O niilismo em perspectiva: olhares, implicações e possibilidades sobre as teorias da Educação Física

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14244/198271995571

Palavras-chave:

Educação Física, Educação, Filosofia, Currículo.

Resumo

Influenciados pelo filósofo alemão Friedrich Nietzsche e o conceito de niilismo, neste texto, navegamos pelos mares turbulentos do atual debate curricular, a fim de promover outros olhares para a Educação Física. Nesse bojo, levantamos implicações e possibilidades para pensar algumas teorias curriculares. Para dar conta do que se anuncia, em um primeiro momento, com a contribuição de Gilles Deleuze, centramos esforços em apresentar o niilismo em quatro perspectivas. A seguir, tensionamos algumas das perspectivas de Educação Física em voga, ao mesmo tempo em que tomamos a perspectiva do denominado currículo cultural da Educação Física em diálogo com algumas noções nietzschianas que contribuem para a existência dessa perspectiva-proposta-aposta. O que pretendemos é contribuir para que a ação de suspeitar das certezas sirva como subsídio, ação constante e mola propulsora para criar outras formas de pensar, sentir, agir e potencializar a afirmação da vida na sua integralidade, nas suas vicissitudes e paroxismos. O exposto nas linhas vindouras não possui pretensões universais ou de transformação social, mas de contribuir para o enfrentamento das condições anti-vida em que vivemos. Uma experiência estético-ética no campo da Educação Física, que ensaia uma aproximação com o debate do campo das teorias do currículo da Educação Física e o pensamento nômade de Nietzsche. Trata-se muito mais de uma proposta-aposta do que uma proposta-resposta.



Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Fidel Machado de Castro Silva, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)

Professor da rede estadual do Ceará (SEDUC-CE). Bacharel em Educação Física pela Universidade Federal do Ceará - UFC. Mestre e doutor em Educação Física pela Unicamp. Membro do Grupo de Pesquisa em Filosofia e Estética do Movimento (GPFEM - Unicamp). Membro do Transgressão: grupo aberto de estudos, pesquisas e práticas de Educação Física escolar.

Mário Luiz Ferrari Nunes, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)

Professor Doutor no Departamento de Educação Física e Humanidades da Faculdade de Educação Física da Universidade Estadual de Campinas - FEF/UNICAMP; com Pós- doutorado, Doutorado e Mestrado em Educação pela Universidade de São Paulo e graduado em Licenciatura Plena em Educação Física pela Faculdade de Educação Física de Santo Andre - FEFISA. É líder do Transgressão: grupo aberto de estudos, pesquisas e práticas de Educação Física escolar; Co-líder do Grupo de Pesquisas em Educação Física escolar da FE-USP/CNPq. Membro do Laboratório MARGEM - FEF/Unicamp. Membro do Grupo de Pesquisas Educação do Corpo - FEF/Unicamp.

Referências

AGAMBEN, G. O uso dos Corpos. São Paulo: Boitempo, 2017.

BRACHT, V. A constituição das teorias pedagógicas da educação física. Cadernos Cedes, ano XIX, nº 48, p.69-88, 1999.

DELEUZE, G. Nietzsche e a Filosofia. São Paulo: n-1, 2018.

DRUCKER, P. A sociedade pós-capitalista. São Paulo: Pioneira, 1999.

FOUCAULT, M. Vigiar e Punir: o nascimento das prisões. Petrópolis: Vozes, 2012.

FOUCAULT, M. Aulas sobre Nietzsche. In: Aulas sobre a vontade de saber. Curso no Collège de France (1970-1971). São Paulo: Martins Fontes, 2014. p.183-200.

HALL, S. A centralidade da cultura: notas sobre as revoluções culturais de nosso tempo. Educação & Realidade, v.22 - n. 2. 1997.

LAWN, M. Os professores e a fabricação de identidades. Currículo sem fronteiras, v.1, n.2, p.117-130, Jul/Dez, 2001.

NEIRA, M. G.; NUNES, M. L. F. Educação Física, Currículo e Cultura. São Paulo: Phorte, 2009.

NIETZSCHE, F. W. A gaia ciência. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

NIETZSCHE, F. W. Assim falou Zaratustra: um livro para todos e para ninguém. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

NIETZSCHE, F. W. Crepúsculo dos ídolos, ou, como se filosofa com o martelo. Porto Alegre: L&PM, 2017.

NIETZSCHE, F. W. Ecce Homo: como alguém se torna o que é. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

NIETZSCHE, F. W. Genealogia da Moral: uma polêmica. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

NIETZSCHE, F. W. O Anticristo: maldição ao cristianismo: Ditirambos de Dionísio. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

NOGUERA-RAMIREZ, C. E. Pedagogia e governamentalidade: ou da modernidade como uma sociedade educativa. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

SILVA, T. T. da. O projeto educacional moderno: identidade terminais?. In: SILVA, T. T. da. Identidade terminais: as transformações na política da pedagogia e na pedagogia da política. p. 251-268.Petropólis: Vozes, 1995.

SILVA, T. T. da. Documentos de Identidade: uma introdução às teorias de currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

SILVA, F. M. de C.; NUNES, M. L. F. O embate do encontro: o currículo cultural da Educação Física como lugar de conflitos. Educação e Filosofia, Uberlândia, v. 34, n. 71, p. 799-828, mai./ago. 2020.

SOARES C. L. Educação Física: Raízes Europeias e Brasil. Campinas: Autores Associados, 1992.

Downloads

Publicado

27-09-2023

Como Citar

SILVA, F. M. de C.; NUNES, M. L. F. . O niilismo em perspectiva: olhares, implicações e possibilidades sobre as teorias da Educação Física. Revista Eletrônica de Educação, [S. l.], v. 17, p. e5571064, 2023. DOI: 10.14244/198271995571. Disponível em: https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/5571. Acesso em: 19 abr. 2024.
##plugins.generic.dates.received## 2022-05-07
##plugins.generic.dates.accepted## 2023-02-06
##plugins.generic.dates.published## 2023-09-27