EDUCAÇÃO, COMUNIDADE E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAS: EXPERIÊNCIAS NOS ESTADOS UNIDOS E EM MALI

Joyce E. King

Resumo


Estudantes negros, como grupo, recebem um tratamento inferior tanto pelas políticas neoliberais quanto por escolas urbanas desprovidas de recursos; nas penitenciárias privadas, americanos negros são o grupo majoritário. O presente artigo contesta o pensamento e a teorização do modelo de Déficit Cultural, sobre a linguagem e a cultura das crianças negras, que têm sido tão prevalentes nos EUA. A pesquisa discutida nesse artigo interrompe este discurso da inferioridade negra e põe em evidência a importância de os estudantes desenvolverem uma consciência negra crítica, o que pode contribuir para sua excelência cultural e acadêmica. A pedagogia emancipatória para a liberdade humana, a qual promove que os estudantes tenham um senso positivo de identidade e de seu grupo étnico-racial, também é discutida. Ensino emancipatório para consciência negra crítica e liberdade humana significa resgatar história, memória e identidade de forma que os estudantes entendam a situação da América negra de uma perspectiva crítica e histórica. Educação para esse tipo de consciência requer que se conecte os estudantes às suas famílias, à história de suas comunidades e a seus ancestrais. São apresentados cinco princípios da pedagogia emancipatória que podem guiar a preparação do professor, o desenvolvimento do currículo, do texto didático, e da instrução baseada em padrões, bem como a promoção de relações étnico-raciais positivas. Estes são: conscientização, crítica da ideologia/crítica do racismo como ideologia, agência cultural/resistência à opressão, epistemologia dialética e ensino através de artes culturais. O exemplo do Clube Songhoy, um laboratório pedagógico para ensino da herança cultural a estudantes, doutorandos e pais engajados, demonstra como o ensino do idioma e cultura songhoy conecta os estudantes com sua herança africana, “do Nilo, ao Níger, ao bairro”. O ensino desse legado é fundamental, dado que o norte do Mali está ocupado por extremistas muçulmanos que destruíram artefatos culturais históricos em Timbuktu.

Palavras-chave
: Black Education; pedagogia emancipatória; consciência negra crítica; identidade étnico-racial.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.14244/19827199563

____________

Propriedade Intelectual

Revista Eletrônica de Educação adota a licença Creative Commons BY-NC do tipo "Atribuição Não Comercial".

Essa licença permite, exceto onde está identificado, que o usuário final remixe, adapte e crie a partir do seu trabalho para fins não comerciais, sob a condição de atribuir o devido crédito e da forma especificada pelo autor ou licenciante.

Para mais informações, consultar: https://br.creativecommons.org/

____________

REVISTA ELETRÔNICA DE EDUCAÇÃO. São Carlos (SP): Universidade Federal de São Carlos, Programa de Pós-Graduação em Educação, 2007- . Publicação contínua. ISSN 1982-7199. Disponível em: http://www.reveduc.ufscar.br