Projeto de vida e juventude: uma reflexão a partir da noção de vocação e destino

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14244/198271996535

Palavras-chave:

Juventude, Projeto de vida, Vocação, Destino, Adaptação.

Resumo

Este ensaio teórico-bibliográfico propõe uma reflexão entre as noções de vocação e destino e suas relações com o projeto de vida dos jovens na contemporaneidade. Para tanto, busca-se compreender como as inclinações pessoais e as vivências cotidianas dos jovens podem se apresentar como um dos principais elementos da construção desses projetos. Por fim, critica-se uma das finalidades do Ensino Médio apresentada na Base Nacional Comum Curricular homologada em 2007, uma vez que essa supõe o desenvolvimento de competências que possibilitem ao jovem se adaptar com flexibilidade a novas condições de ocupação ou aperfeiçoamento posteriores, tornando isso uma influência em seus “projetos de vida”.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Antonio Marcos Francisco, Universidade Estadual de Minas Gerais (UEMG)

Professor da Faculdade de Pedagogia da Universidade do Estado de Minas Gerais e doutorando em 

educação na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar).

Roseli Esquerdo Lopes, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)

Roseli Esquerdo Lopes possui graduação em Terapia Ocupacional pela Universidade de São Paulo (1979), especialização em Saúde Pública pela Universidade de São Paulo (1980), mestrado em Educação pela Universidade Federal de São Carlos (1991), doutorado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (1999). Realizou estágio de pós-doutorado em Saúde Pública na Universidade de São Paulo (2007). Desde 2012, é Professora Titular do Departamento de Terapia Ocupacional, do Programa de Pós-Graduação em Educação e do Programa de Pós-Graduação em Terapia Ocupacional da Universidade Federal de São Carlos, atua na área de Fisioterapia e Terapia Ocupacional, com ênfase em Terapia Ocupacional e Terapia Ocupacional Social, e na área de Educação, com ênfase em Sociologia da Educação.

Referências

ABBAGNANO, Nicolas. Dicionário de filosofia. 5aed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

ABRAMO, Helena. Identidades juvenis: estudo, trabalho e conjugalidade em trajetórias reversíveis. Em: PINHEIRO, Diógenes et al. (org.). Agenda juventude Brasil: leituras sobre uma década de mudanças. Rio de Janeiro: UNIRIO, 2016. p. 19–59.

BAUMAN, Zygmund. A sociedade individualizada: vidas contatas histórias vividas. Tradução: José Gradel. Rio de Janeiro: Zahar, 2008.

BAUMAN, Zygmunt. Capitalismo parasitário: e outros temas contemporâneos. Tradução: Eliana Aguiar. 1aed. Rio de Janeiro: Zahar, 2010.

BAUMAN, Zygmund. Modernidade líquida. Tradução: Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

BAUMAN, Zygmunt. Vida líquida. Rio de Janeiro: zahar, 2007.

BRASIL. Lei no 13.415 de 16 de fevereiro de 2017. Altera a Lei n o 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília , 2017. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/l13415.htm. Acesso em: 9 maio 2023.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Base Nacional Comum Curricular . Brasília, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/. Acesso em: 5 maio 2023.

BRAUNSTEIN, Philippe. Abordagens da intimidade nos séculos XIV-XV. Em: DUBY, Georges et al. (org.). História da vida privada, 2 : da Europa Feudal à Renascença. São Paulo: Companhia das Letras, 2009. p. 552–648.

CARRANO, Paulo; DAYRELL, Juarez. Formação de professores do ensino médio, etapa I - caderno II: o jovem como sujeito do ensino médio. Curitiba: UFPR/Setor de Educação, 2013.

DOBB, Maurice. Do feudalismo para o capitalismo. Em: SWEEZY, Paul et al. (org.). A Transição do Feudalismo para o Capitalismo. Tradução: Isabel Didonnet. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977. p. 2009–2214.

DUARTE, Newton. O currículo em tempos de obscurantismo beligerante. Em: SAVIANI, Demerval; DUARTE, Newton (org.). Conhecimento escolar e luta de classes: a pedagogia histórico-crítica contra a barbárie. 1aed. Campinas: autores Associados, 2021.

ELIAS, Nobert. A sociedade dos indivíduos. Tradução: Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Zahar, 1994.

