Potências da iniciação à docência: PIBID, PRP e a inserção de licenciandos/as em contextos profissionais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14244/198271994304

Palavras-chave:

Formação docente, Programa de iniciação à docência, Residência pedagógica.

Resumo

Este artigo é resultante de uma pesquisa que versa sobre as potencialidades da iniciação à docência para a inserção de licenciandos/as em contextos profissionais na Educação Básica. Situada em uma abordagem metodológica contrastiva, de natureza qualitativa, a investigação levantou unidades de significação recorrentes nos depoimentos de 48 estudantes-bolsistas para compreender experiências formativas ocorridas no curso de Pedagogia da Universidade Federal da Bahia, entre 2018 e 2020, no âmbito do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID e do Programa Residência Pedagógica (PRP). O foco da análise interpretativa esteve voltado aos sentidos, significados e saberes experienciais produzidos e acionados pelos/as estudantes em seus processos formativos. A pesquisa partiu do pressuposto da formação como processo contínuo e experiencial e, desse modo, indica que a iniciação à docência, oportunizada pelos referidos Programas, não deve ser considerada um momento estanque do esteio formativo. Como resultados, aponta-se que a iniciação à docência se mostrou potente para a inserção profissional, por contribuir para a construção da profissionalidade docente, favorecendo experiências formativas alicerçadas por saberes elaborados no exercício da docência e nas relações entre universidade e escola, além da construção de princípios, valores e concepções de educação. Conclui-se que, apesar de omissões quanto à concepção de formação, tais Programas oportunizam situações concretas de produção e acionamento de saberes sobre a realidade escolar, a partir da reflexão-ação sobre/na prática educativa, aspectos importantes para a inserção profissional do/a pedagogo/a na Educação Básica.


 

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Verônica Domingues Almeida, Universidade Federal da Bahia (UFBA)

Graduada em Pedagogia, mestre e doutora em Educação pela Universidade Federal da Bahia. Durante 20 anos atuou na Educação Básica, em redes públicas e privadas de ensino, exercendo as funções de professora, coordenadora pedagógica e gestora escolar. Foi docente no curso de Licenciatura em Computação do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia - IFBA. Atualmente é professora Adjunta da Universidade Federal da Bahia, atuando na Faculdade de Educação, no curso de Pedagogia, na área de Estágio Supervisionado e coordenando o núcleo do curso de Pedagogia no Programa Residência Pedagógica. Coordena, ainda, o curso de Mestrado Profissional em Educação do Programa de Pós-Graduação em Currículo, Linguagens e Inovações Pedagógicas e atua como docente no Programa de Pós-Graduação em Educação. É líder do grupo de estudos e pesquisas em Filosofia, Arte e Educação (FIARe/FACED-UFBA/CNPQ). Desenvolve pesquisas e publica artigos, capítulos de livros e livros sobre os seguintes temas: formação de professores, currículo, experiência, inovações pedagógicas e sensibilidades e educação.

Cilene Nascimento Canda, Universidade Federal da Bahia (UFBA)

É professora do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGEDU), docente e vice-coordenadora do Programa de Pós-graduação em Currículo, Linguagens e Inovações pedagógicas/Mestrado Profissional em Educação, da Faculdade de Educação da Universidade Federal da Bahia- UFBA. É graduada em Pedagogia (2001), mestrado em Educação na Universidade Federal da Bahia (2006) e, doutorado pelo Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas- UFBA (2013). Possui experiências em escolas, universidades, ambientes não-formais, movimentos sociais nas áreas de Educação e de Teatro, atuando principalmente nos seguintes campos de conhecimento e pesquisa: ludicidade, culturas infantis, arte-educação, educação estética, ensino de teatro e teatro do oprimido. É pesquisadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação e Ludicidade (GEPEL/UFBA) e líder do Grupo de Estudos e Pesquisas em Filosofia, Arte e Educação (FIARE/UFBA). 

Referências

ARROYO, Miguel. Condição docente, trabalho e formação. In: SOUZA, João Valdir de (org.). Formação de professores para a educação básica: dez anos da LDB. Belo Horizonte: Autêntica, 2007. p. 191-209.

ALMEIDA, Verônica Domingues. A experiência em experiência: saberes docentes e a formação de professores em exercício. Jundiaí: Paco Editorial, 2012.

BARBOSA, Joaquim G. (coord.). Multirreferencialidade nas ciências e na educação. São Carlos: UFSCAR, 1998.

BRASIL. Resolução CNE/CP No 2, de 20 de dezembro de 2019. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC-Formação). Brasília: Conselho Nacional de Educação; Conselho Pleno, [2019]. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/dezembro-2019-pdf/135951-rcp002-19/file. Acesso em: 20 jun. 2020.

