Modos de conceber, possibilidades de significar: trabalhando com geometria no contexto da inclusão escolar (Ways of conceiving, possibilities of signifying: working with geometry in the school inclusion context)

Autores

  • Iris Aparecida Custódio Universidade São Francisco
  • Cidinéia da Costa Luvison Docente do Instituto de Ensino Superior de Itapira - IESI, da Rede Municipal de educação de Bragança Paulista e da Rede de Ensino do Estado de São Paulo.
  • Ana Paula de Freitas USF

DOI:

https://doi.org/10.14244/198271992124

Resumo

Abstract
This study is guided by the theoretical and methodological principles of the cultural-historical perspective, in order to contribute to the analysis of knowledge elaboration means used by students with disabilities. The present text is a fragment of a master’s research, developed within the Observatory of Education Program – OBEDUC (Brazil), which focuses on the practices of mathematical literacy and teacher training. The project team is composed by five teachers from the public-school literacy cycle, four postgraduate students, and four university professors. In bi-weekly meetings the group works to study, to select tasks that will be performed in classrooms, and to share narratives about the work accomplished by the teachers in their respective schools. The text focuses on the movement of meanings during the process of teaching and learning geometric concepts with a third-grade student diagnosed with Autism Spectrum Disorder. The results show that the learning possibilities of all students, with or without disabilities, are intertwined to the conditions offered by the surrounding environment. Therefore, the intersubjective relations that occur during
the activities mediated by words and technical-semiotic instruments are emphasized. In this sense, the school has a key role. By teaching, in the context of school inclusion policy, the challenge for teachers is to create the educational conditions for every student in the classroom, while not losing sight of their singularities.
Keywords: Historical-cultural theory, Intersubjectivity, Inclusive education, Mathematical education.

Resumo
Este estudo pauta-se pelos princípios teóricos e metodológicos da perspectiva histórico-cultural, a fm de contribuir com as análises sobre modos de elaboração de conhecimento por alunos com deficiências. Trata-se de um recorte de uma pesquisa de mestrado, desenvolvida no âmbito do Programa Observatório da Educação – OBEDUC (Brasil), que tem
como foco as práticas de letramento matemático escolar e a formação docente. A equipe do projeto é constituída por cinco professoras do ciclo de alfabetização de escolas públicas, quatro pós-graduandas e quatro docentes da universidade. Quinzenalmente, o grupo se reúne para estudar, selecionar tarefas para realizar em sala de aula e compartilhar narrativas das práticas produzidas pelas professoras. O texto focaliza o movimento de significações no decorrer do processo de ensino e aprendizagem de conceitos geométricos com um aluno de um 3º ano do ensino fundamental, diagnosticado com transtorno do espectro autista. Os
resultados revelam que as possibilidades de aprendizagem de todos os alunos, com ou sem deficiências, estão atreladas às condições oferecidas pelo meio circundante. Desse modo, enfatizam-se as relações intersubjetivas ocorridas durante as atividades mediadas pelas palavras e instrumentos técnico-semióticos. Ao ensinar, no contexto da política de inclusão escolar, o desafio dos professores é criar as condições educacionais para todos os alunos presentes em sala de aula, sem perder de vista as singularidades.
Palavras-chave: Teoria histórico-cultural, Educação inclusiva, Educação matemática, Intersubjetividade.

Resumen
Este estudio se guía por los principios teóricos y metodológicos de la perspectiva histórico-cultural con el fin de contribuir al análisis de los modos de desarrollo de conocimiento por los estudiantes con discapacidades. Se trata de un recorte de una investigación de maestría,
desarrollada en el marco del Programa Observatorio de la Educación – OBEDUC (Brasil), que tiene como foco las prácticas de letramento matemático escolar y la formación docente. El equipo del proyecto está formado por cinco profesoras del ciclo de alfabetización de la escuela pública, cuatro alumnas de cursos de postgrado y cuatro profesores universitarios. Quincenalmente, el grupo se reúne para estudiar, seleccionar tareas para realizar en el aula y compartir narrativas de las prácticas producidas por las profesoras. El texto se centra en el  movimiento de los significados en el curso del proceso de enseñanza y aprendizaje de conceptos geométricos con un estudiante de tercer año de la escuela primaria, con un diagnóstico de trastorno de espectro autista. Los resultados muestran que las oportunidades de aprendizaje para todos los estudiantes, con o sin discapacidad, están en las condiciones ofrecidas por el entorno que lo rodea. Por lo tanto, las relaciones interpersonales que se producen durante las actividades mediadas por las palabras y los instrumentos técnicos semióticos. En este sentido, la escuela tiene un papel fundamental. Mediante la enseñanza en el contexto de la política de inclusión escolar, el reto para los maestros es crear las condiciones educativas para todos los estudiantes presentes en el aula, sin perder de vista las singularidades.
Palabras clave: Teoría histórico-cultural, Educación inclusiva, La educación matemática, Intersubjetividad.

