Educação em espaços de privação de liberdade no estado de São Paulo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14244/198271994367

Palavras-chave:

Política educacional, Educação nas prisões, Fundação CASA, Currículo.

Resumo

Apresenta-se neste artigo resultado de pesquisa cujo objetivo é analisar aspectos da política estadual em São Paulo no que se refere à promoção da educação básica em espaços de privação de liberdade, nas prisões na modalidade Educação de Jovens e Adultos (EJA) e na Fundação CASA, ensino regular. Entende-se que tal política modela o currículo e estabelece as possibilidades educacionais a serem efetivadas nas escolas nesses contextos. Como procedimento metodológico realizou-se a análise dos documentos oficiais que implementaram a política obtidos no sítio eletrônico da Secretaria da Educação do estado de São Paulo. A partir de Gimeno Sacristán, compreende-se que a atividade político-administrativa prescreve o currículo a ser desenvolvido nas escolas, estabelecendo possibilidades e dificuldades para a realização dos processos educativos. Analisando-se os dados no confronto com a produção acadêmica sobre a temática foi possível verificar que o governo de São Paulo respondeu às determinações legais advindas do governo federal. No entanto, a forma como a educação foi implementada evidencia constrangimentos que incidem sobre as possibilidades do estabelecimento do currículo e, portanto, da educação a ser ofertada. As ações adotadas visam mais a eficiência e otimização de recursos, a partir da racionalidade neoliberal e instrumental, em detrimento de ênfase no desenvolvimento de processos educativos atinentes às especificidades do contexto em questão.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Marieta Gouvêa de Oliveira Penna, Universidade Federal de São Paulo

Professora Associada do Departamento de Educação da Unifesp

Isabel Melero Bello, Universidade Federal de São Paulo

Professora do Departamento de Educação

Ana Carolina Colacioppo Rodrigues, Centro Universitário Santa Rita

Professora do Curso de Pedagogia

Referências

BRASIL. Lei n. 7.210, de 11 de julho de 1984 - Lei de Execuções Penais. Diário Oficial da União, Brasília, DF, p. 10227, 13 jul. 1984. Seção 14.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988.

BRASIL. Lei nº 8.069 de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm>. Acesso em 11 jan .2015.

BRASIL. Lei n. 9.394/1996, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, p.27833, 23 dez. 1996. Seção 1.

BRASIL. Resolução CEB/CNE n. 04, de 9 de março de 2010. Define Diretrizes Nacionais para a oferta de educação para jovens e adultos em situação de privação de liberdade nos estabelecimentos penais. Ministério da Educação - Conselho Nacional de Educação; Câmara de Educação Básica. Brasília, 2010.

BRASIL. Lei nº 12.594, de 18 de janeiro de 2012. Institui o Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12594.htm>. Acesso em 11 jan. 2015.

BRASIL. Parecer CNE/CEB nº 8, de 07 de outubro de 2015. Diretrizes Nacionais para o atendimento escolar de adolescentes e jovens em cumprimento de medidas socioeducativas. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=25201-parecer-cne-ceb008-15-pdf&category_slug=outubro-2015-pdf&Itemid=30192>. Acesso em 02 ago. 2016.

BRASIL. Resolução nº 3, de 13 de maio de 2016. Define Diretrizes Nacionais para o atendimento escolar de adolescentes e jovens em cumprimento de medidas socioeducativas. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=41061-rceb003-16-pdf&category_slug=maio-2016-pdf&Itemid=30192>. Acesso em 02 ago. 2016.

BRASIL. Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias - Infopen, Junho/2016. Brasília: Ministério da Justiça e da Segurança Pública. Departamento penitenciário Nacional, 2017.

CARVALHO, Valéria Regina Valério. O sentido do trabalho escolar para o adolescente em cumprimento de medida socioeducativa de internação. 2017. 188f. Dissertação (Mestrado) – Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, 2017.

CELLA, Silvana Machado; CAMARGO, Dulce Maria Pompêo. Trabalho pedagógico com adolescentes em conflito com a lei: feições da exclusão/inclusão. Educação e Sociedade, Campinas, vol. 30, n. 106, p. 281-299, jan./ abr. 2009.

