Signos interpretantes em atividades de Modelagem Matemática (The interpretant signs produced in mathematical modelling activities)

Thiago Fernando Mendes, Lourdes Maria Werle de Almeida

Resumo


In this paper we investigate the interpretant signs production during mathematical modelling activities development. The theoretical framework is based on the relationship between mathematical modelling and some elements of the semiotics structured by Charles Sanders Peirce, more specifically in his interpretant theory. This theoretical framework is associated with an empirical research in which modelling activities are developed by students of a Degree in Mathematics in a differential and integral calculus subject. The analysis of the activities follows qualitative research directions and leads us to infer that the students produced different interpretant signs when they developed mathematical modelling activities. In the warm up activity development it was possible to identify immediate interpretant signs, while during the follow up activities the students produced dynamic interpretants and some final interpretants for the extreme function values. In general, the interpretant signs give evidence of how the derivative was being used by the students to decide on the existence of maximum or minimum values of a function obtained when they developed mathematical modeling activities.

Resumo

Neste artigo investigamos a produção de signos interpretantes no desenvolvimento de atividades de modelagem matemática. O quadro teórico em que se fundamenta nossa pesquisa articula a modelagem matemática na Educação Matemática e elementos da semiótica estruturada por Charles Sanders Peirce e reconhecida na literatura como semiótica peirceana, com foco na denominada teoria dos signos interpretantes. As argumentações teóricas são associadas a uma pesquisa empírica em que uma sequência de atividades de modelagem matemática foi desenvolvida com alunos de um curso de licenciatura em matemática na disciplina de cálculo diferencial e integral I. A análise das atividades segue encaminhamentos da pesquisa qualitativa e nos leva a inferir que, na sequência de atividades de modelagem matemática, signos interpretantes imediatos são mais evidentes na atividade de aquecimento, enquanto interpretantes dinâmicos e interpretantes finais podem ser identificados com mais frequência nas atividades de acompanhamento. De modo geral, os interpretantes dão indícios de como a derivada foi sendo usada pelos alunos para deliberar sobre a existência de valor máximo ou valor mínimo nos problemas investigados nas atividades de modelagem matemática.

Palavras-chave: Educação matemática, Modelagem matemática, Semiótica peirceana.

Keywords: Mathematics education, Mathematical modeling, Peircean semiotics.

References

ALMEIDA, L. M. W. Um olhar semiótico sobre modelos e modelagem: metáforas como foco de análise. Zetetiké. FE-Unicamp, v. 18, número temático, p. 387-414, 2010.

ALMEIDA, L. M. W. Considerations on the use of mathematics in modeling activities. ZDM, v. 50, p. 19-30, 2018.

ALMEIDA, L. M. W.; BRITO, D. S. Atividades de Modelagem Matemática: que sentido os alunos podem lhe atribuir?. Ciência e Educação (UNESP), 11, 1-16, 2005.

ALMEIDA, L. M. W.; SILVA, K. A. P. A Ação dos Signos e o Conhecimento dos Alunos em Atividades de Modelagem Matemática. Boletim de Educação Matemática, v. 31, n. 57, p. 202-219, abr., 2017.

ALMEIDA, L. M. W.; SILVA, K. A. P.; VERONEZ, M. R. D. Sobre a geração e interpretação de signos em atividades de modelagem matemática. In: VI SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA - VI SIPEM, 2015, Pirenópolis. Anais do VI SIPEM. Rio de Janeiro: SBEM, 2015. v. 1. p. 1-12.

ÄRLEBÄCK, J.; DOERR, H. Moving beyond a single modelling activity. In: Mathematical Modelling in Education Research and Practice. Springer International Publishing, p. 293-303, 2015.

ÄRLEBÄCK, J.; DOERR, H. Students’ interpretations and reasoning about phenomena with negative rates of change throughout a model development sequence. ZDM, v. 50, n. 1-2, p. 187-200, 2018.

BOGDAN, R. C.; BIKLEN, S. K. Qualitative research for education: An introduction to theories and methods. New York: Pearson Education, 2003.

CARREIRA, S.; BAIOA, A. M. Mathematical modelling with hands-on experimental tasks: On the student’s sense of credibility. ZDM, v. 50, n. 1-2, p. 201-215, 2018.

DRIGO, M. O. Comunicação e cognição: semiose na mente humana. In: Comunicação e cognição: semiose na mente humana. Sulinas, 2007.

LESH, R.; CRAMER, K.; DOERR, H.; POST, T.; ZAWOJEWSKI, J. Model Development Sequences. In: Richard Lesh & Helen Doerr, (Eds.), Beyond constructivism: Models and modeling perspectives on mathematics problem solving, learning, and teaching. Mahwah: Erlbaum, 2003.

NÖTH, W. Panorama da Semiótica: de Platão a Peirce. São Paulo: Annablume, 2008.

PEIRCE, C. S. Semiótica e filosofia. Editora Cultrix, 1972.

PEIRCE, C. S. Semiótica. 3. ed. São Paulo: Perspectiva, 2015.

SANTAELLA, L. Semiótica aplicada. São Paulo: Thomson Learning, 2012.

e3504064


Texto completo:

PDF PDF (English)


DOI: https://doi.org/10.14244/198271993504

____________

Propriedade Intelectual

Revista Eletrônica de Educação adota a licença Creative Commons BY-NC do tipo "Atribuição Não Comercial".

Essa licença permite, exceto onde está identificado, que o usuário final remixe, adapte e crie a partir do seu trabalho para fins não comerciais, sob a condição de atribuir o devido crédito e da forma especificada pelo autor ou licenciante.

Para mais informações, consultar: https://br.creativecommons.org/

____________

REVISTA ELETRÔNICA DE EDUCAÇÃO. São Carlos (SP): Universidade Federal de São Carlos, Programa de Pós-Graduação em Educação, 2007- . Publicação contínua. ISSN 1982-7199. Disponível em: http://www.reveduc.ufscar.br