Escritura acadêmica e engagement: limitações e potencialidades na elaboração dos trabalhos finais da graduação

Autores

  • Rosa Maria Rigo Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul/PUCRS
  • Maria Inês Côrte Vitória Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul/PUCRS
  • José António Marques Moreira

DOI:

https://doi.org/10.14244/198271993417

Palavras-chave:

Escrita acadêmica, Ensino superior.

Resumo

Este relato de experiência tratou de analisar limitações e potencialidades no decorrer do processo de escrita de Trabalhos de Conclusão de Curso de Graduação. Utilizando a análise de conteúdo (BARDIN, 2010), os resultados apontaram como limitações: 1) a escrita de gêneros textuais necessita ser praticada, incentivada regularmente; 2) fomento à cultura leitora se faz urgente desde o ingresso na universidade. Como potencialidades o estudo apontou: 1) a escrita acadêmica pode se tornar elemento importante em processos de engajamento estudantil; 2) a aprendizagem por pares evidenciou a melhoria na escrita dos TCCs; 3) a promoção da aprendizagem ativa auxilia na elaboração do TCC; 4) a atribuição de sentido ao TCC auxilia na autonomia do estudante, desde que amparado em leitura de bons textos de referência.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Rosa Maria Rigo, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul/PUCRS

Faculdade de Educação

Escola de Humanidades

Maria Inês Côrte Vitória, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul/PUCRS

Faculdade de Educação

Escola de Humanidades

Referências

ANTUNES, Irandé. Lutar com palavras – Coesão e coerência. 1ª edição. São Paulo: Parábola, 2005.

BAEPLER, Paul et al. Um guia para o ensino na aula de aprendizagem ativa. Virginia: Sterling, 2016.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1986.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2010.

BECKER, Howard S. Truques da escrita: para começar e terminar teses, livros e artigos. Editora Zahar, Rio de Janeiro, 2014.

BHATIA, Vijay K. Analysing genre: language use in professional settings. London: Longman, 1993.

BRANCHER, Vantoir Roberto; OLIVEIRA, Valeska Forte (Orgs.). Formação de professores em tempos de incerteza. 1a. Ed., Jundiaí, SP: Paco Editorial, 2016.

FÁVERO, Leonor Lopes. Coesão e coerência textuais, São Paulo: Editora Ática, 2000.

FERREIRO, Emília. O passado e o presente dos verbos ler e escrever. São Paulo: Cortez, 2002.

FINN, Jeremy. D. School Engagement & Students at Risk. Washington DC, 1993.

FISCHER, Adriana. Sentidos situados em eventos de letramento na esfera acadêmica. Educação, Santa Maria, v. 35, n. 1, p. 215-228, maio/ago. 2010.

HALLIDAY, Mak; MATTHIESSEN, Christian. An Introduction to Functional Grammar, 3ª ed. Distributed in the United States of America by Oxford University Press Inc. Madison Avenue, New York, 2004.

MELLO, Ana Maria Côrte; VITÓRIA, Maria Inês Côrte. Textos opinativos nos concursos vestibulares: a possibilidade de conjugar os verbos ler e escrever em primeira pessoa. In: SMITH, Marisa M.; BOCCHESE, [et al.] (org.) (Sobre)escrevendo a redação de vestibular. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2007.

MONTEIRO, Ana Maria Ferreira. Professores entre saberes e práticas. Educação e Sociedade. V.22, n. 74. Campinas, abr/ 2001.

MORAIS, Artur Gomes. Ortografia: Ensinar e Aprender. Ed. Ática, 2003.

MYERS, Greg. The Pragmatics of Politeness in Scientific Articles. Applied Linguistics, 10/1, p.1-35. Oxford University Press, 1989.

RIGO, Rosa Maria; VITÓRIA, Maria Inês Côrte. Mediação Pedagógica em Ambientes Virtuais de Aprendizagem. Porto Alegre, EDIPUCRS, 2015.

SALANOVA SORIA, Marisa; SCHAUFELI, Wilmar. El Engagement en el trabajo: cuando el trabajo se convierte en pasión. Madrid: Alianza Editorial, 2009.

SCHAUFELI, Wilmar et al. Engajamento no Trabalho. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2013.

SCHÖN, Donald. Educando o profissional reflexivo. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000.

SWALES, John M. Genre Analysis: English in academic and research settings. Cambridge: Cambridge University Press, 1990.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. 9. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

THIOLLENT, Michel. Metodologia de pesquisa-ação. 15 ed. São Paulo: Cortez, 2007.

VERGARA, Sylvia C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 3.ed. Rio de Janeiro: Atlas, 2000.

VITÓRIA, Maria Inês Côrte; Christofoli, Maria Conceição Pillon. A escrita no Ensino Superior. Revista Educação da UFSM, Santa Maria, v. 38, n. 1, p. 41-54, jan./abr. 2013.

VITÓRIA, Maria Inês Côrte. La escritura académica en la formación universitaria. Madrid, Espanã: Narcea, 2018.

WHITE, Peter. Beyond Modality and Hedging: a dialogic view of the language of intersubjective stance. Revista Text 23(2) 2003, p.259-284.

Publicado

13-04-2020

Como Citar

RIGO, R. M.; VITÓRIA, M. I. C.; MOREIRA, J. A. M. Escritura acadêmica e engagement: limitações e potencialidades na elaboração dos trabalhos finais da graduação. Revista Eletrônica de Educação, [S. l.], v. 14, p. e3417079, 2020. DOI: 10.14244/198271993417. Disponível em: https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/3417. Acesso em: 25 jun. 2024.

Edição

Seção

Relatos de Experiência
##plugins.generic.dates.received## 2019-04-25
##plugins.generic.dates.accepted## 2019-06-10
##plugins.generic.dates.published## 2020-04-13