O isolamento docente e seus condicionantes no início da docência em ciências (Teacher isolation and its conditioning factors in beginning of teaching in science)

Mariana Barbosa de Amorim, Sylvia Regina Pedrosa Maestrelli

Resumo


e4241121

This work focuses on the beginning of teaching in science and more specifically on the issue of teacher isolation, considered one of the main challenges faced during professional induction. From a brief theoretical debate on the theme, based on authors who discuss the issues of teacher training, professional culture and teacher's work, and approaching perspectives of beginning science teachers from Florianópolis (Brazil) on the subject through narrative-reflective interviews, it was intended to identify which are the main factors that condition the isolation of these individuals. The identified conditioning factors are related to understandings about teaching and to the formative trajectory (life history, choice for teaching, professional education), to working conditions (more or less immediate but deep connected to the condition of being substitute teacher), to interpersonal relationships at school (the importance of the pedagogical team, the relationship difficulties with colleagues, the motivation provided by contact with students) and the ways in which the school operates (if isolation or collaboration are encouraged). School culture was identified as the main link between these conditioning factors, pointing out that the necessary school change, which allows the humanization of the individuals, requires the overcoming of the cultural shock at the beginning of teaching, which demands articulations between initial teacher education, school, educational system and public policies, in order to establish a significant dialogue with the professional reality, bringing together knowledges that support coherent pedagogical practices.

Resumo

Este trabalho direciona o olhar para o início da docência em ciências e mais especificamente para a questão do isolamento docente, trazido como um dos principais problemas enfrentados no período de inserção profissional. A partir de breve aporte teórico sobre o tema, fundamentado em autores que discutem a questão da formação, da cultura profissional e do trabalho docentes, e do contato com a perspectiva de professoras iniciantes de ciências de Florianópolis sobre o tema por meio da realização de entrevistas narrativo-reflexivas, buscou-se identificar quais são os principais condicionantes do isolamento destes sujeitos. Os condicionantes identificados se relacionam a compreensões sobre a docência e à trajetória formativa (história de vida, opção pela docência, formação profissional), a condições de trabalho (mais ou menos imediatas, mas bastante vinculadas à condição de substituto nas escolas), a relações interpessoais na escola (a importância da equipe pedagógica, as dificuldades nas relações com colegas, a motivação proporcionada pelo contato com estudantes) e aos modos de funcionamento da escola (se estimulam o isolamento ou a colaboração). A cultura escolar foi identificada como fio que conecta estes condicionantes, evidenciando que a mudança escolar necessária, que possibilite a humanização dos sujeitos, passa pela superação do choque cultural no início da docência, o que demanda da formação inicial, da escola, das redes de ensino e de políticas públicas articulações para uma maior aproximação com a realidade profissional, colocando em diálogo conhecimentos que sustentam práticas pedagógicas coerentes.

Resumen

Este trabajo se enfoca en la inserción a la docencia en ciencias y más específicamente en el tema del aislamiento de los docentes, planteado como uno de los principales problemas enfrentados en el período de socialización profesional. A partir de una breve contribución teórica sobre el tema, basada en autores que discuten el asunto de la formación, cultura profesional y trabajo docentes, tal como el contacto con la perspectiva de profesoras principiantes de ciencias en Florianópolis (Brasil) sobre el tema a través de la realización de entrevistas narrativo-reflexivas, buscamos identificar cuáles son las principales condiciones para el aislamiento de estos sujetos. Las condiciones identificadas están relacionadas con comprensiones sobre la docencia y trayectoria formativa (historia de vida, opción por la docencia, formación profesional), condiciones de trabajo (más o menos inmediatas, pero estrechamente vinculadas a condición de sustituto en las escuelas), a las relaciones interpersonales en la escuela (importancia del equipo pedagógico, dificultades en las relaciones con los colegas, motivación proporcionada por el contacto con los estudiantes) y las formas en que funciona la escuela (se fomenta el aislamiento o la colaboración). La cultura escolar se identificó como el hilo conductor que conecta estas limitaciones, lo que demuestra que el cambio escolar necesario, que permite la humanización de los sujetos, implica superar el choque cultural en la inserción a la docencia, que exige articulaciones entre formación inicial, escuela, redes educativas y políticas públicas para una relación más cercana con la realidad profesional, poniendo en diálogo conocimientos que apoyen prácticas pedagógicas coherentes.

Palavras-chave: Início da docência, Inserção profissional, Isolamento docente, Professores iniciantes de ciências.

Keywords: Beginning of teaching, Beginning teacher induction, Teacher isolation, Beginning science teachers.

Palabras claves: Inserción a la docencia, Socialización profesional, Aislamiento docente,  Profesores principiantes de ciencias.

