Processos formativos de professores na constituição do Movimento em Rede da Feira de Matemática

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14244/198271996233

Palavras-chave:

Movimento em rede da feira de matemática, Formação de professores, Pesquisa narrativa.

Resumo

Este texto é parte de um estudo em andamento e objetiva investigar as concepções de formação de professores presentes no período de gestação do Movimento em Rede da Feira de Matemática, no estado de Santa Catarina. Busca, também, compreender o campo fértil de reflexões em Educação Matemática e Formação de Professores na década de 1980 no Brasil e, de maneira mais aprofundada, neste estado. Assim, esse estudo se caracteriza como uma pesquisa com viés histórico e narrativo, e evidencia a vanguarda em algumas proposições e ideias acerca das concepções de formação de professores. Numa síntese da leitura dessa primeira parte da história, destaca-se como perspectiva predominante, em termos de formação de professores, uma postura mais próxima do modelo prescrito pela pesquisa de desenvolvimento, com foco na elaboração, implementação, reflexão e socialização de materiais didáticos voltados ao ensino de Matemática no primeiro grau. Desde o início, os formadores se preocuparam em garantir que os professores participassem de todas as etapas do processo. Tais participações foram, aos poucos, se ampliando e a Feira Catarinense de Matemática contribuiu significativamente na última etapa deste modelo relativa à difusão e à adoção de ideias inovadoras. No tocante às tendências para o ensino da Matemática, a preponderante foi a construtivista. Os diversos movimentos formativos realizados na época contribuíram para que os professores adquirissem confiança e conhecimento necessários para um caminhar em direção a uma mudança de paradigma.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Araceli Gonçalves, Instituto Federal Catarinense (IFC)

Possui graduação em Matemática pela Fundação Universidade Regional de Blumenau (2007) e doutorado em Educação Científica e Tecnológica pela Universidade Federal de Santa Catarina (2023). Atualmente é de do Instituto Federal Catarinense, atuando principalmente nos temas Movimento em Rede da Feira de Matemática, Formação de Professores e Educação Matemática.

Regina Célia Grando, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Possui Graduação em Licenciatura em Matemática pela UNICAMP (1990), Mestrado (1995) e Doutorado (2000) em Educação pela UNICAMP e Pós-doutorado em Educação Matemática (2017) pela UNESP. Tem experiência na pesquisa e prática em Educação Matemática, com ênfase em Prática Pedagógica e Formação Docente, atuando principalmente nos seguintes temas de investigação: formação de professores que ensinam matemática, desenvolvimento profissional docente, educação matemática e infância, jogo e resolução de problemas. Ex-presidenta da Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM Nacional) no triênio 2016-2019. Atualmente é Professora Titular do Centro de Ciências da Educação, Departamento de Metodologia de Ensino e docente do Programa de Pós-graduação em Educação Científica e Tecnológica (PPGECT) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Líder do GEPPROFEM- Grupo de Estudos e Pesquisas em Processos Formativos em Educação Matemática e do ICEM - Grupo de estudos de Insubordinação Criativa em Educação Matemática. Sócia da Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM), da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação (ANPED) e da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC).

Referências

BARBOSA, Jonei Cerqueira; OLIVEIRA, Andreia Maria Pereira. Por que a pesquisa de desenvolvimento na Educação Matemática? Perspectivas da Educação Matemática, v. 8, n. 18, 18 dez. 2015. Disponível em: https://periodicos.ufms.br/index.php/pedmat/article/view/1462. Acesso em: mar 2021.

BOLÍVAR, Antonio; DOMINGO, Jesús; FERNÁNDEZ, Manuel. La investigación biográfico-narrativa en Educación: enfoque y metodología. Madrid: La Muralla, 2001.

CARR, Wilfred; KEMMIS, Stephen. Teoria critica de la ensenanza. Barcelona: Ediciones Martinez Roca, 1988.

COCHRAN–SMITH, Marilyn; LYTLE, Susan. Relationships of Knowledge of practice: teacher learning in communities. Review of Research in Education, USA, v. 24, p. 249-305, 1999.

