A Política Nacional de Alfabetização e a produção da nova geração: um campo de disputa

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14244/198271995209

Palavras-chave:

Base Nacional Comum Curricular, Política Nacional de Alfabetização, Programa Tempo de Aprender, Alfabetização.

Resumo

O artigo apresenta uma análise da política de alfabetização instituída pelo governo federal, tomando como referência a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), a Política Nacional de Alfabetização (PNA) e o Programa Tempo de Aprender, com objetivo de compreender como esses textos se articulam visando implementar um projeto político neoliberal e conservador e constituir uma determinada criança alfabetizada. A política formulada por meio do Ministério da Educação pretende melhorar os processos de alfabetização através da ciência cognitiva e de evidências sobre como as pessoas aprendem a ler e a escrever. Recorrendo à análise documental e à análise temática de conteúdo, com o aporte da abordagem do ciclo de políticas, examina os documentos e a versão on-line do Programa Tempo de Aprender, categorizando o que prescrevem sobre a leitura, a compreensão e produção de textos escritos, evidenciando os pressupostos da política e suas estratégias. Apesar do propósito anunciado pela PNA de enfrentar as principais causas das deficiências da alfabetização no país, a pesquisa constata que a alquimia de transformar a ciência baseada em evidências em um discurso revestido de uma verdade inquestionável subtrai a realidade objetiva da educação brasileira. A operação de atribuir a um método a salvação de um processo complexo, como a alfabetização, desconsidera os contextos sociais, econômicos e culturais, o que contribui para a produção de uma geração funcional ao sistema produtivo capitalista atual, baseado na financeirização, no controle e regulação, na desregulamentação e na precarização da formação e do trabalho docente, o que desafia a democracia e a inclusão social.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Janaína Soares Martins Lapuente, Universidade Federal do Rio Grande (FURG)

Professora Adjunta do Instituto de Educação da Universidade Federal do Rio Grande (IE/FURG). Doutora e Mestre em Educação pelo Programa de Pós-Graduação da Universidade Federal de Pelotas - PPGE/UFPel. Membro do Grupo de Estudos e Pesquisa em Alfabetização e Letramento – GEALI e do Laboratório de Práticas de Incentivo à Leitura – LAPIL.

Gilceane Caetano Porto , Universidade Federal de Pelotas (UFPel)

Professora Associada do Departamento de Ensino da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Pelotas - UFPel. Doutora e Mestre em Educação pelo Programa de Pós-Graduação da Universidade Federal de Pelotas - PPGE/UFPel. Vice-líder do Grupo Interdisciplinar de Pesquisa em Educação Pública - GIPEP.

Mauro Augusto Burkert Del Pino, Universidade Federal de Pelotas (UFPel)

Professor Associado do Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Pelotas - UFPel. Doutor e Mestre em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul - PPGEDU/UFRGS. Líder do Grupo Interdisciplinar de Pesquisa em Educação Pública – GIPEP.

Simone Gonçalves da Silva, Universidade Federal de Pelotas (UFPel)

Professora Adjunta da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Pelotas - UFPel. Doutora e Mestre em Educação pelo Programa de Pós-Graduação da Universidade Federal de Pelotas - PPGE/UFPel. Vice-líder do CEPE - Centro de Estudos em Políticas Educativas: Gestão, Currículo e Trabalho Docente da FAE/UFPel.

Referências

ALMEIDA, Ana Caroline. Ninguém chega lá, partindo de lá, mas daqui: uma crítica ao conceito de alfabetização na PNA, à luz de algumas contribuições de Paulo Freire. Revista Brasileira de Alfabetização, Belo Horizonte v. 1, n. 10 (Edição Especial), 25 mar. 2020. Disponível em: https://revistaabalf.com.br/index.html/index.php/rabalf/article/view/353. Acesso em: 10 dez. 2020.

BALL, Stephen. Educação Global S. A.: novas redes de políticas e o imaginário neoliberal. Tradução de Janete Bridon. Ponta Grossa: UEPG, 2014, 270 p.

BELL, Daniel. O Advento da Sociedade Pós-Industrial. São Paulo: Cultrix, 1974. 540p.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Alfabetização. PNA: Política Nacional de Alfabetização/Secretaria de Alfabetização. Brasília: MEC, SEALF, 2019. 54 p. Disponível em: http://alfabetizacao.mec.gov.br. Acesso em: 10 de abr.2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria nº 280, de 19 de fevereiro de 2020. Institui o Programa Tempo de Aprender, que dispõe sobre a alfabetização no âmbito do Governo Federal, 2020. Disponível em: http://alfabetizacao.mec.gov.br/tempo-de-aprender. Acesso em: 25 fev. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Política Nacional de Alfabetização. Programa Tempo de Aprender. Disponível em: http://alfabetizacao.mec.gov.br/tempo-de-aprender. Acesso em: 31 mar. 2020 (a).

BRASIL. Ministério da Educação. MEC lança programa Tempo de Aprender para aprimorar alfabetização do país, 18 de fevereiro de 2020. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/busca-geral/12-noticias/acoes-programas-e-projetos-637152388/85721-mec-lanca-programa-tempo-de-aprender-para-aprimorar-a-alfabetizacao-no-pais. Acesso em: 10 abr. 2020 (b).

BRASIL. Ministério da Educação. Formação continuada em práticas de alfabetização do Programa Tempo de Aprender. Disponível em: http://avamec.mec.gov.br/#/instituicao/sealf/curso/5401/visualizar. Acesso em: 31 mar. 2020 (c).

BRASLAVISKY, Berta. Problemas e métodos no ensino da leitura. São Paulo: Melhoramentos e Editora da USP, 1971.

