ESTUDO DE CASO: COMO DUAS CRIANÇAS PASSAM A COMPREENDER A COMBINATÓRIA A PARTIR DE INTERVENÇÕES?

Cristiane Azevêdo dos Santos Pessoa, Laís Thalita Bezerra dos Santos

Resumo


No presente estudo de caso foram analisados os desempenhos de dois alunos do 5º ano do Ensino Fundamental ao trabalharem com problemas combinatórios. Foram realizados pré-teste, duas sessões de intervenção e pós-teste com a turma inteira, porém, para a análise atual foi feito o recorte dos desempenhos de Lucas e Marcos[1], buscando-se analisar de forma detalhada como essas duas crianças passaram a compreender os quatro tipos de problemas combinatórios (Produto Cartesiano, Arranjo, Permutação e Combinação). Observaram-se as contribuições das intervenções, as quais foram baseadas na listagem de possibilidades como estratégia e em mais três pilares considerados importantes para a compreensão da combinatória: o destaque para os invariantes dos problemas combinatórios, a sistematização das possibilidades e a generalização. A estratégia da listagem foi observada como importante para o ensino, após ter sido detectada em estudos de sondagem anteriores como caminho utilizado por alunos de diferentes níveis escolares. Os demais pilares (invariantes, sistematização e generalização), apesar de aparecerem com menor frequência nos estudos de sondagem, são entendidos como facilitadores da compreensão combinatória, por isso o destaque para os mesmos durante as intervenções. Os dois alunos investigados demonstraram melhor desempenho em termos quantitativos e qualitativos, com maior quantidade de acertos e melhor compreensão dos problemas após as intervenções. Eles passaram a se utilizar dos pilares trabalhados nas intervenções, o que demonstra que o caminho escolhido para o trabalho com a combinatória foi significativo para a aprendizagem.

Palavras-chave: Raciocínio combinatório; Intervenções; Tipos de problemas combinatórios; Educação básica.

Agências financiadoras: CNPq e FACEPE

[1] Os nomes Lucas e Marcos são fictícios, colocados para preservar a identidade dos alunos.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.14244/19827199360

____________

Propriedade Intelectual

Revista Eletrônica de Educação adota a licença Creative Commons BY-NC do tipo "Atribuição Não Comercial".

Essa licença permite, exceto onde está identificado, que o usuário final remixe, adapte e crie a partir do seu trabalho para fins não comerciais, sob a condição de atribuir o devido crédito e da forma especificada pelo autor ou licenciante.

Para mais informações, consultar: https://br.creativecommons.org/

____________

REVISTA ELETRÔNICA DE EDUCAÇÃO. São Carlos (SP): Universidade Federal de São Carlos, Programa de Pós-Graduação em Educação, 2007- . Publicação contínua. ISSN 1982-7199. Disponível em: http://www.reveduc.ufscar.br