Gestão, financiamento e (des)valorização da educação em Alagoas (2007-2014) (Management, financing and (de)valuation of education in Alagoas (2007-2014))

Autores

  • Jailton de Souza Lira Universidade Federal da Paraíba
  • Jorge Fernando Hermida UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA (UFPB)

DOI:

https://doi.org/10.14244/198271992031

Resumo

Abstract

This article analyzes the consequences of the Vilela Filho administration (2007-2010 and 2011-2014) for state public education in Alagoas (Brazil) in the context of the political, economic and social conjuncture resulting from the process of reformulation of the capitalist system in the midst of its structural crisis initiated in the last decades. In Alagoas public education, it specifically investigates the consequences of public policies of a neoliberal nature implemented in the quality of education, in the management and fnancing model implemented, in the training and valuation of education professionals, and in reflecting on the effective working conditions of these professionals. From the methodological point of view, this is a qualitative, documentary and methodological research using the contributions of historical-dialectical materialism. The study concludes that the educational policies of the Vilela Filho government were against the policies approved by the Federal Government in this period. While the Federal Government expanded its sphere of state action with greater attention to social policies - with all the contradictions already indicated regarding macroeconomic policy - in Alagoas the neoliberal policies of the Vilela Filho government
concretized a blatant attack on the rights of public servants, with the support of the hegemonic groups that controlled the significant majority of public and private apparatuses, among them the Legislative Assembly, the Judiciary, most municipal governments and the mass media.
Keywords: Educational policies, School management, Neoliberalism, Educational financing.

Resumo

Este artigo analisa as consequências da gestão do governo Vilela Filho (2007-2010 e 2011-2014) para a educação pública estadual em Alagoas (Brasil), no contexto da conjuntura política, econômica e social resultante do processo de reformulação do sistema capitalista em meio à sua crise estrutural iniciada nas últimas décadas. Na educação pública alagoana,
investiga especificamente as consequências das políticas públicas de natureza neoliberal na qualidade do ensino, no modelo de gestão e fnanciamento implementados, na formação e valorização dos profssionais da educação, além de refletir sobre as efetivas condições de trabalho destes profssionais. Do ponto de vista metodológico, trata-se de uma pesquisa de natureza qualitativa, documental e utiliza as contribuições do materialismo histórico-dialético. O estudo conclui que as políticas educacionais do governo Vilela Filho foram na contramão das políticas aprovadas pelo Governo Federal nesse período. Enquanto o Governo Federal expandiu sua esfera de atuação estatal com maior atenção às políticas sociais – com todas as contradições no que se refere à política macroeconômica –, em Alagoas as políticas neoliberais do governo Vilela Filho concretizaram um contundente ataque aos direitos dos servidores públicos, com a sustentação dos grupos hegemônicos que controlavam a significativa maioria dos aparelhos públicos e privados, dentre estes a
Assembleia Legislativa, o Poder Judiciário, a maioria das prefeituras municipais e os meios de comunicação de massa.
Palavras-chave: Políticas educacionais, Gestão escolar, Neoliberalismo, Financiamento educacional.

References

ALAGOAS. Lei nº 6.757, de 03 de agosto de 2006. Plano Estadual de Educação (2006-2015). Maceió: Imprensa Oficial, 2006a.

ALAGOAS. Lei nº 6.768 de 14 de novembro de 2006. Plano de Cargos e Carreiras dos Cargos de Apoio e Administrativos dos Profissionais em Educação. Maceió: Imprensa Oficial, 2006b.

ALAGOAS. Conselho de Controle Social do Fundeb. Nota Técnica. Maceió, 2012.

ALAGOAS. Plano Estadual de Educação (2015-2025). Versão preliminar. Fórum Estadual de Educação, 2015. Disponível em http://www.maceio.al.gov.br/wp-content/uploads/admin/documento/2015/06/PEE-2015.pdf. Acesso em: 15 dez.2017.

ALAGOAS. Lei nº 7.795, de 22 de janeiro de 2016. Plano Estadual de Educação (2006-2015). Maceió: Imprensa Oficial, 2016.

ALMEIDA, Monica Piccolo. Reformas neoliberais no Brasil: as privatizações nos governos Fernando Collor e Fernando Henrique Cardoso. 2010. 427p. Tese. (Doutorado em História). Rio de Janeiro: Universidade Federal Fluminense, 2010.

ALMEIDA, Milton Canuto. Sessão Especial da Assembleia Legislativa de Alagoas. PNE. Maceió, 2014.

ARELARO, Lisete R.G. Formulação e implementação das políticas públicas em educação e as parcerias público-privadas: impasse democrático ou mistificação política?. Educ. Soc. [online], vol.28, n.100, p.899-919, 2007.

BRASIL. Emenda Constitucional nº 53, de 19 de dezembro de 2006, que cria o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais de Educação (FUNDEB). Brasília: Diário Oficial da União, 2006.

