Programa Ciência sem Fronteiras: um relato de experiência por estudantes de Engenharia de Pesca

Autores

  • Nathália Byrro Gauthier Mestranda no Programa de Pós-graduação em Aquicultura da Universidade Federal do Rio Grande (FURG)
  • Marcelo Carneiro de Freitas Docente do Centro de Ciências Agrárias, Ambientais e Biológicas da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia -UFRB

DOI:

https://doi.org/10.14244/198271993633

Palavras-chave:

Educação, Aprendizado, Internacionalização, Programa Ciência sem Fronteiras.

Resumo

O trabalho teve como objetivo discutir sobre a mobilidade acadêmica vivenciada por estudantes de Engenharia de Pesca em outros países. A coleta de dados foi feita através de um questionário eletrônico semiestruturado, hospedado em uma plataforma eletrônica de formulários da Google. Um total de nove discentes respondeu ao questionário, realizando a mobilidade na França, Espanha, Irlanda, Canadá, Estados Unidos e Austrália. A satisfação dos estudantes com o Programa Ciência sem Fronteiras (CsF) foi positiva, todos os entrevistados afirmaram terem aprendido o idioma do país que escolheram. Em relação aos aspectos negativos, 67% dos entrevistados apontaram que tiveram dificuldades no entendimento do idioma do país no início da mobilidade acadêmica e 78% sentiram saudade da família no período da mobilidade. Concluindo, a mobilidade acadêmica realizada por discentes do Curso de Engenharia de Pesca foi classificada como excelente, sendo uma experiência única e enriquecedora tanto pelo lado profissional, quanto pessoal.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Nathália Byrro Gauthier, Mestranda no Programa de Pós-graduação em Aquicultura da Universidade Federal do Rio Grande (FURG)

Engenheira de Pesca pela Universidade Federal do Recôncavo da Bahia e atualmente Mestranda em Aquicultura pela FURG. 

Referências

ALTBACH, P. G. Comparative Higher Education: Knowledge, the University, and Development. Hong Kong: University of Hong Kong, p. 240, 1998.

ANDRADE, B. P. S. O “Ciência sem Fronteiras” pelo olhar da comunidade acadêmica: O caso da Unifal-mg e da Unifei. 2018. 185f. Dissertação (Mestrado em Divulgação Científica e Cultural). Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos de Linguagem, Campinas, SP, 2018.

AVEIRO, T. M. M. O programa Ciência sem Fronteiras como ferramenta de acesso à mobilidade internacional. Tear: Revista de Educação Ciência e Tecnologia, Canoas, v.3, n.2, 2014.

BEINE, M.; NOEL, R.; RAGOT, L. Determinants of the international mobility of students. Economics of Education Review, mar. 2014.

BETT, D. B. Jovens universitários e intercâmbio acadêmico. 2012. 34f. Monografia (Especialização em Psicologia terminalidade em Terapia Cognitiva e Comportamental). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Instituto de Psicologia, Porto Alegre, 2012.

BRASIL. Decreto n.° 7.642, de 13 de dezembro de 2011, Institui o Programa Ciência sem Fronteiras. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, n. 239, p. 7, seção1, 14 dez. 2011a.

BRASIL. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Programa Ciência sem Fronteiras: um programa especial de mobilidade internacional em ciência, tecnologia e inovação. Documento Conjunto CAPES-CNPq. Julho, 2011b. 67p. Disponível em: http://www.capes.gov.br/images/stories/download/ Ciencia-sem Fronteiras_DocumentoCompleto_julho2011.pdf

BRASIL. Ministério Da Ciência Tecnologia e Inovação. Estratégia Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação 2012 – 2015: Balanço das Atividades Estruturantes de 2011. Brasília, DF, 2012. Disponível em: https://livroaberto.ibict.br/218981.pdf . Acesso em: 25 abr. 2018.

BRASIL. Programa Ciência sem Fronteiras. Dados Chamadas Graduação Sanduíche 2011-2014. Brasília, 2014. Disponível em: http://www.cienciasemfronteiras.gov.br/web/csf/dados-chamadas-graduacao-sanduiche. Acesso em: 21 abr. 2018.