D’AMBRÓSIO, Beatriz Silva; LOPES, Celi Espasandin (Org.). Ousadia criativa nas práticas de educadores matemáticos. Campinas, São Paulo: Mercado de Letras, 2015.

DAMAZIO, Ademir. Apresentação dos trabalhos. In: ZERMIANI, Vilmar José. I Seminário das Feiras Catarinenses de Matemática. Educação Matemática. Revista Catarinense de Educação Matemática. SBEM/SC, ano 1, v. 1, p. 24-26, 1996.

DAY, Christopher. Formar docentes: cómo, cuándo y em qué condiciones aprende el professorado. Narcea: Madrid, 2005.

FLORIANI, José Valdir. Feiras de Matemática: Integração entre os graus de ensino. In: I Seminário das Feiras Catarinenses de Matemática. Educação Matemática. Revista Catarinense de Educação Matemática. SBEM/SC, ano 1, v. 1, p. 21-24, 1996.

FLORIANI, José Valdir. Professor e Pesquisador: exemplificação apoiada na matemática. 2 ed. Blumenau: Ed da FURB, 2000.

FLORIANI, José Valdir. Da prática à teoria: reflexões de um professor de matemática. 1989. 131 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Centro de Ciências da Educação, Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 1989.

FLORIANI, José Valdir. Relatório Geral Curso de Especialização em Ciências (Biologia, Física, Matemática e Química). Blumenau, 1984.

FLORIANI, José Valdir. Relatório Geral Curso de Especialização em Ciências (Biologia, Física, Matemática e Química). Blumenau, 1986.

FLORIANI, José Valdir; ZERMIANI, Vilmar José. Feira de Matemática. Revista de Divulgação Cultural, Blumenau, p. 1-16, 1985.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários a prática educativa. 62ª ed. São Paulo: Paz e Terra, 2019.

GATTI, Bernardete Angelina et al. Professores do Brasil: novos cenários de formação. Brasília, DF: Unesco, 2019.

IMBERNÓN, Francisco. Formação permanente do professorado: novas tendências. São Paulo: Cortez, 2009.

JOVCHELOVITCH, Sandra; BAUER, Martin. Entrevista narrativa. In: BAUER, Martin; GASKELL, George. (Org.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. 4. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002, p. 90-113.

SHULMAN, Lee. Conhecimento e ensino: fundamentos para a nova reforma. Cadernoscenpec: São Paulo. v.4, n. 2, p.196-229, 2014. Diponível em: https://maiza.com.br/wp-content/uploads/2017/04/Conhecimento-e-ensino-Lee-Shulman.pdf. Acesso em: julho de 2020.

ZERMIANI, Vilmar José. Feiras de Matemática de Santa Catarina: relevância para a relevância para a educação. Blumenau: Edifurb, 2003.

ZERMIANI, Vilmar José. Relatório técnico crítico do projeto: experiência de uma metodologia inovadora no ensino de matemática através da utilização de materiais instrucionais concretos. Blumenau, 1988.

ZERMIANI, Vilmar José; FLORIANI, José Valdir. Trajetória da Rede de Feiras de Matemática. In: Seminário sobre Feiras de Matemática 4. 2009. Blumenau/SC. Anais […]. Blumenau: Nova Letra, 2009.

Downloads

Publicado

13-12-2023

Como Citar

GONÇALVES, A.; GRANDO, R. C. Processos formativos de professores na constituição do Movimento em Rede da Feira de Matemática . Revista Eletrônica de Educação, [S. l.], v. 17, p. e6233093, 2023. DOI: 10.14244/198271996233. Disponível em: https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/6233. Acesso em: 17 jun. 2024.

Edição

Seção

Dossiê Formação de Professores que Ensinam Matemática
##plugins.generic.dates.received## 2022-11-16
##plugins.generic.dates.accepted## 2023-07-20
##plugins.generic.dates.published## 2023-12-13