Programa Ciência sem Fronteiras: um relato de experiência por estudantes de Engenharia de Pesca (The Science without Borders program: a case study of students from the Fishing Engineering course)

Nathália Byrro Gauthier, Marcelo Carneiro de Freitas

Resumo


The aim of this study was to describe the international academic mobility experienced by the Fishing Engineering students in other countries. The data was collected through an electronic semi-structured questionnaire hosted on an electronic platform by Google. A total of nine students answered the questionnaire, in which they chose countries such as France, Spain, Ireland, Canada, the United States and Australia to study abroad in. The student’s satisfaction with the Science without Borders Program (SwB) was extremely positive, where all the interviewees stated that they had learned the language from the hosting country. In relation to the negative aspects, 67% of the interviewees pointed out that they struggled to understand the language in the beginning of the academic mobility, and 78% of the students said that they missed their families during the student mobility period. In conclusion, the academic mobility performed by students from the Fishing Engineering course was rated as excellent, and as a unique and an enriching opportunity, both in professional and personal aspects.

Resumo

O trabalho teve como objetivo discutir sobre a mobilidade acadêmica vivenciada por estudantes de Engenharia de Pesca em outros países. A coleta de dados foi feita através de um questionário eletrônico semiestruturado, hospedado em uma plataforma eletrônica de formulários da Google. Um total de nove discentes respondeu ao questionário, realizando a mobilidade na França, Espanha, Irlanda, Canadá, Estados Unidos e Austrália. A satisfação dos estudantes com o Programa Ciência sem Fronteiras (CsF) foi positiva, todos os entrevistados afirmaram terem aprendido o idioma do país que escolheram. Em relação aos aspectos negativos, 67% dos entrevistados apontaram que tiveram dificuldades no entendimento do idioma do país no início da mobilidade acadêmica e 78% sentiram saudade da família no período da mobilidade. Concluindo, a mobilidade acadêmica realizada por discentes do Curso de Engenharia de Pesca foi classificada como excelente, sendo uma experiência única e enriquecedora tanto pelo lado profissional, quanto pessoal.

Palavras-chave: Educação, Aprendizado, Internacionalização, Programa Ciência sem Fronteiras.

Keywords: Education, Learning, Internationalization.

References

ALTBACH, P. G. Comparative Higher Education: Knowledge, the University, and Development. Hong Kong: University of Hong Kong, p. 240, 1998.

ANDRADE, B. P. S. O “Ciência sem Fronteiras” pelo olhar da comunidade acadêmica: O caso da Unifal-mg e da Unifei. 2018. 185f. Dissertação (Mestrado em Divulgação Científica e Cultural). Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos de Linguagem, Campinas, SP, 2018. 

AVEIRO, T. M. M. O programa Ciência sem Fronteiras como ferramenta de acesso à mobilidade internacional. Tear: Revista de Educação Ciência e Tecnologia, Canoas, v.3, n.2, 2014.

BEINE, M.; NOEL, R.; RAGOT, L. Determinants of the international mobility of students. Economics of Education Review, mar. 2014.   

BETT, D. B. Jovens universitários e intercâmbio acadêmico. 2012. 34f. Monografia (Especialização em Psicologia terminalidade em Terapia Cognitiva e Comportamental). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Instituto de Psicologia, Porto Alegre, 2012.

BRASIL. Decreto n.° 7.642, de 13 de dezembro de 2011, Institui o Programa Ciência sem Fronteiras. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, n. 239, p. 7, seção1, 14 dez. 2011a.

BRASIL. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Programa Ciência sem Fronteiras: um programa especial de mobilidade internacional em ciência, tecnologia e inovação. Documento Conjunto CAPES-CNPq. Julho, 2011b. 67p. Disponível em: http://www.capes.gov.br/images/stories/download/ Ciencia-sem Fronteiras_DocumentoCompleto_julho2011.pdf

BRASIL. Ministério Da Ciência Tecnologia e Inovação. Estratégia Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação 2012 – 2015: Balanço das Atividades Estruturantes de 2011. Brasília, DF, 2012. Disponível em:  https://livroaberto.ibict.br/218981.pdf . Acesso em: 25 abr. 2018.

