Mediação e aprendizagem num espaço poroso: tibuns com/no MAR (Museu de Arte do Rio) (Gallery education and learning in a porous space - plunges with/in to MAR (Rio Art Museum))

José Alberto Romaña Díaz, Angélica Vier Munhoz

Resumo


This paper is part of a dissertation carried out in the Masters in Teaching of the University of Vale do Taquari - UNIVATES, in the period of 2017-2018; it is about an immersion into MAR – the Museu de Arte de Rio de Janeiro (Brazil). Founded in 2013, it comprises two buildings – the Exhibition Pavilion and the Looking School –, which show a physical and symbolic articulation between the educational and the artistic fields. Plunge into MAR was an attempt to understand how a museum can become a porous place that produces learning processes. Learning, mediation, transcreation and porosity are the notions used in this study. Authors of the Philosophy of Difference, such as Gilles Deleuze, provided theoretical support for this study. The immersion into MAR consisted in plunging – a process that involved diving and coming up, leaving and coming back, and tracing maps, which thus became the methodological procedure of this investigation. The results of this investigation have contributed to the understanding that inventive educational practices designed by museum educators/mediators may produce new teaching and learning experiences. Furthermore, they helped us regard the museum as a porous space that can produce experiences of gallery education and learning with its visitors, whether they are teachers or other people.

Resumo

O presente artigo é o recorte de uma investigação realizada no Mestrado em Ensino da Universidade do Vale do Taquari - Univates, no período de 2017-2018. Trata-se de uma imersão no MAR –  Museu de Arte do Rio, no Rio de Janeiro, Brasil. Inaugurado em 2013, o MAR foi instalado em dois prédios – Pavilhão de Exposições e Escola do Olhar, com a finalidade de articular, física e simbolicamente, os campos educacional e artístico. Mergulhar no MAR teve como propósito buscar compreender de que modo um museu pode tornar-se um espaço poroso, produtor de processos de aprendizagem. Aprendizagem, mediação, transcriação e porosidade foram as noções operadas nesta investigação. Autores da Filosofia da Diferença como Gilles Deleuze (1988, 2003), serviram como aportes teóricos para o estudo. A imersão no MAR consistiu em “tibungar” – processo que implicou mergulhar e retornar, ir e voltar, traçar mapas, tornando-se o próprio procedimento metodológico da referida investigação. Os resultados da investigação ajudaram a compreender que práticas educativas inventivas, construídas por educadores/mediadores de museus, podem ser produtoras de novas experiências de ensinar e aprender. Além disso, apontaram para pensar o museu como um espaço poroso, capaz de produzir experiências de mediação e aprendizagem com o seu público, seja ele professores ou demais envolvidos.

Resumen

El presente artículo es una parte de una investigación realizada en la Maestría en Enseñanza de la Universidad del Valle del Taquari -UNIVATES, en el período de 2017-2018. Tratase de una zambullida en el MAR — Museu de Arte do Rio, Brasil. Inaugurado en 2013, el MAR cuenta con dos edificios - Pabellón de Exposiciones y Escola do Olhar (Escuela de Mirar) - dicho museo presenta un deseo de articulación, física y simbólica, entre los campos educativo y artístico. Zambullir en el MAR tuvo como propósito comprender cómo un museo puede convertirse en un espacio poroso, productor de procesos de aprendizaje. De esa forma aprendizaje, mediación, transcreación y porosidad se convirtieron en las nociones centrales. Los autores de la Filosofía de la Diferencia, como Gilles Deleuze, sirvieron como aportes teóricos para esta investigación. Zambullir en el MAR consistió en: hundirse y salir, ir y volver, trazar mapas; convirtiéndose así en el procedimiento metodológico de esta pesquisa. Los resultados de esta investigación ayudaron a comprender que las prácticas educativas inventadas, construidas por educadores/mediadores de museos, pueden ser productoras de nuevas experiencias de enseñanza y aprendizaje. Asimismo, posibilitaron pensar el museo como un espacio poroso, capaz de producir experiencias de mediação y aprendizaje con los visitantes, sean profesores, o público en general.

Palavras-chave: Museu de Arte do Rio, Aprendizagem, Mediação, Porosidade.

Keywords: Museu de Arte do Rio, Learning, Gallery education, Porosity.

Palabras claves: Museu de Arte do Rio; Aprendizaje; Mediación; Porosidad.

