Por que professores utilizam vídeos como mediadores no processo de aprendizagem? (Why teachers use videos as mediators in the learning process?)

Bianca Cassola Pereira, Hylio Laganá Fernandes

Resumo


This article was based on a research carried out to investigate the reasons that lead teachers to use videos in their classes in the city of Sorocaba / SP. This is an exploratory research of a qualitative and quantitative nature, which used as a data collection instrument a questionnaire with a script of closed and open questions, practically applied; Twenty-five participating teachers from different segments of basic education participated in the study. Tabulation of the closed questions and content analysis of the open dissertation questions were carried out. The results show the reasons that professors allege to use (or not) videos in their classes and methodological options of those who use this resource, including related to the phases of the professional cycle that are. The minority group of non-users argue about lack of physical structure and / or time to watch and select works; the teachers who make use of the video in class use to illustrate and complement the content of the discipline, highlighting among the most common reasons for choosing this resource the interactivity provided by considering the current society as an "Image Society". The justifications presented for the choice of this mediating instrument could be categorized into six themes: Complementation; Image Society; Introduction; Instigation; Interactivity; Recreation. These categories emerge according to the video's display objectives and provide clues about the methodologies used by teachers; in this sense there was a certain structural pattern, which consists of three moments: 1-theme presentation, 2-video display and 3-return. There was, however, variation in the presentation of the theme (theoretical exposition, previous knowledge survey, and questionnaire), how the exhibition occurs (with or without pauses) and the conclusion of the action (talk wheel and / or textual production).

Resumo 

Este artigo se constituiu a partir de uma pesquisa realizada para investigar os motivos que levam os professores a utilizar vídeos em suas aulas no município de Sorocaba/SP. Trata-se de uma pesquisa exploratória de cunho qualiquantitativo, que utilizou como instrumento de coleta de dados um questionário com roteiro de questões fechadas e abertas, aplicadas virtualmente; participaram do estudo vinte e cinco docentes, de diversos segmentos da educação básica. Foi realizada tabulação das questões fechadas e análise de conteúdo das questões dissertativas abertas. Os resultados apresentam os motivos que os docentes alegam para utilizar (ou não) vídeos em suas aulas e opções metodológicas daqueles que utilizam este recurso, inclusive relacionadas às fases do ciclo profissional em que se encontram. O grupo minoritário dos que não utilizam argumentam sobre falta de estrutura física e/ou tempo para assistir e selecionar as obras; os docentes que fazem uso do vídeo em aula utilizam para ilustrar e complementar o conteúdo da disciplina, destacando entre os motivos mais comuns para a escolha deste recurso a interatividade proporcionada, por considerarem a sociedade atual como uma “Sociedade da Imagem”. As justificativas apresentadas para a escolha deste instrumento mediador puderam ser categorizadas em seis temas: Complementação; Sociedade de Imagem; Introdução; Instigação; Interatividade; Lazer.  Tais categorias emergem consoantes aos objetivos de exibição do vídeo e fornecem indícios sobre as metodologias empregadas pelos docentes; nesse sentido verificou-se certo padrão estrutural, que consiste em três momentos: 1-apresentação do tema, 2-exibição do vídeo e 3-retorno. Houve, contudo, variação nas formas de apresentação do tema (exposição teórica, levantamento de conhecimentos prévios, questionário), na forma como ocorre a exibição (com ou sem pausas) e na conclusão da ação (roda de conversa e/ou produção textual).

Resumen

Este artículo se constituyó a partir de una investigación realizada para buscar los motivos que llevan a los profesores a utilizar videos en sus aulas en el municipio de Sorocaba / SP. Se trata de una investigación exploratoria de cuño cualiquantitativo, que utilizó como instrumento de recolección de datos un cuestionario con guión de cuestiones cerradas y abiertas, aplicadas virtualmente; participaron del estudio veinticinco docentes participantes, de diversos segmentos de la educación básica. Se llevó a cabo la tabulación de las cuestiones cerradas y el análisis de contenido de las cuestiones abiertas. Los resultados muestran los motivos que los docentes alegan para utilizar (o no) vídeos en sus clases y opciones metodológicas de aquellos que utilizan este recurso, incluso relacionadas a las fases del ciclo profesional que se encuentran. El grupo minoritario de los que no utilizan argumentan sobre falta de estructura física y / o tiempo para asistir y seleccionar las obras; los docentes que hacen uso del video en clase las utilizan para ilustrar y complementar el contenido de la disciplina, destacando entre los motivos más comunes para la elección de este recurso la interactividad proporcionada por considerar la sociedad actual como una "Sociedad de la Imagen". Las justificaciones presentadas para la elección de este instrumento mediador pudieron ser categorizadas en seis temas: Complementación; Sociedad de la imagen; introducción; instigación; interactividad; Ocio. Tales categorías emergen según los objetivos de exhibición del vídeo y proporcionan indicios sobre las metodologías empleadas por los docentes; en ese sentido se verificó cierto patrón estructural, que consiste en tres momentos: 1-presentación del tema, 2-visualización del vídeo y 3-retorno. En la forma en que ocurre la exhibición (con o sin pausas) y en la conclusión de la acción (rueda de conversación y / o producción textual), hubo variación en las formas de presentación del tema (exposición teórica, levantamiento de conocimientos previos, cuestionario).

