Modos de viver, partilhar e construir experiências na Pedagogia Griô (Ways of living, sharing and building experiences in the Griot pedagogy)

Luciana de Araújo Pereira, Charles Maycon deAlmeida Mota, Fabrício Oliveira da Silva

Resumo


This work approaches orality as an educational principle of the pedagogy of the griot from the memories of the quilombola community Remanso / BA. Its main objective is to analyze the importance of the oral tradition for the maintenance of collective memory and the identity of the group in the narratives of the protagonists of the Trail Griô do Quilombo, in the light of literacy practices and events. Memory, identity, and oral tradition of teachings emerge as major categories that give shape to discussions about griot pedagogy. It is a study that is based on the principles of qualitative research for revealing ways of living, sharing, narrating and constructing meanings for the experiences lived and memorized by a community. In this field, the interviews were foundational elements for revealing knowledge and oral practices as a form of teaching among subjects of different generations. Between some results, the study concluded that listening to the elders and recognizing them as a source of memory is taking care of the community's own history. It is a way of using orality to valorize those who formed this people who are proud of their conquests, and that for this purpose they construct a griot pedagogy, which has in its orality its basic foundation. It is also concluded that school is the main locus for acquiring knowledge in the community, but for this it should not distance itself from local culture, its traditions, community thinking and practices, cultural tradition still resists in the everyday life of these populations.

Resumo

Este trabalho aborda a oralidade como princípio educativo da Pedagogia Griô a partir das memórias da comunidade quilombola Remanso/BA. Tem como objetivo central analisar, nas narrativas dos protagonistas da Trilha Griô do Quilombo, à luz das práticas e eventos de letramento, a importância da tradição oral para a manutenção da memória coletiva e da identidade do grupo. Memória, identidade e tradição oral de ensinamentos emergem como categorias principais que dão contorno às discussões sobre a Pedagogia Griô.  É um estudo que se fundamenta nos princípios da pesquisa qualitativa por revelar modos de viver, partilhar, narrar e construir sentidos para as experiências vividas e memoralizadas por uma comunidade. Nesta seara, as entrevistas foram elementos fundantes para que se pudesse revelar saberes e práticas orais como forma de ensinamentos entre sujeitos de diferentes gerações. Entre alguns resultados, o trabalho permitiu concluir que ouvir os mais velhos e reconhecê-los como fonte de memória é cuidar da própria história da comunidade. É uma forma de usar a oralidade para valorizar aqueles que formaram este povo que tem orgulho de suas conquistas, e que por este feito constroem uma Pedagogia Griô, que tem na oralidade seu fundamento basilar. Conclui-se, ainda, que a escola é o lócus principal para se adquirir conhecimento na comunidade, mas para isso ela não deve se distanciar da cultura local, das suas tradições, da maneira da comunidade pensar e de suas práticas, uma vez que, tradição cultural ainda resiste no cotidiano destas populações.

Resumen

Este trabajo aborda la oralidad como principio educativo de la pedagogía grió a partir de las memorias de la comunidad quilombola Remanso/BA. En la narrativa de los protagonistas del Camino Grió del Quilombo, a la luz de las prácticas y eventos de letramiento, la importancia de la tradición oral para el mantenimiento de la memoria colectiva y de la identidad del grupo. Memoria, identidad y tradición oral de enseñanzas emergen como categorías principales que dan contorno a las discusiones sobre la Pedagogía Grió. Es un estudio que se fundamenta en los principios de la investigación cualitativa por revelar modos de vivir, compartir, narrar y construir sentidos para las experiencias vividas y memorizadas por una comunidad. En esta metodología, las entrevistas fueron elementos fundantes para que se revelase saberes y prácticas orales como forma de enseñanzas entre sujetos de diferentes generaciones. Entre algunos resultados, el trabajo permitió concluir que oír a los mayores y reconocerlos como fuente de memoria es cuidar de la propia historia de la comunidad. Es una forma de usar la oralidad para valorar a aquellos que formaron a este pueblo que tiene orgullo de sus conquistas, y que por este hecho construyen una pedagogía grió, que tiene en la oralidad su fundamento basilar. Se concluye que la escuela es el locus principal para adquirir conocimiento en la comunidad, pero para ello no debe distanciarse de la cultura local, de sus tradiciones, de la manera de la comunidad pensar y de sus prácticas, ya que, la tradición cultural todavía resiste en el cotidiano de estas poblaciones.

Palavras-chave: Narrativas, Pedagogia Griô, Tradição oral.

Keywords: Narratives, Griot Pedagogy, Oral tradition.

Palabras clave: Narrativas, Pedagogía Grió, Tradición oral.

References

ASSOCIAÇÃO GRÃOS DE LUZ E GRIÔ. Memória popular e reflexão. Lençóis, 2004.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2004.

BARZANO, Marco Antônio Leandro. Griô: dobras e avessos de uma ONG-Pedagogia-Ponto de Cultura. Feira de Santana: UEFS Editora, 2013.

BENJAMIN, Walter. O Narrador. In: Obras escolhidas I: Magia e técnica, arte e política. 10. ed. Tradução: Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1986.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. A cultura na rua. Campinas, SP: Papirus,1989.

CASCUDO, Luis da Câmara. Literatura Oral no Brasil. 3ed. Belo Horizonte: Itatiaia & Editora da Universidade de São Paulo, 1984.

