Escola, cárcere e pandemia: o que pode uma educação filosófica? (School, prison and pandemic: what can a philosophical education?)

Walter Omar Kohan, Márcio Nicodemos

Resumo


e4436026

This text presents some reflections on the possibilities of a philosophical education in prisons in the current scenario of the actual pandemic in Brazil. To do so, we first consider, in "Pandemic times: are we worse than covid-19, the critical state of the so-called "civilization” that the pandemic has helped to highlight; in a second moment, "Times of prisons: disappearance by the power of hate" we consider the current state of education in prisons in Brazil, the effects on them of the pandemic and the way the Bolsonaro government responded to it; finally, in "Times of school: reappearance by the wisdom of love" we consider the actual state of education in the schools at prisons and what a philosophical education could be in pandemic times: not only a love of wisdom, but a wisdom of love with and for otherness, to, who knows, bring forth politics of life, and with them, freedom, justice and social peace.

Resumo

O artigo apresenta reflexões sobre as possibilidades de se pensar uma educação filosófica nas escolas no cárcere no atual cenário de pandemia no Brasil. Para isso consideramos, num primeiro momento, em “Tempos de pandemia: nós somos piores que o covid-19?”, o estado crítico da chamada civilização que a pandemia contribuiu a evidenciar; num segundo momento, “Tempos de cárcere: o desaparecimento pela força do ódio” nos focamos no estado atual do cárcere no Brasil, assim como nos efeitos nele da pandemia e da forma do governo Bolsonaro responder a ela; finalmente, em “Tempos de escola: o reaparecimento pela sabedoria do amor” consideramos o estado atual da educação nas escolas no cárcere no Brasil e o que poderia uma educação filosófica em tempos de pandemia: consideramos a filosofia não apenas um amor à sabedoria, mas uma sabedoria do amor com, pela e para as outridades, para, quem sabe, fazer brotar políticas de vida e, com elas, liberdade, justiça e paz social.

Resumen

Este texto presenta reflexiones sobre las posibilidades de pensar una educación filosófica en escuelas presiónales en el actual escenario de pandemia en Brasil. Para ello, primero consideramos, en "Tiempos de pandemia: ¿somos peores que el covid-19?" el estado crítico de la llamada "civilización" que la pandemia ha ayudado a resaltar; en un segundo momento “Tiempos de cárcel: la desaparición por la fuerza del odio" consideramos el estado actual de la educación en las prisiones en Brasil y los efectos en ella de la pandemia y la respuesta dada por el gobierno de Bolsonaro; por último, en "Tiempos de escuela: la reaparición por la sabiduría del amor" consideramos el estado actual de la educación en las escuelas carcelarias de Brasil y lo que podría ser una educación filosófica en tiempos de pandemia: no sólo un amor a la sabiduría, sino una sabiduría de amor con, para y por las otredades, para, quién sabe, hacer brotar políticas da vida y, con ellas, libertad, justicia y paz social.

Palavras-chave: Cárcere, Ensino de filosofia, Outridade.

Keywords: Prison, Teaching philosophy, Otherness.

Palabras clave: Cárcel, Enseñanza de la filosofía, Otredades.

References

ADORNO, Theodor; HORKHEIMER, Max. Dialética do esclarecimento: fragmentos filosóficos. Tradução de Guido Antonio de Almeida. Rio de Janeiro: Zahar, 1985.

ADORNO, Theodor. Educação e Emancipação. Tradução de Wolfgang Leo Maar. Rio de Janeiro: Paz & Terra, 1995.

ADORNO, Theodor. Dialética Negativa. Tradução de Marco Antonio Casanova. Rio de Janeiro: Zahar, 2009.

AGAMBEN, Giorgio. O poder soberano e a vida nua: homo sacer. Tradução de Antônio Guerrero. 1a edição. Lisboa: Editorial Presença, 1998.

