Modos de viver, partilhar e construir experiências na Pedagogia Griô

Autores

  • Luciana de Araújo Pereira Universidade do Estado da Bahia - UNEB. Doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Educação e Contemporaneidade - PPGEduC
  • Charles Maycon deAlmeida Mota Universidade do Estado da Bahia - UNEB Doutorando do Programa de Pós-graduação em Educação e Contemporaneidade - PPGEduC http://orcid.org/0000-0001-5927-3466
  • Fabrício Oliveira da Silva Universidade do Estado da Bahia Professor assistente da Universidade do Estado da Bahia, lotado no Departamento de Ciências Humanas e Tecnologias - DCHT - Campus XVI http://orcid.org/0000-0002-7962-7222

DOI:

https://doi.org/10.14244/198271993060

Palavras-chave:

Narrativas, Pedagogia Griô, Tradição oral.

Resumo

Este trabalho aborda a oralidade como princípio educativo da Pedagogia Griô a partir das memórias da comunidade quilombola Remanso/BA. Tem como objetivo central analisar, nas narrativas dos protagonistas da Trilha Griô do Quilombo, à luz das práticas e eventos de letramento, a importância da tradição oral para a manutenção da memória coletiva e da identidade do grupo. Memória, identidade e tradição oral de ensinamentos emergem como categorias principais que dão contorno às discussões sobre a Pedagogia Griô.  É um estudo que se fundamenta nos princípios da pesquisa qualitativa por revelar modos de viver, partilhar, narrar e construir sentidos para as experiências vividas e memoralizadas por uma comunidade. Nesta seara, as entrevistas foram elementos fundantes para que se pudesse revelar saberes e práticas orais como forma de ensinamentos entre sujeitos de diferentes gerações. Entre alguns resultados, o trabalho permitiu concluir que ouvir os mais velhos e reconhecê-los como fonte de memória é cuidar da própria história da comunidade. É uma forma de usar a oralidade para valorizar aqueles que formaram este povo que tem orgulho de suas conquistas, e que por este feito constroem uma Pedagogia Griô, que tem na oralidade seu fundamento basilar. Conclui-se, ainda, que a escola é o lócus principal para se adquirir conhecimento na comunidade, mas para isso ela não deve se distanciar da cultura local, das suas tradições, da maneira da comunidade pensar e de suas práticas, uma vez que, tradição cultural ainda resiste no cotidiano destas populações.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Luciana de Araújo Pereira, Universidade do Estado da Bahia - UNEB. Doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Educação e Contemporaneidade - PPGEduC

Doutoranda em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação e Contemporaneidade - PPGEduC da Universidade do Estado da Bahia - UNEB. Mestre em Estudos Linguísticos pela Universidade Estadual de Feira de Santana - UEFS. Professor substituto da Universidade do Estado da Bahia, lotado no Departamento de Ciências Humanas e Tecnologias - DCHT - Campus XVI. Membro do grupo de pesquisa Docência, Narrativas e Diversidade – DIVERSO.

Charles Maycon deAlmeida Mota, Universidade do Estado da Bahia - UNEB Doutorando do Programa de Pós-graduação em Educação e Contemporaneidade - PPGEduC

Possui graduação em Pedagogia pelo Instituto Superior de Ensino Capimgrossense (2009), e em Matemática pela Universidade do Estado da Bahia (2015), Especialista em Psicopedagogia Clínica e Institucional pelo Instituto Brasileiro de Pesquisa e Extensão (2012), Mestre em Educação e Diversidade pela Universidade do Estado da Bahia (2016). É professor da Educação Básica e Psicopedagogo no Centro de Referência ao Apoio Pedagógico no município de Várzea do Poço - BA, pesquisador no DIVERSO - Grupo de Pesquisa Docência, Narrativas e Diversidade e no DIFEBA - Diversidade, Formação, Educação Básica e Discurso. Doutorando em Educação e Contemporaneidade no Programa de Pós-graduação em Educação e Contemporaneidade pela Universidade do Estado da Bahia. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Coordenação Pedagógica, atuando principalmente nos seguintes temas: identidade, diversidade, formação de professores e educação do campo.

Fabrício Oliveira da Silva, Universidade do Estado da Bahia Professor assistente da Universidade do Estado da Bahia, lotado no Departamento de Ciências Humanas e Tecnologias - DCHT - Campus XVI

Doutor em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação e Contemporaneidade - PPGEduC da Universidade do Estado da Bahia - UNEB. Mestre em Filologia e Língua Portuguesa pela Universidade de São Paulo - USP. Professor assistente da Universidade do Estado da Bahia, lotado no Departamento de Ciências Humanas e Tecnologias - DCHT - Campus XVI. Membro do grupo de pesquisa Docência, Narrativas e Diversidade – DIVERSO.

Referências

ASSOCIAÇÃO GRÃOS DE LUZ E GRIÔ. Memória popular e reflexão. Lençóis, 2004.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2004.

BARZANO, Marco Antônio Leandro. Griô: dobras e avessos de uma ONG-Pedagogia-Ponto de Cultura. Feira de Santana: UEFS Editora, 2013.

BENJAMIN, Walter. O Narrador. In: Obras escolhidas I: Magia e técnica, arte e política. 10. ed. Tradução: Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1986.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. A cultura na rua. Campinas, SP: Papirus,1989.

