Sociedade Multitela e a Semiformação: um desafio ético de grande monta

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14244/198271993753

Palavras-chave:

Semiformação, Tecnologia, Ética, Teoria Crítica.

Resumo

O substrato teórico, nesse texto, é refletir, urdidos pelos fundamentos da Teoria Crítica da Sociedade, acerca da semiformação (Halbbildung) na “sociedade multitela”, mediada pelas novas tecnologias. De modo particular, analisar sobre o processo formativo em meio ao cenário atual, marcado pela massificação da técnica e pelo embrutecimento do pensar crítico, afastando o pensamento crítico no que tange a formação humana e ética. A formação cultural ou a experiência formativa tem se conformado aos marcos do capitalismo tardio e do progresso técnico, que, de fato, são comandados pela racionalidade tecnológica, favorecendo, desse modo, o florescimento da semiformação. A metodologia, de cunho bibliográfico, ancora nossa reflexão em M. Horkheimer e T. W. Adorno, pensadores da primeira geração da Escola de Frankfurt, e de leituras secundárias. O foco de nossa pesquisa centra-se nas novas tecnologias desta “sociedade multitela”, que facilmente se entrega à tutela da razão instrumental e descamba na semiformação. Como resultado, uma possível saída está na formação e numa cultura (Bildung) capaz de uma autorreflexão crítica sobre a semiformação em que se converteu. O desafio ético posto é a necessidade da reflexão teórico-prática enquanto tomada de posição humana contra esse estado de barbárie, em favor do próprio ser humano, autônomo, livre, sujeito.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Marta Regina Furlan de Oliveira, UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA

Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Estadual de Londrina (1999), mestrado em Educação pela Universidade Estadual de Maringá (2003) e doutorado em Educação pela Universidade Estadual de Maringá (2011) e pós doutorado em educação pela Universidade Paulista Julio de Mesquita Filho. Atualmente é professora avaliadora da Fundação Araucária de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico e professora adjunto do departamento de educação e do programa de pós graduação Mestrado em Educação da Universidade Estadual de Londrina. Atua como coordenadora do Curso de Especialização em Trabalho Pedagógico na Educação Infantil da UEL. Vice coordenadora do Colegiado de Pedagogia da UEL. Coordenadora da Comissão de Pesquisa do Depto de Educação da UEL. Líder do GEPEI - Grupo de Estudos e Pesquisa em Educação e Infância da UEL. Coordenadora do Projeto de Pesquisa: Indústria Cultural, Educação e Trabalho Docente na primeira infância: da semiformação à emancipação humana da UEL. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Formação de Professores, Indústria Cultural e Educação Infantil.

Nilo Agostini, Universidade São Francisco

Pós-doutor em Educação pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), com estágio na Escola de Altos Estudos de Paris, em 2018. Doutor em Teologia pela Universidade de Ciências Humanas de Strasbourg II, França, em 1989, onde obteve também o Diploma de Estudos Aprofundados (D.E.A.), em 1986, e o mestrado, em 1985. É Bacharel em Teologia pela Faculdade Dehoniana, Taubaté, SP (2008), por aproveitamento do curso livre de Teologia do Instituto Teológico Filosófico Franciscano, Petrópolis, RJ (1983). É professor, pesquisador, escritor, conferencista. Hoje atua como professor e pesquisador na Universidade São Francisco (USF), de Bragança Paulista SP, integrando o corpo de docentes do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação da USF. É autor de mais de uma dezena de livros, várias dezenas de artigos em periódicos especializados e bom número de participações em obras coletivas. Tem igualmente publicado matérias em revistas e jornais. Pertence ao corpo editorial das Revistas Caminhos (Goiânia) e Contemplação (Marília), bem como faz parte co Conselho Científico da Revista Eclesiástica Brasileira. Desenvolve o seu trabalho na área da Teologia e da Educação, com ênfase em Ética e Moral, bem como em autores como Paulo Freire e Walter Benjamin.

Referências

ADORNO, T. W. Mínima Moralia. Tradução de Luiz Eduardo Bicca. São Paulo: Ática, 1992a.

ADORNO, T. W. Quatro textos básicos. Org. e trad. de Newton Ramos-de-Oliveira. Textos de circulação interna. Araraquara: UNESP; São Carlos: UFSCar, 1992b.

