Acolhimento profissional como estratégia de indução docente

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14244/198271996416

Palavras-chave:

Comunidade de Aprendizagem docente, Indução docente, Professores iniciantes, Acolhimentos receptivo e profissional.

Resumo

O artigo focaliza constatações de uma pesquisa com professoras iniciantes e experientes, que integram uma comunidade de aprendizagem docente, com o objetivo de compreender as relações estabelecidas entre elas a partir das narrativas sobre os movimentos de acolhimento e seu potencial contributivo para uma indução docente formadora de práticas profissionais. Teoricamente, apoiou-se nos estudos de Zeichner (2010; 2014), Cochran-Smith (2002) e Nóvoa (2017). Metodologicamente, conduziu-se um estudo de caso, com entrevistas e observação participante online, de modo que as expectativas, as experiências e as trajetórias de inserção das professoras fossem compreendidas tendo em vista a tecitura de relações estabelecidas entre iniciantes e experientes durante o período da inserção profissional. Assim, organiza-se em torno de dois eixos analíticos: acolhimento profissional docente e comunidade de aprendizagem docente. Conclui-se que as ações de acolhimento são traduzidas em duas perspectivas: receptiva e profissional, que, por não serem excludentes, podem contribuir para a indução docente. A pesquisa indica que as comunidades de aprendizagem docente podem facilitar o acolhimento profissional enquanto estratégia de indução docente, posto que, quando são organizadas considerando quem são os sujeitos, reconhecendo a horizontalidade de saberes e as diferentes formas de exercer a docência, contribuem para se pensar as práticas profissionais que rompem o isolamento e abandono da profissão nos primeiros anos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Fernanda Lahtermaher, Colégio de Aplicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (CAp-UFRJ)

Doutora em Educação com ênfase na Formação de Professores pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro. É integrante do GEPED (Grupo de Estudos e Pesquisas em Didática e Formação de Professores), grupo vinculado ao LEPED (Laboratório de Estudos e Pesquisas em Didática e Formação de Professores). Coordenadora da CODEP (Comunidade de Estudos, Pesquisas e Desenvolvimento profissional docente) Professora Efetiva dos Anos Iniciais no Colégio de Aplicação da UFRJ.

Referências

BECKER, Howar Saul. Métodos de pesquisa em ciências sociais. São Paulo: Hucitec, 1997.

COCHRAN-SMITH, Marilyn. A tale of two teachers: Learning to Teach Over Time. In: COCHRAN-SMITH, Marilyn Time (Kappa Delta/ Record) Review of Research in Education. USA, 48(3), 2002, pp. 108–122.

COCHRAN-SMITH, Marylin, LYTLE, Susan L. Relationships of Knowledge and Practice: teacher learning in communities. In: COCHRAN-SMITH, Marylin, LYTLE, Susan (Kappa Delta/ Record). Review of Research in Education. USA, 24, 1999. p. 249–305.

CRUZ, Giseli Barreto da; FARIAS, Isabel Maria Sabino de; HOBOLD, Marcia de Souza. Indução profissional e o início do trabalho docente: debates e necessidades. Revista Eletrônica de Educação, [S. l.], v. 14, p. e4149114, 2020.

DUBAR, Claude. A Crise das Identidades: a Interpretação de uma Mutação. Porto: Edições Afrontamento, 2006.

DUBAR, Claude. La construction sociale de l'insertion professionnelle. Éducation et sociétés, 2001.

FONSECA, Claudia. Quando cada caso não é um caso. Revista Brasileira de Educação, n. 10, 1999.

Lahtermaher, Fernanda; CRUZ, Giseli Barreto da. Articulações entre estabelecidos e outsiders no contexto de uma comunidade de aprendizagem docente. Educar em Revista, v. 38, 2022.

LIMA, Emilia. Freitas de; CORSI, Adriana Maria.; MARIANO, André Luís Sena; MONTEIRO, Hilda Maria; PIZZO, Silvia Vilhena; ROCHA, Gisele Antunes; SILVEIRA, Maria de Fátima Lopes. Sobrevivendo ao início da carreira docente e permanecendo nela. Como? Por quê? O que dizem alguns estudos. Revista Educação e Linguagem, n. 15, p. 138-160, 2007.

MARCELO, Garcia Carlos. Desenvolvimento profissional docente: passado e futuro. Sísifo / Revista de Ciências da Educação, n. 8, jan/abr, 2009.

NÓVOA, Antonio. Firmar a posição como professor. Cadernos de Pesquisa, v.47 n.166, p.1106-1133, out/dez. 2017.

REIS, Pedro. A indução como elemento chave na formação e no acesso à profissão de professores. In: REIS, Pedro (CNE/Ed.). Formação inicial de professores. Lisboa: CNE, 2015, pp. 284-291.

VEENMAN, Simone. Perceived Problems of Beginning Teachers. Review of Educational Research, v. 54, n. 2, p. 143-178, 1984.

ZEICHNER, Kennet. Repensando as conexões entre a formação na universidade e as experiências de campo na formação de professores em faculdades e universidades. Revista Educação, Santa Maria, v. 35, n. 3, p. 479-504, set./dez. 2010.

ZEICHNER, Kennet; SAUL, Alexandre; DINIZ-PEREIRA, Júlio E. Pesquisar e transformar a prática educativa: mudando as perguntas da formação de professores – uma entrevista com Kenneth M. Zeichner. E-curriculum, v. 12 n. 3, 2014.

Downloads

Publicado

31-05-2024

Como Citar

LAHTERMAHER, F. Acolhimento profissional como estratégia de indução docente. Revista Eletrônica de Educação, [S. l.], v. 18, p. e6416011, 2024. DOI: 10.14244/198271996416. Disponível em: https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/6416. Acesso em: 14 jun. 2024.

Edição

Seção

Dossiê Concepções, Políticas e Práticas de Indução Docente
##plugins.generic.dates.received## 2023-04-19
##plugins.generic.dates.accepted## 2023-09-04
##plugins.generic.dates.published## 2024-05-31