada por adolescentes de uma coorte de nascimentos brasileira: prevalência e associações. Rev Panam Salud Publica. 31(3):204–210. 2012.

HAAS, C.; SILVA, M. C.; FERRARO, A. R. Escolarização das pessoas com deficiência no Rio Grande do Sul ante o direito à educação. Educação e Pesquisa, v. 43, n. 1, p. 245-262, 2017.

HARLOS, F. E. Sociologia da deficiência: vozes por significados e práticas (mais) inclusivas. 201 f. Mestrado em Educação Especial (Educação do Indivíduo Especial) - Universidade Federal de São Carlos, São Carlos. 2012.

LEAL, D. R.; MATTOS, G. D.; FONTANA, R. T. Trabalhador com deficiência física: fragilidades e agravos autorreferidos. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 66, n. 1, 2013.

MAFFESOLI, M. Dinâmica da violência. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 1987.

MAFFESOLI, M. O conhecimento comum: introdução à sociologia compreensiva. Porto Alegre: Sulina, 2007.

MARTINS, J. A.; BARSAGLINI, R. A. Aspectos da identidade na experiência da deficiência física: um olhar socioantropológico. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, v. 15, n. 36, 2011.

MARQUES, R. F. R.; MARIVOET, S.; ALMEIDA, M. A. B. D.; GUTIERREZ, G. L.; MENEZES, R. P.; NUNOMURA, M. A abordagem mediática sobre o desporto paralímpico: perspetivas de atletas portugueses. Motricidade, v. 11, n. 3, p. 123-147, 2015.

MASSIGNAM, F. M.; BASTOS, J. L. D.; NEDEL, F. B. Discriminação e saúde: um problema de acesso. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, v. 24, n. 3, p. 541-544, Setembro. 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2237-96222015000300541&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 26 abr. 2018.

MENDES, M. J. G.; DENARI, F. E. Deficiência e sexualidade: uma análise bibliométrica. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, v. 14, n. 2, p. 1357-1374, 2019.

MENDES, M. J. G.; SCHROEDER, T. M. R.; DENARI, F. E. Violência contra pessoas com deficiência: um estudo de caso. Revista Eletrônica de Educação, v. 14. 2020.

MOTA, A. M. G.; VILKAS, A. C.; WADA, E. K.; SANTOS, M. F. Turismo de aventura acessível. Podium Sport, Leisure and Tourism Review, v. 3, n. 1, p. 61-73, 2014.

NEVES-SILVA, P.; PRAIS, F. G.; SILVEIRA, A. M. Inclusão da pessoa com deficiência no mercado de trabalho em Belo Horizonte, Brasil: cenário e perspectiva. Ciênc. saúde coletiva v. 20, p. 2549-2558, 2015.

NICOLAU, S. M.; SCHRAIBER, L. B.; AYRES, J. R. C. M. Mulheres com deficiência e sua dupla vulnerabilidade: contribuições para a construção da integralidade em saúde. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 18, n. 3, p. 863-872, Março. 2013

OHL, N. G.; ANGELUCCI, C. B.; NICOLAU, A. M.; HONDA, C. Escolarização e preconceito: lembranças de jovens com e sem deficiência. Revista da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional (ABRAPEE), vol.13(2), 243-250. São Paulo. 2009.

OLIVEIRA, A. K. C.; MATSUKURA, T. S.; FONTAINE, A. M. G. V. Autoconceito e Autoeficácia em Crianças com Deficiência Física: Revisão Sistemática da Literatura. Rev. bras. educ. espec., Marília, v. 23, n. 1, p. 145-160, Março. 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-65382017000100145&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 26 abr. 2018.

OMS. World report on violence and health. World Health Organization. Geneva. 2002

PICCOLO, G. M.; MENDES, E. G. Contribuições a um pensar sociológico sobre a deficiência. Educação & Sociedade, v. 34, n. 123, 2013.

PONTE, A. S.; FEDOSSE, E. Lesão Encefálica Adquirida: impacto na atividade laboral de sujeitos em idade produtiva e de seus familiares. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 21, n. 10, p. 3171-3182, Outubro. 2016.

RESENDE, O. L. C.; BARBOSA, M. T. S.; SIMÕES, B. F. T.; VELASQUE, L.S. A representação do adoecer em adolescentes com lúpus eritematoso sistêmico. Revista Brasileira de Reumatologia, 2016.

RIBEIRO, A. P.; BATISTA, D. F.; PRADO, J. M.; VIEIRA, K. E.; CARVALHO, R. L. Cenário da inserção de pessoas com deficiência no mercado de trabalho: revisão sistemática. v. 12i2. 1441. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, v. 12, n. 2, p. 268-276, 2014.

SAMPAIO, R. F. MANCINI, M. C. Estudos de revisão sistemática: um guia para síntese criteriosa da evidência científica. Revista brasileira de fisioterapia, v. 11, n. 1, p. 83-89, 2007.

SANTOS, G.; CORREIA, A.; DIAS, G.; TORRES, P.; BERNARDO, S. A discriminação sob o olhar da Educação Social. II Jornada de Educação Social. Dinâmicas Sociais: Espaços de Pensamento: a intervenção social em contexto de crise. Bragança: IPB, ESE. p. 1-23. 2009.

SANTOS, N. L.; PEREIRA, R. M. M.; MOREIRA, M. C.; SILVA, A. L. A. O cuidado à saúde de pessoas com albinismo: uma dimensão da produção da vida na diferença. Physis, Rio de Janeiro, v. 27, n. 2, p. 319-333, Junho. 2017.

SANTOS, V. F. C.; BORGES, Z. N.; LIMA, S. O.; REIS, F. P. Percepções, significados e adaptações à hemodiálise como um espaço liminar: a perspectiva do paciente. Interface, Botucatu, v. 22, n. 66, p. 853-863, Setembro. 2018.

SANTOS, W. R. Pessoas com deficiência e inclusão no trabalho na América Latina: desafios à universalização dos direitos. Cadernos Brasileiros de Terapia Ocupacional, v. 25, n. 4, 2017.

SILVA, A.; SILVA SAMPAIO, A.; SOUSA FIGUEIREDO, A. M.; SANTOS, D. T. R. Direitos humanos dos portadores de deficiência mental. Revista Jurídica Uniandrade, v. 26, n. 1, p. 1458-1467, 2017.

SIMMEL, G. A natureza sociológica do conflito. In: MORAES FILHO, E. (Org.). Simmel. São Paulo: Ática, 1983.

TOMAZ, R. V. V.; ROSA, T. L.; VAN, D. B.; MELO, D. G. Políticas públicas de saúde para deficientes intelectuais no Brasil: uma revisão integrativa. Ciênc. saúde coletiva, v. 21, p. 155-172, 2016.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. O positivismo; a fenomenologia; o marxismo. São Paulo: Atlas, 1987.

Downloads

Publicado

29-12-2022

Como Citar

MENDES, M. J. G. . .; COSTA, M. da P. R. da; DENARI, F. E. Preconceito, discriminação e estigma contra pessoas com deficiência: uma revisão sistemática de literatura. Revista Eletrônica de Educação, [S. l.], v. 16, p. e4825027, 2022. DOI: 10.14244/198271994825. Disponível em: https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/4825. Acesso em: 14 jun. 2024.

Edição

Seção

Demanda Contínua - Artigos
##plugins.generic.dates.received## 2022-04-30
##plugins.generic.dates.accepted## 2021-06-08
##plugins.generic.dates.published## 2022-12-29