Entre memória e experiência: algumas reflexões teórico-metodológicas sobre narrativas em fontes autobiográficas (Between memory and experience: some theoretical-methodological reflections on narratives in autobiographical sources)

Éder da Silva Silveira, Ana Paula Kahmann, Amanda Assis de Oliveira

Resumo


The present article contemplates some reflections produced from the accumulation produced in our research group around a research project that sought to understand some practices of education developed by Brazilian communists, in periods in which they lived educational practices in or for clandestinity, particularly between the 1950s and 1970s.From the intersection between history of education and political culture, we present theoretical-methodological reflections on the autobiographical narratives that constituted the sources of ongoing research. The methodology is qualitative in nature and based on the presentation of notes that could serve as a motto for reflection about the use of narratives and their interfaces with the experience and the collective memory. The reflections carried out argue that the analysis of the narratives present in the autobiographical sources must consider some theoretical-methodological intersections from the (autobiographical) research perspective, as well as on memory and experience.

Resumo

O presente artigo contempla algumas reflexões produzidas a partir do acúmulo produzido em nosso grupo de pesquisa em torno de um projeto de investigação que buscou compreender algumas práticas de educação desenvolvidas por comunistas brasileiros, em períodos nos quais viveram práticas educativas na ou para a clandestinidade, particularmente entre as décadas de 1950 e 1970. A partir da intersecção entre história da educação e cultura política, apresentamos reflexões de cunho teórico-metodológico sobre as narrativas autobiográficas que constituíram as fontes da investigação em curso. A metodologia é de natureza qualitativa e se pauta na apresentação de algumas notas que possam servir de mote para a reflexão sobre o uso de narrativas e suas interfaces com a experiência e a memória coletiva. As reflexões realizadas defendem que a análise das narrativas presentes nas fontes autobiográficas deve considerar algumas intersecções teórico-metodológicas da perspectiva da pesquisa (auto)biográfica, bem como sobre memória e experiência.

Resumen

El presente artículo contempla algunas reflexiones producidas a partir de la acumulación producida en nuestro grupo de investigación en torno a un proyecto de investigación que buscó comprender algunas prácticas educativas desarrolladas por comunistas brasileños, en períodos en los que vivieron prácticas educativas en o para la clandestinidad, en particular entre los años 1950 y 1970. Desde la intersección entre la historia de la educación y la cultura política, presentamos reflexiones teórico-metodológicas sobre las narrativas autobiográficas que constituyeron las fuentes de la investigación en curso. La metodología es de naturaleza cualitativa y se basa en la presentación de algunas notas que pueden servir como un lema para la reflexión sobre el uso de las narrativas y sus interfaces con la experiencia y la memoria colectiva. Las reflexiones sostenidas sostienen que el análisis de las narrativas presentes en las fuentes autobiográficas debe considerar algunas intersecciones teóricas y metodológicas desde la perspectiva de la investigación (biográfica), así como sobre la memoria y la experiencia.

Palavras-chave: Educação clandestina, Experiência, Memória coletiva, Narrativas.

Keywords: Clandestine education, Experience, Collective memory, Narratives.

Palabras clave: Educación clandestina, Experiencia, Memoria colectiva, Narrativas.

References

ABRAHÃO, Maria Helena Menna Barreto (Orgs.). Educadores Sul-Rio-Grandenses: muita vida nas histórias de vida. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2008.

ABRAHÃO, Maria Helena Menna Barreto. História e histórias de vida – destacados educadores fazem a história da educação rio-grandense. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2001.

ABRAHÃO, Maria Helena Menna Barreto. Pesquisa (auto)biográfica: tempo, memória e narrativas. In: ______ (Org.). A aventura (auto)biográfica – teoria e empiria. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2004, p.201-224.

ABRAHÃO, Maria Helena Menna Barreto. Pesquisar com professores na escola: contribuições da pesquisa dialógica para o desenvolvimento de aprendizagens autorreguladas. In: VEIGA SIMÃO, A. M.; FRISON, L. M. B.; ABRAHÃO, M. H. M. B. (Orgs.). Autorregulação da aprendizagem e narrativas autobiográficas: epistemologia e práticas. Porto Alegre: EDIPUCRS; Natal: EDUFRN; Salvador: EDUNEB, 2012, p.113-154.

ABRAHÃO, Maria Helena Menna Barreto. Profissionalização docente e identidade – narrativas na primeira pessoa. In: SOUZA, E. C. (Orgs.) Autobiografias, histórias de vida e formação: pesquisa e ensino. Porto Alegre: EDIPUCRS; Salvador: EDUNEB, 2006, p.189-203.

ABRAHÃO, Maria Helena Menna Barreto; BOLÍVAR, Antonio. Trayectorias epistemológicas y prácticas de la investigación (auto)biográfica en educación em Brasil y España. In: ______ (orgs.). La investigación (auto)biográfica en educación: miradas cruzadas entre Brasil y España. Granada/Porto Alegre: EUG/EdiPUCRS, 2014, p. 8-29.