GIDDENS, Anthony. Modernidade e identidade . Rio de Janeiro: Zahar, 2002.

LEÃO, Pedro A. A promoção do desenvolvimento vocacional em contexto escolar: o(s) tempo(s) e o(s) modo(s). Revista Portuguesa De Investigação Educacional. Revista Portuguesa De Investigação Educacional, [s. l.], v. 5, p. 63–79, 2006. Disponível em: https://doi.org/10.34632/investigacaoeducacional.2006.3283. Acesso em: 4 maio 2023.

LEHMAN, Yvette Piha. Orientação profissional na pós-modernidade. Em: LEVENFUS, ROSANE SCHOTGUES; SOARES, DULCE HELENA PENNA (org.). Orientação vocacional ocupacional. 2aed. Porto Alegre: Artmed, 2010. p. 19–30.

LEVENFUS, ROSANE SCHOTGUES. Orientação vocacional ocupacional: abordagem clínica psicológica. Em: LEVENFUS, ROSANE SCHOTGUES; SOARES, DULCE HELENA PENNA (org.). Orientação vocacional ocupacional. 2aed. Porto Alegre: Artmed, 2010. p. 117–134.

MANNHEIN, Karl. Diagnóstico de nuestro tiempo . 5aed. México: Fondo de Cultura Economica, 1975.

MARCELINO, Maria Quitéria dos Santos; CATÃO, Maria de Fátima Fernandes Martins; LIMA, Claudia Maria Pereira de. Representações sociais do projeto de vida entre adolescentes no ensino médio. Psicologia: Ciência e Profissão, [s. l.], v. 29, n. 3, p. 544–557, 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_ar ttext&pid=S1414-98932009000300009&lng=pt&tlng=pt.

MARX, Karl. O 18 de brumário de Luís Bonaparte. Tradução: Nélio SCHENEIDER. São Paulo: Boitempo, 2011.

MINAS GERAIS. Currículo Referência de Minas Gerais. Minas Gerais, 2018. Disponível em: https://acervodenoticias.educacao.mg.gov.br/images/documentos/Curr%C3%ADculo%20Refer%C3%AAncia%20do%20Ensino%20M%C3%A9dio.pdf. Acesso em: 1 ago. 2023.

MOSCOVICI, Serge. A representação social da psicanálise. Tradução: Álvaro CABRAL. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

ORTEGA Y GASSET, José. La rebelión de las masas. Madrid: Clásicos Castalia, 1998.

PAIS, José Machado. A construção sociológica da juventude. Alguns contributos. Análise Social, [s. l.], v. XXV, 1990.

PAIS, José Machado. Ganchos, tachos e biscates: jovens, trabalho e futuro. Berlin: GD Publishing / Edições Machado, 2016.

PAIS, José Machado; LACERDA, Miriam Pires Corrêa de; OLIVEIRA, Victor Hugo Nedel. Juventudes contemporâneas, cotidiano e inquietações de pesquisadores em Educação - uma entrevista com José Machado Pais. Educar em Revista, [s. l.], n. 64, 2017.

RONCIÈRE, Charles de la. A vida privada dos notáveis toscanos no limiar da Renascença: da Europa feudal à Renascença. Em: DUBY, Georges et al. (org.). História da vida privada, 2 : da Europa Feudal à Renascença. São Paulo: Companhia das Letras, 2009. p. 166–312.

SAVIANI, Demerval. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. 12oed. Campinas: Autores Associados, 2021.

SEVERINO, Antônio. Educação e ética no processo de construção da cidadania. Em: LOMBARDI, José Claudinei; GOERGEN, Pedro (org.). Ética e educação: reflexões filosóficas e históricas. Campinas: Autores Associados, 2005.

Downloads

Publicado

25-06-2024

Como Citar

FRANCISCO, A. M.; LOPES, R. E. Projeto de vida e juventude: uma reflexão a partir da noção de vocação e destino. Revista Eletrônica de Educação, [S. l.], v. 18, p. e653555, 2024. DOI: 10.14244/198271996535. Disponível em: https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/6535. Acesso em: 17 jul. 2024.

Edição

Seção

Demanda Contínua - Artigos
##plugins.generic.dates.received## 2023-08-08
##plugins.generic.dates.accepted## 2023-10-24
##plugins.generic.dates.published## 2024-06-25