ALMEIDA, Sandra; BARBOSA, Adriana; HERNÁNDEZ, Jimena; MELO, Vanusa; RODRIGUES, Fabiana; UZIEL, Ana. Manifesto educação em tempos de pandemia para os sujeitos privados de liberdade no Rio de Janeiro. In: http://forumeja.org.br/rj/sites/forumeja.org.br.rj/files/Manifesto%20Educa%C3%A7%C3%A3o%20em%20Tempos%20de%20Pandemia%20para%20os%20Sujeitos%20Privados%20de%20Liberdade%20no%20Rio%20De%20Janeiro.pdf (Acesso em 09/06/2020)

ARISTÓTELES. Metafísica: livros I, II e III. Tradução de Lucas Angioni. In: Clássicos da filosofia: cadernos de tradução no 15. Campinas: UNICAMP/IFCH, 2008.

BARROS, Manoel de. A Espera In: Poesia completa. São Paulo: Leya, 2010.

BENJAMIN, Walter. Documentos de cultura. Documentos de barbárie. Escritos escolhidos. Tradução de Celeste H. M. Ribeiro de Sousa. São Paulo: Cultrix, USP, 1986.

BRASIL. Recomendação n° 62/2020. Brasília: Conselho Nacional de Justiça (CNJ), 2020. https://www.cnj.jus.br/wp-content/uploads/2020/03/62-Recomenda%C3%A7%C3%A3o.pdf ( Acesso em 09/06/2020).

BRASIL. Parecer CNE/CP no 5 /2020 . Brasília: Conselho Nacional de Educação (CNE), 2020. http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=145011-pcp005-20&category_slug=marco-2020-pdf&Itemid=30192

BRASIL. Geopresídios - radiografia do sistema prisional. Conselho Nacional de Justiça (CNJ).  https://www.cnj.jus.br/inspecao_penal/mapa.php (Acesso em 09/06/2020).

BRASIL. INFOPEN 2019 - Levantamento nacional de informações penitenciárias. Brasília: Ministério da Justiça e da Segurança Pública (MJSP); Departamento Penitenciário Nacional (DEPEN), 2019. in: https://app.powerbi.com/view?r=eyJrIjoiZTlkZGJjODQtNmJlMi00OTJhLWFlMDktNzRlNmFkNTM0MWI3IiwidCI6ImViMDkwNDIwLTQ0NGMtNDNmNy05MWYyLTRiOGRhNmJmZThlMSJ9 (Acesso em 09/06/2020)

BRASIL. INFOPEN 2017 - atualização junho - Levantamento nacional de informações penitenciárias. Brasília: Ministério da Justiça e da Segurança Pública (MJSP); Departamento Penitenciário Nacional (DEPEN), 2019. http://depen.gov.br/DEPEN/depen/sisdepen/infopen/relatorios-sinteticos/infopen-jun-2017-rev-12072019-0721.pdf (Acesso em 09/06/2020).

BRASIL. Relatoria Nacional para o Direito Humano à Educação: Educação nas Prisões Brasileiras. São Paulo: Plataforma DhESCA, 2009. https://www.cmv-educare.com/wp-content/uploads/2013/07/FINAL-relatorioeduca%C3%A7%C3%A3onasprisoesnov2009.pdf (Acesso em 09/06/2020)

BRASIL. Relatório de gestão e supervisão do departamento de monitoramento e fiscalização do sistema carcerário e do sistema de execução de medidas socioeducativas. Conselho Nacional de Justiça, CNJ, 2017. http://gmf.tjrj.jus.br/documents/10136/5929327/relatorio-gestao.pdf (Acesso em 09/06/2020)

DAVIS, Angela. O racismo mascarado: reflexões sobre o complexo penitenciário industrial. Tradução de Jaque Conceição. In: https://kilombagem.net.br/pensadores/artigos-textos/o-racismo-mascarado-reflexoes-sobre-o-complexo-penitenciario-industrial/ (O texto traduzido não está mais disponível na internet. O texto original foi publicado em 10 de setembro de 1998 em http://www.colorlines.com/articles/masked-racism-reflections-prison-industrial-complex).

DELEUZE, Gilles. Post-scriptum sobre as sociedades de controle. In: _______. Conversações: 1972-1990. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1992, p. 219-226.

DERRIDA, Jacques. O animal que logo sou (a seguir). Tradução Fábio Landa. São Paulo: Editora Unesp, 2011.

DERRIDA, Jacques. Força de lei: o fundamento místico da autoridade. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

FERRARO, Giuseppe. A escola dos sentimentos. Rio de Janeiro: NEFI, 2018.

FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade. São Paulo, SP: Martins Fontes, 2006.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: o nascimento da prisão. Tradução de Raquel Ramalhete. Petrópolis: Vozes, 1987.

JULIÃO, Elionaldo Fernandes; ONOFRE, Elenice Maria Cammarosano. A educação na prisão como política pública: entre desafios e tarefas. In: Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 38, n. 1, p. 51-69, jan./mar. 2013.

KRENAK, Ailton. O amanhã não está à venda. São Paulo: Companhia das Letras, 2020.

KRENAK, Ailton. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

LÉVINAS, Emmanuel. Entre nós: ensaios sobre a alteridade. Petropólis: Vozes, 2010.

LYOTARD, Jean-François. Por que filosofar? Tradução: Marcos Marciolino. São Paulo: Parábola, 2013.

MARCUSE, Herbert. Eros e civilização: uma interpretação filosófica do pensamento de Freud. Rio de Janeiro: Zahar, 1975.

MASSCHELEIN, Jan; SIMONS, Maarten. Em defesa da escola: uma questão pública. Tradução de Cristina Antunes. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2018.

MBEMBE, Achille. Necropolítica: biopoder, soberania, estado de exceção, política de morte. Tradução de Renata Santini. São Paulo: N-1 Edições, 2018.

OBSERVATÓRIO DAS FAVELAS. Novas configurações das redes criminosas após a implantação das UPPS. Rio de Janeiro: Observatório das Favelas, 2018. http://of.org.br/wp-content/uploads/2018/07/E-BOOK_Novas-Configura%C3%A7%C3%B5es-das-Redes-Criminosas-ap%C3%B3s-implanta%C3%A7%C3%A3o-das-UPPs.pdf (Acesso em 09/06/2020)

ONOFRE, Elenice Maria Cammarosano. A escola da prisão como espaço de dupla inclusão: no contexto e para além das grades. In: Polyphonía, v. 22/1, jan./ jun., 2011.

OY?WÙMÍ, Oyèrónk??. Visualizing the Body: Western Theories and African Subjects. In: COETZEE, Peter H.; ROUX, Abraham P.J. (eds). The African Philosophy Reader. New York: Routledge, 2002, p. 391-415. Tradução para uso didático de Wanderson Flor do Nascimento.

PIMENTA, Victor Martins. Por trás das grades: o encarceramento em massa no Brasil. Rio de Janeiro: Revan, 2018.

PLATÃO. Banquete. Tradução de Carlos Alberto Nunes. Belém: Editora UFPA, 2003.

RAMOS, Graciliano. Memórias do cárcere. São Paulo: Record, 1975.

RODRÍGUEZ, Símon. Inventamos ou erramos. Tradução de Cinthia Fernandes. Belo Horizonte: Autêntica, 2016.

RUSCHE, Georg; KIRCHHEIMER, Otto. Punição e estrutura social. Tradução de Gizlene Neder. Rio de Janeiro: Revan, 2004.

SAFATLE. Vladimir. Só mais um esforço. São Paulo: Três Estrelas, 2017.

SIMAS, Luiz Antonio; RUFINO, Luiz. Encantamento: sobre política de vida. Rio de Janeiro: Mórula Editorial, 2020.

WACQUANT, Loic. Punir os pobres: a nova gestão da miséria nos Estados Unidos. Tradução de Eliana Aguiar. Rio de Janeiro: Revan, 2003.

WACQUANT, Loic. As duas faces do gueto. Tradução de Paulo Castanheira. São Paulo: Boitempo, 2008.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.14244/198271994436

____________

Propriedade Intelectual

Revista Eletrônica de Educação adota a licença Creative Commons BY-NC do tipo "Atribuição Não Comercial".

Essa licença permite, exceto onde está identificado, que o usuário final remixe, adapte e crie a partir do seu trabalho para fins não comerciais, sob a condição de atribuir o devido crédito e da forma especificada pelo autor ou licenciante.

Para mais informações, consultar: https://br.creativecommons.org/

____________

REVISTA ELETRÔNICA DE EDUCAÇÃO. São Carlos (SP): Universidade Federal de São Carlos, Programa de Pós-Graduação em Educação, 2007- . Publicação contínua. ISSN 1982-7199. Disponível em: http://www.reveduc.ufscar.br