Um olhar sobre a mobilização de conhecimentos matemáticos próprios da docência no Pibid

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14244/198271996240

Palavras-chave:

Educação Matemática, Matemática acadêmica, Matemática escolar, Licenciatura em Matemática, Pibid.

Resumo

A participação no Pibid e sua relevância para a formação inicial de professores de Matemática tem sido amplamente documentada. Contudo, ainda são poucos os estudos que investigam os conhecimentos matemáticos mobilizados Pibid. Visando avançar nessa compreensão, procurou-se neste artigo desvelar conhecimentos matemáticos, próprios da docência, mobilizados no âmbito do Pibid Matemática de um Instituto Federal de Minas Gerais a partir de memórias e produções de dois egressos do programa. Trata-se de um estudo de natureza qualitativa no qual os dados foram produzidos a partir de documentos (relatórios e um Trabalho de Conclusão de Curso) e de uma entrevista semiestruturada realizada com os egressos. Os dados foram analisados à luz das noções de matemática escolar e matemática acadêmica desenvolvidos por Moreira e colaboradoras e organizados em dois eixos: conhecimentos matemáticos próprios da docência mobilizados nas ações e interações do Pibid e, conhecimentos matemáticos próprios da docência mobilizados em um Trabalho de Conclusão de Curso. Os resultados sugerem que, na maioria das ações e interações vivenciadas pelos pibidianos, predomina uma tentativa bem-intencionada de adaptar a matemática acadêmica ao trabalho com a Educação Básica. Contudo, raros foram os indícios de matemática escolar presentes nas ações relacionadas ao programa, ainda que se verifique uma atenção às demandas da prática docente. Nesse sentido, conclui-se que o Pibid poderia ampliar suas contribuições compreendendo a matemática escolar como conteúdo específico da formação docente e proporcionando aos licenciandos oportunidades de desenvolvimento de conhecimentos matemáticos próprios da docência.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Nathalia Luiza Soares Peixoto, Secretaria do Estado de Educação de Minas Gerais (SEE/MG)/Escola Estadual Odilon Behrens

Mestre em Educação Matemática pela Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP (2022). Possui Especialização em Tópicos em Matemática, pela Faculdade Futura (2018). Graduada em Matemática (Licenciatura) pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais - Campus São João Evangelista (2016). Atualmente é professora de Matemática - Secretaria do Estado de Educação de Minas Gerais.

Ana Cristina Ferreira, Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP)

Mestre (1998) e Doutora (2003) em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), ambos na área de concentração: Educação Matemática. Atua no Ensino Superior desde 2003, em cursos de Licenciatura em Matemática e Pedagogia da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP). Atualmente, é Professora Titular do Departamento de Educação Matemática. Além das atividades relacionadas à docência no Ensino Superior, foi tutora do PETMAT (Grupo PET do curso de Matemática da UFOP) por seis anos (2007 a 2013). Coordenou o Curso de Matemática da UFOP entre 2005 e 2007. Coordenou o GT7 (Formação de professores que lecionam Matemática) da SBEM entre 2013 a 2015. Coordenou o Mestrado Profissional em Educação Matemática da UFOP entre 2009 e 2012 e de 2016 a 2018. É docente permanente dos Programas de Pós-Graduação em Educação Matemática e em Educação (Mestrado e Doutorado), ambos da UFOP. É membro dos Grupos: HIFEM (História e Filosofia da Educação Matemática) e NIEPEM (Núcleo Interdisciplinar de Estudos e Pesquisas em Educação Matemática da UFOP). É parecerista de revistas nacionais e internacionais. Orienta pesquisas de Doutorado, Mestrado, Especialização, Trabalho de Conclusão de Curso e Iniciação Científica. Desenvolve pesquisas nas áreas de formação e desenvolvimento profissional de professores de Matemática; Conhecimentos matemáticos para o ensino; História da Educação Matemática, e Prática pedagógica de Matemática.