CASCUDO, Luis da Câmara. Literatura Oral no Brasil. 3ed. Belo Horizonte: Itatiaia & Editora da Universidade de São Paulo, 1984.

CERTEAU, Michel; GIARD, Luce; MAYOL, Pierre. A invenção do cotidiano: morar, cozinhar. Tradução de Ephraim F. Alves e Lúcia Endlich Orth. Petrópolis, RJ: Vozes,1996.

CORACINI, Maria José; GHIRALDELO, Claudete Moreno. Nas malhas do discurso: memória imaginário e subjetividade. Formação de professores (línguas materna e estrangeiras), leitura e escrita. Campinas: Pontes, 2011.

COUTINHO, Representações sociais e práticas de pesquisa. João Pessoa: UFPB, editora universitária, 2005.

DAMATTA, Roberto. Relativizando: uma introdução à Antropologia Social. Rio de Janeiro: Rocco, 1991.

DELGADO, Lucilia de Almeida Neves. História oral: memória, tempo, identidade. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. São Paulo: Cortez, 1986.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. Lembrar escrever esquecer. São Paulo: Editora 34, 2006.

GIL, A.C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 1999.

GOLDENBERG, Mirian. A arte de pesquisar: como fazer pesquisa qualitativa em ciências sociais. Rio de Janeiro: Record,1999.

JOVCHELOVITCH, Sandra; BAUER, Martin W. Entrevista narrativa. In: BAUER, Martin W.; GASKELL, George. (Org.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

KLEIMAN, Ângela B. (Org.). Os significados do letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social da escrita. Campinas: Mercado das Letras, 1995.

LE GOFF, Jacques. História e memória. Trad. Bernardo Leitão (et al.). Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 1994.

MATOS, Gislayne Avelar. A palavra do contador de histórias: sua dimensão educativa na contemporaneidade. 2003. Dissertação (Mestrado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2003.

MEIHY, José Carlos Sebe Bom. Manual de história oral. São Paulo: Loyola, 2005.

MINAYO, M.C (org.), et al. Avaliação por triangulação de métodos: abordagens de programas sociais. Rio de Janeiro: editora Fiocruz, 2005.

MIZIARA, Karina Braga. Quem conta um conto, encontra um ponto: um estudo fenomenológico da experiência de contar histórias como forma de enraizamento. 2005. Dissertação (Mestrado em Psicologia Social). Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2005.

MOLL, Jaqueline. Histórias de Vida, histórias de escola: Elementos para uma pedagogia da cidade. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.

NORA, Pierre. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Projeto História, São Paulo, n 10, p. 7-28, dez. 1993.

OLIVEIRA, Paulo de Salles, Vidas Compartilhadas: Cultura e co-cultura de gerações na vida cotidiana. São Paulo: Hucitet; Fapesp, 1999.

PACHECO, Líllian. Pedagogia griô: a reinvenção da roda da vida. Lençóis: Grãos de Luz e Griô, 2006.

PACHECO, Líllian; SANTINI, Alexandre. Grãos de Luz e ação Griô: articulação, formação, patrimônio, identidade, as tradições da oralidade na cultura brasileira. Almanaque Cultura viva, 2010.

PACHECO, Líllian. Lei Griô: a vez e a voz da cultura popular. Revista Presente. Ano 16, p.57. Editora Loyola, São Paulo, 2008.

PETROVICH, Carlos; MACHADO, Vanda. IrêAyó: mitos afro-brasileiros. Salvador: EDUFBA, 2004.

POLLAK, Michael. Memória e identidade social. In: Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 5, n. 10, 1992.

RONDELLI, Beth. O narrado e o vivido. Rio de Janeiro: FUNARTE/IBAC, 1993.

SCHMIDT, Maria Luisa S.; MAHFOUD, Miguel. Halbwachs: Memória Coletiva e Experiência. Psicologia USP, 1993.

SENNA, Ronaldo. Jarê: uma face do candomblé: manifestação religiosa na Chapada Diamantina. Bahia: Ed. UEFS, 1998.

SILVA, Denise Guerreiro Vieira da; TRENTINI Mercedes. Narrativas como técnica de pesquisa em enfermagem. Rev. Latino-Am. Enfermagem, v. 10, n 3, maio/jun. 2002.

SIMSON, Olga Rodrigues de Moraes Von, org. Os Desafios Contemporâneos da História Oral. Campinas: Área de Publicações CMU/Unicamp, 1997.

WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: Identidade e diferença – a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis Vozes, 2000.

ZUMTHOR, Paul. A Letra e a voz: a “literatura” medieval. Tradução Amálio Pinheiro, Jerusa Ferreira, São Paulo, Companhia das Letras, 1993.

ZUMTHOR, Paul. Introdução à poesia oral. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

Downloads

Publicado

15-01-2020

Como Citar

PEREIRA, L. de A.; MOTA, C. M. deAlmeida; SILVA, F. O. da. Modos de viver, partilhar e construir experiências na Pedagogia Griô. Revista Eletrônica de Educação, [S. l.], v. 14, p. e3060025, 2020. DOI: 10.14244/198271993060. Disponível em: https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/3060. Acesso em: 25 jun. 2024.

Edição

Seção

Demanda Contínua - Artigos
##plugins.generic.dates.received## 2018-10-12
##plugins.generic.dates.accepted## 2019-05-02
##plugins.generic.dates.published## 2020-01-15