Ler-escrever gêneros discursivos acadêmicos na formação inicial docente: um desafio para o ensino superior

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14244/198271994332

Palavras-chave:

Formação docente, Leitura, Escrita, Ensino superior.

Resumo

Este ensaio apresenta reflexões de um grupo de professoras/es pesquisadoras/es que, mediante uso de formas variadas de registro em ações de ensino e extensão promovidas pelo Laboratório de Letramentos Acadêmicos (LabLA/UFF), tem coletado relatos de participantes acerca das práticas de ler-escrever gêneros discursivos da esfera acadêmica, reconhecidos como sustentáculos da formação para a práxis educativa. Dessa forma, defende-se a tese segundo a qual essas práticas docentes de ler-escrever na universidade têm se distanciado do uso da linguagem como prática social na/da construção discente e eixo formativo indispensável para a docência, o que conduz à problematização: qual é o papel de professores universitárias/os pesquisadoras/es no trabalho com a insuficiente proficiência de graduandas/os e de professoras/es da educação básica durante suas performances de leitura/escrita na esfera acadêmica? Partindo da perspectiva dialógica, discursiva e histórica da linguagem, intenciona-se discutir os eixos ler-escrever gêneros discursivos acadêmicos na formação docente cujo ensino é parte fundamental do trabalho de professoras/es universitárias/os. Como considerações finais, reitera-se que a comunidade discursiva acadêmica e, mormente, o docente do ensino superior são responsáveis por propiciar às/aos estudantes práticas de letramento em que o ensinar-aprender pela pesquisa para o trabalho docente seja central, com ênfase no processo de orientação como trabalho de formação de professoras/es para a educação básica, sem prescindir do entendimento do processo de fazer pesquisa, da parcialidade nas ciências, da história da divisão social do trabalho docente para (re)conhecer e (re)criar sua função na sociedade e da necessidade de (re)encontro entre fazeres científicos e pedagógicos na práxis docente.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Jéssica do Nascimento Rodrigues, Universidade Federal Fluminense (UFF)

Licenciada em Letras (Português/Inglês) pela UEMG (2000), Especialista em Educação pela UFLA (2002) e em Revisão de Texto pela FGF (2012), Mestre em Educação pela UFRRJ (2010) e Doutora em Educação pela UFF (2014), onde também realizou Estágio Pós-doutoral (2017). É professora adjunta da UFF, Campus Gragoatá, responsável pela disciplina Língua Portuguesa - Conteúdo e Método. Líder do Grupo de Estudos e Pesquisa em Leitura e Escrita Acadêmica (GEPLEA/UFF) e coordenadora do programa de extensão Laboratório de Letramentos Acadêmicos (LabLA). É chefe da Divisão de Prática Discente (DPD/PROGRAD/UFF). Letramento acadêmico e docente, formação de professores da educação básica e ensino de Língua Portuguesa são alguns de seus temas de interesse.

Danuse Pereira Vieira, Universidade Federal Fluminense (UFF)

Possui doutorado em Linguística Aplicada (UFRJ-2018), mestrado em Linguística Aplicada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2011), graduação em Português-Latim pela Faculdade de Letras-UFRJ (1996), Licenciatura em Português-Latim pela Faculdade de Educação -UFRJ (1998). Atualmente é professora na FEUFF- (Faculdade de Educação da UFF), docente I- Secretaria Estadual de Educação-RJ. Tem experiência na área de Letras, atuando principalmente nos seguintes temas: leitura, literatura, linguística, língua escrita, educação, práticas educacionais.

Referências

ANTUNES, Irandé. Análise de textos: fundamentos e práticas. São Paulo: Parábola Editorial, 2010.

AZEREDO, José Carlos. A quem cabe ensinar a leitura e a escrita? In: PAULIUKONIS, Maria Aparecida Lino; GAVAZZI, Sigrid. (Org.). Da língua ao discurso: reflexões para o ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, 2007, p. 30-42.

AZEVEDO, Maria Raquel de Carvalho; TERRIEN, Jacques. Ensinar a pesquisar: o que aprendem docentes universitários que orientam monografia. In: LEITE, Carlinda; ZABALZA, Miguel (Org.). Ensino superior: inovação e qualidade na docência. VII Congresso Iberoamericano de Docência Universitária: Livro de Atas. 1 ed. Porto, Portugal: CIIE Centro de Investigação e Intervenção Educativas, 2012, v. 1, p. 120-132.

BAGNO, Marcos. Sobre peixes e linguagem. In: ANTUNES, Irandé. Análise de textos: fundamentos e práticas. São Paulo: Parábola Editorial, 2010, p. 11-12.

BAKHTIN, Mikhail (VOLOSHINOV, Valentin Nikoláievitch, 1929). Marxismo e filosofia da linguagem. 6. ed. Tradução de Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira. São Paulo: Hucitec, 2010a.

BAKHTIN, Mikhail. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais. 7. ed. Tradução de Yara Frateschi Vieira. São Paulo: Hucitec, 2010b.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. Tradução de Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, [1953] 2011.

BAKHTIN, Mikhail. Questões de literatura e de estética: a teoria do romance. 3. ed. São Paulo: Hucitec/Unesp, [1934-1935] 1988.

