Cultura da leitura e escrita em práticas mídia-educativas nas escolas municipais do Rio de Janeiro (Reading and writing culture during media-educational practices in Rio de Janeiro's municipal schools)

Patrícia Teixeira de Sá, Mirna Juliana Santos Fonseca, Carla Silva Machado

Resumo


In 2015, the Education and Media Department of Rio de Janeiro's Secretary of Municipal Education, the Desiderata NGO Institute and the Research Group on Education and Media of PUC-Rio conducted a quantitative research on educational media practices, of which 911 municipal schools took part, and the results showed a low recurrence in producing digital media and audiovisual content in municipal schools. Some numbers in answered questionnaires draw called our attention: in 90.6% of the schools, students frequently "watched movies and videos", while in 53.7%, no video content has ever been previously produced with students. Results indicate that the media-educational practices based on production related to reading and writing, such as books, fanzines and newspapers, are better consolidated in those schools. Based on these data, this article aims to structure arguments for understanding this scenario, focusing on the comparative analysis between public policies to promote reading and those of media-educational practices, in order to raise questions about the role of digital media in school culture, taking into account that students are agents in social networks, sharing opinions and producing content. School culture, media education, digital literacy are the concepts that allows for the broadening of the debate on this topic. The research concludes that latent media-educational practices in the daily life of these schools occur by means of isolated actions of teachers and collectives, and argues for the need of a systematized and continued institutional articulation so that school learning is enriched with the potential represented by the use of digital and audiovisual media in contemporary times.

Resumo

Em 2015, a Gerência de Mídia e Educação/SME-RJ, o Instituto Desiderata e o Grupo de Pesquisa em Educação e Mídia da PUC-Rio realizaram uma pesquisa quantitativa sobre práticas mídia-educativas, que contou com participação de 911 escolas da rede municipal e apontou a baixa recorrência de produção de mídias digitais e audiovisuais nas escolas. Alguns números dos questionários respondidos chamam a atenção: 90,6% das escolas assinalaram “assistir a filmes/vídeos” com frequência, enquanto 53,7% apontaram nunca ter produzido vídeos com os alunos. Os resultados indicam estar consolidadas nessas escolas práticas mídia-educativas que têm por base a produção de materiais ligados à cultura da leitura e escrita, como livros, fanzines e jornais. A partir desses dados, este artigo tem por objetivo estruturar argumentos para a compreensão desse cenário, com foco na análise comparativa entre políticas públicas de promoção da leitura e de práticas mídia-educativas, a fim de levantar questões sobre o papel das mídias digitais na cultura escolar, levando em conta que os estudantes atuam nas redes virtuais, compartilhando opiniões e produzindo conteúdos. Cultura escolar, mídia-educação, literacia digital são os conceitos que permitem o adensamento do debate sobre esse tema. A pesquisa conclui que as práticas mídia-educativas latentes no cotidiano dessas escolas ocorrem por meio de ações isoladas de professores e coletivos, e argumenta sobre a necessidade de uma articulação institucional sistematizada e prolongada para que a aprendizagem escolar se enriqueça com o potencial representado pelo uso das mídias digitais e audiovisuais na contemporaneidade.

Palavras-chaves: Práticas mídia-educativas, Cultura do impresso, Educação básica, Políticas públicas.

Keywords: Media-educational practices, Printed text culture, Basic education, Public policy.

References

CHARTIER, R. A aventura do livro: do leitor ao navegador. São Paulo: Ed. Unesp, 1999.

DUARTE, R. et al. Pesquisa projetos de mídia-educação nas escolas da rede pública municipal do Rio de Janeiro e aprendizagem escolar: 2015/2016. Relatório. Rio de Janeiro: Instituto Desiderata, 2016. Disponível em: http://www.grupem.pro.br/2016/12/22/projetos-de-midia-educacao-nas-escolas-da-rede-publica-municipal-do-rio-de-janeiro-e-aprendizagem-escolar/. Acesso em: 12 ago. 2018. 

GUTIÉRREZ, A.; TYNER, K. Educación para los medios, alfabetización mediática y competencia digital. Comunicar, n. 38, p. 31-39, 2012.

JENKINS, H. Cultura da convergência. São Paulo, Aleph, 2009.

LIVINGSTONE, S. Internet literacy: a negociação dos jovens com as novas oportunidades on-line. Matrizes, São Paulo, n. 2, p. 11-42, jan./jun. 2011.

MARTÍN-BARBERO, J. Novos regimes de visualidade e descentramentos culturais. In: FILÉ, V. Batuques, fragmentações e fluxos: zapeando pela linguagem audiovisual escolar. Rio de Janeiro: DP&A, 2000.

MARTÍN-BARBERO, J. Tecnicidades, identidades, alteridades: mudanças e opacidades da comunicação no novo século. In: MORAES, D. (Org.). Sociedade midiatizada. Rio de Janeiro: Mauad, 2006.

MAUÉS, Flamarion. A exclusão da leitura. Revista Teoria e Debate. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, n. 50, fev./mar./abr. 2002.

RODRIGUES, Maria Antonieta Sampaio. A literatura na formação cultural: a literatura como mediadora. 2013. Dissertação (Mestrado em Letras) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013.

ROJO, R. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

STREET, B. Letramentos sociais: abordagens críticas do letramento no desenvolvimento, na etnografia e na educação. São Paulo: Parábola Editorial, 2014.

TAVARES, M.; DUARTE, R.; JORDÃO, C. Prática mídia-educativa de análise de produtos e conteúdos midiáticos nas escolas da Prefeitura do Rio de Janeiro. Revista Educação e Cultura Contemporânea, v. 13, n. 31, p. 323-349, ago. 2016.

TAYIE, S.; PATHAK-SHELAT, M.; HIRSJARVI, I. La interacción de los jóvenes con los medios en Egipto, India, Finlandia, Argentina y Kenia. Comunicar, n. 39, p. 53-63, 2012.

WEIERS, Daniela Piergili. Políticas Públicas de Fomento à Leitura: política nacional, agenda governamental e práticas locais, 2011. Dissertação (Mestrado) – Escola de Administração de Empresas de São Paulo, São Paulo, 2011.

e3830003


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.14244/198271993830

____________

Propriedade Intelectual

Revista Eletrônica de Educação adota a licença Creative Commons BY-NC do tipo "Atribuição Não Comercial".

Essa licença permite, exceto onde está identificado, que o usuário final remixe, adapte e crie a partir do seu trabalho para fins não comerciais, sob a condição de atribuir o devido crédito e da forma especificada pelo autor ou licenciante.

Para mais informações, consultar: https://br.creativecommons.org/

____________

REVISTA ELETRÔNICA DE EDUCAÇÃO. São Carlos (SP): Universidade Federal de São Carlos, Programa de Pós-Graduação em Educação, 2007- . Publicação contínua. ISSN 1982-7199. Disponível em: http://www.reveduc.ufscar.br