References

AMORIM, Mariana Barbosa de; MAESTRELLI, Sylvia Regina Pedrosa. A docência na Educação em Ciências: um olhar para as políticas neoliberais. In: Anais do XII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, Natal, 2019. Disponível em <http://abrapecnet.org.br/enpec/xii-enpec/anais/resumos/1/R0984-1.pdf>. Acesso em 12 abr. 2020.

AMORIM, Mariana Barbosa de. O isolamento no início da docência em ciências e o coletivo da escola. 2019. 201 f. Dissertação (Mestrado em Educação Científica e Tecnológica) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2019.

ANDRÉ, Marli. Formação de professores: a constituição de um campo de estudos. Educação, Porto Alegre, v. 33, n. 3, p. 174-181, set./dez. 2010. Disponível em <http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/view/8075/5719>. Acesso em: 15 abr. 2020.

ANDRÉ, Marli. Políticas e programas de apoio aos professores iniciantes no Brasil. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 42, n. 145, p.112-129, jan./abr. 2012. Disponível em <http://publicacoes.fcc.org.br/ojs/index.php/cp/article/view/50/65>. Acesso em: 19 abr. 2020.

BULLOUGH, Robert. Becoming a teacher. In: BIDDLE, Bruce (Org.). International Handbook of Teacher and Teaching. London: Kluwer, 1998. p. 79-134.

COCHRAN-SMITH, Marilyn. Stayers. Leavers, lovers, and dreamers. Insight about teacher retention. Journal of Teacher Education, v. 55, n. 5, p.387-392, nov./dez. 2004. Disponível em <https://journals.sagepub.com/doi/pdf/10.1177/0022487104270188>. Acesso em: 19 abr. 2020.

CUNHA, Maria Isabel da. O tema da formação de professores: trajetórias e tendências do campo na pesquisa e na ação. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 39, n. 3, p. 609-625, jul./set. 2013. Disponível em <http://www.scielo.br/pdf/ep/v39n3/aop1096.pdf>. Acesso em: 19 abr. 2020.

CURADO SILVA, Kátia Augusta Pinheiro Cordeiro. Professores em início de carreira: as dificuldades e descobertas do trabalho docente no cotidiano da escola. In: 38ª Reunião Nacional da ANPEd, 2017, São Luís.  Disponível em: <http://38reuniao.anped.org.br/sites/default/files/resources/programacao/trabalhoencom_38anped_2017_gt08_i_textokatiacurado.pdf>. Acesso em: 20 abr. 2020.

FREIRE, Paulo. Educação na cidade. São Paulo: Cortez, 1991, 144p.

FREIRE, Paulo. Conscientização: Teoria e prática da libertação. Uma Introdução ao Pensamento de Paulo Freire. 3. ed. São Paulo: Centauro, 2008, 116p.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. 41. reimp. São Paulo: Paz e Terra, 2010, 148p.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 62. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2016, 253 p.

FULLAN, Michael; HARGREAVES, Andy. A escola como organização aprendente: buscando uma educação de qualidade. Tradução de: Regina Garcez. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2000, 136 p.

GABARDO, Cláudia Valéria; HOBOLD, Márcia de Souza. Professores iniciantes: acolhimento e condições de trabalho. Atos de Pesquisa em Educação, Blumenau, v. 8, n. 2, p. 530-549, maio/ago. 2013. Disponível em <https://proxy.furb.br/ojs/index.php/atosdepesquisa/article/view/3356/2395>. Acesso em 20 abr. 2020.

HARGREAVES, Andy. Os professores em tempos de mudança: o trabalho e a cultura dos professores na idade pós-moderna. Lisboa: McGraw Hill, 1998, 308p.

HUBERMAN, Michaël. O Ciclo de Vida Profissional dos Professores. In: NÓVOA, António. (Org.) Vidas de Professores. 2. ed. Cidade do Porto: Porto Editora, 2007, p. 31-62.

JOVCHELOVITCH, Sandra; BAUER, Martin W. Entrevista Narrativa. In: BAUER, Martin W.; GASKELL, George (Ed.). Pesquisa qualitativa com texto: um manual prático. Tradução de: Pedrinho A. Guareschi. 2.ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003, p. 90-113.

LORTIE, Dan. School teachers: a sociological study. Chicago: The University of Chicago Press, 1975.

LÜDKE, Menga; BOING, Luiz Alberto. Do trabalho à formação de professores. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 42, n. 146, p.428-451, maio/ago. 2012. Disponível em <http://publicacoes.fcc.org.br/ojs/index.php/cp/article/view/20/40>. Acesso em: 20 abr. 2020.

LÜDKE, Menga; ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de. Pesquisa em Educação: abordagens qualitativas. 2. ed. Rio de Janeiro: E.p.u, 2015, 112 p.

