O trabalho em parceria na educação inclusiva: experiências na Educação Infantil

Autores

  • Patrícia Critina Rosalen Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual Paulista"Júlio de Mesquita Filho"
  • Laura Noemi Chaluh Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual Paulista"Júlio de Mesquita Filho"

DOI:

https://doi.org/10.14244/198271993579

Palavras-chave:

Educação inclusiva, Aluno PAEE, Práticas colaborativas.

Resumo

O presente artigo é um recorte de pesquisa que teve como objetivo geral compreender de que forma a estrutura organizativa de uma escola pública possibilitou o trabalho com os alunos público-alvo da educação especial (PAEE) para a efetivação da proposta de educação verdadeiramente inclusiva. Neste trabalho discutimos a colaboração/parceria numa perspectiva que articula os diferentes segmentos de profissionais da escola na interlocução com a família, perspectiva que almeja potencializar a aprendizagem do aluno PAEE. Apresentamos experiência desenvolvida com aluno da Educação Infantil, no contexto de uma escola municipal do interior do estado de São Paulo, em que a vice-diretora/pesquisadora apresenta processos colaborativos desenvolvidos entre professora regente, professora do Atendimento Educacional Especializado (AEE) e agente educacional, sujeitos que se responsabilizaram por elaborar e desenvolver projetos, atividades e materiais pedagógicos para o referido aluno. Os dados produzidos para este trabalho contemplam: Diário de Bordo das professoras, Plano de Desenvolvimento Individual (PDI) do aluno, registro avaliativo da mãe do aluno, caderno de registro cotidiano da vice-diretora e registro reflexivo das professoras e agente educacional sobre suas experiências junto ao aluno PAEE. A produção dos dados foi analisada a partir do paradigma indiciário. A colaboração/parceria foi possibilitada através da constituição de um grupo onde os sujeitos se apoiaram mutuamente, experimentaram ações conjuntas e tinham sentimentos de pertença produtiva, em torno do objetivo comum de garantir a aprendizagem do aluno PAEE. A participação da família foi primordial para o alcance dos objetivos propostos com o aluno PAEE.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

BETEGHELLI, Tagiane Giorgetti dos Santos. A professora coordenadora na educação infantil: na composição da organização do trabalho pedagógico e da formação dos educadores. 2018, 203p. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Estadual Paulista. Instituto de Biociências. Rio Claro/SP: Unesp, 2018.

BRASIL. Marcos Políticos-Legais da Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Brasília: Secretaria de Educação Especial, 2010.

CAPELLINI, Vera Lúcia Messias Fialho (org.); ZANATA, Eliana Marques; PEREIRA, Verônica Aparecida. Práticas educativas: ensino colaborativo. Práticas em Educação Especial e Inclusiva na área da deficiência mental. Bauru/SP: MEC/FC/SEE, 2008.

CAPELLINI, Vera Lúcia Messias Fialho. Formação Continuada por meio da Consultoria Colaborativa: compromisso com o ensino-aprendizagem de todos os alunos. In: MENDES, Enicéia Gonçalves; ALMEIDA, Maria Amélia (orgs.). A Pesquisa sobre inclusão escolar em suas múltiplas dimensões: teoria, política e formação. Marília: ABPEE, 2012.

CHALUH, Laura Noemi. Do trabalho coletivo na escola: encontros na diferença. Pro-Posições. Campinas, vol. 21, nº 2 (62), maio/ago., 2010, pp. 207-223.

FERNANDES, Carla Helena. Relatório Final de Estágio Pós-Doutoral. 2017, 300p. Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”. Rio Claro/SP: Unesp, 2017.

GINZBURG, Carlo. Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

JESUS, Denise Meirelles de; GONÇALVES, Agda Felipe Silva; VIEIRA, Alexandro Braga; EFFGEN, Ariadna Pereira Siqueira. As políticas públicas em ação no estado do Espírito Santo: o que dizem as superintendências e as secretarias municipais de educação. In: MENDES, Enicéia Gonçalves; ALMEIDA, Maria Amélia (orgs.). A pesquisa sobre inclusão escolar em suas múltiplas dimensões: teoria, política e formação. Marília: ABPEE, 2012.

