Mulheres privadas de liberdade e suas trajetórias de vida escolar

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14244/198271994674

Palavras-chave:

Mulheres privadas de liberdade, Políticas da educação prisional, Formação de mulheres.

Resumo

O presente artigo tem como objetivo descrever as narrativas de mulheres privadas de liberdade e suas trajetórias de vida escolar, demonstrando como essas vêm (re) significando suas vidas dentro do presídio, e como a escola pode mudar a maneira como percebem seu mundo e as possibilidades que podem vir após suas passagens pelo sistema prisional. O estudo foi realizado no Centro Prisional Feminino de Cachoeiro de Itapemirim (CPFCI). Trata-se de um estudo de abordagem qualitativa com viés da pesquisa participante. O desenvolvimento da pesquisa utilizou-se de diferentes instrumentos para a avaliação como o Diário de campo, o relato escrito das participantes durante as aulas, como também foi utilizado como forma de investigação questionários com perguntas abertas e fechadas, possibilitando o direcionamento das perguntas para alcançar o objetivo proposto nesse processo de conhecimento da aprendizagem dessas alunas. Conclui-se que o processo educacional dessas alunas dentro do sistema prisional apresenta características que vão para além dos muros institucionais, demonstrando que houve eficácia das aulas ao revelar, mesmo que de maneira tímida, a participação dessas alunas ao poderem expor seus sentimentos e pensamentos, possibilitando um espaço para um diálogo que oferece a oportunidade de repensar o próprio lugar de ser e estar no mundo, possibilitando que as mesmas possam reconhecer suas potencialidades e trilhar outros caminhos para além da ilegalidade. 

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Fernanda Soares da Silva Bonato, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Espírito Santo (IFES)

Graduada em Matemática professora da Rede pública de Educação. Mestre em Educação em Ciências e Matemática pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Espírito Santo.

Linccon Fricks Hernandes, Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória (EMESCAM)

Psicólogo e Mestre em Políticas Públicas de Desenvolvimento Local pela Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória.  Atuou como Psicólogo Prisional, nas secretárias municipais de Educação, Trabalho, Desenvolvimento e Assistência Social, professor e coordenador de curso. Atualmente se dedica a psicologia clínica e supervisão. Membro do Grupo de Pesquisa Rizomas, Instituições e Saúde Coletiva na Universidade federal do Espírito Santo.

Leandro Alves Bonato, Centro Universitário São Camilo (CUSC)

Policial Militar, Graduado em Educação Física.

Antonio Henrique Pinto, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Espírito Santo (IFES)

Prof. Dr. do Instituto Federal de Educação do Espírito Santo. Docente e pesquisador no campo da História da Educação Matemática e Educação Profissional, com foco na Formação de Professores, no Currículo e na Prática Pedagógicas. Possui doutorado em Educação (FE-Unicamp), Mestrado em Educação (CE-UFES). Graduado em Licenciatura de Matemática.

Referências

ALMEIDA, Maria da Conceição Chagas de; AQUINO, Estela M. L. Adolescent pregnancy and completion of basic education: a study of young people in three state capital cities in brazil. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 27, n. 12, p. 2386-2400, dez. 2011. Disponível em: https://www.scielosp.org/pdf/csp/v27n12/10.pdf. Acesso em: 15 jun. 2014.

BOGDAN, Robert C.; BIKLEN, Sari Knopp. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora, 1994.

BONATO, Fernanda Soares Da Silva. A educação matemática como parte integrante da escola para a vida: contribuições na formação de mulheres privadas de liberdade. 2016. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática) - Instituto Federal do Espírito Santo, Vitória, 2016.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues; BORGES, Maristela Correa. A pesquisa participante: um momento da educação popular. Revista de Educação Popular, Uberlândia, v. 6, n. 1, p.51-62, jan. 2007. Disponível em:

http://www.seer.ufu.br/index.php/reveducpop/article/view/19988/10662. Acesso em: 15 out. 2023.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988.

BRASIL. Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos. Brasília: Comitê Nacional de Educação em Direitos Humanos - Secretaria Especial de Direitos Humanos, 2003.

BRASIL. Educando para a liberdade: trajetória, debates e proposições de um projeto para a educação nas prisões brasileiras. – Brasília: UNESCO, Governo Japonês, Ministério da Educação, Ministério da Justiça, 2006. Disponível em: https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000149515_spa#:~:text=El proyecto Educando para a Liberdade %28Educando para,la realización cotidiana de aquel ideal de democracia. Acesso em: 12 fev. 2014.

BRASIL. Lei nº 12.433 de 29 de junho de 2011. Altera a Lei no 7.210, de 11 de julho de 1984 (Lei de Execução Penal), para dispor sobre a remição de parte do tempo de execução da pena por estudo ou por trabalho. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 29 jun. 2011. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/lei/l12433.htm. Acesso em: 20 fev. 2013.

BRASIL. Decreto nº 7.626, de 24 de novembro de 2011. Institui o Plano Estratégico de Educação no âmbito do Sistema Prisional. Brasília, 2011. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/decreto/d7626.htm. Acesso em: 15 out. 2023.

