Girl Power! Compondo um currículo com as Spice Girls

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14244/198271994975

Palavras-chave:

Currículo, Relações de Gênero, Cultura pop, Estudos Culturais.

Resumo

Como um acontecimento que sacudiu o mundo no final da década de 1990, as Spice Girls, consideradas o maior fenômeno da música britânica pós-Beatles, conquistaram uma legião de fãs esbanjando carisma, ousadia e diversão na onda do “feminismo popular” de figuras como Madonna. Por meio de uma análise cultural em diálogo com os estudos de gênero, os estudos da cultura pop e as teorias pós-críticas de currículo, são apresentados no artigo depoimentos de fãs da banda com o objetivo de analisar de que forma as Spice Girls operam como um currículo cultural, que aqui chamado de Currículo Girl Power, nos processos de subjetividade que se desenvolvem na relação dos/as fãs com as músicas da banda, bem como na relação estabelecida no seu fandom. Conclui-se que o Currículo Girl Power traz duas temáticas que ganham vida na performance das Spice Girls, no corpo de conhecimentos e nas práticas culturais que produziram o ser/estar no mundo destes jovens e adolescentes: a valorização da amizade e o respeito às diferenças. Como fenômeno pop feminista, as Spice Girls agenciaram experimentações com múltiplas subjetividades conectadas a elas, criando caminhos e fendas nos roteiros, modos e comportamentos de gênero e sexualidade legitimados pela cultura de seu tempo, formando uma geração.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Alcidesio Oliveira da Silva Junior, Universidade Federal da Paraíba (UFPE)

Pedagogo (UFPE), Doutorando e Mestre em Educação - Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Integrante do Ensaio - Vida, Pensamento e Escrita em Educação (UFPB/CNPq) e do Grupo de Pesquisa em Estudos Culturais e Arte/Educação (GPCAE/UFRPE/CNPq). E-mail: ateneu7@gmail.com 

Referências

AMARAL, Adriana; SOARES, Thiago; POLIVANOV, Beatriz. Disputas sobre performance nos estudos de Comunicação: desafios teóricos, derivas metodológicas. Intercom – RBCC, São Paulo, v. 41, n. 1, p. 63-79, jan./abr. 2018.

BONI, Valdete; QUARESMA, Sílvia Jurema. Aprendendo a entrevistar: como fazer entrevistas em Ciências Sociais. Em Tese, v. 2, n. 1, jan./jul. 2005.

CAMOZZATO, Viviane Castro. Da pedagogia às pedagogias – formas, ênfases e transformações. 2012. 203fls. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2012.

CANCLINI, Néstor Garcia. Diferentes, desiguais e desconectados: mapas da interculturalidade. Tradução de Luiz Sérgio Henriques. 3. ed. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2015.

CAZARIN, Ercília Ana. A heterogeneidade discursiva de uma posição-sujeito. In: SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO, 2., 2005, Recife. Anais...Disponível em: http://anaisdosead.com.br/sead2_simposios.html. Acesso em: 09 nov. 2020.

CORNEJO, Giancarlo. Por uma pedagogia queer da amizade. Áskesis, São Carlos, SP, v. 4, n. 1, p. 130-142, 2015.

CRESWELL, John W. Educational research: planning, conducting, and evaluating quantitative and qualitative research. 4th ed. Fourth Edition, 2011.

DRISCOLL, Catherine. Girl Culture, Revenge and Global Capitalism: Cybergirls, Riot Grrls, Spice Girls. Australian Feminist Studies, v. 14, n. 29, p. 173-193, 1999.

FALEIROS, Fabiana et al. Uso de questionário online e divulgação virtual como estratégia de coleta de dados em estudos científicos. Texto Contexto – Enferm., v. 25, n. 04, 2016.

FÉLIX, Jeane; OLIVEIRA, Mariana Lins. A educação não escolar como potencializadora de processos (trans)formativos de jovens universitários/as. Interfaces Científicas, Aracaju, v. 9, n. 3, p. 83-95, 2020.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1987.

FOUCAULT, Michel. O sujeito e o poder. In: DREYFUS, Hupert L.; RABINOW, Paul. Michel Foucault, uma trajetória filosófica: para além do estruturalismo e da hermenêutica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995, p. 231-249.

FOUCAULT, Michel. Ditos & Escritos VI: repensar a política. Tradução de Ana Lúcia Paranhos Pessoa. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

FREITAS, Mayanne Julia Tomaz; FÉLIX, Jeane; CARVALHO, Maria Eulina Pessoa de. Homens podem ser feministas? O pioneirismo dos estudos de masculinidades no Nordeste do Brasil. R. Educ. Públ., Cuiabá, v. 27, n. 66, p. 861-881, set./dez. 2018.

