Desenho animado e imaginário infantil de massa: narrativas, mito e mídias na mediação escolar (Cartoon and child imaginary of mass media: narratives, myth and media in school mediation)

Juliane Di Paula Queiroz Odinino, Gustavo José Assunção de Souza

Resumo


This article aims to understand how the media repertoires addressed to children's audiences in the constitution of the child imaginary, through which the language of the cartoon has enjoyed a centrality in the globalized scenario, from the cultural matrices and the myths that populate and outline it. By taking conceptual approaches between mass culture and children's imagery, the analysis aims to provide insights to educate children to / about, with and through the media through a transformative, critical and citizen educational perspective. The methodology used starts from a theoretical and conceptual survey about mass culture (MORIN, 1975; ECO, 1970) and myth (ELIADE, 2016; BARTHES, 1989) and, as it brings elements to understand this relationship, refers, for its once again, the way children's imagery is constituted. Thus, it dialogues with authors of media education (FANTIN, 2006; BUCKINGHAM, 2013) in order to broaden the possibilities of critical reflection and media use in schools, a privileged space for the constitution of children's collectives and, therefore, for cultural mediation. These analyzes indicate that mass culture has an inherent contradiction, with apocalyptic and integrative characteristics simultaneously, which significantly compose and guarantee intelligibility to the culture of childhood in contemporary times. From the reflections on the complex relationship between myth, narrative and children's imagination, the article presents in its conclusion numerous possibilities for the use of cartoons, discussing the possibilities of pedagogical mediation, with a view to the qualification and promotion of a children's reception more critical, diverse, active and participatory.

Resumo

O presente artigo busca compreender como os repertórios midiáticos endereçados aos públicos infantis participam na constituição do imaginário da cultura de massa, pelo qual a linguagem do desenho animado tem desfrutado de uma centralidade no cenário globalizado, a partir das matrizes culturais e dos mitos que o povoam e o delineiam. Realizando aproximações conceituais entre cultura de massa e imaginário infantil, a análise visa oferecer subsídios para educar crianças para/sobre, com e através das mídias, por meio de uma perspectiva educacional transformadora, crítica e cidadã. A metodologia utilizada parte de um levantamento teórico-conceitual sobre clássicos da cultura de massa (MORIN, 1975; ECO, 1970) e do mito (ELIADE, 2016; BARTHES, 1989) e na medida em que traz elementos para compreender esta relação remete, por sua vez, à forma como o imaginário infantil é constituído. Dialoga com autores da mídia-educação (FANTIN, 2006; BUCKINGHAM, 2013) no sentido de ampliar as possibilidades de reflexão crítica e de usos das mídias na escola, espaço privilegiado de constituição de coletivos infantis e, portanto, de mediação cultural. Tais análises apontam que a cultura de massa apresenta uma inerente contrariedade, com características apocalípticas e integradoras simultaneamente, mesmo nos dias atuais, as quais compõem significativamente e garantem inteligibilidade à cultura da infância na contemporaneidade. O artigo, a partir das reflexões sobre a complexa relação entre mito, narrativa e imaginário infantil, apresenta nas considerações finais inúmeras possibilidades de usos dos desenhos animados, ao discorrer sobre as possibilidades da mediação pedagógica com vistas à qualificação e à promoção de uma recepção e imaginação infantil mais crítica, diversificada e participativa.

Palabras-chave: Cultura de massa, Imaginário infantil, Mídia-educação, Desenho animado.

Keywords: Mass culture, Children's imagination, Cartoon, Media-education.

References

ARENDT, Hannah. Entre o passado e o futuro. São Paulo: Perspectiva, 1991.

ADORNO, Theodor. Indústria Cultural e Sociedade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.

BARTHES, Roland. Mitologias. Rio de Janeiro: Editora Bertrand Brasil, 1989.

BEVORT, Evelyne; BELLONI, Maria Luiza. Mídia-educação: conceitos, história e perspectivas. Educ. Soc., Campinas, v. 30, n. 109, p. 1081-1102, Dec. 2009. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010173302009000400008&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 05 set. 2019.

BUCKINGHAM, David. A criança e a mídia: uma abordagem sob a ótica dos estudos culturais. Revista Matrizes, Ano 5 – no. 2, jan./jun. 2012 - São Paulo - Brasil – David Buckingham, p. 93-121.

CIRNE, Moacy. A Linguagem dos Quadrinhos: o universo estrutural de Ziraldo e Maurício de Souza. Petrópolis: Vozes, 1971.

DORFMAN, Ariel; MATTELART, Armand. Para ler o Pato Donald: comunicação de massa e colonialismo. 5. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980.