BRASIL. Lei no. 10.172, de 9 de janeiro de 2001. Estabelece o Plano Nacional de Educação. Brasília: Diário Oficial da União, 2001.

BRASIL. Lei no. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. LDBEN: Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF: Câmara dos Deputados, 1996a.

BRASIL. Lei no. 9.424, de 24 de dezembro de 1996. Institui o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério (FUNDEF). Brasília: Diário Oficial da União, 1996b.

BRASIL. Constituição (1998). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1998.

BRESSER PEREIRA, L. C. A reforma do Estado nos anos 90: lógica e mecanismos de controle. São Paulo: Revista Lua Nova, nº 45, 1998, p. 49- 95.

CARDOSO, Fernando Henrique. Mãos à obra Brasil: proposta de governo. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, 2008.

CARDOSO, Clementina Marques.  Governar o Estado para a participação de entidades privadas na provisão, financiamento e gestão dos sistemas educativos na União Europeia. Educ. Soc., Campinas, vol. 30, n. 108, p. 819843, out. 2009. Disponível em: http://www.cedes.unicamp.br. Acesso em 01 dez. 2015.

CARVALHO, Fabrício Aarão Freire. Financiamento da educação: do Fundef ao Fundeb- repercussões da política de fundos na valorização docente da rede estadual de ensino do Paraná -1996 a 2009. 2012. 267p. Tese (Doutorado em Educação). São Paulo: Universidade de São Paulo, 2012.

CONTRERAS, J. A autonomia dos professores. São Paulo: Cortez, 2002.

DIÓGENES, Elione Maria Nogueira. Ensino Médio no Brasil: consensos e dissensos - Um estudo de avaliação de políticas públicas no campo da educação brasileira. Curitiba: Editora CRV, 2013.

EDNIR, Madza; BASSI, Marcos (org.). Bicho de sete cabeças: para entender o financiamento da educação brasileira. São Paulo: Peirópolis, Ação Educativa, 2009.

ENGUITA, Mariano Fernández. A ambiguidade da docência: entre o profissionalismo e a proletarização. Revista Teoria e Educação – Dossiê: interpretando o trabalho docente, Porto Alegre, Pannonica, n. 4, p. 41-61, jan. 1991.

FERREIRA JR., Amarílio; BITTAR, Marisa. Proletarização e sindicalismo de professores na ditadura militar (1964 – 1985). São Paulo: Terras do Sonhar, Pulsar, 2006.

FRIGOTTO, Gaudêncio; CIAVATTA, Maria. Educação básica no Brasil na década de 1990: subordinação ativa e consentida à lógica do mercado. Educação e Sociedade. Campinas, vol. 24, n. 82, p. 93-130, abril de 2003. Disponível em http://www.cedes.unicamp.br. Acessado em 02 de maio de 2014.

GALVANIN, Beatriz. Reforma do sistema educacional dos anos 90: breves considerações sobre os aspectos históricos, econômicos e políticos. Hórus: Revista de Humanidades e Ciências Sociais Aplicadas. Ourinhos/SP, Nº 03, p.1-14. 2005.

GIROUX, Henry A. Os professores como intelectuais: rumo a uma pedagogia crítica da aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

HERMIDA, Jorge Fernando. A educação na era FHC: fundamentos filosóficos e políticos. João Pessoa: Editora Universitária da UFPB, 2008.

HYPOLITO, A. M. Trabalho docente: classe social e relações de gênero. Campinas: Papirus, 1997.

LIRA, Jailton de Souza. A trajetória sindical dos trabalhadores da educação em Alagoas (1985-2010). 2012. 197p. Dissertação (Mestrado em Educação). Maceió: Universidade Federal de Alagoas, 2012.

LIRA, Jailton de Souza. Uma questão de classe: o movimento sindical da educação em Alagoas. Maceió: Edufal, 2013.

LIRA, Sandra. Financiamento e Democratização da Educação Pública em Alagoas: os efeitos do FUNDEF. 2001. 177p. Dissertação (Mestrado em Educação). João Pessoa, Universidade Federal da Paraíba, 2001.

LIRA, Sandra. Alagoas: 2000-2013. São Paulo: Perseu Abramo, 2014.

MELCHIOR, José Carlos de Araújo. Mudanças no financiamento da educação no Brasil. Campinas: Autores Associados, (Coleção Polêmicas do Nosso Tempo; v. 57), 1997.

MENDES, Danielle Cristina de Brito. A relação entre os entes federados no financiamento da educação básica no Brasil no contexto da política de fundos (FUNDEF-FUNDEB). 2012. 188p. Dissertação (Mestrado em Educação). Belém: Universidade Federal do Pará, 2012.

MONLEVADE, João; FERREIRA, Eduardo B. O FUNDEF e seus Pecados Capitais. Ceilândia, DF: Idea Editora, 1997.

