Tornar-se professor: o ordinário e o extraordinário formativo das professoralidades na educação profissional e tecnológica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14244/198271994118

Palavras-chave:

Formação de professores, Educação profissional, Escuta.

Resumo

Este artigo atualiza dados de incursões investigativas realizadas, desde o ano de 2013, no campo da formação de professores em exercício da Educação Profissional e Tecnológica (EPT), particularmente em um Instituto Federal de Educação, e se inscreve em uma discussão perspectivada na Filosofia da Linguagem e da Diferença. A escolha desse campo justifica-se por constituir-se cenário em que conceitos e práticas sobre a formação e inserção dos professores iniciantes são produzidos a partir de diferentes deslocamentos epistemológicos, ontológicos e metodológicos, tendo em vista a natureza dos processos de admissão e atuação dos docentes, cuja maioria é de não licenciados, os quais tornam-se professores no exercício da profissão. Assim, entre o ordinário e o extraordinário do acontecimento da docência na EPT, valendo-nos de gestos de escuta, numa perspectiva derridiana de otobiografia, mobilizamos uma dimensão pedagógica implicada nestes gestos, propondo uma desconstrução da lógica racionalista atribuída à formação em exercício, na qual deslocamos o entendimento de exercício como mero status de quem está exercendo a profissão, para aproximá-lo da ideia de atividade aprendente e formadora da professoralidade. Nesse processo, mobilizamos alternativas metodológicas que transformam os tradicionais encontros pedagógicos em espaços-tempos de planejamento e formação, considerando as narrativas escritas dos professores, com atenção às dos iniciantes, como principal dispositivo de produção e gestão curricular, bem como de problematização do exercício profissional como geotemporalidade formativa. Com isso, desvencilhamo-nos da formação de professores referendada na instrumentalização e certificação pedagógicas, para atentarmo-nos aos fluxos da autoria e da invenção na produção de cada professoralidade.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Neurisângela Maurício dos Santos Miranda, Instituto Federal Baiano - IF Baiano

Doutorado em Educação (em andamento). Mestre em Gestão e Tecnologias Aplicadas à Educação. Técnica em Assuntos Educacionais do Instituto Federal Baiano – IF Baiano. Licencada em Pedagogia.

Márcea Andrade Sales, Universidade do Estado da Bahia - UNEB

Doutora em Educação. Professora da Universidade do Estado da Bahia - UNEB, Departamento de Educação, Campus I/Salvador-BA. Professora Permanente do Programa de Pós-graduação Gestão e Tecnologias Aplicadas à Educação - GESTEC UNEB. Lider do Grupo de Pesquisa Forma(em)Ação - GEFEP UNEB CNPq.

Referências

ANDRÉ, Marli A produção acadêmica sobre formação de professores: um estudo comparativo das dissertações e teses defendidas nos anos 1990 e 2000. Formação Docente – Revista Brasileira de Pesquisa sobre Formação de Professores, v. 1, n. 1, p. 41-56, 9 maio 2009. Disponível em: http://formacaodocente.autenticaeditora.com.br Acesso em: 05 de mar. 2020.

ANDRÉ, Marli. Políticas de formação continuada e de inserção à docência no Brasil. Educação Unisinos. Volume 19, número 1, janeiro-abril 2015. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/276444074_Politicas_de_formacao_continuada_e_de_insercao_a_docencia_no_Brasil. Acesso em 20 de mar. 2020.

ANDRÉ, Marli. Entrevista com Marli André. Entrevista concedida a Bruna Nicolielo. Nova Escola. São Paulo, 2013. Disponível em https://novaescola.org.br/conteudo/888/entrevista-com-marli-andre. Acesso em: 20 de mar. 2020.

BERQUE, Augustin. Paisagem-marca, paisagem-matriz: elementos da problemática para uma geografia cultural. In: CORREA, Roberto Lobato; ROSENDAHL, Zeny (orgs.). Paisagem, tempo e cultura. Rio de Janeiro: Editora da VERI, 1998.

BERQUE, Augustin. Território e pessoa: a identidade humana. Desigualdades & Diversidade: Revista de Ciências Sociais da PUC-Rio, n. 6, p. 11-23, jan.-jul. 2010. Disponível em: http://laares.webs.com/biblioteca/ berque%20-%20port.pdf. Acesso em: 30 de mar. 2020.

BRASIL. Decreto nº 8.752, de 9 de maio de 2016. Dispõe sobre a Política Nacional de Formação dos Profissionais da Educação Básica. Brasília, DF, 2016.

