Indução profissional e o início do trabalho docente: debates e necessidades (Professional induction and the beginning of teaching work: debates and needs)

Giseli Barreto da Cruz, Isabel Maria Sabino de Farias, Márcia de Souza Hobold

Resumo


e4149114

This piece of writing, in the form of a theoretical essay, aims to problematize the concept of professional teaching induction, a reflection developed in dialogue with the analysis of the possibilities and weaknesses that permeate the beginning of the teaching career. The article starts from the distinction of the terms professional insertion, beginning teachers, commencing teachers, incoming teachers and teaching induction, all articulated to the field of teacher education. In this path, it discusses conceptions and policies of professional induction to teaching in the search to highlight induction not as a way of inducing early-career teachers to continue teaching, but as a construct that recognizes and defends the need of these teachers to have space for formation, welcoming and monitoring of their professional performance. It is argued that the concept of induction among us cannot be incorporated without a critical understanding of the objective and subjective working conditions experienced by teachers, which, in many foreign countries, are much more adequate than in the Brazilian reality. The analyses of this essay are supported by the studies of: Alarcão & Roldão; Cochran-Smith; Lima; Marcelo; Marcelo & Vaillant; Vaillant.

Resumo

Este escrito, em forma de um ensaio teórico, objetiva problematizar o conceito de indução profissional docente, reflexão desenvolvida em diálogo com a análise sobre as possibilidades e fragilidades que permeiam o começo da carreira docente. O artigo parte da distinção dos termos inserção profissional, professores iniciantes, professores principiantes, professores ingressantes e indução docente, todos articulados ao campo da formação de professores. Neste percurso discute concepções e políticas de indução profissional docente na busca por evidenciar a indução não como uma forma de induzir os professores em início de carreira à continuidade no trabalho docente, mas como um constructo que reconhece e defende a necessidade de que esses professores tenham espaço de formação, acolhimento e acompanhamento de sua atuação profissional. Argumenta-se que o conceito de indução entre nós não pode ser incorporado sem uma compreensão crítica em relação às condições objetivas e subjetivas de trabalho vividas pelos professores, as quais, em muitos países estrangeiros, são bem mais adequadas do que na realidade brasileira. As análises deste ensaio encontram-se sustentadas nos estudos de: Alarcão e Roldão; Cochran-Smith; Lima; Marcelo; Marcelo e Vaillant; Vaillant.

Palavras-chave: Formação de professores, Inserção profissional docente, Indução profissional docente, Trabalho docente.

Keywords: Teacher education, Teaching professional insertion, Professional induction, Teaching work.

References

ALARCÃO, Isabel; ROLDÃO, Maria do Céu. Um passo importante no desenvolvimento profissional dos professores: o ano de indução. Formação Docente, Belo Horizonte, v. 6, n. 11, p. 109-126, ago/dez, 2014.

ANDRÉ, Marli. Políticas e programas de professores iniciantes no Brasil. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 42, n. 145, p. 112-129, jan./abr, 2012.

BELL, Judith. Revisão Teórica. In: ______. Projeto de Pesquisa: Guia para pesquisadores iniciantes em Educação, Saúde e Ciências Sociais. 4. ed. Porto Alegre: Artmed, 2008, p. 89-99 (Capítulo 6).

BOLAM, Ray et al. The Induction of Newly Qualified Teachers in Schools: where next? British Journal of In-Service Education, Londres, v. 21, (3), p. 247-260, 1995.

CAMPELO, Talita da Silva; CRUZ, Giseli Barreto da. “Deprivatizacion of practice” como estratégia de formação inicial docente no PIBID Pedagogia. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara - SP, v. 14, n. 1, p. 169-187, jan./mar., 2019.

COCHRAN-SMITH, Marilyn. A tale of two teachers: Learning of teach over time. Kappa Delta Pi Record, Indianápolis, vol. 48, 3, p. 108-122, july-sept, 2012.

COCHRAN-SMITH, Marilyn; LYTLE, Susan. Relationships of Knowledge and Practice: teacher learning in communities. Review of Research in Education, USA, n. 24, p. 249-305, 1999.

COSTA, Elana Cristiana dos Santos. Perspectivas de indução profissional docente nas relações entre Equipe de Articulação Pedagógica e Professor Iniciante na Rede Municipal de Educação de Niterói/RJ. Projeto de tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: UFRJ, 2018.

CRUZ, Giseli Barreto da. Pesquisa COM Professores Iniciantes: Um estudo sobre indução profissional. Projeto de Pesquisa. Rio de Janeiro: UFRJ, 2018, p.38.

GIOVANNI, Luciana Maria; GUARNIERI, Maria Regina. Pesquisas sobre professores iniciantes e as tendências atuais de reforma da formação de professores: distância, ambiguidades e tensões. In: Professores Iniciantes: diferentes necessidades em diferentes contextos. Araraquara, SP: Junqueira & Marin, 2014, p. 33 a 44.