BRASIL. Programa Ciência sem Fronteiras. Dados Chamadas Graduação Sanduíche 2011-2014. Brasília, 2014. Disponível em:   http://www.cienciasemfronteiras.gov.br/web/csf/dados-chamadas-graduacao-sanduiche. Acesso em: 21 abr. 2018.

BRASIL. Programa Ciência sem Fronteiras. Painel de Controle do Programa 2016. Disponível em:  http://www.cienciasemfronteiras.gov.br/web/csf/painel-de-controle . Acesso em: 18 jul. 2018.

BRUNO, R. C. et al. Mobilidade internacional para educação superior: perfil sociodemográfico e educacional de imigrantes. Almanaque Multidisciplinar de Pesquisa, Universidade Unigranrio, ano III, v.1, n.1, 2016.

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA. Senado Federal. Relatório. Brasília. 2015. Disponível em: http://legis.senado.leg.br/sdleg-getter/documento/download/9f8bccb3-c880-408c-9667-96582f07fa84 Acesso em: 20 maio 2018.

CORREIA-LIMA, M. C.; RIEGEL, V. Mobilidade acadêmica made in South: refletindo sobre as motivações de estudantes brasileiros e colombianos. Magis Revista Internacional de Investigación en Educación, v.8, n.16, p.109-132, 2015. DOI: http://dx.doi.org/10.11144/Javeriana.m8-16.mams

CRUZ, V. X. A. PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS: Uma avaliação da política pública de internacionalização do ensino superior sob a perspectiva do Paradigma Multidimensional. Dissertação (Mestrado em Administração Pública). 2016. 209f. Universidade Federal de Goiás, Faculdade de Ciências e Tecnologia – FCT, Goiânia, GO, 2016.

CUTTI, L. et al. Programa Ciência sem Fronteiras: relato de experiências. Revista Eletrônica de Educação, v.11, n.3, p.1020-1033, set./dez., 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.14244/198271991897   

DALMOLIN, I. S. et al. Intercâmbio acadêmico cultural internacional: uma experiência de crescimento pessoal e científico. Rev Bras Enferm, Brasília, v. 66, n.33. p. 442-447, 2013.

FERREIRA, I.G.; CARREIRA, L. B.; BOTELHO, N. M. Mobilidade internacional na graduação em medicina: relato de experiência. ABCS Health Sci., v. 42, n.2, p.115-119, 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.7322/abcshs.v42i2.1013

INSTITUTE FOR INTERNATIONAL EDUCATION – IIE. Open Doors Report 2015: Fast Facts New York, 2015. Disponível em: https://www.iie.org/Research-and-Insights/Open-Doors/Fact-Sheets-and-Infographics/Fast-Facts. Acesso em:  15 nov. de 2017.

INSTITUTE OF INTERNATIONAL EDUCATION – IIE. International student totals by place of origin, 2012/13 – 2015/16. Open Doors Report on International Educational Exchange, 2016. Disponível em: https://www.iie.org/Research-and-Insights/Open-Doors/Data/International-Students/Places-of-Origin.  Acesso em:  15 nov. de 2017.

INSTITUTE OF INTERNATIONAL EDUCATION – IIE. Open Doors Report 2017: Fast Facts Disponível em: https://www.iie.org/Research-and-Insights/Open-Doors/Fact-Sheets-and-Infographics/Fast-Facts. Acesso em:  01 ago. 2018.

INTERNATIONAL TRADE ADMINISTRATION – ITA. 2016 Top Markets Report Education: Brazil Country Case Study. Disponível em:  https://www.trade.gov/topmarkets/pdf/Education_Brazil.pdf. Acesso em: 15 nov. de 2017.

KNIGHT, J. Internationalization remodeled: definition, approaches, and rationales. Journal of Studies in International Education, v. 1, p. 5-31, 2004.

LIMA, M. C.; RIEGEL, V. A influência da mobilidade acadêmica sobre a formação dos jovens. UniRitter, Negócios e Talentos, v.2 , n.11, 2013.

MAJID, S. et al. Motivations for studying abroad and adjustment challenges faced by international students in Singapore. Acad. J. Educ. Res., v.5, n.8, p. 223-235, 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.15413/ajer.2017.0712

MANÇOS, G. R.; COELHO, F. S. Internacionalização da Ciência Brasileira: subsídios para avaliação do programa Ciência sem Fronteiras. Revista Brasileira de Políticas Públicas e Internacionais, p.73, 2017.

