Condições de trabalho no início da docência: elementos constituintes e repercussões no desenvolvimento profissional

Autores

  • Walkiria de Oliveira Rigolon Universidade Paulista (UNIP)
  • Lisandra Príncepe Universidade Paulista (UNIP)
  • Rodnei Pereira Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS)

DOI:

https://doi.org/10.14244/198271994195

Palavras-chave:

Condições de trabalho, Inserção à docência, Professor iniciante.

Resumo

Este ensaio tem como objetivo problematizar a relação entre condição de trabalho e inserção profissional, considerando que os elementos que constituem as condições de trabalho docente podem repercutir negativamente no desenvolvimento profissional, necessitando serem levados em consideração quando se investiga o fenômeno da evasão e do abandono da carreira, em especial pelos professores iniciantes. Partindo do princípio de que a carreira é um processo de marcação e de incorporação dos indivíduos às práticas e rotinas institucionalizadas das equipes de trabalho, que depende de condições positivas para se consolidar e que é por meio da estruturação da carreira que se manifestam as condições objetivas do trabalho docente, são apontados neste ensaio alguns elementos que compõem a carreira docente, considerados fundantes para a compreensão do desenvolvimento profissional: a) as formas de contratação, b) as jornadas de trabalho, c) o número de alunos por turma, de turmas e de escolas em que o professor iniciante leciona, d) os tempos e espaços de formação ofertados pelas instituições, e) os apoios ofertados a esses profissionais. Defendemos que qualquer análise que se pretenda fazer sobre a inserção profissional na carreira docente precisa contemplar as inúmeras clivagens que incidem diretamente nas relações de trabalho e que adensam ainda mais as dificuldades enfrentadas pelos que começam a exercer o trabalho docente.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Walkiria de Oliveira Rigolon, Universidade Paulista (UNIP)

Doutora em Educação: Psicologia da Educação (PUC-SP), Professora Titular da Universidade Paulista (UNIP). Professora Titular PEBI, da SEE-SP.

Lisandra Príncepe, Universidade Paulista (UNIP)

Doutora em Educação: Psicologia da Educação (PUC-SP), Professora Titular da Universidade Paulista (UNIP).

Rodnei Pereira, Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS)

Doutor em Educação: Psicologia da Educação (PUC-SP), Professor Titular da Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS), Programa de Mestrado Profissional em Educação.

Referências

BLOMMAERT, Jan. Ethnography, superdiversity and linguistic landscapes: chronicles of complexity. Bristol: Multilingual Matters, 2013. 144 p.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, [2016]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/ Constituicao.htm. Acesso em: 1 jan. 2017.

BRASIL. Lei nº 11.738, de 16 de Julho de 2008. Regulamenta a alínea “e” o inciso III do caput do art. 60 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o piso salarial profissional nacional para os profissionais do magistério público da educação básica. Diário Oficial da União, Poder Legislativo, Brasília, DF, 17 jul. 2008. p. 1. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11738.htm>. Acesso em: 12 out. 2015.

CASTEL, Robert. As metamorfoses da questão social: uma crônica do salário. Petropolis, RJ: Vozes, 1998. 611 p.

CATANI, Denise Bárbara; BUENO, Belmira Oliveira; SOUZA, M. Cecília C.C.; SOUSA, Cynthia Pereira de (org.). Docência, memória e gênero: estudos sobre formação. São Paulo: Escrituras, 1997. 111 p.

ELIAS, Norbert. A Sociedade dos indivíduos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1994. 224 p.

ELIAS, Norbert; SCOTSON, John. Os estabelecidos e os outsiders. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2000. 228 p.

GATTI, Bernardete Angelina. Reconhecimento social e as políticas de carreira docente na educação básica. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 42, n. 145, p. 88-111, abr. 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-15742012000100007. Acesso em: 07 jul. 2014.

GATTI, Bernardete Angelina. Educação, escola e formação de professores: políticas e impasses. Educar em Revista, Curitiba, n. 50, p. 51-67, dez. 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40602013000400005&lng=pt&tlng=pt. Acesso em: 07 abr. 2020.