ADORNO, T. Educação e emancipação. Trad. Wolfgang Leo Maar. São Paulo: Paz e Terra, 1995.

ADORNO, T. W. Teoria da semiformação. Tradução de Newton Ramos-de-Oliveira. São Carlos: Grupo de Estudos e Pesquisa Teoria Crítica e Educação, 2003, inédito.

ADORNO, T. W; HORKHEIMER, M. Dialética do Esclarecimento: fragmentos filosóficos. Tradução: Guido Antônio de Almeida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1985.

AGOSTINI, N. Ética: Raiz do Humano, Coração da Sociedade. Atualidade Teológica, PUC-Rio, v. 11, n. 26, p. 217-234, maio/ago. 2007.

AGOSTINI, N.; SILVA, L. B. O.; SILVEIRA, C. R. Educação e ética: O desafio de formar sujeitos éticos. II Congreso latinoamericano por la paz. Memorias – Grupos de Trabajo. Lima: Centro de Investigación Jurídica Essentia Iuris, 2017. p. 199-212.

BERNARDO, J. A complexa arquitectura da futilidade. In: TAVARES, R. H.; GOMES, S. S (Orgs.). Sociedade, educação e redes: desafios à formação crítica. Araraquara, SP: Junqueira & Marin, 2014. pp. 57-77.

FANTIN, M.; GIRARDELLO, G. (Orgs.). Liga, roda, clica: Estudos em mídia, cultura e infância. 1. reimp. Campinas: Papirus, 2012. pp. 41-56.

FREIRE, P. Conscientização. Teoria e prática da libertação. Uma introdução ao pensamento de Paulo Freire. São Paulo: Centauro, 2008.

HORKHEIMER, M. Eclipse da razão. Tradução de Sebastião Uchoa Leite. São Paulo: Centauro, 2002.

KANT, I. Crítica da razão pura. Trad. Valério Rohden e Udo B. Moosburger. São Paulo: Abril Cultural, 1980. (Coleção os pensadores)

MARCUSE, H. Razão e Revolução: Hegel e o advento da Teoria Social. 4 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

PRADO, M. E. B. B. O uso do computador na formação do professor: um enfoque reflexivo da prática pedagógica. Brasília: MEC/PROINFO, 1999 (Coleção Informática para mudança na Educação). Disponível em:<http://www.unirevista.unisinos.br/_pdf/UNIrev_Vianna.pdf>. Acesso em: 10 fev. 2019.

PUCCI, B. A escola e a semiformação mediada pelas novas tecnologias. In: PUCCI, B.; ALMEIDA, J. de; LASTÓRIA, L. A. C. N. (Orgs.). Experiência formativa e educação. São Paulo: Nankin, 2009. pp. 69-79.

PUCCI, B.; ZUIN, A. A. S.; LASTÓRIA, L. A. C. N. (Orgs.). Teoria crítica e inconformismo: novas perspectivas de pesquisa. Campinas, SP: Autores Associados, 2010 (Coleção Educação Contemporânea).

RAMOS-DE-OLIVEIRA, N. Para não imobilizar o conceito de indústria cultural. In: VAIDERGORN, J.; BERTONI, L. M. (Orgs.). Indústria Cultural e Educação: ensaios, pesquisas, formação. Araraquara, SP: JM, 2003. pp. 115-121.

RODRIGUES, N. Educação: Da formação humana à construção do sujeito ético. Educação & Sociedade, Campinas, v. 22, n. 76, pp. 232-257, 2001.

TÜRCKE, C. Sociedade excitada: filosofia da sensação. Campinas, SP: Unicamp, 2010.

Publicado

03-03-2020

Como Citar

OLIVEIRA, M. R. F. de; AGOSTINI, N. Sociedade Multitela e a Semiformação: um desafio ético de grande monta. Revista Eletrônica de Educação, [S. l.], v. 14, p. e3753069, 2020. DOI: 10.14244/198271993753. Disponível em: https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/3753. Acesso em: 23 jun. 2024.

Edição

Seção

Demanda Contínua - Artigos
##plugins.generic.dates.received## 2019-10-12
##plugins.generic.dates.accepted## 2020-01-20
##plugins.generic.dates.published## 2020-03-03