FRITZSCHE, Bettina. Negociando o feminismo pop na cultura jovem feminina: um estudo empírico com fãs de grupos femininos. Estudos Feministas, Florianópolis, v 12, n. 2, p. 106-115, mai./ago. 2004.

GUATTARI, Félix. 01 jan. 2018. Entrevista com Félix Guattari: O que é a Filosofia? O que é um amigo? (1992). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=7ONFPv3p1yg. Acesso em 08 nov. 2020.

GIROUX, Henry. Atos impuros: a prática política dos estudos culturais. Tradução de Ronaldo Cataldo Costa. Porto Alegre: Artmed, 2003.

GIROUX, Henry. Memória e pedagogia no maravilhoso mundo da Disney. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Alienígenas na sala de aula: uma introdução aos estudos culturais em educação. 10. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012, p. 129-154.

GOMES, Lívia Godinho Nery; SILVA JÚNIOR, Nelson da. Experimentação política da amizade: alteridade e solidariedade nas classes populares. Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 23, n. 2, p. 149-158, abr./jun. 2007.

HALL, Stuart. Quem precisa de identidade? In: SILVA, Tomaz Tadeu da. Identidade e diferença: a perspectiva dos Estudos Culturais. 15. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014, p. 103-133.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva & Guacira Lopes Louro. 12. ed. Rio de Janeiro: Lamparina, 2019.

JANOTTI JR., Jeder. Cultura pop: entre o popular e a distinção. In: SÁ, Simone Pereira; CARREIRO, Rodrigo; FERRAZ, Rogério (Orgs.). Cultura pop: Livro Compós 2015. Salvador: EDUFBA; Brasília: Compós, 2015, p. 45-56.

JANOTTI JR., Jeder S. Além do rock: a música pop como uma máquina de agenciamentos afetivos. Revista ECO Pós, v. 19, n. 3, p. 108-123, 2016.

JANOTTI JR., Jeder; ALCANTARA, João André. O videoclipe na era pós-televisiva: questões de gênero e categorias musicais nas obras de Daniel Peixoto e Johnny Hooker. 1. ed. Curitiba: Appris, 2018.

KELLNER, Douglas. Lendo imagens criticamente: em direção a uma pedagogia pós-moderna. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Alienígenas na sala de aula: uma introdução aos estudos culturais em educação. 10. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012, p. 101-128.

LEAL, Tatiane. A invenção da sororidade: sentimentos morais, feminismo e mídia. Tese (Doutorado em Comunicação e Cultura) - Escola de Comunicação, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2019.

LEMISH, Dafna. Spice World: Constructing Feminity the Popular Way. Popular Music and Society, v. 26, n. 1, p. 17-29, 2003.

MAKNAMARA, Marlécio. Currículo, gênero e nordestinidade: o que ensina o forró eletrônico? 2011. 152fls. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2011.

MAKNAMARA, Marlécio. Quando artefatos culturais fazem-se currículo e produzem sujeitos. Reflexão e Ação, Santa Cruz do Sul, v. 27, n. 1, p. 04-18, mai./ago. 2020.

MARTÍN, Asunción Castillo et al. “Spice Girls”: la funcionalidad de la rebeldía. Comunicar: revista científica iberoamericana de comunicación y educación, 10, p. 187-191, 1998.

MCROBBIE, Angela. Pecs and penises: the meaning of girlie culture. Soundings issue, v. 5, p. 157-166, 1997.

MISKOLCI, Richard. Teoria queer: um aprendizado pelas diferenças. 3. ed. rev. e ampl. Belo Horizonte: Autêntica Editora, Universidade Federal de Ouro Preto, 2017.

MOZDZENSKI, Leonardo. Feministas x Stupid Girls: a construção midiática da identidade feminina na cultura pop. In: SÁ, Simone Pereira; CARREIRO, Rodrigo; FERRAZ, Rogério (Orgs.). Cultura pop: Livro Compós 2015. Salvador: EDUFBA; Brasília: Compós, 2015, p. 73-92.

OLIVEIRA, Camila Fernandes de. A cultura de fãs e fandom como perspectiva das práticas participativas de consumo de mídia. In: BULHÕES, Marcelo; MORAIS, Osvado J. de (Orgs.). Ciências da Comunicação: Circularidades teóricas e práticas acadêmicas. Sarapuí, SP: OJM Casa Editorial, 2015, p. 626-651.

