A dança recri(a)ção: linguagens criativas e emancipatórias na Educação Física na Infância

Autores

  • Valdilene Wagner Universidade Estadual de Maringá
  • Paulo Iran Pereira de Souza Universidade Federal do Tocantins
  • Rayla de Sousa Barbosa Universidade Federal do Tocantins.
  • Dayele Ribeiro de Castro Castanheira Universidade Federal do Tocantins.

DOI:

https://doi.org/10.14244/198271993923

Palavras-chave:

Linguagem corporal, Recreação, Dança Infantil, Preconceito.

Resumo

A busca por melhorias na qualidade do ensino de Educação Física exige cada vez mais ênfase na formação docente. Nesse sentido, este trabalho apresentou o resultado das intervenções com a temática dança criativa e recreativa desenvolvida em um curso de extensão universitária intitulado: jogos recreativos na primeira infância e realizado por acadêmicos do curso de licenciatura em Educação Física. Para o desenvolvimento do mesmo, foram realizadas atividades de estudo, pesquisa, planejamento e intervenção com crianças da Educação Infantil na faixa etária entre 4 e 5 anos matriculadas em escola pública municipal de uma cidade do estado do Tocantins, região norte do Brasil. Os resultados da ação demonstraram que são necessárias disciplinas focadas na expressão da linguagem corporal como tentativa de desconstruir preconceitos por meio de opiniões factuais e que intervenções com recreação e dança possibilitam o estímulo do desenvolvimento corporal e subjetivo das crianças. Por isso, é importante que expressões da linguagem corporal sejam pensadas no momento de elaboração de políticas públicas educacionais direcionadas aos municípios brasileiros.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Valdilene Wagner, Universidade Estadual de Maringá

Doutorado em andamento em Educação Física. Mestre em Promoção da Saúde pela UniCesumar - PR. Graduada em Educação Física pelo Centro Universitário Integrado (Campo Mourão/PR). Graduada em Pedagogia pela UNIJALES (Campus Maringá). Especialista em Educação Especial pela UNIVALE. Possui nove anos de experiência na Educação Básica, atuando na Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio. Possui experiência em desenvolvimento de projetos em escolas de Educação em Tempo Integral. Tem experiência docente em APAE (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais) Atuou com projetos em Centros de Integração atendendo a crianças e adolescentes de sete a quatorze anos em grau de vulnerabilidade social. Participa do PES Grupo de Pesquisa - Psicologia Esporte e Saúde da UniCesumar. Atualmente atua como Professora Substituta de Educação Física na Universidade Federal do Tocantins (UFT). 

Paulo Iran Pereira de Souza, Universidade Federal do Tocantins

Acadêmico do curso de licenciatura em Educação Física.

Rayla de Sousa Barbosa, Universidade Federal do Tocantins.

Acadêmica do curso de licenciatura em Educação Física.

Dayele Ribeiro de Castro Castanheira, Universidade Federal do Tocantins.

Acadêmica do curso de licenciatura em Educação Física.

Referências

AWAD, Hani Zehdi Amine; SANTOS, Marcelo Grangeiro; BARBOSA, José Antonio Strumendo in PIMENTEL, Giuliano de Assis Gomes; AWAD, Hani Zehdi Amine Org(s) Recreação total. 1° ed. Várzea Paulista, SP: Fontoura, 2015.

ATARA Sivan. Leisure education in schools: challenges, choices and consequences. World Leisure Journal. v 59, n°1, p.15-2, 2017.

AUSUBEL, D. P.; NOVAK, J. D.; HANESIAN, H. Psicologia educacional. Rio de Janeiro: Interamericana, 1980.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. 4. ed. Lisboa: Edições 70, 2010.

BOBBIO, Norberto. Elogio da serenidade e outros escritos morais. São Paulo: Editora UNESP, 2002

BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 2013, p.424.

BRITO, Angela do Céu Ubaiara; KISHIMOTO, Tizuko Morchida. A mediação na Educação Infantil: possibilidade de aprendizagem. Educação, v. 44, p. 1-19, 2019.

BROUGÈRE, G. Brinquedo e cultura. 8º ed. São Paulo: Cortez, 2014.

