Percepções de estudantes e professores sobre métodos ativos para a formação de médicos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14244/198271993732

Palavras-chave:

Formação médica, Aprendizagem baseada em problemas, Avaliação do ensino.

Resumo

No contexto de modernização da educação médica, pela qual as faculdades de medicina perpassam no Brasil com as novas Diretrizes Curriculares Nacionais, é recomendada a utilização de métodos ativos de ensino e aprendizagem, que surgem como alternativas a fim de se garantir a competência profissional. O objetivo dessa pesquisa foi o de explorar as percepções de estudantes e professores sobre os métodos ativos para a formação de médicos. O estudo é descritivo, quantitativo e qualitativo e contou com a aplicação de questionários e entrevistas semiestruturadas para estudantes e professores de uma faculdade do interior do Estado de São Paulo (Brasil). Os dados dos questionários foram dispostos em tabelas e descritos em porcentagens correspondentes, e as entrevistas transcritas para realização de análise de conteúdo, modalidade temática. Estudantes e professores consideraram que o processo desencadeado em métodos ativos promove habilidades de raciocínio crítico, autonomia, comunicação, interdependência positiva em relação aos colegas além do conhecimento cognitivo. Avaliaram também que os métodos ativos na graduação em medicina trazem benefícios cognitivos, psicossociais e motores. Assim, pode-se concluir que o currículo com métodos ativos suscita uma formação com postura ativa do estudante, facilita a resolução de problemas da prática profissional e pode levar à transformação da realidade social da saúde.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Caio Vinicius da Conceição, Universidade Estadual de Londrina - UEL

Médico. Residente em ginecologia e obstetricia na UEL - PR

Magali Aparecida Alves de Moraes, Faculdade de Medicina de Marília - Famema

graduação em Formação de Psicólogos pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1984), graduação em Licenciatura em Psicologia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1984), mestrado em Educação pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1996) e doutorado em Educação pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2004). Atualmente é outro (professor) da Faculdade de Medicina de Marília. Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Psicoterapia de Orientação Psicanalítica e em Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: educação médica e em enfermagem, saúde mental, avaliação, aprendizagem baseada em problemas e em psicologia da infância e adolescência.

Referências

ALMEIDA, M. T. C. Desenvolvimento docente em métodos ativos de ensino/aprendizagem na formação do médico. 2010. 175 f. Dissertação (Mestrado em Ciências) - Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo, 2010. Disponível em: <http://repositorio.unifesp.br/bitstream/handle/11600/9311/Publico-12608a.pdf;jsessionid=49A9EEDC2CB99A8A62CCA6E97C257972?sequence=1>. Acesso em: 10 jan. 2018.

ALMEIDA, M. T. C.; BATISTA, N. A. Ser docente em métodos ativos de ensino-aprendizagem na formação do médico. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 35, n. 4, p. 468-476. 2011. DOI: 10.1590/S0100-55022011000400005.

BOLFARINE, H.; BUSSAB, W.O. Elementos de amostragem. 3. reimp. São Paulo: Edgard Blücher, 2012.

BORGES, M. C. et al. Aprendizado baseado em problemas. Medicina (Ribeirão Preto), v. 47, n. 3, p. 301-307, 2014. DOI: 10.11606/issn.2176-7262.v47i3p301-307.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução n. 3, de 20 de junho de 2014. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina e dá outras providências. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília:, DF, ano 151, n. 117, p. 8-11, 23 jun. 2014.

CONCEIÇÃO, C. V.; MORAES, M. A. A. Aprendizagem cooperativa e a formação do médico inserido em metodologias ativas: um olhar de estudantes e docentes. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 42, n. 4, p. 115-122, 2018.

COSTA, M. J. Trabalho em pequenos grupos: dos mitos à realidade. Medicina (Ribeirão Preto), v. 47, n. 3, p. 308-13, 2014. DOI: 10.11606/issn.2176-7262.v47i3p308-313.

DALTRO, M. R.; PONDE, M. P. Aprendizagem baseada em problemas: uma estratégia para formação do psicólogo como profissional de saúde. Revista Psicologia, Diversidade e Saúde, v. 6, n. 2, p. 103-113, 2017. DOI: 10.17267/2317-3394rpds.v6i2.1391.

FONTANELLA, B. J. B.; RICAS, J.; TURATO, E. R. Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde: contribuições teóricas. Caderno de Saúde Pública, v. 24, n. 1, p. 17-27, 2008. DOI: 10.1590/S0102-311X2008000100003.

