POLÍTICAS DE FORMAÇÃO DE EDUCADORES PARA OS ESPAÇOS DE RESTRIÇÃO E DE PRIVAÇÃO DE LIBERDADE

Elenice Maria Cammarosano Onofre

Resumo


O exercício de leitura de dados empíricos advindos de estudos sobre o papel da escola na prisão e de atividades formativas com educadores que atuam em espaços de privação de liberdade norteia as argumentações e proposições deste artigo, com vistas a um esforço de visão futura, buscando ampliar o campo de mirada e sugerir elementos de observação do que está por vir. O Brasil vive, neste momento, uma efervescência de ações e de construção de políticas públicas com o intuito de implementar as Diretrizes Nacionais para a oferta de educação a jovens e adultos em situação de privação de liberdade, e para tanto,  se confronta com rupturas e avanços necessários em relação às práticas consolidadas pelo sistema escolar vigente nas unidades prisionais. Os dados coletados em conversas informais com professores iniciantes e experientes e observações organizadas em diários de campo foram analisados e evidenciaram a complexidade do fenômeno educativo e a necessária formação do professor para além de conteúdos específicos, uma vez que deve se apropriar das singularidades do cotidiano e das motivações dos jovens e adultos, pois constrói com eles um projeto de vida que favoreça em sua (re)inserção social. Para tanto, há que se investir na concretização de ações políticas mais contundentes no que diz respeito à formação inicial e continuada dos professores, em alterações estruturais nas escolas das prisões, e na implantação de propostas curriculares adequadas às necessidades dos jovens e adultos que se encontram em situação de restrição e privação de liberdade.
    
Palavras-chave
: políticas públicas; formação de educadores; educação escolar na prisão; processos educativos.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.14244/19827199678

____________

Propriedade Intelectual

Revista Eletrônica de Educação adota a licença Creative Commons BY-NC do tipo "Atribuição Não Comercial".

Essa licença permite, exceto onde está identificado, que o usuário final remixe, adapte e crie a partir do seu trabalho para fins não comerciais, sob a condição de atribuir o devido crédito e da forma especificada pelo autor ou licenciante.

Para mais informações, consultar: https://br.creativecommons.org/

____________

REVISTA ELETRÔNICA DE EDUCAÇÃO. São Carlos (SP): Universidade Federal de São Carlos, Programa de Pós-Graduação em Educação, 2007- . Publicação contínua. ISSN 1982-7199. Disponível em: http://www.reveduc.ufscar.br