“Meu twitter, minhas regras”: as pautas de costumes na educação bolsonarista (“My twitter, my rules”: the customs’ agenda in bolsonarist education)

Rafael Siqueira de Guimarães, Cleber Rodrigo Braga de Oliveira

Resumo


The aim of this study was to analyze how the customs´agenda were present in one of the official spaces, the twitter of ex-Minister of Education Abraham Weintraub, between April 2019 and June 2020. We dedicate to analyze the discourses in the posts - called tweets on this social network - that we identify as referring to customs´ agenda, linked to morality, having specificity to be related to some MEC action or not. As a result of this analysis, we find processes common to bolsonarism, such as the delegitimization of knowledge, especially in the Humanities and Arts, the alarmist theories about shambles in the Universities, the accusatory inversion against opponents and resentment marks expressed in discursive appropriations coming from social networks, like trolling and sealing. The ex-manager's performance exposes how this communicability with the mass of bolsonarist support placed him in a role of vice-leadership and at the same time impacted the actions of the Ministry, which guided his decisions on moral guidelines.

Resumo

O objetivo deste estudo foi analisar como as pautas de costumes estiveram presentes em um dos espaços oficiais, o twitter do ex-Ministro da Educação Abraham Weintraub, que esteve à frente do Ministério da Educação, entre abril de 2019 e junho de 2020. Para tanto, nós nos dedicamos a examinar os discursos publicados nas postagens – chamadas de tuítes, nessa rede social – que identificamos como referentes a pautas de costumes, ligadas à moralidade, tendo especificidade de se relacionarem a alguma ação do MEC ou não. Como resultado dessa análise, encontramos processos comuns ao bolsonarismo, como a deslegitimação do conhecimento, em especial das Ciências Humanas e Artes, as teorias alarmistas sobre balbúrdia nas Universidades, a inversão acusatória contra opositores e marcas de rancor expressas em apropriações discursivas advindas das redes sociais, como a trollagem e a lacração. A atuação do ex-dirigente expõe como essa comunicabilidade com a massa de apoio bolsonarista o colocou num papel de vice-liderança e, ao mesmo tempo, impactou as ações do Ministério, o qual balizou suas decisões em pautas morais.

Palavras-chave: Bolsonarismo, Educação, Redes Sociais, Moralidade.

Keywords: Bolsonarism, Education, Social Networks, Morality.

References

ALMEIDA, Ronaldo de. Conservadorismo, evangelismo e a crise brasileira. Novos Estudos CEBRAP, São Paulo, v.38, n.1, p. 185-213, jan.-abr. 2019.

AVELAR, Idelber. O bolsonarismo e o Partido dos Trolls. Revista Cult. São Paulo, n.258, jun. 2020, s/p. Disponível em: https://revistacult.uol.com.br/home/o-bolsonarismo-e-o-partido-dos-trolls/ . Acesso em 10 jun.2020.

BARRETO, Kri?cia Helena. Os memes e as interac?o?es sociais na internet: Uma interface entre pra?ticas rituais e estudos de face. Tese (doutorado) - Universidade Federal de Juiz de Fora, Faculdade de Letras. Programa de Po?s-Graduac?a?o em Lingui?stica, 2015. 147 fls.

BARROS, Ronaldo Crispim Sena. Bolsonaro: o racismo fora do armário. In: AZEVEDO, José Sergio Gabrielli de; POCHMANN, Sérgio (Orgs.). Brasil: incertezas e insubmissão? São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2019, p. 421-439.

CESARINO; Letícia. Identidade e representação no bolsonarismo: corpo digital do rei, bivalência conservadorismo-neoliberalismo e pessoa fractal. Rev. Antropol., São Paulo, v. 62 n. 3, p. 530-557, 2019.

FERNANDES, Florestan. A Integração do Negro na Sociedade de Classes. Volume I. Ensaio de Interpretação Sociológica. 5. ed. São Paulo: Globo, 2008.