CERTEAU, Michel; GIARD, Luce; MAYOL, Pierre. A invenção do cotidiano: morar, cozinhar. Tradução de Ephraim F. Alves e Lúcia Endlich Orth. Petrópolis, RJ: Vozes,1996.

CORACINI, Maria José; GHIRALDELO, Claudete Moreno. Nas malhas do discurso: memória imaginário e subjetividade. Formação de professores (línguas materna e estrangeiras), leitura e escrita. Campinas: Pontes, 2011.

COUTINHO, Representações sociais e práticas de pesquisa. João Pessoa: UFPB, editora universitária, 2005.

DAMATTA, Roberto. Relativizando: uma introdução à Antropologia Social. Rio de Janeiro: Rocco, 1991.

DELGADO, Lucilia de Almeida Neves. História oral: memória, tempo, identidade. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. São Paulo: Cortez, 1986.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. Lembrar escrever esquecer. São Paulo: Editora 34, 2006.

GIL, A.C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 1999.

GOLDENBERG, Mirian. A arte de pesquisar: como fazer pesquisa qualitativa em ciências sociais. Rio de Janeiro: Record,1999.

JOVCHELOVITCH, Sandra; BAUER, Martin W. Entrevista narrativa. In: BAUER, Martin W.; GASKELL, George. (Org.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

KLEIMAN, Ângela B. (Org.). Os significados do letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social da escrita. Campinas: Mercado das Letras, 1995.

LE GOFF, Jacques. História e memória. Trad. Bernardo Leitão (et al.). Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 1994.

MATOS, Gislayne Avelar. A palavra do contador de histórias: sua dimensão educativa na contemporaneidade. 2003. Dissertação (Mestrado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2003.

MEIHY, José Carlos Sebe Bom. Manual de história oral. São Paulo: Loyola, 2005.

MINAYO, M.C (org.), et al. Avaliação por triangulação de métodos: abordagens de programas sociais. Rio de Janeiro: editora Fiocruz, 2005.

MIZIARA, Karina Braga. Quem conta um conto, encontra um ponto: um estudo fenomenológico da experiência de contar histórias como forma de enraizamento. 2005. Dissertação (Mestrado em Psicologia Social). Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2005.

MOLL, Jaqueline. Histórias de Vida, histórias de escola: Elementos para uma pedagogia da cidade. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.

NORA, Pierre. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Projeto História, São Paulo, n 10, p. 7-28, dez. 1993.

OLIVEIRA, Paulo de Salles, Vidas Compartilhadas: Cultura e co-cultura de gerações na vida cotidiana. São Paulo: Hucitet; Fapesp, 1999.

PACHECO, Líllian. Pedagogia griô: a reinvenção da roda da vida. Lençóis: Grãos de Luz e Griô, 2006.

PACHECO, Líllian; SANTINI, Alexandre. Grãos de Luz e ação Griô: articulação, formação, patrimônio, identidade, as tradições da oralidade na cultura brasileira. Almanaque Cultura viva, 2010.

PACHECO, Líllian. Lei Griô: a vez e a voz da cultura popular. Revista Presente. Ano 16, p.57. Editora Loyola, São Paulo, 2008.

PETROVICH, Carlos; MACHADO, Vanda. IrêAyó: mitos afro-brasileiros. Salvador: EDUFBA, 2004.

POLLAK, Michael. Memória e identidade social. In: Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 5, n. 10, 1992.

RONDELLI, Beth. O narrado e o vivido. Rio de Janeiro: FUNARTE/IBAC, 1993.

SCHMIDT, Maria Luisa S.; MAHFOUD, Miguel. Halbwachs: Memória Coletiva e Experiência. Psicologia USP, 1993.

SENNA, Ronaldo. Jarê: uma face do candomblé: manifestação religiosa na Chapada DiamantinaBahia: Ed. UEFS, 1998.

SILVA, Denise Guerreiro Vieira da; TRENTINI Mercedes. Narrativas como técnica de pesquisa em enfermagem. Rev. Latino-Am. Enfermagem, v. 10, n 3, maio/jun. 2002.

SIMSON, Olga Rodrigues de Moraes Von, org. Os Desafios Contemporâneos da História Oral. Campinas: Área de Publicações CMU/Unicamp, 1997.

WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: Identidade e diferença – a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis Vozes, 2000.

ZUMTHOR, Paul. A Letra e a voz: a “literatura” medieval. Tradução Amálio Pinheiro, Jerusa Ferreira, São Paulo, Companhia das Letras, 1993.

ZUMTHOR, Paul. Introdução à poesia oral. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

e3060025


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.14244/198271993060

____________

Propriedade Intelectual

Revista Eletrônica de Educação adota a licença Creative Commons BY-NC do tipo "Atribuição Não Comercial".

Essa licença permite, exceto onde está identificado, que o usuário final remixe, adapte e crie a partir do seu trabalho para fins não comerciais, sob a condição de atribuir o devido crédito e da forma especificada pelo autor ou licenciante.

Para mais informações, consultar: https://br.creativecommons.org/

____________

REVISTA ELETRÔNICA DE EDUCAÇÃO. São Carlos (SP): Universidade Federal de São Carlos, Programa de Pós-Graduação em Educação, 2007- . Publicação contínua. ISSN 1982-7199. Disponível em: http://www.reveduc.ufscar.br