HUBERMAN, Michaël. On teachers careers: once over light, with a broad brush. International Journal of Educational Research, v. 13, n. 4, p. 347-362, 1989.

HUBERMAN, Michaël. O ciclo de vida professional dos professors. In: NÓVOA, Antònio (org.). Vidas de professores. Porto: Porto Editora, 1995, p. 31-61.

LIMA, Emília Freitas de. A construção do início da docência: reflexões a partir de pesquisas brasileiras. Revista do Centro de Educação. Universidade Federal de Santa Maria, RS, v, 29, n. 2, p. 85-98, 2004.

LIMA, Emília Freitas de (org.). Sobrevivências no início da docência. Brasília: Líber Livro Editora, 2006, 104 p.

LIMA, Emília Freitas de Lima et al. Sobrevivendo ao início da carreira docente e permanecendo nela: Como? Por quê? O que dizem alguns estudos. Educação e linguagem. São Paulo, v.10, n. 15, p.138-160, jan/jun, 2007.

MAANEN, John Van; SCHEIN, Edgar. Toward a Theory of Organizational Socialization. Research in Organizational Behavior, Reino Unido, vol. 1, p. 209-264, 1979.

MARCELO GARCIA, Carlos. Investigaciones y experiencias: el primero año de enseñanza. Análises del proceso de socialización de profesores principiantes. Revista de educación, Sevilha/ES, n. 300, p. 225-277, 1993.

MARCELO GARCIA, Carlos. Estudio sobre estrategias de inserción profesional en Europa. Revista Iberoamericana de Educación, Madrid/ES, n. 19, p. 101-143, 1999a.

MARCELO GARCIA, Carlos. Formação de professores: para uma mudança educativa. Tradução Isabel Narciso. 1ª ed. Portugal: Porto Editora,1999b, 272 p.

MARCELO GARCIA, Carlos. Políticas de Inserción a la docencia: Del eslabón perdido al puente para el desarollo profesional docente. Taller Internacional: Conversemos sobre Educación. Bogotá, 2006. (p.1-35).

MARCELO, Carlos; VAILLANT, Denise. Ensinando a ensinar: as quatro etapas de uma aprendizagem. Curitiba: Ed. UTFPR, 2012.

MARCELO, Carlos; VAILLANT, Denise. Políticas y programas de inducción em la docência em latinoamerica. Caderno de Pesquisa, São Paulo, nº 166, p. 1224 a 1249, out-dez, 2017.

MIRA, Marilia Marques; ROMANOWSKI, Joana Paulin. Programas de inserção profissional para professores iniciantes: revisão sistemática. Formação Docente, Belo Horizonte, v. 07, n. 13, p. 85-98, ago./dez. 2015.

NONO, Maévi Anabel. Professores iniciantes: o papel da escola em sua formação. Porto Alegre: Editora Mediação, 2011.

NÓVOA, Antònio. Formação de professores e profissão docente. In: NÓVOA, A. (Org.). Os professores e a sua formação. Portugal, Lisboa: Dom Quixote, 1992, p. 15-34.

RODRIGUES, Roberlúcia Alves. Professores iniciantes egressos do PIBID em ação: aproximações à sua prática profissional. 2017, 136f. Dissertação (Mestrado em Educação) – UECE, Fortaleza, 2017.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. 16ª ed. Petrópolis/RJ: Vozes, 2014.

VAILLANT, Denise. Políticas de inserción a la docencia en America Latina: la deuda pendiente. Profesorado. Revista de Curriculum y Formación del Profesorado, Sevilha/ES, v. 13, n. 1, p. 27-41, 2009.

VEENMAN, Simon. Perceived Problems of Beginning Teachers. Review of Educational Research, USA, v. 54, n. 2, p. 143-178, 1984.

VONK, J.H.C. A Knowledge Base for Mentors of Beginning Teachers: Results of a Dutch Experience. R. Mc Bridge (ed.). Teacher Education Policy, London, Falmer Press, p.112-134, 1996.

WONG, Harry K. Induction Programs That Keep New Teachers Teaching and Improving. NASSP Bulletin, v. 88, n. 638, p. 41-58, march, 2004.


Texto completo:

PDF PDF (English)


DOI: https://doi.org/10.14244/198271994149

____________

Propriedade Intelectual

Revista Eletrônica de Educação adota a licença Creative Commons BY-NC do tipo "Atribuição Não Comercial".

Essa licença permite, exceto onde está identificado, que o usuário final remixe, adapte e crie a partir do seu trabalho para fins não comerciais, sob a condição de atribuir o devido crédito e da forma especificada pelo autor ou licenciante.

Para mais informações, consultar: https://br.creativecommons.org/

____________

REVISTA ELETRÔNICA DE EDUCAÇÃO. São Carlos (SP): Universidade Federal de São Carlos, Programa de Pós-Graduação em Educação, 2007- . Publicação contínua. ISSN 1982-7199. Disponível em: http://www.reveduc.ufscar.br