Práticas de oralidade na alfabetização: uma leitura do material do programa Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (Orality practices in literacy: a reading of the material of the National Pact for Literacy in the Right Age)

Pilar Silveira Mattos, Tânia Guedes Magalhães

Resumo


This work sought to analyze the orality concept that underlies the teacher education program "National Pact for Literacy in the Right Age". We investigate in three notebooks of the 3rd year of elementary school (old 2nd grade) how the theme is treated in the didactic sequences and projects shared in the documents. We use as theoretical presuppositions a discursive conception of language, derived from Sociodiscursive Interacionism (BRONCKART, 2006; SCHNEUWLY, DOLZ, 2004) in which the learning of the textual genres is necessary for human development. We use the perspectives of literacies, in which orality and writing are integrated and not dichotomous (MARCUSCHI, 2001; ROJO, 2001; SCHNEUWLY, 2006). By choosing documentary research, we have selected books 1, 2 and 8 because they are the who are most concerned with the topic of orality. The data reveal that the material argues that the literacy cycle must be anchored in literacy studies and in the perspective of textual genres; as a consequence, oral and written practices should be integrated into school activities into a social language bias. In the three notebooks, there is a focus for the axes of orality teaching (oral production, listening, linguistic analysis and speech/writing relations), which demonstrates that the training program highlights didactic issues in the orality axis. These analyzes allow us to infer that the projects and sequences of the section "Sharing" appropriates the assumptions of the document, which indicates a positive possibility of change for Portuguese language teaching in the first years of schooling.

Resumo

Este trabalho apresenta uma análise sobre a concepção de oralidade que embasa o programa de formação docente “Pacto Nacional Pela Alfabetização na Idade Certa” com base em três cadernos do 3º ano do ensino fundamental. Utilizamos como pressupostos teóricos uma concepção discursiva de linguagem, oriunda do Interacionismo Sociodiscursivo (BRONCKART, 2006; SCHNEUWLY; DOLZ, 2004) em que a aprendizagem dos gêneros textuais é necessária para o desenvolvimento humano; tal aprendizagem propicia a inserção dos alunos em práticas de linguagem, fator indispensável para a socialização e participação numa sociedade multiletrada. Utilizamos, também, as perspectivas relacionadas aos letramentos, em que oralidade e escrita estão integradas e não dicotômicas (MARCUSCHI, 2001; ROJO, 2001; ROJO; SCHNEUWLY, 2006). Por meio da pesquisa documental, selecionamos os cadernos 1, 2 e 8 por serem os que mais versam sobre o tema da oralidade. Os dados revelam que o material defende que o ciclo de alfabetização deve estar ancorado na perspectiva dos gêneros textuais; como consequência, práticas de oralidade e escrita devem estar integradas nas atividades escolares num viés social da língua. Nos três cadernos, há um enfoque nos eixos do ensino de oralidade em língua materna (produção oral, escuta, análise linguística e relações fala/escrita), o que demonstra que o programa evidencia questões didáticas importantes da oralidade. Tais análises nos permitem inferir que os projetos e sequências da seção “Compartilhando” se apropriam dos pressupostos do documento, o que nos indica uma positiva possibilidade de mudança para ensino de Língua Portuguesa nos primeiros anos de escolaridade.

Resumen

En este trabajo presenta un análisis de la concepción de oralidad que fundamenta el programa de formación de profesores denominado "Pacto Nacional por la Alfabetización en la Edad Correcta", tomando como base los contenidos de tres cuadernos del tercer grado de primaria en Brasil. Utilizamos como presuposición teórica una concepción discursiva del lenguaje que proviene del Interaccionismo Sociodiscursivo (BRONCKART, 2006; SCHNEUWLY, DOLZ, 2004), en la que el aprendizaje de los géneros textuales es necesario para el desarrollo humano. Dicho aprendizaje propicia la inserción de los estudiantes en las prácticas de lenguaje, un factor indispensable para su socialización y participación en una sociedad multiletrada. Asimismo, utilizamos las perspectivas que nos brinda el letramento, en que la oralidad y la escritura se encuentran integradas y no son dicotómicas (MARCUSCHI, 2001; ROJO, 2001; SCHNEUWLY, 2006). A través de una investigación documental, seleccionamos los cuadernos 1, 2 y 8 basándonos en que son los que tratan de la oralidad con más profundidad. El análisis de los datos nos ha permitido constatar que el material se sustenta en que el ciclo de la alfabetización debe anclarse en la perspectiva de los géneros textuales y, por consiguiente, las prácticas de la oralidad y de la escritura deben integrarse en las actividades escolares como un sesgo social de la lengua. En los tres cuadernos se pudo observar un enfoque centrado en los ejes de la enseñanza de la oralidad en el idioma materno (producción oral, escucha, análisis lingüístico y relaciones entre el habla y la escritura), lo que demuestra que el programa de formación se vale de elementos didácticos importantes en el eje de la oralidad. Estos análisis nos permiten inferir que los proyectos y las secuencias de la sección "Compartiendo" se apropian de las presuposiciones del documento, lo que nos indica la posibilidad de un cambio positivo en la enseñanza de la Lengua Portuguesa en los primeros años de escolarización.