GATTI, Bernardete Angelina; BARRETO, Elba Siqueira de Sá (coord.). Professores do Brasil: impasses e desafios. Brasília: UNESCO, 2009. E-book. Disponível em https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000184682. Acesso em: 21 nov. 2015. 285 p.

GATTI, Bernadete Angelina; BARRETTO, Elba Siqueira de Sá; ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo de Afonso. Políticas docentes no Brasil: um estado da arte. Brasília, DF: UNESCO, 2011. E-book. Disponível em: https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000212183. Acesso em: 10 ago. 2018.

GOFFMAN, Erving. A representação do eu na vida cotidiana. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 1988. 231 p.

GONÇALVES, José Alberto Mendonça. A carreira das professoras do ensino primário. In: NÓVOA, Antonio (org). Vida de professores. 2 ed. Porto: Porto Editora, 2013. p. 141-169.

INSTITUTO PAULO MONTENEGRO. Ser professor: uma pesquisa sobre o que pensa o docente das principais capitais brasileiras. In: FUNDAÇÃO VICTOR CIVITA (São Paulo). Estudos & Pesquisas Educacionais. São Paulo: Fundação Victor Civita, 2010. p. 17-61. E-book. Disponível em: https://abrilfundacaovictorcivita.files.wordpress.com/2018/04/estudos_e_pesquisas_educacionais_vol_1.pdf. Acesso em: 07 mar. 2017.

LAVAL, Christian. A escola não e? uma empresa: o neoliberalismo em ataque ao ensino público. Londrina: Planta, 2004. 324 p.

LIMA, Emília Freitas de et al. Sobrevivendo ao início da carreira docente e permanecendo nela: como? por quê? o que dizem alguns estudos. Educação & Linguagem, São Paulo, v. 10, n. 15, p. 138-160, jul. 2007. Disponível em: https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/EL/article/view/161/171. Acesso em: 15 ago. 2015.

LINHART, Danièle. Modernisation et précarisation de la vie au travail. Papeles del CEIC. [s.l.], vol. 43, p. 1-19, mar. 2009. Disponível em: https://www.semanticscholar.org/paper/Modernisation-et-pr%C3%A9carisation-de-la-vie-au-travail-Linhart/1ce7e477f72942fae0d2d50b7b1d4938cd039c68. Acesso em: 31 maio 2018.

LÜDKE, Menga; BOING, Luiz Alberto. Caminhos da profissão e da profissionalidade docentes. Educação & Sociedade, Campinas, v. 25, n. 89, p. 1159-1180, dez. 2004. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0101-73302004000400005&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 25 jun. 2017.

MARCELO GARCÍA, Carlos. Formação de Professores: para uma mudança educativa. Porto: Editora Porto, 1999. 271 p.

MARCELO, Carlos. O professor iniciante, a prática pedagógica e o sentido da experiência. Formação Docente: Revista Brasileira de Pesquisa sobre Formação de Professores, [s.l.], v. 2, n. 3, p. 11-49, ago./dez. 2010. Disponível em: https://revformacaodocente.com.br/index.php/rbpfp/article/view/17. Acesso em: 7 jul. 2014.

MARCELO, Carlos. Desenvolvimento Profissional Docente: passado e futuro. Sísifo: Revista de Ciências da Educação, Lisboa, n. 8, p. 7-22, abr. 2009. Disponível em: https://idus.us.es/bitstream/handle/11441/29247/Desenvolvimento_profissional_docente.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 01 abr. 2017.

MEIRIEU, Philippe. Cartas a um jovem professor. Porto Alegre: Artmed, 2006. 95 p.

OLIVEIRA, Dalila Andrade; ASSUNÇÃO, Ada Ávila Condições de trabalho docente. In: OLIVEIRA, Dalila Andrade; DUARTE, Adriana Cancella; VIEIRA, Lívia Fraga. Dicionário: trabalho, profissão e condição docente. Belo Horizonte: UFMG/Faculdade de Educação, 2010. on-line. Disponível em: http://gestrado.net.br/?pg=dicionario-verbetes&id=390. Acesso em: 08 ago. 2013.