BRASIL. Programa Ciência sem Fronteiras. Painel de Controle do Programa 2016. Disponível em: http://www.cienciasemfronteiras.gov.br/web/csf/painel-de-controle . Acesso em: 18 jul. 2018.

BRUNO, R. C. et al. Mobilidade internacional para educação superior: perfil sociodemográfico e educacional de imigrantes. Almanaque Multidisciplinar de Pesquisa, Universidade Unigranrio, ano III, v.1, n.1, 2016.

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA. Senado Federal. Relatório. Brasília. 2015. Disponível em: http://legis.senado.leg.br/sdleg-getter/documento/download/9f8bccb3-c880-408c-9667-96582f07fa84 Acesso em: 20 maio 2018.

CORREIA-LIMA, M. C.; RIEGEL, V. Mobilidade acadêmica made in South: refletindo sobre as motivações de estudantes brasileiros e colombianos. Magis Revista Internacional de Investigación en Educación, v.8, n.16, p.109-132, 2015. DOI: http://dx.doi.org/10.11144/Javeriana.m8-16.mams

CRUZ, V. X. A. PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS: Uma avaliação da política pública de internacionalização do ensino superior sob a perspectiva do Paradigma Multidimensional. Dissertação (Mestrado em Administração Pública). 2016. 209f. Universidade Federal de Goiás, Faculdade de Ciências e Tecnologia – FCT, Goiânia, GO, 2016.

CUTTI, L. et al. Programa Ciência sem Fronteiras: relato de experiências. Revista Eletrônica de Educação, v.11, n.3, p.1020-1033, set./dez., 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.14244/198271991897

DALMOLIN, I. S. et al. Intercâmbio acadêmico cultural internacional: uma experiência de crescimento pessoal e científico. Rev Bras Enferm, Brasília, v. 66, n.33. p. 442-447, 2013.

FERREIRA, I.G.; CARREIRA, L. B.; BOTELHO, N. M. Mobilidade internacional na graduação em medicina: relato de experiência. ABCS Health Sci., v. 42, n.2, p.115-119, 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.7322/abcshs.v42i2.1013

INSTITUTE FOR INTERNATIONAL EDUCATION – IIE. Open Doors Report 2015: Fast Facts New York, 2015. Disponível em: https://www.iie.org/Research-and-Insights/Open-Doors/Fact-Sheets-and-Infographics/Fast-Facts. Acesso em: 15 nov. de 2017.

INSTITUTE OF INTERNATIONAL EDUCATION – IIE. International student totals by place of origin, 2012/13 – 2015/16. Open Doors Report on International Educational Exchange, 2016. Disponível em: https://www.iie.org/Research-and-Insights/Open-Doors/Data/International-Students/Places-of-Origin. Acesso em: 15 nov. de 2017.

INSTITUTE OF INTERNATIONAL EDUCATION – IIE. Open Doors Report 2017: Fast Facts Disponível em: https://www.iie.org/Research-and-Insights/Open-Doors/Fact-Sheets-and-Infographics/Fast-Facts. Acesso em: 01 ago. 2018.

INTERNATIONAL TRADE ADMINISTRATION – ITA. 2016 Top Markets Report Education: Brazil Country Case Study. Disponível em: https://www.trade.gov/topmarkets/pdf/Education_Brazil.pdf. Acesso em: 15 nov. de 2017.

KNIGHT, J. Internationalization remodeled: definition, approaches, and rationales. Journal of Studies in International Education, v. 1, p. 5-31, 2004.

LIMA, M. C.; RIEGEL, V. A influência da mobilidade acadêmica sobre a formação dos jovens. UniRitter, Negócios e Talentos, v.2 , n.11, 2013.

MAJID, S. et al. Motivations for studying abroad and adjustment challenges faced by international students in Singapore. Acad. J. Educ. Res., v.5, n.8, p. 223-235, 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.15413/ajer.2017.0712

MANÇOS, G. R.; COELHO, F. S. Internacionalização da Ciência Brasileira: subsídios para avaliação do programa Ciência sem Fronteiras. Revista Brasileira de Políticas Públicas e Internacionais, p.73, 2017.