Palavras-chave: PNAIC, Oralidade, Alfabetização.

Keywords: Orality, Literacy.

Palabras claves: Oralidad, Alfabetización.

References

ALVIM, V. T.; MAGALHÃES, T. G. Oralidade na escola: a escuta ativa como procedimento didático no ensino de Língua Portuguesa nos anos iniciais do Ensino Fundamental. In: BARROS, Eliana Merlin de; STRIQUER, Marilucia dos Santos Domingos; STORTO, Letícia Jovelina. (Org.). Propostas didáticas para o ensino da língua portuguesa. Campinas: Editora Pontes, 2018, p. 113-134.

BORTONI-RICARDO, S. M. Educação em língua materna: a sociolinguística na sala de aula. São Paulo: Parábola Editorial, 2004. 112 p.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais: primeiro e segundo ciclos do Ensino Fundamental – Língua Portuguesa. Brasília: MEC/SEF, 1997.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos do Ensino Fundamental – Língua Portuguesa. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Programa de Formação de Professores Alfabetizadores. Guia do Formador- Módulo 2. Brasília, 2001.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Secretaria de Educação a Distância. Pró-Letramento: Programa de formação continuada de professores das séries iniciais do Ensino Fundamental: guia geral.  Brasília: MEC/SEF, 2007.

BRASIL. Ministério da Educação. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Ministro de estado da educação. Portaria nº 867, de 4 de julho de 2012. Brasília, 2012.

BRONCKART, J. P. Atividade de linguagem, discurso e desenvolvimento humano. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2006. 260 p.

BRONCKART, J. P. O agir nos discursos: das concepções teóricas às concepções dos trabalhadores. Tradução de Anna Rachel Machado e Maria de Lourdes Meirelles Matencio. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2008. 208 p.

BUENO, L.; COSTA-HÜBES, T. C. (orgs). Gêneros orais no ensino. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2015. 376 p.

BULEA, E. Linguagem e efeitos desenvolvimentais da interpretação da atividade. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2010. 176 p.

CORDEIRO, G. S. Ensinar gêneros textuais orais e formais no ciclo de Educação Infantil: uma possibilidade? In: ALBUQUERQUE, R.; MOTTA, V. A (Orgs). Linguagem e interação: o ensino em pauta. São Carlos: Pedro e João Editores, 2011.

COSTA-MACIEL, D. A. G.; SANTOS, J. M. P. Impactos do discurso oficial sobre a seleção dos gêneros textuais orais presentes nos livros didáticos de língua portuguesa. In: COSTA-MACIEL, D. A. G.; LUNA, E.A.A.; RODRIGUES, S. G. C. (Orgs). Oralidade e leitura: olhares plurais sobre linguagem e ensino. Recife, EDUFPE, 2016. p. 54-73.

DOLZ, J.; GAGNON, R. O gênero de texto, uma ferramenta didática para desenvolver a linguagem oral e escrita. In: BUENO, L.; COSTA-HÜBES, T. C. (orgs.) Gêneros orais no ensino. Campinas: Mercado de Letras, 2015. p. 23-56. 

DOLZ, J.; SCHNEUWLY, B.; HALLER, S. O oral como texto: como construir um objeto de ensino. In: SCHNEUWLY, Bernard; DOLZ, Joaquim. Gêneros orais e escritos na escola. Tradução e organização: Roxane Rojo e Glaís Sales Cordeiro. Campinas, SP: Mercado das Letras, 2004. P. 149-185.

GALVÃO, A. M. O.; BATISTA, A. A. G. Oralidade e escrita: uma revisão. In: Cadernos de Pesquisa, v. 36, nº 128, p. 403-432. mai/ago. 2006. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/cp/v36n128/v36n128a07.pdf. Acesso em maio de 2017.

GARCIA-REIS, A. R.; MAGALHÃES, T. G. Análise do eixo da oralidade no programa nacional do livro didático de língua portuguesa de 1º ao 5º anos (anos 2007 a 2016). In: MAGALHÃES, T. G.; CRISTOVÃO, V. L. L. (Orgs). Oralidade e ensino de Língua Portuguesa. Campinas, SP: Editora Pontes, 2018, p. 239-262.