ORTEGA, Francisco. Amizade e Estética da Existência em Foucault. Rio de Janeiro: Edições Graal Ltda., 1999.

PARAÍSO, Marlucy. Composições curriculares; culturas e imagens que fazemos e que nos fazem. ETD – Educação Temática Digital, Campinas, v. 9, n. esp., p. 108-125, out. 2008.

PELLIZZARO, Nilmar. A amizade na perspectiva de M. Foucault. Argumentos, Fortaleza, ano 7, n. 14, p. 113-126, jul./dez. 2015.

RABAY, Gloria Freire; CARVALHO, Maria Eulina Pessoa. Participação da mulher no parlamento brasileiro e paraibano. Democracia, Direitos Humanos e Gênero. Org & Demo, Marília, v. 12, n. 1, p. 81-94, jan./jun., 2011.

RANNIERY, Thiago. Manifesto Beyoncé no currículo: a força da música e o brilho erótico do corpo que dança. In: PARAÍSO, Marlucy Alves; CALDEIRA, Maria Carolina da Silva (Orgs.). Pesquisas sobre currículos, gêneros e sexualidades. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2018, p. 199-218.

SILVA, Tomaz Tadeu da. O currículo como fetiche: a poética e a política do texto curricular. 1. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Currículo e identidade social: territórios contestados. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Alienígenas na sala de aula: uma introdução aos estudos culturais em educação. 10. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012, p. 185-202.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.

SILVA JUNIOR, Alcidesio Oliveira da; FREITAS, Mayanne Júlia Tomaz; FÉLIX; Jeane. Corpo e tecnologias digitais: implicações de gênero no futebol feminino. Revista Temas em Educação, João Pessoa, Brasil, v. 28, n. 3, p. 276-294, set./dez. 2019.

SILVA JUNIOR, Alcidesio Oliveira da; FÉLIX, Jeane; COUTO, Edvaldo. Amor, sexo e distância física: pedagogias do webnamoro na pandemia da Covid-19. Revista Educação em Questão, Natal, v. 58, n. 58, p. 1-25, out./dez. 2020.

SILVA JUNIOR, Alcidesio Oliveira da. “Deu match no Tinder!”: Aplicativo virtual de paquera como pedagogia cultural. 2020. 233fls. Dissertação (Mestrado em Educação) –Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2020.

SILVEIRA, Catharina da Cunha; MEYER, Dagmar Elisabeth Estermann; FÉLIX, Jeane. A generificação da intersetorialidade no Programa Saúde na Escola. Rev. Bras. Estud. Pedagog., Brasília, v. 100, n. 255, p. 423-442, maio/ago. 2019.

SOARES, Thiago. Abordagens teóricas para Estudos sobre Cultura Pop. Logos: Comunicação e Universidade, v. 2, n. 24, s/p, 2014.

SOARES, Thiago. Percursos para estudos sobre música pop. In: SÁ, Simone Pereira; CARREIRO, Rodrigo; FERRAZ, Rogério (Orgs.). Cultura pop: Livro Compós 2015. Salvador: EDUFBA; Brasília: Compós, 2015, p. 19-34.

SHUKER, Roy. Vocabulário de música pop. Tradução de Carlos Szlak. 1. ed. São Paulo: Hedra, 1999.

VEIGA-NETO, Alfredo. Olhares...In: COSTA, Marisa Vorraber (Org.). Caminhos investigativos: novos olhares na pesquisa em educação. Porto Alegre: Mediação, 1996, p. 19-35.

WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos Estudos Culturais. 15. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014, p. 07-72.

WORTMANN, Maria Lúcia Castagna. Análises culturais – um modo de lidar com histórias que interessam à educação. In: COSTA, Marisa Vorraber (Org.). Caminhos investigativos II: outros modos de pensar e fazer pesquisa em educação. 2. ed. Rio de Janeiro: Lamparina Editora, 2007, p. 71-90.

Downloads

Publicado

11-04-2023

Como Citar

SILVA JUNIOR, A. O. da . Girl Power! Compondo um currículo com as Spice Girls . Revista Eletrônica de Educação, [S. l.], v. 17, p. e4975031, 2023. DOI: 10.14244/198271994975. Disponível em: https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/4975. Acesso em: 24 jun. 2024.

Edição

Seção

Demanda Contínua - Artigos
##plugins.generic.dates.received## 2022-05-01
##plugins.generic.dates.accepted## 2021-04-19
##plugins.generic.dates.published## 2023-04-11