MARANHÃO, C. M. S.; DUTRA, C. I.; MARANHÃO, R. K. Internacionalização do ensino superior: um estudo sobre barreiras e possibilidades. Administração: Ensino e Pesquisa, Rio de Janeiro, v. 18, n. 1, p. 09–38, jan-abr 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.13058/raep.2017.v18n1.458

MARQUES, F. Experiência encerrada. Revista Pesquisa Fapesp, ed. 256, 27-29, jun. 2017. Disponível em http://revistapesquisa.fapesp.br/2017/06/19/experiencia-encerrada . Acesso em: 21 nov. 2017.

MARTINS, V.; MONTAGUE, A.; SILVA, P. B. Cooperação internacional para mobilidade estudantil: o caso da Umesp e da Zuyd. Revista de Educação do Cogeime, ano 26, n. 50, jan/jun 2017.

MOROSINI, M. C.; AMARAL, G. M. Avaliação da mobilidade acadêmica universitária: A perspectiva dos alunos intercambistas. In: SIMPÓSIO AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR, 2015, Porto Alegre. Anais... Porto Alegre, 17 e 18 set. 2015.

OLIVEIRA, A. L.; FREITAS, M. E. Motivações para mobilidade acadêmica internacional: a visão de alunos e professores universitários. Educação em Revista, Belo Horizonte, v.32, n.03, p. 217-246, jul/set 2016. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0102-4698148237

PEREIRA, V. Relatos de uma viagem: uma análise feita pelos bolsistas sobre o programa Ciência Sem Fronteiras. Revista Perspectivas do Desenvolvimento: um enfoque multidimensional, v. 03, no 4, jul. 2015.

PROLO, I.; VIEIRA, R. C. O programa Ciência sem Fronteiras e as Universidades Brasileiras: Uma política pública a celebrar? In: Seminários em Administração (SEMEAD), XX, 2017, LOCAL. Anais..., nov. 2017. ISSN 2177-3866.

SÁ, C. M. The Rise and Fall of Brazil’s Science Without Borders. International Higher Education, n.85, p.17-18, 2016.

STALLIVIERI, L. As dinâmicas de uma nova linguagem intercultural na mobilidade acadêmica internacional. 2009. 235f. Tese (Doutorado em Línguas Modernas). Universidade Del Salvador, Buenos Aires, Argentina, 2009.

SANTOS, S. R. et al. Turismo e intercâmbio: contribuições para a formação discente nos cursos de graduação das instituições de ensino superior de São Luís, Maranhão. Cultur, ano 08, n. 2, jul. 2014.

SEHNEM, P. R.; LUNA, J. M. F. Os egressos do Programa Ciência sem Fronteiras pela percepção dos seus professores. Revista Eletrônica de Educação, v. 12, n. 1, p. 104-119, jan./abr., 2018. DOI: http://dx.doi.org/10.14244/198271991919

UNITED NATIONS ORGANIZATION FOR EDUCATION, SCIENCE AND CULTURE (UNESCO). Recueil des donneés mondiales sur l'éducation: statistiques comparées sur l'éducation dans le monde. Montreal: Unesco, 2009. Dispo­nível em: http://www.uis.unesco.org/Library/Documents/ged09-fr.pdf Acesso em: 01 abri 2019.

Downloads

Publicado

27-07-2020

Como Citar

GAUTHIER, N. B.; FREITAS, M. C. de. Programa Ciência sem Fronteiras: um relato de experiência por estudantes de Engenharia de Pesca . Revista Eletrônica de Educação, [S. l.], v. 14, p. e3633105, 2020. DOI: 10.14244/198271993633. Disponível em: https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/3633. Acesso em: 14 jun. 2024.

Edição

Seção

Relatos de Experiência
##plugins.generic.dates.received## 2019-08-12
##plugins.generic.dates.accepted## 2022-05-17
##plugins.generic.dates.published## 2020-07-27