Educação e mídias digitais: a necessária síntese da contradição valor de uso/valor de troca (Education and digital media: the necessary synthesis of the use-value / exchange value contradiction)

Benedito de Jesus Pinheiro Ferreira

Resumo


Use value refers to the usefulness of social productions in the sense of the increasingly effective fulfillment of human needs, as well as the production of new, ever richer, more human needs. However, in a society oriented by the logic of capital, thus oriented to the production of goods for exchange (commodities), the use value will always be determined, though not unilaterally, by the fact that it is in indissoluble unity with the exchange value, which leads, as a rule, to the secondary consideration of supplying/ production of needs in favor of the increased production of plus-value, the source of capital profit. This paper analyzes, employing literature review, a discussion about the contradiction of use value / exchange value incident on the use of digital media in education. Based on the Marxian dialectical method, a discussion is made about this contradiction, analyzing (abstracting, isolating) on the one hand the rich possibilities opened by the development of these technologies; and on the other hand, the process of commodification incident on the educational phenomenon, which interferes with the realization of that possibilities. As a synthesis, it is argued that the ontologically human moment, oriented to the use value, although determined by the purpose of producing plus-value, constitutes the fundamental social reference for the critique of the commodification process that occurs in education in general, with consequences in the way the means necessary to achieve the ends are conceived and adopted, a fundamental critical attitude for digital technologies to be part of an effective humanization process.

Resumo

O valor de uso refere-se à utilidade das produções sociais, no sentido do atendimento cada vez mais efetivo das necessidades humanas, bem como de produção de novas necessidades, cada vez mais ricas, mais humanas. Entretanto, em uma sociedade regida pela ordem do capital, orientada, portanto, à produção de bens para a troca (mercadorias), o valor de uso estará sempre determinado, embora não unilateralmente, pelo fato de se encontrar em unidade indissolúvel com o valor de troca, o que leva em regra à secundarização desse papel de atendimento/produção de necessidades em favor da extração ampliada de mais-valor, fonte de lucro do capital. Este artigo, analisa, empregando revisão de literatura, uma discussão sobre a contradição valor de uso/valor de troca incidente sobre o emprego das mídias digitais na educação. Tomando-se como base o método dialético marxiano, faz-se uma discussão, sobre essa contradição, analisando (abstraindo, isolando) por um lado, as ricas possibilidades abertas pelo desenvolvimento dessas tecnologias; e de outro lado, o processo de mercantilização incidente no fenômeno educativo, que interfere na efetivação daquele potencial. Como síntese, sustenta-se que o momento ontologicamente humano, orientado ao valor de uso, embora determinado pela busca da produção de mais-valor, constitui referência social fundamental para a crítica do processo de mercantilização que incide na educação de forma geral, com rebatimentos na maneira como se escolhem e adotam os meios necessários para atingimento dos fins, crítica fundamental para que as tecnologias digitais se insiram em um efetivo processo de humanização.

Resumen

El valor de uso se refiere a la utilidad de las producciones sociales en el sentido de la satisfacción cada vez más efectiva de las necesidades humanas, así como a la producción de nuevas necesidades cada vez más ricas y más humanas. Sin embargo, en una sociedad gobernada por el orden del capital, orientada a la producción de bienes para el intercambio (mercancías), el valor de uso siempre estará determinado, aunque no de manera unilateral, por el hecho de que está en una unidad indisoluble con el valor de cambio, lo que lleva, por regla general, a la secundarización del papel de satisfacción / producción de necesidades en favor de una mayor extracción de más valor, fuente de ganancias del capital. Este artículo analiza, utilizando una revisión de la literatura, una discusión sobre la contradicción valor de uso / valor de cambio incidente en el uso de las medias digitales en la educación. Basado en el método dialéctico marxista, se discute sobre esta contradicción, analizando (abstrayendo, aislando) por un lado las ricas posibilidades abiertas por el desarrollo de estas tecnologías; y, por otro lado, el proceso de mercantilización que ocurre en el fenómeno educativo, que interfiere con la realización de ese potencial. En síntesis, se argumenta que el momento ontológicamente humano, orientado al valor de uso, aunque determinado por la búsqueda de la producción de más valor, constituye una referencia social fundamental para la crítica del proceso de mercantilización que ocurre en la educación en general, con efectos en la forma en que se eligen y adoptan los medios necesarios para lograr los fines, una crítica fundamental para que las tecnologías digitales sean parte de un proceso de humanización efectivo.

Palavras-chave: Marxismo, Trabalho e educação, Assimilação crítica de tecnologia. 

Keywords: Marxism, Education and work, Technology uses in education.

Palabras claves: Marxismo, trabajo y educación, asimilación crítica de la tecnología.

References

BARRETO, Raquel. G. Uma análise do discurso hegemônico acerca das tecnologias na educação. Perspectiva, Florianópolis, v. 30, n. 1, p. 41-58, jan.-abr. 2012. Disponível em <https://periodicos.ufsc.br/index.php/perspectiva/ article/view/2175-795X.2012v30n1p41>. Acesso em: 02 out. 2019.

