Acessibilidade e ensino para surdos em contexto da COVID-19 na Universidade Federal de São Carlos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14244/198271995444

Palavras-chave:

Surdo, Acesso à informação, Instituição de Ensino Superior, COVID-19.

Resumo

O ano 2020 foi caracterizado pelo isolamento social decorrente da COVID-19, que motivou o uso de ferramentas digitais para desenvolver o ensino não presencial.  Movimentos de luta para reconhecimento da Libras e a avanços quanto à acessibilidade nos processos vestibulares garantiram o ingresso de surdos na Universidade, entretanto ainda existem dificuldades para eliminar as barreiras de participação. Todas estas adversidades, não superadas no ensino presencial, foram acirradas durante a Pandemia, devido a qual o surdo deixou de interagir com seus pares e muitas vezes não dispôs de acessibilidade com a tradução e interpretação em Libras. Diante desse cenário, mostra-se necessário analisar sobre as possibilidades e escolhas adotadas para contemplar as especificidades para surdos, com o objetivo de analisar documentalmente as formas de acessibilidade oferecidas pela UFSCar no contexto de Pandemia. Trata-se de um estudo de natureza descritiva e caracteriza-se por uma pesquisa documental, tendo como estratégia o estudo de caso. Foram compilados registros em sites, relatórios, lives e dados de domínio público que evidenciaram a organização das decisões para ações de acessibilidade. Para a análise dos dados, foram criadas três categorias que indicaram vantagens e prejuízos para a inclusão do surdo. Diante deste estudo, concluiu-se que muitas ações foram planejadas e produzidas, entretanto ainda existem lacunas que precisam ser revistas para ofertar igualdade de oportunidades aos surdos na Universidade.  

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Ligiane de Castro Lopes, Universidade Federal do Ceará (UFC)

Graduação em Pedagogia pela Universidade Federal do Ceará (2003), Mestre em Educação pela Universidade Federal do Ceará (2006). Atualmente é professora assistente da Universidade Federal do Ceará, no curso de Licenciatura em Letras Língua Brasileira de Sinais, no setor de estudos Fundamentos da Educação de Surdos, e cursa doutorado em Educação Especial na Universidade Federal de São Carlos. Áreas de interesse: Educação bilíngue para surdos, Didática e educação de surdos, Estágio Curricular, Formação de professores.

Soraia Romano , Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)

Doutora em Educação Especial pela Universidade Federal de São Carlos (2023). Mestre em Educação Especial pela Universidade de São Paulo (2007). Especialista em Neuropsicopedagogia (2022), Direito Educacional (2020) e Fonoaudiologia Educacional (2010), com Aprimoramento em Fonoaudiologia pelo Hospital do Servidor Estadual de São Paulo (2000). Fonoaudióloga e Pedagoga. Atualmente é Coordenadora Pedagógica do Centro de Educação para Surdos do Colégio Rio Branco, Vice- coordenadora do Comitê de Políticas Públicas de Educação do Departamento de Saúde Pública da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia - Gestão 2023-2025, Formadora do Alfadef pelo Ministério da Educação/SEAD.  Participante do Grupo de Estudos GP-FOREESP/ UFSCar. Consultora e Formadora em Acessibilidade pela Inclua e Docente de pós-graduação em Educação.

Lara Ferreira dos Santos, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)

Graduada em Fonoaudiologia pela Universidade Metodista de Piracicaba (2003), Mestre em Educação pela Universidade Metodista de Piracicaba (2007) e Doutora em Educação Especial pela Universidade Federal de São Carlos - UFSCar (2014). Atualmente é e Professora Adjunta da UFSCar, ministrando a disciplina Introdução a Língua Brasileira de Sinais e docente do Programa de Pós-Graduação em Educação Especial. Atuou como Intérprete de Libras em diversos espaços. Tem experiência na área de Surdez; e na área educacional de atendimento bilíngue a alunos surdos, atuando principalmente nos seguintes temas: educação bilíngue, intérprete de Libras, escola inclusiva, instrutor surdo. Vencedora (1o. lugar) do 56o. Prêmio Jabuti -2014 - pela obra "Tenho um aluno surdo. E agora".

Referências

BIGDATACORP. Acessibilidade nos sites brasileiros. [S.l.], dezembro de 2019. Disponível em: https://bigdatacorp.com.br/infografico-acessibilidade-dos-sites-brasileiros/. Acesso em: 06 mar. 2021.