CELLARD, André. A análise documental. In: POUPART, Jean et al. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Trad. Ana Cristina Nasser. Petrópolis/RJ: Vozes, 2008, p. 295-316.

CURY, Carlos Roberto Jamil. A educação básica como direito. São Paulo, Cadernos de Pesquisa, v. 38, n. 134, p. 293-304, maio/ago. 2008.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Chritian. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo, 2016, 413p.

FONSECA, Débora Cristina. Escolarização de adolescentes em privação de liberdade: análise do tema em uma amostra de periódicos. Revista Eletrônica de Educação, São Carlos, v. 7, no. 1, p. 13-31, maio 2013.

GARCIA, Maria Manuela Alves; ANADON, Simone Barreto. Reforma educacional, intensificação e autointensificação do trabalho docente. Educação e Sociedade, Campinas, v. 30, n. 106, p. 63-85, jan./ abr. 2009.

GIMENO SACRISTÁN, José. O currículo: uma reflexão sobre a prática. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2000, 352 p.

GOFFMAN, Erving. Manicômios, prisões e conventos. Trad. Dante Moreira Leite.6. ed., São Paulo: Perspectiva, 1999, 312 p.

JULIÃO, Elionaldo Fernandes. Escola na ou da prisão? Cadernos Cedes, Campinas, v. 36, n. 98, p. 25-42, jan.-abr., 2016.

LEME, José Antônio Gonçalves. Educação nas prisões do estado de São Paulo: esforços históricos e os limites institucionais. 2018. 258f. Tese (Doutorado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2018.

LOPES, Juliana Silva. A escola na FEBEM – SP: em busca do significado. 2006. 161f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

MARZOCHI, Andrea Souza. História de vida dos jovens da Fundação CASA: o lugar da escola nessas vidas. 2014. 188f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação da Universidade Estadual de Campinas, 2014.

MOREIRA, Fábio Aparecido. Educação prisional: gênese, desafios e nuances do nascimento de uma política pública de educação. 2017. 111f. Tese (Doutorado) – Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017.

OLIC, Maurício Bacic. A casa está na mão de quem? Hierarquia e relações de poder no interior de Unidades de Internação destinadas a jovens infratores. Cadernos de Campo, São Paulo, n. 18, p. 1-35, 2009.

OLIC, Maurício Bacic. Entre os dispositivos e as disposições: relações de poder em tempos de fundação CASA. Ponto Urbe, São Paulo, v. 12, p. 1-20, 2013.

OLIVEIRA, Andréa dos Santos. A Fundação CASA e o trabalho educativo escolar. 2010. 121f. Dissertação (Mestrado) – Pós-Graduação em Educação, Universidade Cidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

ONOFRE, Elenice Maria Cammarosano. Escola na prisão: espaço de construção da identidade do homem aprisionado? In: ______ (org.) Educação escolar entre as grades. São Carlos: EduFSCar, 2007, p. 11-28.

ONOFRE, Elenice Maria Cammarosano. A leitura e a escrita como possibilidade de resgate da cidadania de jovens e adultos em privação de liberdade. Revista Educação e Linguagens, Campo Mourão, v. 1, n. 1, p. 46-59, ago./dez. 2012.

PORTUGUES, Manoel Rodrigues. Educação de adultos presos. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.27, n.2, p.355-374, jul./ dez. 2001.

SÁ, Guilherme Cardoso de. Proletarização, precarização e empresariamento na Secretaria de Estado da Educação do Estado de São Paulo (1995-2015): o neoliberalismo forjando a crise da República e a privatização do Estado. 2019. 291f. Dissertação (Mestrado em História Econômica) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2019.

SANTOS, Roberto da Silva. Os filhos do governo: a formação da identidade criminosa em crianças órfãs e abandonadas. São Paulo: Ática, 1997, 205p.

SÃO PAULO (ESTADO). Resolução SE nº 61, de 14 de abril de 1998. Dispõe sobre autorização de funcionamento de classes de atendimento à FEBEM. São Paulo, SP, 1998. Disponível em <http://www.educacao.sp.gov.br/lise/sislegis/pesqpalchav.asp?assunto=92>. Acesso em 27 de junho de 2019.