NÓVOA, António. Para um estudo sócio-histórico da gênese e do desenvolvimento da profissão docente. Revista Teoria e Educação, Porto Alegre, Pannonica, n. 4, p. 109-139, 1991.

OLIVEIRA, Dalila Andrade. A reestruturação do trabalho docente: precarização e flexibilização. Educ. Soc., Campinas, vol. 25, n. 89, p. 1127-1144, set. /dez. 2004.

PEREIRA, Maria Aparecida Nunes. Mudanças na política de financiamento da educação básica no Brasil: 1996-2006. 2007. 140p. Dissertação (Mestrado em Educação). João Pessoa, Instituição, 2007.

PEREIRA, Maria Aparecida Nunes. Financiamento da Educação Básica no Brasil: os efeitos do FUNDEB no Estado da Paraíba. 2012. 275p. Tese.  (Doutorado em Educação). Campinas: Universidade Estadual de Campinas, 2012.

PERONI, Vera Maria Vidal; OLIVEIRA, Regina Tereza Cestari de; FERNANDES, Maria Dilnéia Espíndola. Estado e terceiro setor: as novas regulações entre o público e o privado na gestão da educação básica brasileira. Educ. Soc.,  Campinas ,  v. 30, n. 108, p. 761-778,  Oct.  2009. Acesso em 17 dez. 2017.

PIERRO, Maria Clara Di. Descentralização, focalização e parceria: uma análise das tendências nas políticas públicas de Educação de Jovens e Adultos. Scientifc Eletronic Library Online, Educ. Pesq. vol.27 no.2 São Paulo July/Dec. 2001.

PINTO, José Marcelino Rezende. Financiamento da educação no Brasil: um balanço do Governo FHC (1995-2002). Educação & Sociedade, Campinas, SP, v. 23, n. 80, p. 108-135, set. 2002.

PINTO, José Marcelino Rezende. A Política Recente de Fundos para o Financiamento da Educação e seus Efeitos no Pacto Federativo. Educação & Sociedade, Campinas, v. 28, n. 100, p. 877-897, out. 2007.

PINTO, José Marcelino Rezende. Limites do Pacto Federativo no Financiamento da Educação Básica. São Paulo, SP (Universidade do Estado de São Paulo): Revista ADUSP (Dossiê Educação), p. 61-64. Janeiro de 2010.

SANTOMÉ, Jurgo Torres. A educação em tempos de neoliberalismo. Porto Alegre: Artmed, 2003.

SILVA JUNIOR, João dos Reis. Reforma do Estado e da Educação no Brasil de FHC. São Paulo: Xamã, 2002.

SILVA, Sandra Regina Paz; CÊA, Georgia Sobreira dos Santos. Fundamentos e práticas da política educacional para a educação básica nos anos 2000: a questão das parcerias. Projeto PIBIC. Maceió: UFAL, 2013.

SOUZA, Donaldo Bello de; FARIA, Lia Ciomar Macedo de. Políticas de financiamento da educação municipal no Brasil (1996-2002): das disposições legais equalizadoras às práticas político-institucionais excludentes. Ensaio: avaliação e políticas públicas em educação. Rio de Janeiro, v. 12, n. 42, p. 564-582, jan. /mar. 2004.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

UNESCO. Declaração de Nova Delhi. Nova Delhi, 1993.

UNESCO. Declaração Mundial Sobre Educação Para Todos: Satisfação das necessidades básicas de aprendizagem. Jomtien, 1990.

VIANNA, C. P. Os nós do “nós”: crise e perspectiva da ação coletiva docente em São Paulo. São Paulo: Xamã, 1999.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Jailton de Souza Lira, Universidade Federal da Paraíba

Professor da Universidade Federal de Alagoas. Presidente do Conselho Municipal de Educação de Maceió. Possui Licenciatura em História, Especialização em Direitos Humanos, Mestrado e Doutorado em Educação. Tem interesse na área de História, Financiamento da Educação, Planos de Cargos e Carreiras Educacionais, Direitos Humanos e Sindicalismo.

Jorge Fernando Hermida, UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA (UFPB)

Doutor em Filosofia e História da Educação (UNICAMP). Professor do Programa de Pós-graduação em Educação (PPGE) e do Mestrado Profissional em Gestão em Organizações Aprendentes (MPGOA), ambos da Universidade Federal da Paraíba (UFPB).

Downloads

Publicado

07-02-2018

Como Citar

LIRA, J. de S.; HERMIDA, J. F. Gestão, financiamento e (des)valorização da educação em Alagoas (2007-2014) (Management, financing and (de)valuation of education in Alagoas (2007-2014)). Revista Eletrônica de Educação, [S. l.], v. 12, n. 1, p. 132–150, 2018. DOI: 10.14244/198271992031. Disponível em: https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/2031. Acesso em: 15 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos
##plugins.generic.dates.received## 2017-01-21
##plugins.generic.dates.accepted## 2017-11-07
##plugins.generic.dates.published## 2018-02-07