BUNZEN JUNIOR, Clecio. Um breve decálogo sobre o conceito de ‘literacia’ na Política Nacional de Alfabetização (PNA, 2019). Revista Brasileira de Alfabetização, Belo Horizonte v. 1, n. 10 (Edição Especial), 25 mar. 2020. Disponível em: https://revistaabalf.com.br/index.html/index.php/rabalf/article/view/352. Acesso em: 20 ago. 2020.

CHESNAIS, François (Org.). A finança mundializada: raízes sociais e políticas, configuração, consequências. São Paulo: Boitempo, 2005. 256p.

FRADE, Isabel Cristina Alves da Silva. Um paradigma científico e evidências a ele relacionadas resolveriam os problemas da alfabetização brasileira? Revista Brasileira de Alfabetização, Belo Horizonte, n.10 (Edição Especial), jul./dez.2020. Disponível em: https://revistaabalf.com.br/index.html/index.php/rabalf/article/view/339. Acesso em: 10 abr. 2020.

HARVEY, David. A loucura da razão econômica: Marx e o capital no século XXI. Tradução de Artur Renzo. São Paulo: Boitempo, 2018. 228p.

LEAL, Telma Ferraz. Apontamentos sobre a Política Nacional de Alfabetização 2019. Revista Brasileira de Alfabetização, Belo Horizonte, n.10 (Edição Especial), jul./dez.2020. Disponível em: https://revistaabalf.com.br/index.html/index.php/rabalf/article/view/358 . Acesso em: 10 abr. 2020.

LOPES, Alice Cassimiro. MACEDO, Elizabeth. Teorias de currículo. São Paulo: Cortez, 2011. 280 p.

MACEDO, Elizabeth. Base Nacional Curricular Comum: novas formas de sociabilidade produzindo sentidos para educação. Revista e-Curriculum. São Paulo, v.12, n.3, out./dez.2014, p.1530-1550. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/curriculum/article/view/21666/15916. Acesso em: 13 out. 2020.

MACEDO, Maria do Socorro Alencar Nunes. Por uma alfabetização transformadora. Revista Brasileira de Alfabetização, Belo Horizonte v. 1, n. 10 (Edição Especial), 25 mar. 2020. Disponível em: https://revistaabalf.com.br/index.html/index.php/rabalf/article/view/356. Acesso em: 15 out. 2020.

MAINARDES, Jefferson. Abordagem do ciclo de políticas: uma contribuição para a análise de políticas educacionais. Educação e Sociedade, Campinas, vol. 27, n. 94, p. 47-69, jan./abr. 2006. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/es/v27n94/a03v27n94.pdf. Acesso em: 20 ago. 2020.

MORAIS, Artur Gomes de. A consciência fonológica na educação infantil e no ciclo de alfabetização. Belo Horizonte: Autêntica, 2019. 238p.

MORAIS, Artur Gomes de. Análise crítica da PNA (Política Nacional de Alfabetização) imposta pelo MEC através de decreto em 2019. Revista Brasileira de Alfabetização, Belo Horizonte v. 1, n. 10 (Edição Especial), 25 mar. 2020. Disponível em: https://revistaabalf.com.br/index.html/index.php/rabalf/article/view/357. Acesso em: 20 ago. 2020.

MORTATTI, Maria do Rosário Longo. Brasil, 2091: notas sobre a Política Nacional de Alfabetização. Olhares - Revista Eletrônica do Departamento de Educação da Unifesp, v. 7, n. 3, nov. 2019. Disponível em: https://periodicos.unifesp.br/index.php/olhares. Acesso em: 5 nov. 2020.

MORTATTI, Maria do Rosário Longo. A “Política Nacional de Alfabetização” (Brasil, 2019): uma “guinada” (ideo) metodológica para trás e pela direita. Revista Brasileira de Alfabetização, Belo Horizonte v. 1, n. 10 (Edição Especial), 25 mar. 2020. Disponível em: https://revistaabalf.com.br/index.html/index.php/rabalf/article/view/348. Acesso em: 20 ago. 2020.

MOVIMENTO PELA BASE NACIONAL COMUM, 2013. Disponível em: https://movimentopelabase.org.br/. Acesso em: 3 fev. 2020.

MOVIMENTO PELA BASE NACIONAL COMUM, 2019. Disponível em: https://movimentopelabase.org.br/acontece/guia-de-regulamentacoes-apoia-municipios/. Acesso em: 4 nov. 2019.

RIZZO, Gilda Menezes. Estudo comparativo dos métodos de ensino da leitura e da escrita. Rio de Janeiro: Papelaria América, 1986.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de Identidade: uma introdução às teorias do currículo. 3.ed. Belo Horizonte: Autentica, 2016. 156p.

STANDING, Guy. O precariado: a nova classe perigosa. Belo Horizonte: Autêntica, 2017. 288p.

Downloads

Publicado

11-04-2023

Como Citar

LAPUENTE, J. S. M.; PORTO , G. C. .; DEL PINO, M. A. B. .; SILVA, S. . G. da . A Política Nacional de Alfabetização e a produção da nova geração: um campo de disputa. Revista Eletrônica de Educação, [S. l.], v. 17, p. e5209004, 2023. DOI: 10.14244/198271995209. Disponível em: https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/5209. Acesso em: 17 jul. 2024.

Edição

Seção

Dossiê Formação de professores alfabetizadores: políticas, saberes e práticas
##plugins.generic.dates.received## 2022-05-03
##plugins.generic.dates.accepted## 2022-01-20
##plugins.generic.dates.published## 2023-04-11