SÃO PAULO (ESTADO). Resolução Conjunta SE/SJEL 2, de 30-9-2003. Revoga dispositivo legal que especifica. São Paulo, SP, 2003a. Disponível em <http://www.educacao.sp.gov.br/lise/sislegis/pesqpalchav.asp?assunto=92> .Acesso em 27 de junho de 2019.

SÃO PAULO (ESTADO). Resolução SE - 109, de 13-10-2003. Dispõe sobre o atendimento escolar dos adolescentes privados de liberdade nas Unidades de Internação-UI e Internação Provisória-UIP da Fundação Estadual para o Bem-Estar do Menor - Febem-SP. São Paulo, SP, 2003b. Disponível em <http://www.educacao.sp.gov.br/lise/sislegis/pesqpalchav.asp?assunto=92>. Acesso em 27 de junho de 2019.

SÃO PAULO (ESTADO). Lei nº 12.469, de 22 de dezembro de 2006. Altera a denominação da Fundação Estadual do Bem-Estar do Menor e dá providências correlatas. 2006.

Disponível em <http://www.legislacao.sp.gov.br/legislacao/dg280202.nsf/69aaa17c14b8cb5483256cfb0050146e/eae2a2c6fc31cd3703257251006374d7?OpenDocument&Highlight=0,febem>. Acesso em 01 abr. 2019.

SÃO PAULO (ESTADO). Lei Complementar nº 1.093, de 16 de julho de 2009. Dispõe sobre a contratação por tempo determinado de que trata o inciso X do artigo 115 da Constituição Estadual. 2009. Disponível em: https://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/lei.Complementar/2009/lei.complementar-1093-16.07.2009.html. Acesso em 01 abr.2019.

SÃO PAULO (ESTADO). Resolução SE nº 15, de 3-2-2010. Institui o Projeto “Revitalizando a Trajetória Escolar”, nas classes de ensino fundamental e médio em funcionamento nas Unidades de Internação – UIs, da Fundação CASA, e dá providências correlatas. 2010. Disponível em <http://www.educacao.sp.gov.br/lise/sislegis/pesqpalchav.asp?assunto=92>. Acesso em 27 de junho de 2019.

SÃO PAULO (ESTADO). Decreto nº 56.800, de 2 de março de 2011. Institui Grupo de Trabalho para desenvolver estudos e propor políticas e ações voltadas para a educação no Sistema Prisional do estado de São Paulo, 2011a. Publicado na Casa Civil, aos 2 de março de 2011.

SÃO PAULO (ESTADO). Resolução SE nº 03, de 28-1-2011. Dispõe sobre o processo de atribuição de classes, turmas e aulas de Projetos da Pasta aos docentes do Quadro do Magistério e dá providências correlatas. São Paulo, SP, 2011b. Disponível em <http://www.educacao.sp.gov.br/lise/sislegis/pesqpalchav.asp?assunto=92>Acesso em 27 de junho de 2019.

SÃO PAULO (ESTADO). Resolução SE 64, de 13 de junho de 2012. Dispõe sobre a regularização de vida escolar de jovens e adultos privados de liberdade, em estabelecimentos penais, e dá providências correlatas. São Paulo, SP, 2012a. Disponível em <http://www.educacao.sp.gov.br/lise/sislegis/pesqpalchav.asp?assunto=92>. Acesso em 27 de junho de 2019.

SÃO PAULO (ESTADO). Resolução SE n° 06, de 19 de janeiro de 2012. Altera dispositivos da Resolução SE nº 6, de 28.1.2011, que redireciona as diretrizes do Projeto “Revitalizando a Trajetória Escolar” nas classes de ensino fundamental e médio em funcionamento nas Unidades de Internação – UIs, da Fundação CASA, instituído pela Resolução SE nº 15, de 3 de fevereiro de 2010, e dá providências correlatas. São Paulo, SP, 2012b. Disponível em: <http://www.educacao.sp.gov.br/lise/sislegis/detresol.asp?strAto=201201190006>. Acesso em: 03 de maio. 2019

SÃO PAULO (ESTADO). Resolução Conjunta SE/SAP 1, de 16 de janeiro de 2013. Dispõe sobre a oferta da Educação Básica, na modalidade Educação de Jovens e Adultos - EJA, a jovens e adultos que se encontrem em situação de privação de liberdade, nos estabelecimentos penais do estado de São Paulo, e dá providências correlatas. São Paulo, junho de 2013. Disponível em <http://www.educacao.sp.gov.br/lise/sislegis/pesqpalchav.asp?assunto=92>. Acesso em 27 de junho de 2019.