BISOL, Cláudia Alquati; VALENTINI, Carla Beatris; SIMIONI, Janaína Lazzarotto; ZANCHIN, Jaqueline. Estudantes surdos no ensino superior: reflexões sobre a inclusão. Cadernos de Pesquisa. São Paulo, v. 40, n. 139, pág. 147-172, abril de 2010. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0100-15742010000100008&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 06 mar. 2021.

BORGES, Rosângela Lopes. Libras e acessibilidade para surdos no ensino superior. Revista Sinalizar, v. 5, e60287, dezembro de 2020. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/revsinal/article/view/60287/36027. Acesso em: 06 mar. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Aviso Circular nº 277. Brasília, DF: MEC, maio de 1996. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/aviso277.pdf. Acesso em: 06 mar. 2021.

BRASIL. Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais e dá outras providências. Diário Oficial da União: Brasília, DF, 2002. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm. Acesso em: 06 mar. 2021.

BRASIL. Portaria nº 3.284, de 7 de novembro de 2003. Dispõe sobre requisitos de acessibilidade de pessoas portadoras de deficiências, para instruir os processos de autorização e de reconhecimento de cursos, e de credenciamento de instituições. Diário Oficial da União: Brasília, DF, 2003, Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/port3284.pdf. Acesso em: 06 mar. 2021.

BRASIL. Decreto nº5.626, 22 de dezembro de 2005, regulamenta a Lei 10.436 de 24 de abril de 2002 que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais. Diário Oficial da União: Brasília, DF, 2005. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004006/2005/decreto/d5626.htm. Acesso em: 06 mar. 2021.

BRASIL. Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República. Decreto nº 7.612, 17 de novembro de 2011, institui o Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência - Plano Viver sem Limite. Diário Oficial da União: Brasília, DF, 2011a. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/decreto/d7612.htm. Acesso em: 06 mar. 2021.

BRASIL. Lei 12.527, 18 de novembro de 2011, institui o regulamento de acesso a informações previsto no inciso XXXIII do art. 5º, no inciso II do § 3º do art. 37 e no § 2º do art. 216 da Constituição Federal; altera a Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990; revoga a Lei nº 11.111, de 5 de maio de 2005, e dispositivos da Lei nº 8.159, de 8 de janeiro de 1991; e dá outras providências. Diário Oficial da União: Brasília, DF, 2011b. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/lei/l12527.htm. Acesso em: 06 mar. 2021.

BRASIL. Lei 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão das Pessoas com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Diário Oficial da União: Brasília, DF, 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm. Acesso em: 06 mar. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Censo da Educação Superior 2018 - Notas estatísticas. Brasília, DF: MEC -INEP, 2018. Disponível em: http://download.inep.gov.br/educacao_superior/censo_superior/documentos/2019/censo_da_educacao_superior_2018-notas_estatisticas.pdf. Acesso em: 06 mar. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Inep lança conteúdo em Libras referente ao Enem 2019. Brasília, DF: MEC-INEP, 2019. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/artigo/-/asset_publisher/B4AQV9zFY7Bv/content/inep-lanca-conteudo-em-libras-referente-ao-enem-2019/21206. Acesso em: 06 mar. 2021.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria da Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico Especial COE – COVID 19 de 8 de maio de 2020. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2020a. Disponível em: https://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2020/May/09/2020-05-06-BEE15-Boletim-do-COE.pdf. Acesso em: 06 mar. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria nº 343 de 17 de março de 2020. Dispõe sobre a substituição das aulas presenciais por aulas em meios digitais enquanto durar a situação de pandemia do Novo Coronavírus - COVID-19. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, p. 39, 2020b. Disponível em: https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/portaria-n-343-de-17-de-marco-de-2020-248564376. Acesso em: 06 mar. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria nº 345 de 19 de março de 2020. Altera a Portaria MEC nº 343, de 17 de março de 2020. Diário Oficial da União: 54-D (1-extra) - p. 1. 2020c. Disponível em: https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/portaria-n-345-de-19-demarcode2020248881422?inheritRedirect=true&redirect=%2Fweb%2Fguest%2Fsearch%3FqSearch%3DPortaria%2520345%2520de%252019%2520de%2520mar%25C3%25A7o%2520de%25202020. Acesso em: 06 mar. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria nº 395 de 15 de abril de 2020. Prorroga o prazo previsto no § 1º do art. 1º da Portaria nº 343, de 17 de março de 2020. Diário Oficial da União: Brasília, DF, 54-D (1-extra) - p. 1. 2020d. Disponível em: https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/portaria-n-395-de-15-de-abril-de-2020-2527251 Acesso em: 06 mar. 2021.