Referências

BALL, Deborah Loewenberg; THAMES, Mark Hoover; PHELPS, Geoffrey. Content knowledge for teaching: what makes it special? Journal of Teacher Education, Washington, v. 59, n. 5, p. 389-407, 2008.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CP 22, de 07 nov. 2019. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica. Brasília, DF: CNE/MEC, 2019. Disponível em: https://normativasconselhos.mec.gov.br/normativa/view/CNE_PAR_CNECPN222019.pdf?query=LICENCIATURA. Acesso em: 14 nov. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CP9/2001. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de Licenciatura, de graduação plena. Brasília, DF: CNE/MEC, 2001. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/009.pdf. Acesso em: 10 nov. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP Nº 1, de 18 de fevereiro de 2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de Licenciatura, de graduação plena. Brasília, DF: CNE/MEC, 2002. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rcp01_02.pdf. Acesso em: 12 nov. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução nº 2, de 1º de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Brasília, DF: CNE/MEC, 2015. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/agosto-2017-pdf/70431-res-cne-cp-002-03072015-pdf/file. Acesso em: 26 ago. 2021.

DAVID, Maria Manuela; MOREIRA, Plínio Cavalcanti; TOMAZ, Vanessa Sena. Matemática Escolar, Matemática Acadêmica e Matemática do Cotidiano: uma teia de relações sob investigação. Acta Scientiae, Canoas, v. 15, n. 1, p. 42-60, 2013.

FRAGA, Laura P.; HUNDERTMARCK, Jucilene; POZEBON, Simone; SILVA, Diaine S. G. da; LOPES, Anemari R. L. V.; PEREIRA, Patrícia S. Situações de aprendizagem compartilhadas: o caso da contagem por agrupamento. Revista Eletrônica de Educação, [S. l.], v. 6, n. 1, p. 129-147, 2012. Acesso em: 9 abr. 2023.

LÜDKE, Menga; ANDRÉ, Marli. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora Pedagógica e Universitária, 2020.

MOREIRA, Plínio Cavalcanti. O conhecimento matemático do professor: formação na Licenciatura e prática docente na escola básica. 2004. 195f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2004.

MOREIRA, Plínio Cavalcanti; DAVID, Maria Manuela. A formação matemática do professor: licenciatura e prática docente escolar. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2021.

MOREIRA, Plínio Cavalcanti; DAVID, Maria Manuela. Matemática Acadêmica e Matemática Escolar: dissonâncias e conflitos. In: LOPES, Eliane M. T.; PEREIRA, Marcelo R. (ed.). Conhecimento e inclusão social: 40 anos de pesquisa em Educação. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011. p. 193-224.

NASCIMENTO, Francisco. J. do; CASTRO, Eliziane R.; LIMA, Ivoneide P. de. Desenvolvimento profissional de professores de matemática iniciantes: contribuição do PIBID. Revista Eletrônica de Educação, [S. l.], v. 11, n. 2, p. 487-504, 2017. Acesso em: 9 abr. 2023.

PEIXOTO, Nathalia Luiza Soares. Conhecimentos matemáticos próprios da docência mobilizados nas ações e interações do PIBID Matemática: um estudo com egressos de um IFMG. 2022. 187 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Educação Matemática) – Instituto de Ciências Exatas e Biológicas, Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, 2022. Disponível em: http://www.repositorio.ufop.br/jspui/handle/123456789/15047. Acesso em: 15 nov. 2023.

PUCETTI, Silvana. A formação do professor de Matemática em interface com o Pibid – Programa Institucional De Bolsa De Iniciação à Docência: as representações de Licenciandos e Supervisores. 2016. 259 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Metodista de São Paulo, São Bernardo do Campo, 2016. Acesso em: 24 abr. 2020.

RODRIGUES, Márcio Urel. Potencialidades do PIBID como Espaço Formativo para Professores de Matemática no Brasil. 2016. 540 f. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Rio Claro, 2016.

SHULMAN, Lee. S. Those who understand: knowledge growth in teaching. Educational Researcher, [S. l.], v. 15, n. 2, p. 4-14, Feb. 1986.

ZAQUEU, Ana Claudia Molina. O Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID) na Formação de Professores de Matemática - perspectivas de ex-bolsistas. 2014. 267 f. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) – Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Rio Claro, 2014.

Downloads

Publicado

13-12-2023

Como Citar

PEIXOTO, N. L. S. .; FERREIRA, A. C. . Um olhar sobre a mobilização de conhecimentos matemáticos próprios da docência no Pibid. Revista Eletrônica de Educação, [S. l.], v. 17, p. e6240088, 2023. DOI: 10.14244/198271996240. Disponível em: https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/6240. Acesso em: 20 jun. 2024.

Edição

Seção

Dossiê Formação de Professores que Ensinam Matemática
##plugins.generic.dates.received## 2022-11-17
##plugins.generic.dates.accepted## 2023-07-20
##plugins.generic.dates.published## 2023-12-13