BRASIL. Lei nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 20 dez. 1996. p. 27833. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm. Acesso em: 15 fev. 2013.

BRASIL. Resolução nº 2 de 19 de maio de 2010. Dispõe sobre as Diretrizes Nacionais para a oferta de educação para jovens e adultos em situação de privação de liberdade nos estabelecimentos penais. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 19 mai. 2010. Disponível em: https://normativasconselhos.mec.gov.br/normativa/view/CNE_RES_CNECEBN22010.pdf?query=Brasil. Acesso em: 15 fev. 2013.

CHARLOT, Bernard. Da relação com o saber: elementos para uma teoria. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000. 93 p.

FREIRE, Paulo. Educação como Prática da Liberdade. São Paulo: Paz e Terra, 2009.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 46 ed., 2005.

GADOTTI, Moacir. A educação como direito. In: ASSUMPÇÃO, Raiane et al. (Org.). Educação em prisões. São Paulo: Alfasol, 2010. p. 41-44.

GOMES, Renato Carlis; RAINHA, Leandro Costa; HERNANDES, Linccon Fricks. Uma breve análise sobre as desigualdades sociais a partir de dois casos públicos. In: GOMES, Madalena Santana; RIBEIRO NETO, Pedro Machado; COELHO, Pitiguara de Freitas. (Org.). Política de Desenvolvimento Alternativas e Tendências em PK-ES. 1 ed. Vitória: Editora EMESCAM, 2018.

HERNANDES, Linccon Fricks. Internação Compulsória e a vida em cena. 2016. 114 f. Dissertação (Mestrado em Políticas Públicas e Desenvolvimento Local) - Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória, Vitória, 2016. Disponível em: 99_linccon_fricks.pdf (emescam.br). Acesso em: 20 mar. 2019.

MINAYO, Maria Cecília de Souza; DESLANDES, Suely Ferreira; GOMES, Romeu. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 26.ed. Petrópolis: Vozes, 2007.

ONOFRE, Elenice Maria Cammarosano. Educação Escolar para Jovens e Adultos em Situação de Privação de Liberdade. Caderno Cedes, Campinas, v. 35, n. 96, p. 239-255, mai./ago., 2015.

ONOFRE, Elenice Maria Cammarosano. Processos Educativos em Espaços de Privação de Liberdade. Revista de Educação, PUC, Campinas, n. 27, p. 65-74, jul./dez., 2009.

ONU - Organização das Nações Unidas. Regras mínimas padrão para o tratamento de prisioneiros. 1955. In: BRASIL. Normas e princípios das Nações Unidas sobre prevenção ao crime e justiça criminal. Brasília: Secretaria Nacional de Justiça, 2009. 344 p.

PELLOSO Sandra Marisa et al. O vivenciar da gravidez na adolescência. Acta Scientiarum, Maringá, v. 24, n. 3, p. 775-781, 2002. Dísponivel em: https://periodicos.uem.br/ojs/index.php/ActaSciHealthSci/article/view/2508. Acesso em: 20 abr. 2013.

RODRIGUES, Nara Caetano; TOLEDO PRADO, Guilherme do Val. Investigação Narrativa: construindo novos sentidos na pesquisa qualitativa em educação. Revista Lusófona de Educação, v. 29, n. 29, jun., 2015.

SAMPAIO, Aysla Wisllaine Lopes; DOS SANTOS, Pedro Fernando. O Ensino Prisional para Mulheres Privadas da Liberdade: Um Debate da Realidade. Revista Multidisciplinar e de Psicologia. V. 14, n. 53, p. 247-259, 2020. Disponível em: https://idonline.emnuvens.com.br/id/article/view/286. Acesso em: 6 mar. 2013.

SILVA, Mariza. Gravidez na adolescência: desafios familiares, escolares e sociais. 2017. 48 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Ciências Sociais) - Universidade Federal Fronteira Sul, Chapecó, 2017.

SILVA, Mazukyevicz Ramon Santos do Nascimento. Segurança Pública e Direitos Humanos: que pode a educação no contexto prisional. Revista USCS, ano XI, n. 19, jul./dez. 2011.

SKOVSMOSE, Ole; ALRO, Helle. Diálogo e Aprendizagem em Educação Matemática. Belo Horizonte: Autêntica, 2006. 160 p. (Tendências em Educação Matemática). Tradução de: Orlando Figueiredo.

UNESCO - Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. Conferência Internacional sobre a educação de adultos. 1997. Declaração de Hamburgo: agenda para o futuro. Brasília: SESI/UNESCO, 1999.

Downloads

Publicado

31-10-2023

Como Citar

BONATO, F. S. da S. .; HERNANDES, L. F. .; BONATO, L. A.; PINTO, A. H. Mulheres privadas de liberdade e suas trajetórias de vida escolar. Revista Eletrônica de Educação, [S. l.], v. 17, p. e4674068, 2023. DOI: 10.14244/198271994674. Disponível em: https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/4674. Acesso em: 17 jul. 2024.

Edição

Seção

Demanda Contínua - Artigos
##plugins.generic.dates.received## 2022-04-29
##plugins.generic.dates.accepted## 2021-07-30
##plugins.generic.dates.published## 2023-10-31