Por que professores utilizam vídeos como mediadores no processo de aprendizagem?

Autores

  • Bianca Cassola Pereira
  • Hylio Laganá Fernandes

DOI:

https://doi.org/10.14244/198271993831

Palavras-chave:

Docentes de Sorocaba; Interatividade, Instigar.

Resumo

Este artigo se constituiu a partir de uma pesquisa realizada para investigar os motivos que levam os professores a utilizar vídeos em suas aulas no município de Sorocaba/SP. Trata-se de uma pesquisa exploratória de cunho qualiquantitativo, que utilizou como instrumento de coleta de dados um questionário com roteiro de questões fechadas e abertas, aplicadas virtualmente; participaram do estudo vinte e cinco docentes, de diversos segmentos da educação básica. Foi realizada tabulação das questões fechadas e análise de conteúdo das questões dissertativas abertas. Os resultados apresentam os motivos que os docentes alegam para utilizar (ou não) vídeos em suas aulas e opções metodológicas daqueles que utilizam este recurso, inclusive relacionadas às fases do ciclo profissional em que se encontram. O grupo minoritário dos que não utilizam argumentam sobre falta de estrutura física e/ou tempo para assistir e selecionar as obras; os docentes que fazem uso do vídeo em aula utilizam para ilustrar e complementar o conteúdo da disciplina, destacando entre os motivos mais comuns para a escolha deste recurso a interatividade proporcionada, por considerarem a sociedade atual como uma “Sociedade da Imagem”. As justificativas apresentadas para a escolha deste instrumento mediador puderam ser categorizadas em seis temas: Complementação; Sociedade de Imagem; Introdução; Instigação; Interatividade; Lazer.  Tais categorias emergem consoantes aos objetivos de exibição do vídeo e fornecem indícios sobre as metodologias empregadas pelos docentes; nesse sentido verificou-se certo padrão estrutural, que consiste em três momentos: 1-apresentação do tema, 2-exibição do vídeo e 3-retorno. Houve, contudo, variação nas formas de apresentação do tema (exposição teórica, levantamento de conhecimentos prévios, questionário), na forma como ocorre a exibição (com ou sem pausas) e na conclusão da ação (roda de conversa e/ou produção textual).

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

BRASIL. Ministério da Educação. Lei nº 13.006, de 26 de junho de 2014 Acrescenta § 8o ao art. 26 da Lei no 9.394. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13006.htm. Acesso em: 28 maio 2017.

CORROCHANO, M. C.; PISTILLI, P. Gerações em diálogo: cinema e produção audiovisual no ensino médio. In: FRESQUET, A. (Org.). Cinema e Educação: a lei 13.006 - reflexões, perspectivas, propostas. 1ed. Belo Horizonte: Universo Produção, 2015, v. 1, p. 157-166. Disponível em: https://www.redekino.com.br/wp-content/uploads/2015/07/Livreto_Educacao10CineOP_WEB.pdf. Acesso em: 08 out. 2017.

COSTA, O. J. da. Ciclo de vida profissional dos professores universitários do Tocantins: uma análise segundo Huberman. In: VII CONNEPI, Anais... 2012, Palmas, Tocantins, 2012.

HUBERMAN, M. O ciclo de vida profissional dos professores. In: NÓVOA, A. (Org.). Vidas de professores. 2 ed. Portugal: Porto Editora, 1995. cap. II. p. 31-61. Disponível em: https://url.gratis/4vENce.

KLAMMER, C. R.; FORTUNATO, J.; MELO, R. A importância do cinema por meio do cineclube na escola. In: EDUCERE - XII Congresso Nacional de Educação. Anais... Paraná: PUC, 2015.

MIRANDA, C.E.A. Ver filmes, dizer educação, olhar cultura. Revista de Educação PUC Campinas, v.3, n.5, p. 13-20. 1998. Disponível em: http://periodicos.puc-campinas.edu.br/seer/index.php/reveducacao/article/view/433/413. Acesso em: 08 out. 2017.

MORAN, J. M. O vídeo em sala de aula. Comunicação & Educação. São Paulo, ECA – Ed. Moderna, [2]: 27 a 35, jan/abr de 1995 (com bibliografia atualizada).

NOGUEIRA, R. Elaboração e análise de questionários: uma revisão da literatura básica e a aplicação dos conceitos a um caso real. Rio de Janeiro: UFRJ/COPPEAD, 2002. p. 2-4.

NÓVOA, J. Apologia da relação cinema-história. In: O olho da História. Revista de História Contemporânea; v.1, n. 1. Salvador: Bahia, Nov 1995. Disponível em: http://www.cinemahistoria.org/2015/04/novoa-jorge-apologia-da-relacao-cinema.html. Acesso: 08 out. 2017.

SANTOS, F. M. dos. Análise de conteúdo: a visão de Laurence Bardin. Resenha de [BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2001, 229p.] Revista Eletrônica de Educação. São Carlos, SP: UFSCar, v.6, no. 1, p. 383-387, maio 2012. Disponível em: http://www.reveduc.ufscar.br.

SILVA, C. R.; GOBBI, B. C.; SIMÃO, A. A. O uso da análise de conteúdo como uma ferramenta para a pesquisa qualitativa: descrição e aplicação do método. Organizações Rurais & Agroindustriais, vol. 7, núm. 1, 2005, pp. 70-81. Universidade Federal de Lavras, Minas Gerais, Brasil. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=87817147006. Acesso em: 14 set. 2017.

VARANI, A.; CHALUH, L. N. O uso do filme na formação de professores. ETD – Educação Temática Digital, Campinas, v.10, n.1, p. 1-23, dez 2008.

Downloads

Publicado

15-01-2020

Como Citar

PEREIRA, B. C.; FERNANDES, H. L. Por que professores utilizam vídeos como mediadores no processo de aprendizagem? . Revista Eletrônica de Educação, [S. l.], v. 14, p. e3831004, 2020. DOI: 10.14244/198271993831. Disponível em: https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/3831. Acesso em: 14 jun. 2024.

Edição

Seção

Dossiê Educação e Mídias Digitais
##plugins.generic.dates.received## 2019-11-10
##plugins.generic.dates.accepted## 2019-11-10
##plugins.generic.dates.published## 2020-01-15

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)