EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NO SISTEMA PENITENCIÁRIO: CAMINHO PARA REINTEGRAÇÃO SOCIAL?

Diana Vanessa Pereira, Frederico Jorge Ferreira Costa

Resumo


A realidade do sistema prisional é bastante complexa. Tratando-se da questão da educação profissional, deparamo-nos com polêmicas, limites e desafios. A atividade remunerada da mulher em regime de privação de liberdade define-se como uma perspectiva de retorno ao convívio social, porém neste processo emergem muitas contradições que identificamos no processo investigativo. O estudo aponta resultados significativos que refletem as expressões sociais da desigualdade social, a condição de classe destas mulheres em conflito com a lei, os limites da política social nas fronteiras do capitalismo e os diversos aspectos da alienação que limitam as perspectivas de uma possível reinserção social. É no contexto da análise destas contradições que se expressam os sentidos da atividade laborativa para as mulheres presidiárias do sistema penitenciário do Estado do Ceará, Brasil. Assim, acumulamos informações e reflexões sobre as ideias da ressocialização pela profissionalização, hoje apontada como uma das perspectivas de reintegração social das presidiárias.

Palavras-chave: Capitalismo; Educação; Profissionalização; Prisão.

 


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.14244/19827199687

____________

Propriedade Intelectual

Revista Eletrônica de Educação adota a licença Creative Commons BY-NC do tipo "Atribuição Não Comercial".

Essa licença permite, exceto onde está identificado, que o usuário final remixe, adapte e crie a partir do seu trabalho para fins não comerciais, sob a condição de atribuir o devido crédito e da forma especificada pelo autor ou licenciante.

Para mais informações, consultar: https://br.creativecommons.org/

____________

REVISTA ELETRÔNICA DE EDUCAÇÃO. São Carlos (SP): Universidade Federal de São Carlos, Programa de Pós-Graduação em Educação, 2007- . Publicação contínua. ISSN 1982-7199. Disponível em: http://www.reveduc.ufscar.br