References

BOING, Maria Clara B. A educação praticada no/com o MAR: o que nos dizem gestos e narrativas dos educadores do museu? 2015. 106 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro, 2016.

CANÔNICO, Marco Aurélio; CYPRIANO, Fabio. Leia a íntegra da entrevista com Paulo Herkenhoff, diretor do Museu de Arte do Rio. Ilustrada, Folha de São Paulo. São Paulo, 28 fevereiro 2013. Disponível em: <https://goo.gl/XVk3oo>. Acesso em: 5 de maio de 2018.

CASTRO, Maria do Mar V.; NIKITA, Dhawan. Breaking the Rules: Education and Post-Colonialism. Diaphanes, Zürich, v. 12, p. 317-332, 2009. Disponível em: <https://goo.gl/AHFfZc>. Acesso em: 15 de jul de 2017.

CEVALLOS, Alejandro; MACAROFF, Anahi. Contradecirse una misma, Museos y mediación educativa crítica. Quito: Alcaldía de Quito. 2013, 213 p. Disponível em: <https://goo.gl/fTvHfY>. Acesso em: 10 de out de 2016.

CORAZZA, Sandra. Didática da tradução, transcriação do currículo (uma escrileitura da diferença). Pro-Posições. v. 26, n. 1. Campinas, SP. 2015. Disponível em: <https://goo.gl/JCSKJ7>. Acesso em: 22 set 2017.

COUTINHO, Rejane Galvão. O educador pesquisador e mediador: questões e vieses. PÓS. Belo Horizonte, v. 3, n. 5, p. 46-55, maio, 2013. Disponível em: <https://goo.gl/k4sHn4>.  Acesso em: 25 fev 2017.

DECARLI, Georgina. Un museo sostenible: Museo y comunidad en la preservación activa de su patrimonio. Costa Rica: UNESCO, 2004, 168 p.

DELEUZE, Gilles. Diferença e repetição. Tradução de Luiz Orlandi e Roberto Machado. Rio de Janeiro: Graal, 1988, 284 p.

DELEUZE, Gilles. Proust e os signos. 2. ed. Tradução de Antonio Piquet e Roberto Machado. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2003, 173 p.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O que é a filosofia? Tradução Bento Prado Jr. e Alberto Alonso Munõz. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1992.

DUNCAN, Carol. Civilizing rituals: inside public art museums. New York: Routledge, 1995, 178 p.

GALEANO, Eduardo. O livro dos abraços. Tradução de Eric Nepomuceno. Porto Alegre: L&PM, 9 ed, 2002, 219 p.

GALLO, Silvio. As múltiplas dimensões do aprender... In: Congresso de Educação Básica - COEB: aprendizagem e currículo. Anais do... Florianópolis: COEB, 2012. Disponível em: <https://goo.gl/NTN2Zw>. Acesso em: 17 jun. 2017.

GONZÁLEZ, María D. S.; SEGURA, Francesc R. Entrevista realizada a Glòria Jové Monclús. In: GONZÁLEZ, María D. S.; ARÉVALO, Almudena B (Org). Rizoma trans: Ser, cambio educativo, las sociedades necesitan una ciudadanía global. Valencia: Florencia Universitària. 2016, 128 p.

HONORATO, C. A formação de mediadores e um currículo da mediação. In:  22° Encontro Nacional da ANPAP. Anais do... Belém, 2013. Disponível em: https://goo.gl/oaaNr3. Acessado em 01 de jul de 2016.

JOVÉ, Glòria MONCLÚS; FERRERO, Mireia Oliva; SELFA, Moisés Sastre. A la derriba: una propuesta de enseñanza y aprendizaje a través del arte contemporáneo. ASRI: Arte y sociedad. Revista de investigación. Málaga/ESP, n. 12, p. 15-25, 2017. Disponível em: < https://goo.gl/es7Vpm>. Acesso em: 15 de agos de 2018.

LAFORTUNE, Jean Marie. Da mediação à mediação: o jogo duplo do poder cultural em animação. Diego de Kerkove (trad). Periódico Permanente.São Paulo, n°6, Fevereiro, 2016. Disponivel em: <https://goo.gl/A7MYGS>. Acesso em: 16 de mar 2017.

MARTINS, Mirian Celeste. Vírus estético. São Paulo: Espaço Pedagógico, 1992, 125 p.