ECO, Umberto. Apocalípticos e Integrados. São Paulo: Perspectiva, 1970.

ELIADE, Mircea. Mito e Realidade. São Paulo: Editora Perspectiva, 2016.

FANTIN, Monica. Mídia-educação: conceitos, experiências, diálogos Brasil-Itália. Florianópolis: Cidade Futura, 2006.

FANTIN, Monica. Audiovisual na escola: abordagens e possibilidades. In: BARBOSA, Maria Carmen Silveira; SANTOS, Maria Angélica dos. Escritos de Alfabetização Audiovisual. Porto Alegre: Libretos, 2014.

FANTIN, Monica. Dimensões da formação cultural da mídia-educação na pedagogia. Revista EntreVer, Florianópolis, v. 2, n. 3, p. 264-280, jul./dez. 2012.

FISCHER, Rosa Maria Bueno. O Mito na Sala de Jantar: discurso infanto-juvenil sobre a televisão. Porto Alegre: Editora Movimento, 1984.

FUSARI, Maria Felisminda. O educador e o desenho animado que a criança vê na televisão. São Paulo: Edições Loyola, 1985.

GEERTZ, Clifford. A Interpretação das Culturas. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

GIRARD, René. A Violência e o Sagrado. 3. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1990.

GUARESCHI, Pedrinho A. O Meio Comunicativo e seu Conteúdo. In: PACHECO, Elza Dias (Org.). Televisão, criança, imaginário e educação: dilemas e diálogos. 4. ed. Campinas: Papirus, 2004.

MARTÍN­-BARBERO, Jesús; REY, Germán. Os Exercícios do Ver: Hegemonia Audiovisual e Ficção Televisiva. São Paulo: Editora Senac, 2001.

MOLES, Abraham André et al. Linguagem da Cultura de Massas: Televisão e Canção. Petrópolis: Vozes, 1973.

MORIN, Edgar. Cultura de massas no século XX: O Espírito do Tempo. Rio de Janeiro: Fosense-Universitária, 1975.

ODININO, Juliane di Paula Queiroz. Super-Heroínas em Imagem e Ação: Gênero, animação e imaginação infantil no cenário da globalização das culturas. 2009. 321f. Tese (Doutorado em Ciências Humanas), Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas. Programa de Pós-­Graduação em Ciências Humanas, 2009.

ODININO, Juliane di Paula Queiroz. “Super-Meninas em: o poder do rosa!?!” Por uma compreensão das feminilidades infantis a partir dos estudos de mídia, gênero e infância. Revista Perspectiva, Florianópolis, v. 33, n. 3, p. 887 - 913, set./dez. 2015.

PACHECO, Elza Dias. O Pica-Pau: herói ou vilão? Representação social da criança e reprodução da ideologia dominante. São Paulo: Edições Loyola, 1985.

PACHECO, Elza Dias. (Org.). Televisão, criança, imaginário e educação: dilemas e diálogos. 4. ed. Campinas: Papirus, 2004.

SHOAT, Ella; STAM, Robert. Estereótipo, Realismo e Luta por Representação. In: SHOAT, Ella; STAM, Robert. Crítica da Imagem Eurocêntrica: Multiculturalismo e Representação. Tradução: Marcos Soares. São Paulo: Cosac Naify, 2006.

SODRÉ, Muniz. A Comunicação do Grotesco: um ensaio sobre a cultura de massa no Brasil. Petrópolis: Vozes, 1971.

TASSARA, Helena. As Crianças, a Televisão e a Morte de um Ídolo: Ayrton Senna. In: PACHECO, Elza Dias (Org.). Televisão, criança, imaginário e educação: dilemas e diálogos. 4. ed. Campinas: Papirus, 2004.

VOGLER, Christopher. A jornada do Escritor: Estruturas Míticas para Escritores. 2a. edição. Rio de Janeiro: 231 Nova Fronteira, 2006.

e3772015


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.14244/198271993772

____________

Propriedade Intelectual

Revista Eletrônica de Educação adota a licença Creative Commons BY-NC do tipo "Atribuição Não Comercial".

Essa licença permite, exceto onde está identificado, que o usuário final remixe, adapte e crie a partir do seu trabalho para fins não comerciais, sob a condição de atribuir o devido crédito e da forma especificada pelo autor ou licenciante.

Para mais informações, consultar: https://br.creativecommons.org/

____________

REVISTA ELETRÔNICA DE EDUCAÇÃO. São Carlos (SP): Universidade Federal de São Carlos, Programa de Pós-Graduação em Educação, 2007- . Publicação contínua. ISSN 1982-7199. Disponível em: http://www.reveduc.ufscar.br