ALBUQUERQUE, M. B. B. Educação e saberes culturais: apontamentos epistemológicos. In: PACHECO, A. S. et al. (Org.). Pesquisas em estudos culturais na Amazônia: cartografias, literaturas & saberes interculturais. Belém: Editora AEDI, 2015. p. 651-692.

BERGSON, Henri. Matéria e memória: ensaio sobre a relação do corpo com o espírito. 2ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

ARAÚJO, Silvia Maria de; BRIDI, Maria Aparecida; MOTIM, Benilde Lenzi. Sociologia. São Paulo: Scipione, 2013.

BOURDIEU, Pierre; PASSERON, Jean Claude. A reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1982.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. O que é educação?. São Paulo: Brasiliense, 2007.

BUENO, B. O. É possível reinventar os professores? A escrita de memórias em um curso especial de formação de professores. In: SOUZA, E. C.; ABRAHÃO, M. H. M. B. (Orgs.). Tempos, narrativas e ficções: a invenção de si. Porto Alegre: EDIPUCRS; Salvador: EDUNEB, 2006, 219-238.

BUENO, B. O. O método autobiográfico e os estudos com histórias de vida de professores: a questão da subjetividade. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.28, n.1, p. 11-30, jan./jun. 2002.

CORRÊA, Hércules. Memórias de um stalinista. Rio de Janeiro: Opera Nostra, 1994.

CRUZ, Marcelly Machado; SILVEIRA, Éder da Silva Silveira. Gênero, educação e cultura política comunista: reflexões sobre narrativas de mulheres militantes. Textura - ULBRA, v. 20, p. 272-288, 2018.

CUNHA, Jorge Luiz da. Pesquisas com (auto)biografias: interfaces em tempos de individuação. In: PASSEGI, Maria da Conceição. ABRAHÃO, Maria Helena Menna Barreto (org). Dimensões epistemológicas e metodológicas da pesquisa (auto)biográfica: Tomo I. Natal: EDUFRN; Porto Alegre: EDIPUCRS; Salvador: EDUNEB, 2012. p. 95-114.

CUNHA, Maria Isabel. Conta-me agora! As narrativas como alternativas pedagógicas na pesquisa e no ensino. Rev. Fac. Educ. vol. 23 n. 1-2, p.185-195. São Paulo Jan./Dec. 1997.

DELORY-MOMBERGER, Christine. A condição biográfica: ensaios sobre narrativa de si na modernidade avançada. Natal, RN: EDUFRN, 2012.

DIAS, Eduardo. Um imigrante e a revolução: Memórias de um Militante Operário 1934 - 1951. São Paulo: Brasiliense, 1983.

DURKHEIM, Émile. As regras do método sociológico. São Paulo: Martin Claret, 2004.

FIUZA, Alexandre Felipe; BRAGGIO, Ana Karine. Acervo da DOPS/PR: uma possibilidade de fonte diferenciada para a história da educação. Revista Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 5, n.10, p. 430 – 452, jul./dez. 2013.

FRISON, L. M. B. Narrativas de autoformação: aprendizagem autorregulada revelada na docência compartilhada. In: VEIGA SIMÃO, A. M.; FRISON, L. M. B.; ABRAHÃO, M. H. M. B. (Orgs.). Autorregulação da aprendizagem e narrativas autobiográficas: epistemologia e práticas. Porto Alegre: EDIPUCRS; Natal: EDUFRN; Salvador: EDUNEB, 2012, p.73-92.

GOHN, Maria da Glória. Educação não-formal, participação da sociedade civil e estruturas colegiadas nas escolas. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v.14, n.50, p.27-38, mar. 2006.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Vértice, 1990.

JOSSO, Marie-Christine. Experiências de vida e formação. São Paulo: Cortez, 2004.

LIMA, Heitor Ferreira. Caminhos percorridos. Organização do Arquivo de História Social Edgard Leuenroth – Unicamp: Brasiliense, 1982.

NORA, Pierre. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Projeto História, São Paulo, PUC-SP, (10): 7-29, 1993.

O COMUNISMO no Brasil. Inquérito Policial Militar 709. V.2. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército, 1967.

OLIVEIRA, Amanda Assis de; SILVEIRA, Éder da Silva. Educação e clandestinidade: memórias de comunistas brasileiros na União Soviética (1953-1955). Temporalidades, v. 9, p. 12-31, 2017.

OLIVEIRA, Pérsio Santos de. Introdução à sociologia. São Paulo: Ática, 2010.

PASSEGGI, Maria da Conceição. A formação do formador na abordagem autobiográfica. A experiência dos memoriais de formação. In: SOUZA, E. C.; ABRAHÃO, M. H. M. B. (Orgs.). Tempos, narrativas e ficções: a invenção de si. Porto Alegre: EDIPUCRS; Salvador: EDUNEB, 2006, p.203-218.