CAPES. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Edital No 06/2018 – Chamada Pública para apresentação de propostas no âmbito do Programa de Residência Pedagógica. Brasília: CAPES, 2018a. Disponível em: https://www.capes.gov.br/images/stories/download/editais/27032018-Edital-6-Residencia-Pedagogica-Alteracao-II.pdf. Acesso em: 2 abr. 2020.

CAPES. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Edital No 07/2018 – Chamada Pública para apresentação de propostas no âmbito do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência. Brasília: CAPES, 2018b. Disponível em: https://www.capes.gov.br/images/stories/download/editais/01032018-Edital-7-2018-PIBID.pdf. Acesso em: 2 abr. 2020.

IMBERNÓN, Francisco. Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2001.

IMBERNÓN. Francisco. Formação continuada de Professores. Porto Alegre: Artmed, 2010.

LARROSA, Jorge. Notas sobre a experiência e o saber da experiência. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 19, p. 20-28, jan./mar. 2002. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-24782002000100003.

LEITE, Carlinda; RAMOS, Kátia. Questões da formação pedagógica-didáctica na sua relação com a profissionalidade docente universitária. In: LEITE, Carlinda. (org.). Sentidos da Pedagogia no Ensino Superior. Porto: Legis Editora, 2010. p. 29-43.

MACEDO, Roberto Sidnei. Compreender/mediar a formação: o fundante da educação. Brasília: Liber Livro, 2010.

MACEDO, Roberto Sidnei. Pesquisa Contrastiva e Estudos Multicasos: da crítica à razão comparativa ao método contrastivo em Ciências Sociais e Educação. Salvador: EDUFBA, 2018.

MORIN, Edgar; LE MOIGNE, Jean Louis A inteligência da complexidade. 3. ed. São Paulo: Petrópolis, 2000.

OCDE. Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico. Professores são importantes: atraindo, desenvolvendo e retendo professores eficazes. São Paulo: Moderna, 2006.

PASSEGI, Maria da Conceição. Narrativas da experiência na pesquisa-formação: do sujeito epistêmico ao sujeito biográfico. Roteiro, Joaçaba, v. 41, n. 1, p. 67-86, jan./abr. 2016. DOI: https://doi.org/10.18593/r.v41i1.9267.

PIMENTA, Selma Garrido; LIMA, Maria Socorro Lucena. Estágio e docência. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2012. (Coleção Docência em formação/Série Saberes pedagógicos).

PRÍNCEPE, Lisandra; ANDRÉ, Marli. Condições de trabalho na fase de indução profissional dos professores. Currículo sem Fronteiras, [s. l.], v. 19, n. 1, p. 60-80, jan./abr. 2019.

SACRISTÁN, José Gimeno. Consciência e ação sobre a prática como libertação profissional dos professores. In: NÓVOA, António. (org.). Profissão professor. 2. ed. Porto: Porto Editora, 1995. p. 63-92.

SANTOS, Lucíola Licínio. Paradigmas que orientam a formação docente. In: SOUZA, João Valdir de. (org.). Formação de professores para a Educação Básica: dez anos da LDB. Belo Horizonte: Autêntica, 2007. p. 235-252.

SANTOS, Valdeci Luiz Fontoura. Formação contínua em serviço: construção de um conceito a partir do estudo de um programa desenvolvido no município de Andradina – SP. 2005. 204 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, 2005.

SILVA, Maria Celeste Marques da. O primeiro ano de docência: o choque com a realidade. In: ESTRELA, Maria Teresa. (org.). Viver e construir a profissão docente. Porto: Porto Editora, 1997. p. 51-80.

VEENMAN, Simon. El proceso de llegar a ser profesor: um análisis de laformación inicial. In: VILLA, Alberto. (coord.). Perspectivas y problemas de lafunción docente. Madrid: Narcea, 1988. p. 39-68.

VEIGA, Ilma Passos. Docência como atividade profissional. In: VEIGA, Ilma Passos; D’ÁVILA, Cristina. (org.). Profissão Docente: novos sentidos, novas perspectivas. 2. ed. Campinas: Papirus, 2010. p. 13-21.

VEIGA, Ilma Passos. Professor: tecnólogo do ensino ou agente social? In: VEIGA, Ilma Passos Alencastro; AMARAL, Ana Lúcia. (org.). Formação de professores: políticas e debates. 5. ed. Campinas: Papirus, 2012. p. 61-86.

Downloads

Publicado

11-04-2023

Como Citar

ALMEIDA, V. D.; CANDA, C. N. Potências da iniciação à docência: PIBID, PRP e a inserção de licenciandos/as em contextos profissionais. Revista Eletrônica de Educação, [S. l.], v. 17, p. e4304020, 2023. DOI: 10.14244/198271994304. Disponível em: https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/4304. Acesso em: 19 abr. 2024.

Edição

Seção

Demanda Contínua - Artigos
##plugins.generic.dates.received## 2020-04-22
##plugins.generic.dates.accepted## 2022-09-30
##plugins.generic.dates.published## 2023-04-11