CARNEIRO, Leonardo de Andrade; RODRIGUES, Waldecy; FRANÇA, George; PRATA, David Nadler. Use of technologies in Brazilian public higher education in times of pandemic COVID-19. Research, Society and Development, [S. l.], v. 9, n. 8, e267985485, julho de 2020. DOI: 10.33448/rsd-v9i8.5485. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/5485. Acesso em: 06 mar. 2021.

FLORES, Nora Cascante; SALAZAR, Luisa Villanueva. Formación docente en didáctica universitaria en la pandemia: entre la reflexión pedagógica y la instrumentalización. InterCambios, Montevideo, v. 7, n. 2, p. 107-118, dic. 2020. Disponível em: http://www.scielo.edu.uy/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2301-01262020000200107&lang=pt. Acesso em: 06 mar. 2021.

FREIRE, André Pimenta; PAIVA, Débora Maria Barroso; FORTES, Renata Pontin de Mattos. Acessibilidade Digital Durante a Pandemia da COVID-19 - Uma Investigação sobre as Instituições de Ensino Superior Públicas Brasileiras. Revista Brasileira de Informática na Educação – RBIE, v.28, 2020. Disponível em: file:///C:/Users/lilop/Downloads/9312-12632-1-PB.pdf. Acesso em: 04 mar. 2021.

GRILO, André; OLIVEIRA, Ana Luiza de; FERREIRA, Hannah Políticas da Educação no Ensino Superior e o Design de Ambientes Virtuais de Aprendizagem: Estudos em acessibilidade e ensino a distância na Turma Virtual do SIGAA. Rio de Janeiro: TRIADES | Revista (online), v. 9, n. 2, 2020. Disponível em: https://triades.emnuvens.com.br/triades/article/view/295/144. Acesso em: 06 mar. 2021.

JOYE, Cassandra Ribeiro; MOREIRA, Marília Maia.; ROCHA, Sinara Socorro Duarte. Distance Education or Emergency Remote Educational Activity: in search of the missing link of school education in times of COVID-19. Research, Society and Development, [S. l.], v. 9, n. 7, e521974299, 2020. DOI: 10.33448/rsd-v9i7.4299. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/4299. Acesso em: 06 mar. 2021.

LANA, Zilda Maria de Oliveira; CASTRO, Fernanda Grazielle Aparecida Soares de; MARQUES, Stela Maria Fernandes. Memória e identidade docente de uma professora surda do Ensino Superior. Revista Educação Especial, 1(1), 69-82, 2016. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/educacaoespecial/article/view/17812. Acesso em: 06 mar. 2021.

LIMA, André Henrique; VERÁSTEGUI JUÁREZ, Miriam Viridiana; CABRAL, Leonardo Santos Amâncio; LACERDA, Cristina Broglia Feitosa de. Pessoas com Deficiência na Educação Superior: o caso UFSCar. In: Sá, Ana Claudia Maranhão. Acessibilidade e Inclusão no ensino superior: Reflexões e ações em universidades brasileiras. Ana Claudia Maranhão Sá, Vanessa Helena Santana Dalla Déa. Goiânia: Cegraf UFG, 2020. E-book. Disponível em: https://publica.ciar.ufg.br/ebooks/colecao_inclusao/livros/6/cap02.html. Acesso em: 06 mar. 2021.

LÜDKE, Menga; ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo de Afonso. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MARTINS, Sandra Eli Sartoreto de Oliveira; NAPOLITANO, Carlo José. Inclusão, acessibilidade e permanência: direitos de estudantes surdos à educação superior, Educar em Revista, Curitiba, n. spe.3, p. 107-126, 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/er/nspe.3/0104-4060-er-03-107.pdf Acesso em: 06 mar. 2021.