FOUCAULT, Michel. A Ordem do Discurso: aula inaugural no Colle?ge de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. 15. ed. São Paulo: Loyola, 2007.

GOMES, Carla; SORJ, Bila. Corpo, geração e identidade: a Marcha das vadias no Brasil. Soc. estado., Brasília , v. 29, n. 2, p. 433-447, Ago. 2014.

GUIMARÃES, Rafael. Moquecar (n)a pandemia. Pandemia Crítica, n-1 edições, n. 11, maio 2020. Disponível em: https://n-1edicoes.org/071. Acesso em 10 jul 2020.

JUNQUEIRA, Rogério Diniz.  A invenção da “ideologia de gênero”: a emergência de um cenário político-discursivo e a elaboração de uma retórica reacionária antigênero. Psicologia Política, São Paulo, v. 18, n. 43, p. 449-502, set.-dez. 2018.

LIONÇO, Tatiana. Feminista, demoníaca, professora, psicóloga, inimiga pública. In: GUIMARÃES, Rafael Siqueira de et. al. (Orgs.). Gênero e Cultura: perspectivas formativas, vol. 3. Itapetininga: Hipótese, 2019, p. 79-97.

MUNANGA, Kabenguele. Algumas considerações sobre “raça”, ação afirmativa e identidade negra no Brasil: fundamentos antropológicos. Revista USP, São Paulo, n.68, p. 46-57, dezembro/fevereiro 2005-2006.

REIS, Daniel Aarão. Notas para a compreensão do bolsonarismo. Estudos Ibero-Americanos, Porto Alegre, v. 46, n. 1, p. 1-11, jan.-abr. 2020.

RIBEIRO, Guilherme. Entre armas e púlpitos: a micropolítica do bolsonarismo. Revista Continentes (UFRRJ), Rio de Janeiro, ano 9, n. 16, p.463-485, 2020.

ROMANCINI, Richard. “vamos tirar a Educação do Vermelho”: o Escola Sem Partido nas redes digitais. E-compós, Brasília, v.21, n.1, p. 1-28, jan.-abr. 2018.

SILVA, Emanuel Freitas da. Os direitos humanos no “bolsonarismo”: “descriminalização de bandidos” e “punição de policiais”. Conhecer: Debate entre o Público e o Privado, Fortaleza, n. 22, p.133-153, 2019.

SILVA SOBRINHO, Helson Flávio da; OLIVEIRA, Ana Paula Santos de; SANTOS, Simone Natividade. Os ataques à Universidade e a defesa da educação: trajetórias de sentidos em diferentes posições-sujeitos. Crítica Cultural, Palhoça, v. 14, n. 2, p. 193-208, jul.-dez. 2019.

SOLANO, Esther. Crise da democracia e extremismos de direita. Análise, São Paulo, n.42, 2018, p. 1-29.

VALIM, Patrícia; FERNANDES, Felipe Bruno Martins. “Quanto mais purpurina melhor”: questões de gênero e sexualidade no Brasil do governo Bolsonaro. In: AZEVEDO, José Sergio Gabrielli de; POCHMANN, Sérgio (Orgs.). Brasil: incertezas e insubmissão? São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2019, p. 401-420.

e4568140


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.14244/198271994568

____________

Propriedade Intelectual

Revista Eletrônica de Educação adota a licença Creative Commons BY-NC do tipo "Atribuição Não Comercial".

Essa licença permite, exceto onde está identificado, que o usuário final remixe, adapte e crie a partir do seu trabalho para fins não comerciais, sob a condição de atribuir o devido crédito e da forma especificada pelo autor ou licenciante.

Para mais informações, consultar: https://br.creativecommons.org/

____________

REVISTA ELETRÔNICA DE EDUCAÇÃO. São Carlos (SP): Universidade Federal de São Carlos, Programa de Pós-Graduação em Educação, 2007- . Publicação contínua. ISSN 1982-7199. Disponível em: http://www.reveduc.ufscar.br