FRANCISCO, A. M.; TONHOM, S. F. R. O currículo na formação do profissional em saúde. In: MORAES, M. A. A. et al. (Org.). Avaliação nos Cursos de Medicina e Enfermagem: perspectivas e desafios. Curitiba: CRV, 2012. p. 29-74.

FREITAS, C. M. et al. Uso de metodologias ativas de aprendizagem para a educação na saúde: análise da produção científica. Trabalho, Educação e Saúde, v. 13, n. 2, p. 117-130, 2015. DOI: 10.1590/1981-7746-sip00081.

FREITAS, D. A. et al. Saberes docentes sobre processo ensino-aprendizagem e sua importância para a formação profissional em saúde. Interface (Botucatu), v. 20, n. 57, p. 437-448, 2016. DOI: 10.1590/1807-57622014.1177.

GOMES R. Análise e interpretação de dados de pesquisa qualitativa. In: MINAYO, M. C. S. (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 2016. p. 72-95.

GOMES, R. et al. Aprendizagem baseada em problemas na formação médica e o currículo tradicional de medicina: uma revisão bibliográfica. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 33, n. 3, p. 433-440, 2009. DOI: 10.1590/S0100-55022009000300014.

GUEDES-GRANZOTTI, R. B. et al. Metodologias ativas e as práticas de ensino na comunidade: sua importância na formação do fonoaudiólogo. Distúrbios da Comunicação, v. 27, n. 2, p. 369-374, 2015. Disponível em: <https://revistas.pucsp.br/dic/article/view/20026/16993>. Acessoem: 02 fev. 2018.

HOPPER, M. K. Assessment and comparison of student engagement in a variety of physiology courses. Advances in Physiology Education, v. 40, n. 1, p. 70-78, 2016. DOI: 10.1152/advan.00129.2015.

LUNA, W. F.; BERNARDES, J. S. Tutoria como estratégia para aprendizagem significativa do estudante de medicina. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 40, n. 4, p. 653-662, 2016. DOI: 10.1590/1981-52712015v40n4e01042015.

MELLO, C. C. B.; ALVES, R. O.; LEMOS, S. M. A. Metodologias de ensino e formação na área da saúde: revisão de literatura. Revista CEFAC, v. 16, n. 6, p. 2015-2028, 2014. DOI: 10.1590/1982-0216201416012.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 14. ed. São Paulo: Hucitec, 2014.

NUNES, C. R. R.; ROLIN, L. M. G.; LOPES, V. M. M. Os primórdios da educação permanente na academia e nos serviços de saúde. In: FRASCISCHETTI, I. (Org.). Educação permanente da academia: da teoria à prática. Curitiba: CRV, 2014. p. 17-27.

PAIVA, M. R. F. et al. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem: revisão integrativa. Sanare (Sobral, Online), v. 15, n. 2, p. 145-153, 2016. Disponível em: <https://sanare.emnuvens.com.br/sanare/article/view/1049/595>. Acesso em: Acesso em: 02 fev. 2018.

PINHO, E. M.; FERREIRA, C. A.; LOPES, J. P. As opiniões de professores sobre a aprendizagem cooperativa. Revista Diálogo Educacional, v. 13, n. 40, p. 913-937, 2013. DOI: 10.7213/dialogo.educ.13.040.DS05.

REGO, H. M. C.; RODRIGUES, J. R. Methodology of problematization with the maguerez’s arch: an alternative method for teaching, research and study in dentistry. Brazilian Dental Science, v. 18, n. 1, p. 34-43, 2015. DOI: 10.14295/bds.2015.v18i1.1047.

SANTANA, C. A.; CUNHA, N. L.; SOARES, A. K. A. Avaliação discente sobre a metodologia de ensino baseado em problemas na disciplina de Farmacologia. Revista Brasileira de Farmácia, v. 93, n. 3, p. 337-40, 2012. Disponível em: <http://www.rbfarma.org.br/files/rbf-2012-93-3-12.pdf>. Acesso em: Acesso em: 02 fev. 2018.

Downloads

Publicado

11-05-2020

Como Citar

CONCEIÇÃO, C. V. da; MORAES, M. A. A. de. Percepções de estudantes e professores sobre métodos ativos para a formação de médicos. Revista Eletrônica de Educação, [S. l.], v. 14, p. e3732083, 2020. DOI: 10.14244/198271993732. Disponível em: https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/3732. Acesso em: 24 jun. 2024.

Edição

Seção

Demanda Contínua - Artigos
##plugins.generic.dates.received## 2019-10-04
##plugins.generic.dates.accepted## 2020-02-29
##plugins.generic.dates.published## 2020-05-11