MORAES, Laíse Miolo; VIEIRA, Francine Medeiros; GONÇALVES, Berenice Santos; BRAVIANO, Gilson; MERINO, Gisele Schmidt Alves Diaz. A Usabilidade de avatares de libras em sites: análise da interação de usuários surdos por meio do rastreador ocular Eye Tracking. Design E Tecnologia, 8(16), 41-51, 2018. Disponível em: https://www.ufrgs.br/det/index.php/det/article/view/495. Acesso em: 06 mar. 2021.

ROCHA, Cleomar (Org). Anais do V Simpósio Internacional de Inovação em Mídias Interativas. Goiânia: Media Lab / UFG, 2018. Disponível em: https://siimi.medialab.ufg.br/n/99310-siimi-2018. Acesso em: 06 mar. 2021.

SCHUCHMANN, Alexandra Zanella, SCHNORRENBERGER, Bruna Luiza, CHIQUETTI, Maria Eduarda, GAIKI, Raiane Suzana, RAIMANN, Bruno Wensing e MAEYAMA, Marcos Aurélio. Isolamento social vertical X Isolamento social horizontal: os dilemas sanitários e sociais no enfrentamento da pandemia de COVID-19. Brazilian Journal of Health Review, 3 (2), 3556–3576, 2020. Disponível em: https://www.brazilianjournals.com/index.php/BJHR/article/view/9128. Acesso em: 06 mar. 2021.

SHIMAZAKI, Elsa Midori; MENEGASSI, Renilson José; FELLINI, DinéiaGhizzo Neto. Ensino Remoto para Alunos Surdos em Tempo de Pandemia. Práxis Educativa, 15 (e2015476), 2020. Disponível em: https://revistas.apps.uepg.br/index.php/praxiseducativa/article/view/15476. Acesso em: 06 mar. 2021.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA. Orientações para acessibilidade de estudantes com deficiência no Ensino Remoto Emergencial (ERE). NAI - Núcleo de Apoio à Inclusão. Orgs.: Katiuscia C. Vargas Antunes, Mylene Cristina Santiago, Isadora Matos Moreira, Ana Berenice Resende Melo. 2020. Disponível em: https://www2.ufjf.br/nai/2020/09/08/guia-de-orientacoes-para-acessibilidade-de-estudantes-com-deficiencia-no-ensino-remoto-emergencial-ere/ Acesso em: 06 mar. 2021.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS. Recomendações para promoção da acessibilidade no Ensino Remoto emergencial. Diretoria de Inovação e Metodologias de Ensino da PROGRAD/UFMG/Centro de Apoio ao Ensino a Distância – CAED. Belo Horizonte, 2020. Disponível em: https://www.ufmg.br/integracaodocente/wp-content/uploads/2020/07/recomendacoes-acessibilidade-ver2807f1.pdf. Acesso em: 06 mar. 2021.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS. Política de ações afirmativas, diversidade e equidade da Universidade Federal de São Carlos. Universidade Federal de São Carlos. São Carlos: UFSCar, 2016. Disponível em: http://blog.saade.ufscar.br/wp-content/uploads/2016/11/Politica_acoes_afirmativas_diversidade_equidade_da_ufscar.pdf. Acesso em: 06 mar. 2021.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS. Grupo de Trabalho Interdisciplinar pela Acessibilidade da Universidade Federal de São Carlos. São Carlos: UFSCar, 2020a. Disponível em: https://www.acessibilidade.ufscar.br/apresentacao. Acesso em: 06 mar. 2021.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS – GP- IDEA. Live: Avaliação biopsicossocial da deficiência por meio do Índice de Funcionalidade Brasileiro Modificado (IFBrM) com Izabel Maior, Leonardo Cabral, 2020b. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=A1eNcjB-Lag. Acesso em: 06 mar. 2021.

Downloads

Publicado

31-05-2024

Como Citar

LOPES, L. de C.; ROMANO , S. .; SANTOS, L. F. dos. Acessibilidade e ensino para surdos em contexto da COVID-19 na Universidade Federal de São Carlos. Revista Eletrônica de Educação, [S. l.], v. 18, p. e5444025, 2024. DOI: 10.14244/198271995444. Disponível em: https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/5444. Acesso em: 14 jun. 2024.

Edição

Seção

Demanda Contínua - Artigos
##plugins.generic.dates.received## 2022-05-05
##plugins.generic.dates.accepted## 2021-12-07
##plugins.generic.dates.published## 2024-05-31