LIMA, M. E. C. C.; GERALDI, C. M. G.; GERALDI, J.W. O trabalho com narrativas na investigação em educação. Educação em Revista. Belo Horizonte, vol.31, nº.01, jan-mar., 2015, pp. 17-44.

MAZZOTTA, Marcos José da Silveira. Educação Especial no Brasil: História e Políticas Públicas. 3ª ed. São Paulo: Cortez, 2001.

MENDES, Enicéia Gonçalves; VILARONGA, Carla Ariela Rios; ZERBATO, Ana Paula. Ensino colaborativo como apoio à inclusão escolar: unindo esforços entre educação comum e especial. São Carlos: EdUFSCar, 2014.

ORSATI, Fernanda T. Acomodações, modificações e práticas efetivas para a sala de aula inclusiva. Temas sobre Desenvolvimento, 19 (107). São Paulo: pp. 213-222, 2013.

PRIMO, Dorian Regina B. S.; MOTTA JÚNIOR, Ademar Simões da. A influência da ludicidade na aquisição da aprendizagem de crianças com necessidades educativas especiais nas séries iniciais. In: CARVALHO, Edemir de; CARVALHO, Carmem Silvia B. F. (orgs.). Práticas Pedagógicas: entre as teorias e metodologias, as necessidades educativas especiais. Marília: Oficina Universitária. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2012.

RIO CLARO. Projeto Político Pedagógico da Escola Municipal Professor Victorino Machado. Rio Claro: Secretaria Municipal da Educação, 2015.

RIO CLARO. Reorientação Curricular da Rede Municipal de Educação de Rio

Claro. Rio Claro, SP: Secretaria Municipal da Educação, 2008.

RIZZI, E.; GONZALEZ, M.; XIMENES, S. Direito humano à educação. Coleção Manual de Direitos Humanos. 2ª ed. Organização: Plataforma Dhesca Brasil e Ação Educativa. Brasília: vol. 7, novembro de 2011.

ROSALEN, Patrícia C. Práticas colaborativas no trabalho com alunos Público-alvo da Educação Especial (PAEE): o cotidiano de uma escola polo. 2019, 242p. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Estadual Paulista. Instituto de Biociências. Rio Claro/SP: Unesp, 2019.

SÁNCHEZ, Pilar Arnaiz. A educação inclusiva na Espanha. In: FÁVERO, Osmar; FERREIRA, Windys; IRELAND, Timothy; BARREIROS, Débora (orgs.). Tornar a educação inclusiva. Brasília: UNESCO, 2009.

SASSAKI, Romeu Kasumi. Inclusão: o paradigma do século 21. Inclusão – Revista da Educação Especial. Brasília, vol. 1, nº 1, out. 2005, pp. 19-23.

SIGOLO, Sílvia Regina R. L. Envolvimento Familiar e Educação Inclusiva: uma mútua contribuição. In: MENDES, Enicéia Gonçalves; ALMEIDA, Maria Amélia (orgs.). A pesquisa sobre inclusão escolar em suas múltiplas dimensões: teoria, política e formação. Marília: ABPEE, 2012.

VELTRONE, Aline Aparecida; MENDES, Enicéia Gonçalves. Percepções dos alunos com deficiência intelectual sobre sua matrícula na classe especial e classe comum. Revista Eletrônica de Educação, vol. 5, nº. 2. São Carlos/SP: UFSCar, Programa de Pós-Graduação em Educação, novembro de 2011, pp. 59-81.

ZERBATO, Ana Paula; MENDES, Enicéia Gonçalves. Desenho universal para a aprendizagem como estratégia de inclusão escolar. Educação Unisinos, vol. 22, nº 2, abril-junho 2018, pp.147-155.

Downloads

Publicado

03-03-2020

Como Citar

ROSALEN, P. C.; CHALUH, L. N. O trabalho em parceria na educação inclusiva: experiências na Educação Infantil . Revista Eletrônica de Educação, [S. l.], v. 14, p. e3579065, 2020. DOI: 10.14244/198271993579. Disponível em: https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/3579. Acesso em: 25 jun. 2024.

Edição

Seção

Demanda Contínua - Artigos
##plugins.generic.dates.received## 2019-07-18
##plugins.generic.dates.accepted## 2019-11-03
##plugins.generic.dates.published## 2020-03-03