LEAL, T. F.; BRANDÃO, A. C. P.; LIMA, J. M. A oralidade como objeto de ensino na escola: o que sugerem os livros didáticos? In: LEAL, T. F; GOIS, S. (orgs.). A oralidade na escola: a investigação do trabalho docente como foco de reflexão. Belo Horizonte: Autêntica, 2012. p. 13-35

LEAL, T. F.; GOIS, S. (org.). A oralidade na escola: a investigação do trabalho docente como foco de reflexão. Belo Horizonte: Autêntica, 2012. 200 p.

LEAL, T. F. et al. Currículo e alfabetização: implicações para a formação de professores. In: MORTATTI, M. R. L.; FRADE, I. C. A. S. (Orgs.). Alfabetização e seus sentidos: o que sabemos, fazemos e queremos? Marília: Oficina Universitária; São Paulo: Editora Unesp, 2014. 352p.

MACHADO, M. G. F. K.  Um olhar sobre o cotidiano escolar: o eixo da oralidade nas práticas do(a) professor(a) alfabetizador(a) participante da formação do PNAIC em Santa Catarina. Revista Práticas de Linguagem, Juiz de Fora, vol. 7, n. 1, p. 103-116, junho de 2017.  Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/praticasdelinguagem/article/view/28535  Acesso em março de 2019.   

MAGALHÃES, T. G.; CRISTOVÃO, V.L.L. Análise do eixo da oralidade do Programa Nacional do Livro didático de Língua Portuguesa (anos 2005 a 2014). In: MAGALHÃES, T. G.; GARCIA-REIS, T. G.; FERREIRA, H. M. Concepção discursiva de linguagem: ensino e formação docente. Campinas: Editora Pontes, 2017. p. 61-84. 

MAGALHÃES, T. G.; CRISTOVÃO, V. L. L. (Orgs) Oralidade e ensino de Língua Portuguesa. Campinas: Editora Pontes, 2018. 270 p.

MARCUSCHI, L. Da fala para a escrita: atividades de retextualização. São Paulo: Cortez, 2001. 136 p.

MOREIRA, H.; CALEFFE, L. G. Metodologia da pesquisa para o professor pesquisador. Rio de Janeiro: DP&A, 2006. 248 p.

RAIMO, L. C. F. D.; BURACH, C. A. M. Oralidade ou oralização da escrita? Uma análise do livro didático Letramento e alfabetização. Caderno Seminal Digital, Rio de Janeiro, v. 1, nº 26, p. 175-201. jul-dez de 2016. Disponível em http://dx.doi.org/10.12957/cadsem.2016.25032 Acesso em maio de 2018.  

ROJO, R. Letramento escolar, oralidade e escrita em sala de aula: diferentes modalidades ou gêneros do discurso? In: SIGNORINI, I. (Org.). Investigando a relação oral/escrito e as teorias do letramento. Campinas: Mercado de Letras, 2001. p. 51-76.

ROJO, R.; SCHNEUWLY, B. As relações oral/escrita nos gêneros orais formais e públicos: o caso da conferência acadêmica. Linguagem em (Dis)curso, Tubarão, v. 6, n. 3, set./dez. 2006.p. 463-493. Disponível em: http://www.portaldeperiodicos.unisul.br/index.php/Linguagem_Discurso/article/view/346/367 Acesso em maio de 2018.

SCHNEUWLY, B.; DOLZ, J. Gêneros orais e escritos na escola. Trad. org. Roxane Rojo; Glaís Sales Cordeiro. Campinas-SP, Mercado de Letras, 2004. 278 p.      

STREET, B. Letramentos sociais: abordagens críticas do letramento no desenvolvimento, na etnografia e na educação. Trad. Marcos Bagno. São Paulo: Parábola, 2014. 216 p.

e3400102


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.14244/198271993400

____________

Propriedade Intelectual

Revista Eletrônica de Educação adota a licença Creative Commons BY-NC do tipo "Atribuição Não Comercial".

Essa licença permite, exceto onde está identificado, que o usuário final remixe, adapte e crie a partir do seu trabalho para fins não comerciais, sob a condição de atribuir o devido crédito e da forma especificada pelo autor ou licenciante.

Para mais informações, consultar: https://br.creativecommons.org/

____________

REVISTA ELETRÔNICA DE EDUCAÇÃO. São Carlos (SP): Universidade Federal de São Carlos, Programa de Pós-Graduação em Educação, 2007- . Publicação contínua. ISSN 1982-7199. Disponível em: http://www.reveduc.ufscar.br