MARTINS, Mirian Celeste et al. Mediações culturais e contaminações estéticas. Revista GEARTE. Porto Alegre, v. 1, n. 3, p.248-264, 2014. Disponível em: <https://goo.gl/7f7vVj>. Acesso em: 25 fev 2017.

MARTINS, Mirian Celeste. Mediação cultural: [entre]laçamentos de territórios da arte e cultura e curadorias educativas. Revista Matéria-Prima. Lisboa, v. 4, p. 30-39, 2016. Disponível em: <https://goo.gl/prTMBF>. Acesso em: 25 fev 2017.

MARTINS, Mirian Celeste. Verbete Mediação. In: Instituto Brasileiro de Museus. Caderno da Política Nacional de Educação Museal. Brasília, DF: IBRAM, 2018, 132 p.

MORAN, José Manuel; MASETTO, Marcos T.; BEHRENS, Marilda Aparecida. Novas tecnologias e mediação pedagógica. Campinas: Papirus, 2000.

MÖRSCH, Carmen (Org.). At a Crossroads of Four Discourses, documenta 12 Gallery Education in between Affirmation, Reproduction, Deconstruction, and Transformation. In: ______. Between Criticam Practice and Visitor Services Results of a Research Project. Zürich, v. 2. Diaphanes, 2009, p.9-31. Disponível em: <https://goo.gl/UrJESm>. Acesso: em 10 de ago 2017.

MUNHOZ, Angélica V.; COSTA, Cristiano Bedin da; GUEDES, Betina. Notas sobre uma Residência Pedagógica no Museu de Arte do Rio. Revista Gearte. Porto Alegre, v. 3, n. 3, p. 367-381, set/dez, 2016.

MUSEU DE ARTE DO RIO (MAR). Conversa de Galeria– Zona de Poesia Árida. Youtube, 3 feb. 2015a. Disponível em <https://goo.gl/EwKL2E>. Acesso em: 17 mar. 17.

MUSEU DE ARTE DO RIO (MAR). Conversa de Galeria – Zona de Poesia Árida - Primeira Rádio Debate. Youtube, 5 feb. 2015b. Disponível em <https://goo.gl/m5TttA>. Acesso em: 17 mar. 17.

MUSEU DE ARTE DO RIO (MAR). Escola do Olhar: práticas educativas do Museu de Arte do Rio 2013­2015. Melo, Janaina (Org). Rio de Janeiro: Instituto Odeon, 2016, 103 p.

PORTO MARAVILHA. A revolução Cultural. Revista Porto Maravilha. n° 22, dezembro. Rio de Janeiro, p.6-7, 2016. Disponível em: <https://goo.gl/3ZkP7J>. Acessado em: 17 de abr. 2017.

SEBRAE-RJ, Observatório. O porto maravilha e os desafios da reintegração econômica da região na dinâmica da cidade.  Rio de Janeiro, Boletim semestral, n.3, jul. 2013. Disponível em: <https://goo.gl/mE4StG>. Acessado em: 27 de ago.  2017.

YÚDICE, George. Museu molecular e desenvolvimento cultural. In: NASCIMENTO JUNIOR, José do (Org.). Economia de museus. Brasília: MINC/IBRAM, 2010, p.21-54.

ZORDAN, Paola. Criação na perspectiva da diferença. Revista Digital do Laboratório de Artes Visuais. UFSM, n. 5, 2010, p. 01-12. Disponível em: <https://bit.ly/2NiAlV6>. Acessado em: 17 de dez. 2018.

e3114050



Texto completo:

PDF PDF (Español (España))


DOI: https://doi.org/10.14244/198271993114

____________

Propriedade Intelectual

Revista Eletrônica de Educação adota a licença Creative Commons BY-NC do tipo "Atribuição Não Comercial".

Essa licença permite, exceto onde está identificado, que o usuário final remixe, adapte e crie a partir do seu trabalho para fins não comerciais, sob a condição de atribuir o devido crédito e da forma especificada pelo autor ou licenciante.

Para mais informações, consultar: https://br.creativecommons.org/

____________

REVISTA ELETRÔNICA DE EDUCAÇÃO. São Carlos (SP): Universidade Federal de São Carlos, Programa de Pós-Graduação em Educação, 2007- . Publicação contínua. ISSN 1982-7199. Disponível em: http://www.reveduc.ufscar.br