BRASIL. Ata do Tribunal de Contas da União – TCU-PLENÁRIA de 13 de março de 2013. Disponível em http://www.andifes.org.br/wp content/files_flutter/1364922435acordaoTCU.pdf Acesso em 15 mar. 2020

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNC C_20dez_site.pdf. Acesso em: 22 de jan.2020.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF, 1996. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seed/arquivos/pdf/tvescola/leis/lein9394.pdf. Acesso em 15 de mar. 2020

BRASIL. Lei nº. 11.892, de 29 de dezembro de 2008. Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Seção 1, p. 1, 30/12/2008.

BRASIL. Resolução CNE/CP nº 02, de 01 de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Brasília, DF, 2015.

BRASIL. Resolução CNE/CP nº 01, de 18 de fevereiro de 2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Brasília, DF, 2002. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/res1_2.pdf . Acesso em 15 de jun. 2020.

BRASIL. Resolução CNE/CEB nº 6 de 29 de setembro de 2012. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Profissional Técnica de Nível. Diário Oficial da União, Brasília, 21 de setembro de 2012, Seção 1, p. 22. Disponível em: http://portal.mec.gov.br. Acesso em 18 de mar. 2020.

BRASIL. Parecer CNE/CP nº 22/2019 de 7 de novembro de 2019 - Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC-Formação). Brasília, DF, 2019. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/acessibilidade-sp-940674614/33371-cne-conselho-nacional-de-educacao/74341-parecer-cp-2019

BRASIL. Resolução CNE/CP nº 2, de 20 de dezembro de 2019. Brasília: MEC, 2019. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/dezembro-2019-pdf/135951-rcp002-19/file. Acesso em 18 de mar. 2020.

BRZEZINSKI, I. Formação de profissionais da educação (1997-2002). Série Estado do Conhecimento. n.10. Brasília, DF. MEC/Inep, 2006.

CARVALHO, Ma. Inez. O a-com-tecer de uma formação. Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 17, n. 29, p. 159-168, jan./jun. 2008.

CARVALHO, Ma. Inez; MOREIRA, Ana Paula. O a-com-tecer do FEO contado em drops. In: PIMENTEL JR, Clívio; SALES, Márcea A.; JESUS, Rosane M. V. (Orgs.). Currículo e Formação de professores: redes acadêmicas em (des)articulação. Campinas, SP: Pontes Editores, 2018, pp. 45-65.

COSTA-HÜBES, T. C. O processo de formação continuada dos professores no Oeste do Paraná: um resgate histórico-reflexivo da formação em Língua Portuguesa. 2008. Tese (Doutorado). Universidade Estadual de Londrina: UEL, 2008.

DELEUZE, Gilles. Conversações. Trad. Peter Pál Pelbart. S Paulo: Editora 34, 1992.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O que é Filosofia? Rio de Janeiro, RJ: 34, 1992.

DERRIDA, J. Otobiographies: l’enseignement de Nietzsche et la politique du nom propre. – Paris: Éditions Galilée, 1984.

DERRIDA, J. (1967) A Escritura e a Diferença. São Paulo: Perspectiva, 2014.

DERRIDA, J. Gramatologia. Trad. de Miriam Chnaiderman e Renato Janine Ribeiro. São Paulo: Perspectiva, 2017.

DERRIDA, J. Otobiografías: la enseñanza de Nietzsche y la política del nombre propio. Buenos Aires: Amorrortu, 2009.

FRANGELLA; Rita de C. P.; CARVALHO; Janete M. Políticas e Práticas Curriculares – diferentes perspectivas de análise. Currículo sem Fronteiras, v. 13, n. 3, p. 340-345, set./dez. 2013.

GALLO, S. Para além da qualificação profissional. Filosofia e Educação [RFE] – Vol. 9, Número 2 – Campinas, SP Junho-Setembro. ISSN 1984-9605 – p. 1-6, 2017.

GATTI. Bernadete A. Formação de professores: condições e problemas atuais. Revista Brasileira de Formação de Professores – RBFP ISSN 1984-5332 - Vol. 1, n. 1, p.90-102, Maio/2009.

JOSSO, Marie-Christine. As narrações centradas sobre a formação durante a vida como desvelamento das formas e sentidos múltiplos de uma existencialidade singular-plural. Trad. Eric Maheu; Revisão da tradução: Suely de S Silva. Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 17, n. 29, p. 17-30, jan./jun., 2008.

LOPES. Alice Casimiro. Teorias Pós-Críticas, Política e Currículo – Dossiê Temático: configurações da investigação educacional no Brasil. Educação, Sociedade & Culturas, nº 39, pp. 7-23, 2013.

