Currículo do Ensino de Língua Inglesa e uso de tecnologias digitais previstos na BNCC (Curriculum of English Language Teaching and use of digital technologies established in BNCC)

Sílvio Ribeiro da Silva, Cinthia Alencar Pacheco

Resumo


This article presents a documental analysis of Curriculum Common National Basis (BNCC), specifically in English Language field (LI), in Elementary School. It aims to relate the guidelines about English school curriculum to the use of digital technologies into the classroom or out of it. This document has been chosen because, nowadays, the Curriculum Common National Basis (CCNB) forms the last national guideline for Brazilian schools about contents and skills required in Elementary School. Schools have been guided to use the guidelines enrolled in Brazilian Curriculum and furthermore, the schools have to assure diversified contents, according to local reality. In this study, English language was chosen because text parameter from BNCC about English, or additional language has changed. Earlier documents authorized to schools the choice of second language to be taught, however BNCC establishes English as compulsory language. According BNCC, English language has been selected because its role as an international communication language, a lingua franca spoken by people across the whole world, using different cultural and linguistic repertoires. The paper discusses the importance of the presence of context in policy guidance that will be responsible to guide the curriculum of all schools from Brazil, recognizing that the  teaching of the English language is fundamental and it contributes to the students’ integral formation, an aspect  which is emphasized in BNCC.

Resumo

Este artigo propõe uma análise documental da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), especificamente na área de Língua Inglesa (LI), no Ensino Fundamental. O objetivo é relacionar as orientações sobre currículo de Inglês com o uso de tecnologias digitais na sala de aula ou fora dela. A escolha desse documento se justifica pelo fato de que atualmente a BNCC compõe a última orientação nacional para as escolas brasileiras sobre conteúdos e competências que devem estar em foco no Ensino Fundamental. A orientação é que as escolas tenham como referência os eixos norteadores constantes na Base e que garantam também conteúdos diversificados, de acordo com a realidade local. A escolha de LI como delimitação do estudo se deu pela mudança no parâmetro de texto da BNCC sobre a Língua Estrangeira, ou Língua Adicional. Os documentos anteriores facultavam às escolas a escolha da língua estrangeira a ser ensinada, porém a Base coloca o Inglês como língua obrigatória. O documento explica que a opção pela LI é por seu papel de língua de comunicação internacional, uma língua franca utilizada por falantes espalhados no mundo inteiro, com diferentes repertórios linguísticos e culturais. O texto discute a importância da presença do contexto na orientação normativa que guiará os currículos de todas as escolas do país, prevendo que o ensino da LI é fundamental e contribui para a formação integral do aluno, tão enfatizada em todo o documento.

Palavras-chave: Base Nacional Curricular Comum, Ensino de língua inglesa, Tecnologias digitais.

Key-words: Curriculum Common National Basis, English Language teaching, Digital technologies.

References

BAKHTIN, M./VOLOCHINOV, V. N. (1929). Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec, 1981.

BAKHTIN, M. (1953-54). Estética da criação verbal. Trad. Maria Emsantina Galvão G. Pereira. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1973.

BRASIL (SEF/MEC). Parâmetros Curriculares Nacionais – 1º e 2º Ciclos do Ensino Fundamental. Língua Portuguesa. Brasília, DF: SEF/MEC, 1997.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação. Lei nº 9.394/96, de 20 de dezembro de 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9394.htm. Acesso em: 29 set. 2018.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais – 3º e 4º Ciclos do Ensino Fundamental. Língua Portuguesa. Brasília, DF: SEF/MEC, 1998. 107 p.

BRASIL. 2017. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). MEC/CONSED/UNDIME. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br. Acesso em: 11 ago. 2017.

DOLZ, J.; SCHNEUWLY, B. (1996). Gêneros e progressão em expressão oral e escrita: elementos para reflexões sobre uma experiência francófona. In: SCHNEUWLY, B.; DOLZ, J. Gêneros orais e escritos na escola. Campinas/SP: Mercado de Letras, 2010. p. 41-70.