MARANHÃO, C. M. S.; DUTRA, C. I.; MARANHÃO, R. K. Internacionalização do ensino superior: um estudo sobre barreiras e possibilidades. Administração: Ensino e Pesquisa, Rio de Janeiro, v. 18, n. 1, p. 09–38, jan-abr 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.13058/raep.2017.v18n1.458

MARQUES, F. Experiência encerrada. Revista Pesquisa Fapesp, ed. 256, 27-29, jun. 2017. Disponível em http://revistapesquisa.fapesp.br/2017/06/19/experiencia-encerrada . Acesso em: 21 nov. 2017.

MARTINS, V.; MONTAGUE, A.; SILVA, P. B. Cooperação internacional para mobilidade estudantil: o caso da Umesp e da Zuyd. Revista de Educação do Cogeime, ano 26, n. 50, jan/jun 2017.

MOROSINI, M. C.; AMARAL, G. M. Avaliação da mobilidade acadêmica universitária: A perspectiva dos alunos intercambistas. In: SIMPÓSIO AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR, 2015, Porto Alegre. Anais... Porto Alegre, 17 e 18 set. 2015. 

OLIVEIRA, A. L.; FREITAS, M. E. Motivações para mobilidade acadêmica internacional: a visão de alunos e professores universitários. Educação em Revista, Belo Horizonte, v.32, n.03, p. 217-246, jul/set 2016. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0102-4698148237

PEREIRA, V. Relatos de uma viagem: uma análise feita pelos bolsistas sobre o programa Ciência Sem Fronteiras. Revista Perspectivas do Desenvolvimento: um enfoque multidimensional, v. 03, no 4, jul. 2015.

PROLO, I.; VIEIRA, R. C. O programa Ciência sem Fronteiras e as Universidades Brasileiras: Uma política pública a celebrar? In: Seminários em Administração (SEMEAD), XX, 2017, LOCAL. Anais..., nov. 2017. ISSN 2177-3866.

SÁ, C. M. The Rise and Fall of Brazil’s Science Without Borders. International Higher Education, n.85, p.17-18, 2016. 

STALLIVIERI, L. As dinâmicas de uma nova linguagem intercultural na mobilidade acadêmica internacional. 2009. 235f. Tese (Doutorado em Línguas Modernas). Universidade Del Salvador, Buenos Aires, Argentina, 2009.

SANTOS, S. R. et al. Turismo e intercâmbio: contribuições para a formação discente nos cursos de graduação das instituições de ensino superior de São Luís, Maranhão. Cultur, ano 08, n. 2, jul. 2014.

SEHNEM, P. R.; LUNA, J. M. F. Os egressos do Programa Ciência sem Fronteiras pela percepção dos seus professores. Revista Eletrônica de Educação, v. 12, n. 1, p. 104-119, jan./abr., 2018. DOI: http://dx.doi.org/10.14244/198271991919

UNITED NATIONS ORGANIZATION FOR EDUCATION, SCIENCE AND CULTURE (UNESCO). Recueil des donneés mondiales sur l'éducation: statistiques comparées sur l'éducation dans le monde. Montreal: Unesco, 2009. Dispo­nível em: http://www.uis.unesco.org/Library/Documents/ged09-fr.pdf Acesso em: 01 abri 2019.

e3633105


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.14244/198271993633

____________

Propriedade Intelectual

Revista Eletrônica de Educação adota a licença Creative Commons BY-NC do tipo "Atribuição Não Comercial".

Essa licença permite, exceto onde está identificado, que o usuário final remixe, adapte e crie a partir do seu trabalho para fins não comerciais, sob a condição de atribuir o devido crédito e da forma especificada pelo autor ou licenciante.

Para mais informações, consultar: https://br.creativecommons.org/

____________

REVISTA ELETRÔNICA DE EDUCAÇÃO. São Carlos (SP): Universidade Federal de São Carlos, Programa de Pós-Graduação em Educação, 2007- . Publicação contínua. ISSN 1982-7199. Disponível em: http://www.reveduc.ufscar.br