As perspectivas de tecnologia dos educadores em formação: valores em disputa (Teachers’ approaches of technology: values under discussion)

Marina Bazzo de Espíndola, Rosely Zen Cerny, Rachel Seixas Xavier

Resumo


Based on the works of Feenberg (2013) and Selwyn (2011; 2014) about the Critical Theory of Technology and the Ideologies of Educational Technology, the aim of this study is to analyse the values of technologies assigned by teachers in the context of in service training. For this, some of their production during the Education in the Digital Culture Latu sensu course was object of a content analyses (BARDIN, 1977). The results show the most prominent values assigned by those teachers towards technology are: 1) Technology as Progress and Efficiency and 2) Technology as Democratic Possibility and Redesign of Education Practices.

Resumo

O estudo aqui apresentado tem como objetivo analisar os valores atribuídos às tecnologias digitais na prática educativa, a partir da pesquisa nas produções das Narrativas Digitais realizadas no Curso de Especialização Educação na Cultura Digital por educadores da rede pública de Santa Catarina (SC). A partir dos trabalhos de Feenberg (2013) e Selwyn (2011; 2014) acerca da Teoria Crítica da Tecnologia e das ideologias da Tecnologia Educacional, buscou-se, por meio da análise de conteúdo (BARDIN, 1977), identificar quais os valores atribuídos às TDIC nas narrativas digitais produzidas pelos educadores em formação. Os resultados mostram que, neste processo de reflexão, os valores atribuídos pelos professores as TDIC nas práticas pedagógicas, são, em geral, contraditórios, mas podem ser categorizados em duas perspectivas principais: a de 1) Tecnologia como Eficácia e Progresso e 2) Tecnologia como Possibilidade Democrática e Ressignificação das Práticas Educativas.

Palavras-chave: Tecnologia, Educação, Valores, Formação de Professores.

Keywords: Technology, Education, Values, Teacher Training.

References

ABBAGNANO, N. Dicionário de filosofia. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

ALONSO, K. M. Cultura digital e formação: entre um devir e realidades pungentes. In: CERNY, R. Z.; RAMOS, E. M. F. (Org). Formação de Educadores na Cultura Digital: a construção coletiva de uma proposta. Florianópolis: UFSC - CED – NUP, 2017.

BALL, S. J. Sociologia das políticas educacionais e pesquisa crítico-social: uma revisão pessoal das políticas educacionais e da pesquisa em política educacional. Currículo sem Fronteiras, Pelotas, v. 6, n. 2, p. 10-32, jul./dez. 2006. Disponível em: <http://www.curriculosemfronteiras.org/vol6iss2articles/ball.pdf>

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Tradução de Luís Antero Reta e Augusto Pinheiro.  Lisboa, Portugal: Ed. 70, 1977.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011. 

BELLONI, M. L. O que é mídia-educação. Campinas: Autores Associados, 2001.  

BELLONI, M. L.; BÉVORT, E.. Mídia-Educação: conceito, história e perspectivas. Educ. Soc. Campinas, vol. 30, n. 109, p. 1081-1102, set./dez. 2009.

BOGDAN, R. C.; BIKLEN, S. Investigação qualitativa em educação. Tradução Maria João Alvarez, Sara Bahia dos Santos e Telmo Mourinho Baptista. Porto: Porto Editora, 1994.

CERNY, R. Z.; RAMOS, E.M.F. Projeto de criação e desenvolvimento do Curso de Especialização em Educação na Cultura Digital In: CERNY, R. Z. et al. (Org.) Formação de Educadores na Cultura Digital: a construção coletiva de uma proposta. Florianópolis: UFSC - CED – NUP, 2017.

FEENBERG, A. A tecnologia pode incorporar valores? A resposta de Marcuse para a questão da época. In: R.T. NEDER (org.), A teoria crítica de Andrew Feenberg: racionalização democrática, poder e tecnologia. Brasília, Observatório do Movimento pela Tecnologia Social na América Latina/CDS, 2010. p. 289-336. Disponível em: <http://www.sfu.ca/~andrewf/portA%20tecnologia%20pode%20incorporar%20valores.htm#_ftn1>. Acesso em: maio de 2018.

FREITAS, L. C de. Os reformadores empresariais da educação e a disputa pelo controle do processo pedagógico na escola. Educ. Soc. vol. 35 n.129. Campinas out./dez, p.1085-1114. 2014. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/es/v35n129/0101-7330-es-35-129-01085.pdf>

MARTÍN-BARBERO, Jesús. A comunicação na educação. Tradução de Maria Immacolata Vassallo de Lopes e Dafne Melo. São Paulo: Contexto, 2014.

MASON, M. The pirate’s dilemma: How hackers, punk capitalists, graffiti millionaires and other youth movements are remixing our culture and changing our world. Harmondsworth: Penguin, 2006.

NEDER, R. T. (Org.) – Andrew Feenberg: Racionalização Democrática, Poder e Tecnologia. Brasília: Observatório do Movimento pela Tecnologia  Social na América Latina/CDS/UnB/Capes, 2010.

SELWYN, N. O que queremos dizer com “educação” e “tecnologia”? In: Education and Tecnology: key issues and debates. Edição para Kindle. Traduzido pela Profa. Dra. Giselle Martins dos Santos Ferreira, Coordenadora do Grupo de Pesquisas TICPE, PPGE/UNESA. 2011. Londres: Bloomsbury, 2011. Disponível em: <https://ticpe.files.wordpress.com/2016/12/neil_selwyn_keyquestions_cap1_trad_pt_final1.pdf> Acesso em: maio 2018.

SELWYN, N. A tecnologia educacional como ideologia. In: Distrusting Educational Technology. Edição para Kindle. Traduzido por Profa. Dra. Giselle Martins dos Santos Ferreira, Coordenadora do Grupo de Pesquisas TICPE, PPGE/UNESA. Londres: Routledge, 2014. Disponível em: <https://ticpe.files.wordpress.com/2016/12/neil_selwyn_distrusting_cap2_trad_pt_final.pdf>. Acesso em: maio 2018.

SIBILIA, P. Redes ou Paredes: a escola em tempos de dispersão. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.

SILVA, G. C. e. O Conceito de ambivalência da Tecnologia e a Educação. In: III Encontro de  Filosofia da Educação do Norte e do Nordeste, Recife: PE,  v. 1, 2006.  p. 1-21. Disponível em: <http://www.pucrs.br/ciencias/viali/tic_literatura/artigos/gildemarkscosta_tra.pdf> Acesso em:  maio 2018.

SUORANTA, J.; VADEN, T. Wikiworld. London: Pluto Press, 2010.

e3833009


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.14244/198271993833

____________

Propriedade Intelectual

Revista Eletrônica de Educação adota a licença Creative Commons BY-NC do tipo "Atribuição Não Comercial".

Essa licença permite, exceto onde está identificado, que o usuário final remixe, adapte e crie a partir do seu trabalho para fins não comerciais, sob a condição de atribuir o devido crédito e da forma especificada pelo autor ou licenciante.

Para mais informações, consultar: https://br.creativecommons.org/

____________

REVISTA ELETRÔNICA DE EDUCAÇÃO. São Carlos (SP): Universidade Federal de São Carlos, Programa de Pós-Graduação em Educação, 2007- . Publicação contínua. ISSN 1982-7199. Disponível em: http://www.reveduc.ufscar.br