LOPES, Alice C.; CUNHA, Erika V. R.; COSTA, Hugo H. C. Da recontextualização à tradução: investigando políticas de currículo. Currículo sem Fronteiras. v. 13, n. 3, p. 392-410, set./dez. 2013. Disponível em: http://www.curriculosemfronteiras.org/vol13iss3articles/lopes-cunha-costa.pdf. Acesso em: 15 de fev. 2020.

MACEDO, Roberto Sidnei. Compreender/mediar a formação: o fundante da educação. Brasília: Líber Livro Editora, 2010.

MONTEIRO, Silas B. Quando a Pedagogia forma professores. Uma investigação otobiográfica. Tese (Doutorado em Educação), Universidade de São Paulo, 2004.

MONTEIRO, S. Quando a Pedagogia forma professores. Uma investigação otobiográfica. Cuiabá: EdUFMT, 2013.

MONTEIRO, Silas B. Otobiografia como escuta das vivências presentes nos escritos. Educação e Pesquisa. São Paulo, v. 33, n. 3, p. 471-484, set/dez 2007.

MOURA, Dante H. Trabalho e formação docente na educação profissional [recurso eletrônico]. Curitiba: Instituto Federal do Paraná, 2014. - (Coleção formação pedagógica; v. 3). Disponível em: https://curitiba.ifpr.edu.br/wp-content/uploads/2016/05/Trabalho-e-Forma%C3%A7%C3%A3o-Docente.pdf. Acesso em: 26 de fev. 2020.

NIETZSCHE. Friedrich. Ecce homo: como se chega a ser o que se é. Trad. Artur Morão. Universidade da Beira Interior: Covilhã, 2008.

NÓVOA, A. Profissão: docente. Revista Educação (entrevista). Em Agosto/2011. Disponível em <http://revistaeducacao.uol.com.br/textos/154/artigo> Acesso em 15 de mar. 2020.

OLIVEIRA SANTOS, Adriana Paula Quixabeira R. S.; FARTES, Vera Lúcia Bueno. O Trabalho Docente na Educação Profissional e Tecnológica no Brasil: Desafios e Perspectivas Contemporâneas. In: CONGRESSO DE PESQUISA E INOVAÇÃO DA REDE NORTE NORDESTE DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA, v. 2010. Maceió/AL. Anais... Maceió. Disponível em: <http://connepi.ifal.edu.br/ocs/index.php/connepi/CONNEPI2010> Acesso em 03f de fev. 2020.

PARAÍSO, Marlucy. A ciranda do currículo com gênero, poder e resistência. Currículo sem Fronteiras, v. 16, n. 3, p. 388-415, set./dez. 2016 ISSN 1645-1384 (online). Disponível em: www.curriculosemfronteiras.org. Acesso em: 12 de mar. 2020

PENA, Geralda A de C. Formação docente e aprendizagem da docência: um olhar sobre a educação profissional. Educação em Perspectiva, Viçosa, v. 2, n. 1, p. 98-118, jan./jun. 2011. Disponível em: http://www.seer.ufv.br/seer/educacaoemperspectiva/index.php/ppgeufv/article/view/122/5 . Acesso em 10 de fev. 2020.

PEREIRA, Marcos V. Estética da professoralidade: um estudo crítico sobre a formação do professor. Santa Maria: EdUFSM, 2013.

RIBEIRO, Helano J.; BORGES, Felipe A. Otobiografia: qualquer ou uma não identidade. Cenários. Porto Alegre, n.12, 2° semestre, 2015. p. 123-139.

SÁ, Ma. Roseli Gomes Brito de; FARTES, Vera Lúcia B. (Orgs.) Currículo, formação e saberes profissionais: a (re) valorização epistemológica da experiência. Salvador: EDUFBA, 2010.

SILVA, Ana Maria. A formação contínua de professores: Uma reflexão sobre as práticas e as práticas de reflexão em formação. Educação & Sociedade, ano XXI, n° 94 72, pp. 89-109. Agosto, 2000.

SILVA, M. Complexidade da formação de professores: saberes teóricos e saberes práticos. São Paulo: Editora UNESP; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2009.

Downloads

Publicado

09-10-2020

Como Citar

MIRANDA, N. M. dos S.; SALES, M. A. Tornar-se professor: o ordinário e o extraordinário formativo das professoralidades na educação profissional e tecnológica. Revista Eletrônica de Educação, [S. l.], v. 14, p. e4118124, 2020. DOI: 10.14244/198271994118. Disponível em: https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/4118. Acesso em: 24 jun. 2024.

Edição

Seção

Dossiê Formação e inserção profissional de professores iniciantes: conceitos e práticas
##plugins.generic.dates.received## 2020-04-05
##plugins.generic.dates.accepted## 2020-06-22
##plugins.generic.dates.published## 2020-10-09