Adoção de Cidadãos Presos e Formação de Professores para a Prisão: Ações de Fraternidade Política e Direitos, aproximando a extensão universitária da ASCES e da UFPE no agreste pernambucano

Autores

  • Maria Perpétua Socorro Dantas Jordão Faculdades ASCES
  • Paula Isabel Bezerra Rocha Wanderley UFPE

DOI:

https://doi.org/10.14244/19827199668

Resumo

DOI:http://dx.doi.org/10.14244/19827199668

Este artigo trata de analisar como dois projetos extensionistas – Adoção Jurídica de Cidadãos Presos (ASCES) e Formação de Professores para o Sistema Penitenciário (UFPE) – possibilitam desde 2001 (ASCES) e 2009 (UFPE) ações articuladas de cidadania e direitos humanos em uma unidade prisional do agreste de Pernambuco, Brasil. O trabalho foi articulado a partir da participação de professores da ASCES em Grupo de Pesquisa da UFPE-CNPq e da percepção de como a integração das atividades institucionais poderiam melhorar os resultados e incluir um número maior de docentes, discentes e beneficiados, os reclusos e educadores do Sistema Penitenciário. As ações são realizadas quinzenalmente na unidade prisional, envolvendo ampla participação da sociedade civil; os trabalhos são apresentados em forma de encontros de formação com os professores, palestras e debates com os detentos e atividades mediadas por elementos lúdicos: imagens, fotografias, filmes, documentários, músicas, poesias. Os estudantes das duas instituições se integram sem competição, os professores recebem formação continuada e as atividades lúdicas com os detentos quebram a rotina da prisão e estimulam os detentos a se manter nas salas de aula, reduzindo a evasão. A atividade é utilizada como carga horária de estágio para os alunos da ASCES e como atividades complementares para os estudantes de Pedagogia, e permitem às duas instituições contribuir para a melhoria da qualidade de ensino na prisão. Essa atividade também estimula o convívio de estudantes de instituições distintas, incluindo estudantes de instituições que, inclusive, não são parceiras dos projetos, atraindo a participação de muitos voluntários e ex-alunos da ASCES e da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Caruaru (FAFICA). A fraternidade política aparece como referencial teórico no trabalho com os docentes e no estímulo às relações entre os sujeitos envolvidos na preocupação com a formação de valores civilizatórios que tenham como base a dignidade das pessoas livres ou encarceradas.  O referencial teórico que subsidia o trabalho tem, como autores principais: Paulo Freire, Hannah Arendt e Barros.

Palavras–chave: Extensão universitária, Direitos humanos, Fraternidade política.

Métricas

Carregando Métricas ...

Downloads

Publicado

20-08-2014

Como Citar

JORDÃO, M. P. S. D.; WANDERLEY, P. I. B. R. Adoção de Cidadãos Presos e Formação de Professores para a Prisão: Ações de Fraternidade Política e Direitos, aproximando a extensão universitária da ASCES e da UFPE no agreste pernambucano. Revista Eletrônica de Educação, [S. l.], v. 8, n. 2, p. 373–387, 2014. DOI: 10.14244/19827199668. Disponível em: https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/668. Acesso em: 17 jun. 2024.

Edição

Seção

Relatos de Experiência
##plugins.generic.dates.received## 2013-01-13
##plugins.generic.dates.accepted## 2013-05-04
##plugins.generic.dates.published## 2014-08-20