Palavras-chave: Docentes de Sorocaba; Interatividade, Instigar.

Keywords: Sorocaba teachers, Interactivity, Instigate.

Palabras clave: Docentes de Sorocaba, Interactividad, Instigar.

References

BRASIL. Ministério da Educação. Lei nº 13.006, de 26 de junho de 2014
Acrescenta § 8o ao art. 26 da Lei no 9.394. Disponível em < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13006.htm> Acesso em 28 de maio 2017.

CORROCHANO, M. C.; PISTILLI, P. Gerações em diálogo: cinema e produção audiovisual no ensino médio. In: FRESQUET, A. (Org.). Cinema e Educação: a lei 13.006 - reflexões, perspectivas, propostas. 1ed. Belo Horizonte: Universo Produção, 2015, v. 1, p. 157-166. Disponível em:

<http://www.educacao.ufrj.br/portal/livros/Cinema%20e%20eduCa%C3%A7%C3%A3o%20a%20lei%2013.006.pdf> Acesso em 08 out 2017.

COSTA, O. J. da. Ciclo de vida profissional dos professores universitários do Tocantins: uma análise segundo Huberman. In: VII CONNEPI, Anais... 2012, Palmas, Tocantins, 2012.

HUBERMAN, M. O ciclo de vida profissional dos professores. In: NÓVOA, A. (Org.). Vidas de professores. 2 ed. Portugal: Porto Editora, 1995. cap. II. p. 31-61. Disponível em < https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/4118842/mod_resource/content/1/HUBERMAN%20Micahel_O%20ciclo%20de%20vida%20profissional%20dos%20professores.pdf >

KLAMMER, C. R.; FORTUNATO, J.; MELO, R.  A importância do cinema por meio do cineclube na escola. In: EDUCERE - XII Congresso Nacional de Educação. Anais... Paraná: PUC, 2015.

MIRANDA, C.E.A. Ver filmes, dizer educação, olhar cultura. Revista de Educação PUC Campinas, v.3, n.5, p. 13-20. 1998. Disponível em < http://periodicos.puc-campinas.edu.br/seer/index.php/reveducacao/article/view/433/413>  Acesso em 08 out 2017.

MORAN, J. M. O vídeo em sala de aula. Comunicação & Educação. São Paulo, ECA – Ed. Moderna, [2]: 27 a 35, jan/abr de 1995 (com bibliografia atualizada).

NOGUEIRA, R.  Elaboração e análise de questionários: uma revisão da literatura básica e a aplicação dos conceitos a um caso real. Rio de Janeiro: UFRJ/COPPEAD, 2002. p. 2-4.

NÓVOA, J. Apologia da relação cinema-história. In: O olho da História. Revista de História Contemporânea; v.1, n. 1. Salvador: Bahia, Nov 1995. Disponível em < http://www.cinemahistoria.org/2015/04/novoa-jorge-apologia-da-relacao-cinema.html> Acesso 08 out 2017.

SANTOS, F. M. dos. Análise de conteúdo: a visão de Laurence Bardin. Resenha de [BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2001, 229p.] Revista Eletrônica de Educação. São Carlos, SP: UFSCar, v.6, no. 1, p. 383-387, maio 2012. Disponível em <http://www.reveduc.ufscar.br>.

SILVA, C. R.; GOBBI, B. C.; SIMÃO, A. A. O uso da análise de conteúdo como uma ferramenta para a pesquisa qualitativa: descrição e aplicação do método. Organizações Rurais & Agroindustriais, vol. 7, núm. 1, 2005, pp. 70-81. Universidade Federal de Lavras, Minas Gerais, Brasil.  Disponível em < http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=87817147006> Acesso em 14 set 2017.

VARANI, A.; CHALUH, L. N. O uso do filme na formação de professores. ETD – Educação Temática Digital, Campinas, v.10, n.1, p. 1-23, dez 2008.

e3831004


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.14244/198271993831

____________

Propriedade Intelectual

Revista Eletrônica de Educação adota a licença Creative Commons BY-NC do tipo "Atribuição Não Comercial".

Essa licença permite, exceto onde está identificado, que o usuário final remixe, adapte e crie a partir do seu trabalho para fins não comerciais, sob a condição de atribuir o devido crédito e da forma especificada pelo autor ou licenciante.

Para mais informações, consultar: https://br.creativecommons.org/

____________

REVISTA ELETRÔNICA DE EDUCAÇÃO. São Carlos (SP): Universidade Federal de São Carlos, Programa de Pós-Graduação em Educação, 2007- . Publicação contínua. ISSN 1982-7199. Disponível em: http://www.reveduc.ufscar.br