References

BRASIL. Orientações para a Implantação da Política de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva, 2015. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=17237-secadi-documento-subsidiario-2015&Itemid=30192>. Acesso em: 01 fev. 2017.

CARVALHO, Maria de Fátima. Conhecimento e vida na escola: convivendo com as diferenças. Campinas, SP: Autores Associados; Ijuí: Unijuí, 2006. 222p.

DSM – 5. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM-5. 5ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2014.

FREITAS, Ana Paula de. Zona de Desenvolvimento Proximal: a problematização do conceito através de um estudo de caso. 2001. 156fl. Tese (Doutorado em Educação [Psicologia do Desenvolvimento Humano]) – Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2001.

FREITAS, Ana Paula de; MONTEIRO, Maria Inês Bacellar. (In)apropriações das práticas pedagógicas na educação de alunos com necessidades educacionais especiais. Anais da 33ª REUNIÃO ANUAL DA ANPEd. Caxambu, out, 2010. Disponível em: <http://33reuniao.anped.org.br/internas/ver/trabalhos-gt15>. Acesso em: 11 fev. 2017.

FREITAS, Ana Paula de; MONTEIRO, Maria Inês Bacellar; CAMARGO, Evani A. Amaral. Contradições no/do cotidiano escolar: professores e alunos com deficiência diante do ensino na diversidade. Horizontes, Itatiba, SP, v. 33, n. 2, p. 27-36, jul./dez., 2015.

FREITAS, Ana Paula de; MONTEIRO, Maria Inês Bacellar. Formação de conceitos por alunos com deficiência: o que os estudos têm nos revelado? Comunicações, Piracicaba, SP, v. 23, nº 3, p. 369-385, 2016.

GÓES, Maria Cecília Rafael de. As relações intersubjetivas na construção de conhecimentos. In: GÓES, Maria Cecília Rafael de; SMOLKA, Ana Luiza B. (Org.) A significação nos espaços educacionais: interação social e subjetivação. Campinas, SP: Papirus, 1997. p. 11-28.

GÓES, Maria Cecília Rafael de. Relações entre desenvolvimento humano, deficiência e educação: contribuições da abordagem histórico-cultural. In: OLIVEIRA, Marta Kohl de; SOUZA, Denise Trento R.; REGO, Teresa Cristina (orgs.). Psicologia, Educação e as Temáticas da Vida Contemporânea. São Paulo: Moderna, 2002. p. 95-114.

JANNUZZI, Gilberta de Martino. A educação do deficiente no Brasil: dos primórdios ao início do século XXI. 2ª ed. Campinas: Autores Associados, 2006.

KASSAR, Mônica de Carvalho M. O professor e o processo educacional de alunos que apresentam deficiências. Revista de Educação PUC-Campinas. Campinas, SP, n. 16, p.79-86, jun. 2004. Disponível em: <http://periodicos.puc-campinas.edu.br/seer/index.php/reveducacao/issue/view/41>. Acesso em: 11 fev. 2017.

KASSAR, Mônica de Carvalho M. Educação especial na perspectiva da educação inclusiva: desafios de uma implantação de uma política nacional. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, n. 41, p. 61-79, jul./set. 2011. Editora UFPR. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/er/n41/05.pdf Acesso em 10 set. 2016.

MONTEIRO, Maria Inês Bacellar; FREITAS, Ana Paula de; CAMARGO, Evani Andreatta Amaral. Concepção e prática dos professores sobre deficiência: o papel do diagnóstico. In: MONTEIRO, Maria Inês Bacellar; FREITAS, Ana Paula de; CAMARGO, Evani Andreatta Amaral (orgs.). Relações de ensino na perspectiva inclusiva: alunos e professores no contexto escolar. Araraquara, SP: Junqueira&Marin, 2014, p. 23-40.

NACARATO, Adair Mendes; PASSOS, Cármen Lúcia B. A Geometria nas séries iniciais: uma análise sob a perspectiva da prática pedagógica e da formação de professores. São Carlos: EdUFSCAR, 2003.

