“Todo mundo quer ser perfeito mesmo” Significados da vivência escolar e reforço para uma adolescente ("In fact, everyone wants to be perfect" Meanings of the school experience and school reinforcement for a teenager)

Marina Lara Rodrigues

Resumo


In this paper some of the meanings of a primary school student for the school experience are analyzed, based on a demand for school reinforcement. This activity is a constant part of the daily life of many children and adolescents in Brazil, and it is observed that it can have both positive (when it helps the young in a process of self-discovery and development) and negative connotations (when it becomes a form of stigma and exclusion) for the life of the students, framing and giving new meanings to the school experience in a broader sense. For the data collection, a semi-structured interview with a 10-year-old girl was performed, with subsequent transcription and data analysis using Bardin’s Content Analysis method (2016). The analysis is complemented with the support of authors and theories of the areas of Education and Psychology. The results and conclusion suggest that teachers, parents and education professionals need subsidies to re-signify school reinforcement and its relation to the school experience as a whole, transmitting a more positive image of this process to young people and adolescents, so that it is considered an opportunity for development rather than being seen as form of punishment or cause for exclusion.

Resumo

Neste trabalho são apresentados e analisados alguns dos significados de uma estudante do ensino fundamental para a experiência escolar vivenciada, a partir de uma demanda de reforço escolar realizado pela aluna. Esta atividade é parte constante da vida diária de muitas crianças e adolescentes no Brasil, e observa-se que pode ter conotações tanto positivas (quando auxilia o jovem em um processo de descoberta e desenvolvimento) quanto negativas (quando se torna uma forma de estigma e exclusão) para a vida dos estudantes, enquadrando e dando novos significados à experiência escolar de uma forma geral. Para o levantamento de dados foi realizada uma entrevista semiestruturada com uma adolescente de 10 anos, com posterior transcrição e análise dos dados utilizando o método da Análise de Conteúdo de Bardin (2016). A análise é complementada com o apoio de autores e teorias das áreas de Educação e Psicologia. Os resultados e a conclusão sugerem que professores, pais e profissionais da educação precisam de subsídios para ressignificar o reforço escolar e sua relação com a experiência escolar como um todo, transmitindo por sua vez, uma imagem mais positiva desse processo aos jovens e adolescentes, para que seja considerado como uma oportunidade de desenvolvimento ao invés de ser visto como forma de punição ou causa de exclusão.

Resumen

En este trabajo se presentan y analizan algunos de los significados de una estudiante de enseñanza fundamental para la experiencia escolar vivenciada, a partir de una demanda de refuerzo escolar realizado por la alumna. Esta actividad es parte constante de la vida diaria de muchos niños y adolescentes en Brasil, y se observa que puede tener connotaciones tanto positivas (cuando auxilia al joven en un proceso de descubrimiento y desarrollo) cuanto negativas (cuando se convierte en una forma de estigma y exclusión) para la vida de los estudiantes, encuadrando y dando nuevos significados a la experiencia escolar de una forma general. Para el levantamiento de datos se realizó una entrevista semiestructurada con una adolescente de 10 años, con posterior transcripción y análisis de los datos utilizando el método del Análisis de Contenido de Bardin (2016). El análisis se complementa con el apoyo de autores y teorías de las áreas de Educación y Psicología. Los resultados y la conclusión sugieren que profesores, padres y profesionales de la educación necesitan subsidios para resignificar el refuerzo escolar y su relación con la experiencia escolar como un todo, transmitiendo a su vez una imagen más positiva de ese proceso a los jóvenes y adolescentes, para que sea considerado como una oportunidad de desarrollo en vez de ser visto como una forma de castigo o causa de exclusión.

Palavras-chave: Análise de conteúdo, Reforço, Sentido, Significado.

Keywords: Content analysis, Meaning, Learning reinforcement, Sense.

Palabras clave: Análisis de contenido, Refuerzo escolar, Sentido, Significado.

References

BARDIN, L. Análise de conteúdo. (1a ed). São Paulo: Edições 70, 2016.

BREDER, F. C. Feminismo e príncipes encantados: a representação feminina nos filmes de princesa da Disney. 2013. 74 f. Monografia (Graduação em Comunicação Social/Jornalismo) – Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013.

CHIZZOTTI, A. Pesquisa em ciências humanas e sociais. (8a ed.). São Paulo: Cortez, 2006.

GOMES, P. B. M. B. Princesas: produção de subjetividade feminina no imaginário de consumo. 2000. 208 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2000.

NASCIMENTO, M. A. do. Erving Goffman: as interações no cotidiano escolar, desvendando o estigma dentro da inclusão escolar. 2009. 137 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Humanidades e Direito da Universidade Metodista de São Paulo, São Bernardo do Campo, 2009.

OLIVEIRA, J. C.; CRUZ, M. A. S. Reforço escolar: um aliado para o ensino. XII Encontro Nacional de Educação Matemática, São Paulo, 2016. Disponível em: <http://www.sbem.com.br/enem2016/anais/pdf/5575_3563_ID.pdf>. Acesso em: 22 jan. 2018.

ZIBETTI, M. L. T.; PANSINI, F.; SOUZA, F. L. F. de. Reforço escolar: espaço de superação ou manutenção das dificuldades escolares? Revista Semestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional, São Paulo, v. 16, n. 2, p. 237-246, 2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/pee/v16n2/a06v16n2.pdf>. Acesso em: 22 jan. 2018.

e3151074


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.14244/198271993151

____________

Propriedade Intelectual

Revista Eletrônica de Educação adota a licença Creative Commons BY-NC do tipo "Atribuição Não Comercial".

Essa licença permite, exceto onde está identificado, que o usuário final remixe, adapte e crie a partir do seu trabalho para fins não comerciais, sob a condição de atribuir o devido crédito e da forma especificada pelo autor ou licenciante.

Para mais informações, consultar: https://br.creativecommons.org/

____________

REVISTA ELETRÔNICA DE EDUCAÇÃO. São Carlos (SP): Universidade Federal de São Carlos, Programa de Pós-Graduação em Educação, 2007- . Publicação contínua. ISSN 1982-7199. Disponível em: http://www.reveduc.ufscar.br