BARRETO, Raquel Goulart. A formação de professores a distância como estratégia de expansão do ensino superior. Educ. Soc., Campinas, v. 31, n. 113, p. 1299-1318, dez. 2010. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302010000400013&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em 10 out. 2019.

BRASIL. Decreto n. 9.057, de 25 de maio de 2017.  Regulamenta o art. 80 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Presidência da República, Secretaria-Geral, Subchefia para Assuntos Jurídicos. Brasília, 2017a.

BRASIL, Decreto nº 9.235, de 15 de dezembro de 2017. Dispõe sobre o exercício das funções de regulação, supervisão e avaliação das instituições de educação superior e dos cursos superiores de graduação e de pós-graduação no sistema federal de ensino. Presidência da República, Secretaria-Geral Subchefia para Assuntos Jurídicos. Brasília, 2017b.

DUARTE, Newton. O debate contemporâneo das teorias pedagógicas. In: MARTINS, Ligia; DUARTE, Newton (Orgs.). Formação de professores – Limites contemporâneos e alternativas necessárias. São Paulo: Cultura acadêmica – UNESP, 2010. pp. 33-49.

ENGELS, Introdução. In: MARX, Karl. Trabalho assalariado e Capital & Salário, preço e lucro. São Paulo: Expressão popular. 2010. 141 p.

EXAME. Mudança na Kroton não convence e grupo perde mais de R$ 1 bi na bolsa. Exame [online]. 8 out 2019. Disponível em <https://exame.abril.com.br/mercados/mudanca-na-kroton-nao-convence-e-acao-cai-mais-de-3/>. Acesso em: 12 out. 2019.

FERREIRA, Benedito. J. P. Tecnologias da informação e comunicação na educação: avanço no processo de humanização ou fenômeno de alienação? Germinal: Marxismo e Educação em Debate, v. 7, n. 1, p. 89-99, jun. 2015. Disponível em: <https://portalseer.ufba.br/index.php/revistagerminal/ article/view/12434>. Acesso em: 12 set. 2019.

FREITAS, Luiz C. de. A reforma empresarial da educação: nova direita, velhas odeias – 1. ed. – São Paulo: Expressão popular, 2018. 160 p.

FREITAS, Luiz C. de. Os reformadores empresariais da educação: Da desmoralização do magistério à destruição do sistema público de educação. Educ. Soc., Campinas, v. 33, n. 119, p. 379-404, abr.-jun. 2012.

FREITAS JR., José Maria de. Políticas de tecnologia na educação e a Formação de Professores: um estudo da experiência do NIED/SEMEC-Belém-Pará. 2015. 131 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Instituto de Ciências da Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Pará, 2015.

GRAMSCI, Antonio. Os intelectuais e a organização da cultura. 9. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1995. 244 p.

HARVEY, David. 17 contradições e o fim do capitalismo. 1. ed. - São Paulo: Boitempo, 2016. 297 p.

HARVEY, David. O neoliberalismo: história e implicações. 5. ed. - São Paulo: Edições Loyola, 2014. 252 p.

HYPOLITO, Álvaro Moreira; VIEIRA, Jarbas Santos; PIZZI, Laura Cristina Vieira. Reestruturação curricular e auto-intensificação do trabalho docente. Currículo sem Fronteiras, v.9, n.2, p. 100-112, Jul/Dez 2009.

LUKÁCS, G. O trabalho. In: LUKÁCS, G. Para uma ontologia do ser social II. 1. ed. - São Paulo: Boitempo. 2013. p. 41-157.

MACEDO, Alexandra L.; BEHAR, Patricia A.; REATEGUI, Eliseo B. Rede de Conceitos: tecnologia de mineração de texto para apoiar práticas pedagógicas no acompanhamento da escrita coletiva. Revista Brasileira de Informática na Educação, [S.l.], v. 19, n. 01, p. 04, ago. 2011. ISSN 2317-6121. Disponível em: <https://www.br-ie.org/pub/index.php/rbie/article/view/1290/1158>. Acesso em: 13 set. 2019.

MARX, Karl. O Capital: crítica da economia política. Livro I: o processo de produção do capital. 2. ed. São Paulo: Boitempo, 2017a. 894 p.

MARX, Karl. O Capital: crítica da economia política. Livro III: O processo global da produção capitalista, 1. ed. São Paulo: Boitempo, 2017b. 984 p.

MARX, Karl. Grundrisse: manuscritos econômicos de 1857-1858. Esboços da crítica da economia política. São Paulo: Boitempo, 2011. 788 p.

MARX, Karl. Manuscritos econômico-filosóficos. [4. reimpr.] – São Paulo: Boitempo, 2010. 190 p.

MARX, Karl. Contribuição à crítica da economia política. 2. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2008. 285 p.

PRIOSTE, Cláudia. O adolescente e a internet: Laços e embaraços no mundo virtual. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2016. 368 p.