MARCELO, Carlos. A identidade docente: constantes e desafios. Form. Doc., Belo Horizonte, v. 1, n. 1, p. 109-131, ago./dez. 2009. Disponível em <https://revformacaodocente.com.br/index.php/rbpfp/article/view/8/6>. Acesso em: 20 abr. 2020.

MARCELO GARCIA, Carlos. Constantes y desafios actuales de la profesión docente. Revista de Educación, n. 306, p. 205-242, 1995. Disponível em <http://www.educacionyfp.gob.es/dam/jcr:1b9cb46b-573d-4a2b-963f-5c11fb57b410/re3060600494-pdf.pdf>. Acesso em: 20 abr. 2020.

MARCELO GARCIA, Carlos. Formação de Professores Principiantes. In: MARCELO GARCIA, Carlos (Ed.). Formação de professores: para uma mudança educativa. Porto: Porto Editora, 1999. p.112-132.

MARCELO GARCIA, Carlos. O professor iniciante, a prática pedagógica e o sentido da experiência. Form. Doc., Belo Horizonte, v. 2, n. 3, p.11-49, ago./dez. 2010. Disponível em <https://revformacaodocente.com.br/index.php/rbpfp/article/view/17/15>. Acesso em: 20 abr. 2020.

NÓVOA, António. Formação de professores e profissão docente. In: NÓVOA, António (Ed.). Os professores e a sua formação. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1992. p. 15-34.

PAPI, Silmara de Oliveira Gomes; MARTINS, Pura Lúcia Oliver. As pesquisas sobre professores iniciantes: algumas aproximações. Educação em Revista. v. 26, n. 03, p.39-56, dez. 2010. Disponível em <http://www.scielo.br/pdf/edur/v26n3/v26n3a03.pdf>. Acesso em: 2 ago. 2017.

PÉREZ GÓMEZ, Angel. O pensamento prático do professor: a formação do professor como profissional reflexivo. In: NÓVOA, António (Ed.). Os professores e a sua formação. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1992, p. 93-114.

REBOLO, Flavinês; TEIXEIRA, Leny Rodrigues Martins; PERRELLI, Maria Aparecida de Souza; NOGUEIRA, Eliane Greice Davanço; BROSTOLIN, Marta Regina. Mal-estar no início da docência: narrativas produzidas em diferentes cenários de pesquisa. EccoS – Rev. Cient., São Paulo, n.30, p. 183-198, jan./abr. 2013. Disponível em <https://periodicos.uninove.br/index.php?journal=eccos&page=article&op=view&path%5B%5D=3738&path%5B%5D=2441>. Acesso em: 20 abr. 2020.

SCHLICHTE; Jacqueline; YSSEL, Nina; MERBLER, John. Pathways to Burnout: Case Studies in Teacher Isolation and Alienation. Preventing School Failure, v. 50, n. 1, p. 35-40, 2005. Disponível em <https://doi.org/10.3200/PSFL.50.1.35-40>. Acesso em: 20 abr. 2020.

SZYMANSKI, Heloisa; ALMEIDA, Laurinda Ramalho de; PRANDINI, Regina Célia Almeida Rego. A Entrevista na Pesquisa em Educação: a prática reflexiva. 2. ed; Série pesquisa, v.4. Brasília: Liber Livro Editora, 2008, 86p.

TARDIF, Maurice. Saberes profissionais dos professores e conhecimentos universitários: Elementos para uma epistemologia da prática profissional dos professores e suas consequências em relação à formação para o magistério. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n.13, p.5-24, jan./fev./mar./abr. 2000.

TARDIF, Maurice; LESSARD, Claude. O Trabalho Docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas Tradução de: João Batista Kreuch. 5. ed. Petrópolis/RJ: Vozes, 2005, 317p.

TARDIF, Maurice. A profissionalização do ensino passados trinta anos: dois passos para a frente, três para trás. Educ. Soc., Campinas, v. 34, n. 123, p. 551-571, abr./jun. 2013. Disponível em <http://www.scielo.br/pdf/es/v34n123/13.pdf>. Acesso em: 20 abr. 2020.

VEENMAN, Simon. Perceived problems of beginning teachers. Review of Educational Research, n. 54, p. 143–178, 1984.



Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.14244/198271994241

____________

Propriedade Intelectual

Revista Eletrônica de Educação adota a licença Creative Commons BY-NC do tipo "Atribuição Não Comercial".

Essa licença permite, exceto onde está identificado, que o usuário final remixe, adapte e crie a partir do seu trabalho para fins não comerciais, sob a condição de atribuir o devido crédito e da forma especificada pelo autor ou licenciante.

Para mais informações, consultar: https://br.creativecommons.org/

____________

REVISTA ELETRÔNICA DE EDUCAÇÃO. São Carlos (SP): Universidade Federal de São Carlos, Programa de Pós-Graduação em Educação, 2007- . Publicação contínua. ISSN 1982-7199. Disponível em: http://www.reveduc.ufscar.br