SÃO PAULO (ESTADO). Resolução Conjunta SE-SAP-2, de 30-12-2016. Dispõe sobre a oferta da educação básica a jovens e adultos que se encontram em situação de privação de liberdade no Sistema Prisional do Estado de São Paulo, e dá providências correlatas. São Paulo, 2016a. Disponível em <http://www.educacao.sp.gov.br/lise/sislegis/pesqpalchav.asp?assunto=92>. Acesso em 27 de junho de 2019.

SÃO PAULO (ESTADO). Resolução SE n° 13, de 29 de janeiro de 2016. Altera a Resolução SE 6, de 28-01-2011, que redireciona as diretrizes do Projeto “Revitalizando a Trajetória Escolar” nas classes de ensino fundamental e médio em funcionamento nas Unidades de Internação - UIs, da Fundação CASA. São Paulo, SP, 2016b. Disponível em: <http://www.educacao.sp.gov.br/lise/sislegis/detresol.asp?strAto=201601290013>. Acesso: 05 de maio. 2019.

SÃO PAULO (ESTADO). Resolução Conjunta SE-SJDC-1, de 10-1-2017. Institui o Projeto Explorando o Currículo no atendimento escolar a adolescentes que se encontram em internação provisória, nos Centros de Internação Provisória - CIP, da Fundação Centro de Atendimento Socioeducativo ao Adolescente - Fundação CASA – SP. São Paulo, SP, 2017a. Disponível em: <http://www.educacao.sp.gov.br/lise/sislegis/detresol.asp?strAto=201612270076>. Acesso: 05 de maio. 2019

SÃO PAULO (ESTADO). Resolução Conjunta SE-SJDC-2, de 10-1-2017. Dispõe sobre o atendimento escolar a adolescentes e jovens em cumprimento de medidas socioeducativas de internação nos Centros de Internação - CI da Fundação CASA, e dá providências correlatas. São Paulo, SP, 2017b. Disponível em: <http://www.educacao.sp.gov.br/lise/sislegis/detresol.asp?strAto=201612270076>. Acesso: 05 de maio. 2019

SÃO PAULO (ESTADO). Resolução SE 20, de 26-2-2018. Dispõe sobre registros escolares de jovens e adultos privados de liberdade, em estabelecimentos penais, no período de 2011 a 2012. São Paulo, 2018.

SILVA, Andressa Baldini. O trabalho docente na prisão por professores da rede estadual de São Paulo: entre a lógica da formação e a lógica da adaptação. 210f. Dissertação (Mestrado) – Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, 2017.

SOUZA, Aparecida Neri de. A racionalidade econômica na política educacional em São Paulo. Pró-Posições, vol. 13, n. 1, vol. 37, p. 78-90, jan. /abril 2002.

TEIXEIRA, Joana D’Arc. Sistema socioeducativo: as tensas relações entre o punitivo e o educativo. In: JULIÃO, Elionaldo. Educação para jovens e adultos em situação de restrição e privação de liberdade: Questões, avanços e perspectivas. Jundiaí/SP: Paco Editorial, 2013, p. 181-200.

Downloads

Publicado

24-03-2021

Como Citar

PENNA, M. G. de O.; BELLO, I. M.; RODRIGUES, A. C. C. Educação em espaços de privação de liberdade no estado de São Paulo. Revista Eletrônica de Educação, [S. l.], v. 15, p. e4367025, 2021. DOI: 10.14244/198271994367. Disponível em: https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/4367. Acesso em: 17 jul. 2024.

Edição

Seção

Dossiê Educação em prisões: experiências educativas, formação de professores e de agentes socioeducativos
##plugins.generic.dates.received## 2020-05-12
##plugins.generic.dates.accepted## 2021-02-01
##plugins.generic.dates.published## 2021-03-24