BARBOSA, Marinalva Vieira. Impasses entre teoria e prática na formação do professor de língua materna. In: RIOLFI, Cláudia Rosa; ALMEIDA, Sonia; BARZOTTO, Valdir Heitor (Org.). Leitura e escrita: impasses na universidade. São Paulo: Paulistana, 2013, p. 91-98.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. 6. ed. Tradução de Fernando Tomaz. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.

CHARAUDEAU, Patrick. Prefácio. In: PAULIUKONIS, Maria Aparecida Lino; GAVAZZI, Sigrid. (Org.) Texto e discurso. Rio de Janeiro: Lucerna, 2008, p. 7-8.

CINTRA, Anna Maria Marques. Discutindo apropriação de informações e autonomia de linguagem de pós-graduandos. In: RIOLFI, Cláudia Rosa; ALMEIDA, Sonia; BARZOTTO, Valdir Heitor (Org.). Leitura e escrita: impasses na universidade. São Paulo: Paulistana, 2013, p. 41-62.

DELCAMBRE, Isabelle; REUTER, Dominique Lahanier. Discurso de outrem e letramentos universitários. In: RINCK, Fanny; BOCH, Françoise; ASSIS, Juliana Alves (Org.). Letramento e formação universitária: formar para a escrita e pela escrita. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2015, p. 225-250.

FARACO, Carlos Alberto. Linguagem e diálogo: as ideias linguísticas do Círculo da Bakhtin. Curitiba: Criar Edições, 2009.

FARACO, Carlos Alberto; VIEIRA, Francisco Eduardo. Escrever na universidade: fundamentos. São Paulo: Parábola, 2019.

FREIRE, Paulo. Pedagogia dos sonhos possíveis. São Paulo. EDUNESP, 2005a.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 41. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005b.

FREIRE, Paulo. Professora sim, tia não: cartas a quem ousa ensinar. São Paulo: Editora Olho D’água, 1997.

GERALDI, João Wanderley. A aula como acontecimento. 2. ed. São Carlos: Pedro & João Editores, 2015.

GERALDI, João Wanderley. Portos de passagem. 5. ed. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2013.

GRIGOLETTO, Marisa. Do temor do texto ao texto próprio: desafios ao estudo da linguagem. In: RIOLFI, Cláudia Rosa; ALMEIDA, Sonia; BARZOTTO, Valdir Heitor (Org.). Leitura e escrita: impasses na universidade. São Paulo: Paulistana Editora, 2013, p. 99-111.

GRILLO, Sheila Vieira de Camargo. Esfera e campo. In: BRAIT, Beth (Org.). Bakhtin: outros conceitos-chave. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2012, p. 133-160.

JOVCHELOVITH, Sandra; BAUER, Martin. Entrevista narrativa. In: BAUER, Martin; GASKELL, George (Org.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Tradução Pedrinho A. Guareschi. Rio de Janeiro: Vozes, 2008, p. 90-113.

KLEIMAN, Ângela Bustos; ASSIS, Juliana Alves (Org.). Significados e ressignificações do letramento: desdobramentos de uma perspectiva sociocultural sobre a escrita. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2016.

MOTTA-ROTH, Désirée; HENDGES, Graciela Rabuske. Produção textual na universidade. São Paulo: Parábola, 2010.

NÓVOA, António. Relação escola-sociedade: novas respostas para um velho problema. In: SERBINO, Raquel Volpato et al. (Org.). Formações de professores. São Paulo: UNESP, 1998, p. 19- 39.

RODRIGUES, Jéssica do Nascimento; RANGEL, Mary. Os desafios da escrita para licenciandos de pedagogia: apreciações valorativas sobre o ensino de gêneros discursivos acadêmicos. Cadernos de Linguagem e Sociedade, Brasília, v. 19, n. 1, p. 26-52, 2018.

SEVERINO, Antônio Joaquim. Ensino superior: lugar da escrita no e da produção do conhecimento. In: RIOLFI, Cláudia Rosa; ALMEIDA, Sonia; BARZOTTO, Valdir Heitor (Org.). Leitura e escrita: impasses na universidade. São Paulo: Paulistana, 2013, p. 63-72.

SOUZA, Micheli Gomes de; BASSETTO, Lívia Maria Turra. Os processos de apropriação de gêneros acadêmicos (escritos) por graduandos em letras e as possíveis implicações para a formação de professores/pesquisadores. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, Belo Horizonte, v. 14, n. 1, p. 83-110, 2014.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes: formação profissional. 7. ed. Petrópolis: Vozes, 2002.

VIEIRA, Danuse Pereira. Laços com a escrita: o traço que tece sentidos nas aulas de História. 2011. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) – Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2011.

VYGOTSKY, Levy Semionovitch. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. Tradução de José Cipolla Neto, Luís Silveira Menna Barreto, Solange Castro Afeche. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

WITTGENSTEIN, Ludwig. Investigações filosóficas. São Paulo: Abril Cultural, 1975.

Downloads

Publicado

31-05-2024

Como Citar

RODRIGUES, J. do N.; VIEIRA, D. P. Ler-escrever gêneros discursivos acadêmicos na formação inicial docente: um desafio para o ensino superior. Revista Eletrônica de Educação, [S. l.], v. 18, p. e4332020, 2024. DOI: 10.14244/198271994332. Disponível em: https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/4332. Acesso em: 14 jun. 2024.
##plugins.generic.dates.received## 2020-04-28
##plugins.generic.dates.accepted## 2023-02-08
##plugins.generic.dates.published## 2024-05-31