PEREIRA, Rodnei. O desenvolvimento profissional de um grupo de coordenadoras pedagógicas iniciantes: movimentos e indícios de aprendizagem coletiva, a partir de uma pesquisa-formação. 251 f. Tese (Doutorado em Educação: Psicologia da Educação) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2017.

PINTO, José Marcelino Rezende. Remuneração adequada do professor: desafio à educação brasileira. Retratos da Escola, Brasília, v. 3, n. 4, p. 51-67, jun. 2009. Disponível em: http://retratosdaescola.emnuvens.com.br/rde/article/view/101/290. Acesso em: 03 abr. 2013.

PRÍNCEPE, Lisandra Marisa. Condições de trabalho e Desenvolvimento profissional de professores iniciantes em uma Rede Municipal de Educação. 2017. 231 f. Tese (Doutorado em Psicologia da Educação) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2017.

RIGOLON, Walkiria de Oliveira. O que muda quando tudo muda? Uma análise do trabalho docente dos professores alfabetizadores do Estado de São Paulo. 2013. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação da Universidade Estadual de Campinas, Campinas, São Paulo, 2013.

SAMPAIO, Maria das Merce?s Ferreira; MARIN, Alda Junqueira. Precarização do trabalho docente e seus efeitos sobre as práticas curriculares. Educação & Sociedade, [s.l.], v. 25, n. 89, p. 1203-1225, dez. 2004. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0101-73302004000400007&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 19 out. 2017.

SENNETT, Richard. A corrosão do caráter: consequências pessoais do trabalho do novo capitalismo. 11. ed. Rio de Janeiro: Record, 2006. 204 p.

SOARES NETO, Joaquim José et al. Uma escala para medir a infraestrutura escolar. Estudos em avaliação educacional, São Paulo, v.24, n.54, p. 78-99, abr. 2013. Disponível em: http://publicacoes.fcc.org.br/ojs/index.php/eae/issue/view/163/showToc. Acesso em: 18 nov. 2016.

SOUZA, Aparecida N. de. Condições de trabalho na carreira docente: comparação Brasil-França. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE LA REDESTRADO, 7., 2008, Buenos Aires. Anais eletrônicos... Buenos Aires: Redestrado, 2008. Disponível em: http://redeestrado.org/?page_id=134. Acesso em: 05 maio 2017.

SOUZA, Aparecida Neri de. Relações de trabalho docente: emprego e precarização do trabalho. In: PINO, Ivany Rodrigues; ZAN, Dirce Djanira Pacheco (org.). Plano Nacional da Educação (PNE): questões desafiadoras e desafios emblemáticos. Brasília: Inep, 2013. p. 155-167.

TARDIF, Maurice. A profissionalização do ensino passados trinta anos: dois passos para a frente, três para trás. Educação & Sociedade. [s.l.) 34, n. 123, 2013, p. 551-571. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302013000200013. Acesso em 05 maio 2017.

TARDIF, Maurice; RAYMOND, Danielle. Saberes, tempo e aprendizagem do trabalho no magistério. Educação & Sociedade, Campinas, v. 21, n. 73, p209-244, dez. 2000. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0101-73302000000400013&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em 05 maio 2017.

ZARAGOSA. José Manuel Esteve. O mal-estar docente: a sala-de-aula e a saúde dos professores. Bauru: EDUSC, 1999. 175 p.

Downloads

Publicado

09-10-2020

Como Citar

RIGOLON, W. de O.; PRÍNCEPE, L.; PEREIRA, R. Condições de trabalho no início da docência: elementos constituintes e repercussões no desenvolvimento profissional . Revista Eletrônica de Educação, [S. l.], v. 14, p. e4195117, 2020. DOI: 10.14244/198271994195. Disponível em: https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/4195. Acesso em: 25 jun. 2024.

Edição

Seção

Dossiê Formação e inserção profissional de professores iniciantes: conceitos e práticas
##plugins.generic.dates.received## 2020-04-19
##plugins.generic.dates.accepted## 2020-06-10
##plugins.generic.dates.published## 2020-10-09