NACARATO, Adair Mendes; LUVISON, Cidinéia da Costa. Educação matemática nos anos iniciais do ensino fundamental: possibilidades de produção do conhecimento científico. In: TAUCHEN, Gionara; SILVA, João Alberto; SCHWANTES, Lavínia. Educação científica: pesquisas e experiências. Curitiba: CRV, 2015. p. 33-51.

PADILHA, Anna Maria Lunardi. Práticas educativas: perspectivas que se abrem para a Educação Especial. In: Educação & Sociedade: revista quadrimestral de Ciência da educação/CEDES, Campinas, SP, n. 71, Ano XXI, Julho de 2000, p. 197-220.

PAVANELLO, Regina M. O abandono do ensino da geometria: uma visão histórica. 1989. 196fl. Dissertação (Mestrado em Educação) ? Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1989.

PAVANELLO, Regina M. O abandono do ensino da Geometria no Brasil: causas e consequências. Zetetiké, Campinas, ano 1, n. 1, p. 7-17, 1993.

PINO, Angel. As marcas do humano: as origens da constituição cultural da criança na perspectiva de Lev. S. Vigotski. São Paulo: Cortez, 2005. 303p.

PINO SIRGADO, Angel. O social e o cultural na obra de Vigotski. Educação & Sociedade, ano 21, n. 71, p. 45-78. jul. 2000. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v21n71/a03v2171.pdf Acesso em: 17 out. 2015.

SANTOS, Cleane Aparecida dos; NACARATO, Adair Mendes. Aprendizagem em Geometria na educação básica: a fotografia e a escrita na sala de aula. São Paulo: Autêntica, 2014.

SEIXAS, Sofia. Transtorno do Espectro Autista: Contribuições para a Educação Matemática na perspectiva da Teoria da Atividade. 2015. 126 fl. Dissertação. (Mestrado em Educação Matemática). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2015.

SMAGORINSKY, Peter. Vygotsky and literacy research. USA: Sense Publishers, 2011, 304p.

SMOLKA, Ana Luiza B. Ensinar e significar: as relações de ensino em questão ou das (não) coincidências nas relações de ensino. In: SMOLKA, Ana Luísa B.; NOGUEIRA, Ana Lúcia H. (orgs.). Questões de desenvolvimento humano: práticas e sentidos. Campinas, SP: Mercado das Letras, 2010. p. 107-128.

VIGOTSKI, Lev S. O desenvolvimento psicológico na infância. São Paulo: Martins Fontes, 1998. 326p.

VIGOTSKI, Lev S. Psicologia concreta do homem. Educação & Sociedade: revista quadrimestral de Ciência da educação/CEDES, Campinas, SP, n. 71, Ano XXI, Julho de 2000, p. 21-44.

VIGOTSKI, Lev S. A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2001. 496p.

VYGOTSKI, Lev S. Obras Escogidas III. Madrid: Visor, 1995. 383p.

VYGOTSKI, Lev S. Obras Escogidas V. Madrid: Visor, 1997. 391p.

WERNER, Jairo. Saúde & Educação: desenvolvimento e aprendizagem do aluno. Rio de Janeiro: Gryphus, 2000. 194p.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Iris Aparecida Custódio, Universidade São Francisco

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação da Universidade São Francisco na linha de pesquisa Educação, Sociedade e Processos Formativos.

Cidinéia da Costa Luvison, Docente do Instituto de Ensino Superior de Itapira - IESI, da Rede Municipal de educação de Bragança Paulista e da Rede de Ensino do Estado de São Paulo.

Doutora em Educação pela Universidade São Francisco. Professsora da Educação Básica e da Educação Superior.

Ana Paula de Freitas, USF

Docente do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação da Universidade São Francisco.

Downloads

Publicado

07-02-2018

Como Citar

CUSTÓDIO, I. A.; LUVISON, C. da C.; FREITAS, A. P. de. Modos de conceber, possibilidades de significar: trabalhando com geometria no contexto da inclusão escolar (Ways of conceiving, possibilities of signifying: working with geometry in the school inclusion context). Revista Eletrônica de Educação, [S. l.], v. 12, n. 1, p. 199–217, 2018. DOI: 10.14244/198271992124. Disponível em: https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/2124. Acesso em: 19 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos
##plugins.generic.dates.received## 2017-03-21
##plugins.generic.dates.accepted## 2017-06-26
##plugins.generic.dates.published## 2018-02-07