PASSEGGI, Maria da Conceição. Memoriais auto-bio-gráficos: a arte profissional de tecer uma figura pública de si. In: PASSEGGI, M. C.; BARBOSA, T.M.N (Orgs.). Memórias, memoriais: pesquisa e formação docente. São Paulo: Paulus; Natal: EDUFRN, 2008, p.27-59.

PASSEGGI, Maria da Conceição. Narrar é humano! Autobiografar é um processo civilizatório. In: PASSEGGI, M. C.; SILVA, V. B. (Orgs.). Invenções de vidas, compreensões de itinerários e alternativas de formação. São Paulo: Cultura Acadêmica, p.103-139, 2010.

PASSEGGI, Maria da Conceição. Narrativas institucionais de si: a arte de enlaçar reflexão, razão e emoções. In: MARTINS, Raimundo; TOURINHO, Irene; SOUZA, Elizeu Clementino (Orgs.). Pesquisa narrativa: interfaces entre histórias de vida, arte e educação. Santa Maria: Editora da UFSM, p.99-124, 2017.

PASSEGGI, Maria da Conceição; SOUZA, Elizeu Clementino; VICENTINI, Paula Perin. Entre a vida e a formação: pesquisa (auto)biográfica, docência e profissionalização. Educação em Revista. Belo Horizonte, v.27,n.01, p.333-346, 2011.

PIMENTEL, Guilherme Costa. Cultura política comunista em Montes Claros - reflexões e apontamentos. Temporalidades: Revista de pós-graduação em História, Ed. 24, V. 9, N. 2, p. 32-48, mai./ago. 2017.

POLLAK, M. Memória, esquecimento, silêncio. Revista Estudos Históricos, Vol. 2, Nº 3, p.3-15, 1989.

SÁ MOTTA, Rodrigo Patto (Org.). Desafios e possibilidades na apropriação de cultura política pela historiografia. In: MOTTA, Rodrigo Patto Sa (Org.). Culturas Políticas na História: Novos Estudos. 2. ed. Belo Horizonte: Fino Traço Editora Ltda, 2009. Cap. 1. p. 13-35.

SARLO, Beatriz. Tempo passado: cultura da memória e guinada subjetiva. São Paulo: Cia. Das Letras; Belo Horizonte: UFMG, 2007.

SCHMIDT, Benito Bisso. Entre a filosofia e a sociologia: matrizes teóricas das discussões atuais sobre história e memória. Revista Estudos Ibero-Americanos, PUCRS, v.XXXII, n.1, p.85-97, jun.2006.

SCHMIDT, Maria Luisa Sandoval; MAHFOUD, Miguel. Halbwachs: memória coletiva e Experiência. Psicologia USP, São Paulo, v.4(1/2), p.285-298, 1993.

SILVEIRA, Éder da Silva. Por que ele? Educação, Traição e Dissidência Comunista na Trajetória de Manoel Jover Teles, o “Manolo”. São Paulo: Paco Editorial, 2016a.

SILVEIRA, Éder da Silva. Por que ele? Reflexões sobre o percurso e os bastidores de uma biografia histórica. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)Biográfica, Salvador, v. 01, n. 03, p. 467-479, set/dez. 2016b.

SILVEIRA, Éder da Silva; MORETTI, Cheron Zanini. Memórias de uma educação clandestina: comunistas brasileiros e escolas políticas na União Soviética na década de 1950. Educar em Revista, p. 193-208, 2017.

SILVEIRA, Éder da Silva; MORETTI, Cheron Zanini; PEREIRA, Marcos Villela (Org.).  Educação clandestina. v.1: Educação e Clandestinidade. 1. ed. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2019a.

SILVEIRA, Éder da Silva; MORETTI, Cheron Zanini; PEREIRA, Marcos Villela (Org.).  Educação clandestina. v.2: Educação e culturas políticas. 1. ed. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2019b.

SOUZA, Elizeu Clementino O Conhecimento de Si: estágio e narrativas de formação de professores. Rio de Janeiro: DP&A; Salvador, BA: UNEB, 2006.

STEPHANOU, Maria; BASTOS, Maria Helena Câmara.  História, Memória e História da educação. In: ______ (org.). Histórias e memórias da educação no Brasil. Vol. III -  Século XX. 4ª edição. RJ:Vozes, 2011, p.416-429.

THOMPSON, Edward P. A miséria da teoria: ou um planetário de erros. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

e3245057


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.14244/198271993245

____________

Propriedade Intelectual

Revista Eletrônica de Educação adota a licença Creative Commons BY-NC do tipo "Atribuição Não Comercial".

Essa licença permite, exceto onde está identificado, que o usuário final remixe, adapte e crie a partir do seu trabalho para fins não comerciais, sob a condição de atribuir o devido crédito e da forma especificada pelo autor ou licenciante.

Para mais informações, consultar: https://br.creativecommons.org/

____________

REVISTA ELETRÔNICA DE EDUCAÇÃO. São Carlos (SP): Universidade Federal de São Carlos, Programa de Pós-Graduação em Educação, 2007- . Publicação contínua. ISSN 1982-7199. Disponível em: http://www.reveduc.ufscar.br