RIBEIRO ROCHA, Paul Symon; DE LIMA, Rommel Wladimir; QUEIROZ, Paulo Gabriel Gadelha. Tecnologias para o ensino da Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS): Uma revisão sistemática da literatura. Revista Brasileira de Informática na Educação, [S.l.], v. 26, n. 03, p. 42, set. 2018. ISSN 2317-6121. Disponível em: <https://www.br-ie.org/pub/index.php/rbie/ article/view/7140>. Acesso em: 04 out. 2019.

ROCHA, Eucenir F.; CASTIGLIONI, Maria do Carmo. Reflexões sobre recursos tecnológicos: ajudas técnicas, tecnologia assistiva, tecnologia de assistência e tecnologia de apoio. Rev. Ter. Ocup. São Paulo, v. 16, n. 3, p. 97-104, set. -dez. 2005. Disponível em <http://www.revistas.usp.br/rto/article/view/13968>. Acesso em: 03 out. 2019.

SALCEDO, Edna Manotas. Los cursos masivos en línea, MOOC: ¿cursos para la inmensa minoría?: una revisión de posturas sobre el impacto de la educación virtual para el acceso a la educación en América Latina. Investigación & desarrollo. vol. 26, n° 2, 2018.  Disponível em <http://www.scielo.org.co/scielo.php?pid=S0121-32612018000200109&script=sci_abstract&tlng=es>. Acesso em: 02 out. 2019.

SÁNCHEZ VÁZQUEZ, Adolfo. Filosofia da Práxis. 1. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2007.

SAVIANI, Dermeval. Pedagogia histórico crítica: primeiras aproximações. 9. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2005. 160 p.

SAVIANI, Dermeval. Escola e Democracia. Ed. comemorativa. Campinas, SP: Autores Associados, 2008.

SAVIANI, Dermeval. Trabalho e educação: fundamentos ontológicos e históricos. Rev. Bras. Educ., Rio de Janeiro,  v. 12  n. 34  jan.-abr. 2007. Disponível em <http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v12n34/a12v1234.pdf>. Acesso em: 02 out. 2019.

SAVIANI, Dermeval. Educação: do senso comum à consciência filosófica. Campinas: Autores Associados, 1996. 312 p.

SAVIANI, Dermeval; DUARTE, Newton. A formação humana na perspectiva histórico-ontológica. Rev. Bras. Educ., Rio de Janeiro, v. 15 n. 45 set.-dez. 2010. Disponível em <http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v15n45/02>. Acesso em: 02 out. 2019.

SGUISSARDI, Valdemar. Educação superior no Brasil. Democratização ou massificação mercantil? Educ. Soc., Campinas, v. 36, n. 133, p. 867-889, out.-dez., 2015. Disponível em <http://www.scielo.br/pdf/es/v36n133/1678-4626-es-36-133-00867.pdf>. Acesso em: 02 out. 2019.

SHIROMA, Eneida O. Gerencialismo e formação de professores nas agendas das Organizações Multilaterais. Momento: diálogos em educação, Rio Grande/RS, v. 27, n. 2, p. 88-106, mai.-ago, 2018. Disponível em  <https://periodicos.furg.br/momento/article/view/8093/5344>. Acesso em: 02 set. 2019.

SOUZA, José da Cruz. A formação docente para o uso pedagógico das novas tecnologias de informação e comunicação: o papel do Núcleo de Tecnologia Municipal - NTM da Semed-Marabá. 2017. 131 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Instituto   de   Ciências   da   Educação,  Programa   de Pós-Graduação em Educação, Universidade  Federal  do Pará, 2017.

TORI, Romero et al. VIDA ODONTO: Ambiente de Realidade Virtual para Treinamento Odontológico. Revista Brasileira de Informática na Educação, [S.l.], v. 26, n. 02, p. 80, maio 2018. ISSN 2317-6121. Disponível em: <https://www.br-ie.org/pub/index.php/rbie/article/view/7123>. Acesso em: 6 out. 2019.

VALENCIA, Adrián S. Crisis capitalista y desmedida del valor – Un enfoque desde los Grundrisse. México, D.F: Editorial Itaca, 2010. 143 p.

YUAN, Li;  POWELL, Stephen. MOOCs and Open Education: Implications for Higher Education - A white paper. JISC- CETIS (Centre for educations technology & interoperability standards). Bolton/Manchester, 2013. Disponível em <https://e-space.mmu.ac.uk/619735/1/MOOCs-and-Open-Education.pdf>. Acesso em: 02 set. 2019.

e3773071


Texto completo:

PDF PDF (English)


DOI: https://doi.org/10.14244/198271993773

____________

Propriedade Intelectual

Revista Eletrônica de Educação adota a licença Creative Commons BY-NC do tipo "Atribuição Não Comercial".

Essa licença permite, exceto onde está identificado, que o usuário final remixe, adapte e crie a partir do seu trabalho para fins não comerciais, sob a condição de atribuir o devido crédito e da forma especificada pelo autor ou licenciante.

Para mais informações, consultar: https://br.creativecommons.org/

____________

REVISTA ELETRÔNICA DE EDUCAÇÃO. São Carlos (SP): Universidade Federal de São Carlos, Programa de Pós-Graduação em Educação, 2007- . Publicação contínua. ISSN 1982-7199. Disponível em: http://www.reveduc.ufscar.br