DOLZ, J.; SCHNEUWLY, B. (1998). O oral como texto: como construir um objeto de ensino. In: SCHNEUWLY, B.; DOLZ, J. et al. Gêneros orais e escritos na escola. Campinas: Mercado de Letras, 2010. p. 149-185.

FAVA, R. Educação 3.0: como ensinar estudantes com culturas tão diferentes. 2. ed. Cuiabá: Carlini e Caniato Editorial, 2012.

GOIS, A. "Pq jovens tc axim?" Folha de S. Paulo, São Paulo, 2005. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidian/ff2404200529.htm. Acesso em: 11 ago. 2017.

KENSKI, V. M. Educação e Tecnologias: o novo ritmo da informação. 8. ed. Campinas, SP: Papirus, 2012.

KOMESU, F.; TENANI, L. Considerações sobre o conceito de “internetês” nos estudos da Linguagem. Linguagem em (Dis)curso, Palhoça, SC, v. 9, n. 3, p. 621-643, set./dez. 2009.

KURTZ, F. D.; THIEL, K. C. N. TIC e ensino de línguas: o que dizem professores e alunos. In: MACHADO, G. J. C. (org.). Educação e ciberespaço: estudos, propostas e desafios. Aracaju: Virtus, 2010.

LIMA, M. F.; ZANLORENZI, C. M. P.; PINHEIRO, L. R. Currículo: conceituação do termo. In. ___. A função do currículo no contexto escolar. Curitiba: InterSaberes, 2012. p. 21-46.

MERCADO, E. L. O. Internetês na Escola: avanço, retrocesso ou diversidade da língua? In: MACHADO, G. J. C. (org.). Educação e ciberespaço: estudos, propostas e desafios. Aracaju: Virtus, 2010.

MOTTA, A. P. F. O letramento crítico no ensino/aprendizagem de língua inglesa sob a perspectiva docente. 2008. Disponível em: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/3794.pdf?PHPSESSID=2009051408162317. Acesso em: 26 set. 2018.

PRENSKY, M. Digital natives, digital immigrants. 2001. Disponível em: http://www.unifra.br/eventos/inletras2012/Trabalhos/4668.pdf. Acesso em: 29 set. 2018.

ROJO, R. H. R. Modos de transposição dos PCN às práticas de sala de aula: progressão curricular e projetos. In: ___. (Org.). A prática de linguagem em sala de aula: praticando os PCN. Campinas/SP: Mercado de Letras/EDUC, 2000. p. 27-40.

ROJO, R. H. R. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

SOARES, M. Letramento e Escolarização. In: RIBEIRO, Vera Masagão (Org.). Letramento no Brasil. São Paulo: Global, 2004.

THADEI, J. Pedagogia de Projetos, Interdisciplinaridade e Transversalidade: conceitos e práticas fundamentais ao currículo contemporâneo. In: BAPTISTA, A. M. H.; FUSARO, M. (org.). Educação, Interdisciplinaridade e Linguagens. São Paulo: BT Acadêmica, 2013. p. 121-145.

e3046047


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.14244/198271993046

____________

Propriedade Intelectual

Revista Eletrônica de Educação adota a licença Creative Commons BY-NC do tipo "Atribuição Não Comercial".

Essa licença permite, exceto onde está identificado, que o usuário final remixe, adapte e crie a partir do seu trabalho para fins não comerciais, sob a condição de atribuir o devido crédito e da forma especificada pelo autor ou licenciante.

Para mais informações, consultar: https://br.creativecommons.org/

____________

REVISTA ELETRÔNICA DE EDUCAÇÃO. São Carlos (SP): Universidade Federal de São Carlos, Programa de Pós-Graduação em Educação, 2007- . Publicação contínua. ISSN 1982-7199. Disponível em: http://www.reveduc.ufscar.br