CHEN, Xiaobei; CHEN, Lan. Memories of the Revolution Childhood and the Modernization Childhood in China: 1950s–1980s. European Education, v.48, p.187–202, 2016.

COUSINEAU, C. Increasing Outdoor Recreation Participation Through the Schools: A Critical Perspective. World Leisure & Recreation, v.31, n°2, p.38–43,1989.

FERNÁNDEZ, Jose Fernando Tabares. El ocio y la recreación en América Latina: una lectura desde los modelos de desarrollo. In: FERNANDEZ, Jose Fernando Tabares; MONTOYA, Arley Fabio Ossa; BEDOYA, Victor Alonso Molina (coord.). El ocio, el tiempo libre y la recreación en América latina: problematizaciones y desafíos. Medellin: Editorial Civitas, 2005.

GOMES, Christiane; OSORIO, Esperanza; PINTO, Leila; ELIZALDE, Rodrigo. Lazer na América Latina/ Tiempo libre, ócio y recreación em Latinoamérica. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2009.

GOMES, Silvia Cristina Costa; MARTINS, Cristina Amorim. A presença do pensamento de Froebel, Dewey e Montessori nas diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil. Encontros Universitários da UFC, Fortaleza, v. 1, 2016.

HUIZINGA, J. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. São Paulo: USP, 1971.

LIMA, A. J. A. O lúdico em clássicos da filosofia: uma análise em Platão, Aristóteles e Rousseau. II CONEDU. Congresso Nacional de Educação, Anais..., 2015.

MARQUES, Isabel A. Corpo, dança e educação contemporânea. Pro-Posições v.9, n° 2, p. 70-78, Junho de 1998.

MONDEN, Masafumi. Boys at the Barre: Boys, Men and the Ballet in Japan. Journal Japanese Studies, v.39, n° 2, p.145-167, 2019.

NASCIMENTO, Diego Ebling do; AFONSO, Mariângela da Rosa. A participação masculina na dança clássica: do preconceito aos palcos da vida. Reflexão e Ação, Santa Cruz do Sul, v. 21, n. 1, p. 219-236, jul. 2013.

PIMENTEL, Giuliano de Assis Gomes. Lúdico o princípio de tudo. In: Teorias do Lazer, Maringá, Eduem, 2010.

PIMENTEL, Giuliano de Assis Gomes; AWAD, Hani. Usos e significados da recreação na produção acadêmica. Revista de Educação Pública, v. 29, p. 1-18, 2020.

SILVA, Débora Alice Machado; STOPPA, Edmur Antonio; ISAYAMA, Helder Ferreira; MARCELLINO, Nelson Carvalho; MELO, Victor Andrade. A importância da recreação e do lazer. Brasília: Gráfica e Editora Ideal, p. 52, 2011.

SOARES, Marília Vieira. Ballet ou Dança Moderna? Uma questão de Gênero. São Paulo na década de 30. Juiz de Fora: Clio Edições Eletrônicas, 43 p. 2002.

STORMANN, W. F. Cultural recreations and hierarchy: a historical interplay. Leisure/Loisir, v.34, n° 3, p. 223-241, 2010.

STRAZZACAPPA, Márcia. A tal "Dança Criativa": Afinal que dança seria? In: TOMAZZONI, Airton; WOSNIAK, Cristiane; MARINHO, Nirvana (Org.). Algumas perguntas sobre dança e educação. Joinville: Nova Letra, p. 39-46. 2010.

WINNICOTT, D. W. O brincar e a realidade. Rio de Janeiro, RJ: Imago, 1975, p.13-44, 1971.

Downloads

Publicado

28-07-2020

Como Citar

WAGNER, V.; SOUZA, P. I. P. de; BARBOSA, R. de S.; CASTANHEIRA, D. R. de C. A dança recri(a)ção: linguagens criativas e emancipatórias na Educação Física na Infância. Revista Eletrônica de Educação, [S. l.], v. 14, p. e3923109, 2020. DOI: 10.14244/198271993923. Disponível em: https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/3923. Acesso em: 14 jun. 2024.

Edição

Seção

Relatos de Experiência
##plugins.generic.dates.received## 2020-01-13
##plugins.generic.dates.accepted## 2020-06-28
##plugins.generic.dates.published## 2020-07-28